Lia de Aguiar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Agosto de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lia de Aguiar
Nome completo Lia Borges de Aguiar
Nascimento 30 de abril de 1927
Taubaté, SP
Morte 8 de junho de 2000 (73 anos)
Piedade, SP
Ocupação Atriz
Atividade
  • 1944–1957
  • 1969–1983
  • 1994–2000
IMDb: (inglês)

Lia Borges de Aguiar, mais conhecida como Lia de Aguiar (Taubaté, 30 de abril de 1927Piedade, 8 de junho de 2000) foi uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Seu pai era funcionário público e sua mãe era uma "maravilhosa" dona de casa, segundo a própria. Quando mudou-se para a cidade de São Paulo, conheceu Sagramour de Scuvero, radialista jovem, que a ajudou a entrar na rádio e na televisão. Devido a amizade deste com Homero Silva, que dirigia e apresentava na Rádio Difusora de São Paulo o programa Clube do Papai Noel, Lia começou como cantora, passando a seguir para o ramo rádio-teatro.

Sagramour de Scuvero também organizou um programa, que se chamava Teatro de Brinquedo, onde eram montadas peças teatrais infantis, levadas ao rádio, porém feitas no palco com auditório. Inicialmente modesto, mas logo o CPP - Centro do Professorado Paulista, teve de aumentar o número de lugares para comportar mais de mil pessoas. Nesta época, encenou Branca de Neve, A gata borralheira e Joãozinho e Maria, entre tantos outros.

Sempre acompanhada pela mãe, foi contratada pelas Emissoras Tupi-Difusora de São Paulo ou Rádio Tupi. Começou a fazer os papéis de "ingênua", nas rádio-novelas. Seu primeiro grande papel foi em Quo-Vadis, com Otávio Gabus Mendes. A seguir, passou a trabalhar com Oduvaldo Viana e esteve em inúmeros rádio-teatros. Sua voz era considerada linda e sua dicção perfeita. São dessa época os sucessos Tempestade d'alma, A felicidade bate a sua porta e Pelos caminhos da vida.

Na televisão[editar | editar código-fonte]

Em 1950, a televisão chegou ao Brasil. Era o primeiro país da América do Sul e Lia esteve presente desde o primeiro dia.

Foi a primeira protagonista do programa Sua vida por um fio e participou da primeira telenovela brasileira Sua vida me pertence dirigida por Walter Forster e de outros programas como TV de Vanguarda, o principal programa de televisão na época. Nessa época, entre outros, atuou nos teleteatros A vaidosa, Esquina perigosa e E o vento levou. Atuou na peça de Henrik Ibsen Casa de Bonecas, ao lado de Guiomar Gonçalves, Suzi Arruda, Jaime Barcelos, Lima Duarte, Dionísio de Azevedo, Heitor de Andrade. Interpretou o papel principal, Nora Helmer[1].

Participou de telenovelas e foi apresentadora, a primeira da televisão brasileira. Apresentou o programa Encontro entre amigos, que ficou no ar por muitos anos, sempre no horário nobre.

Afastamentos e o retornos[editar | editar código-fonte]

Casou-se com Devanir Otaviano Corazza, teve dois filhos, Denise e Gilberto, com isso afastou-se da TV em 1957. Em 1969, após um período de doze anos de afastamento, voltou a fazer programas na TV Bandeirantes, em seguida na TV Record e no SBT. Em 1983 anunciou um segundo hiato dos trabalhos novamente para cuidar de problemas de saúde. Em 1994 retornou pela segunda vez. Algumas das peças de teatro em que participou foram Feitiço, no Teatro Popular do SESI e Você tem medo do ridículo, Clark Gable?. Faleceu em 2000, devido a uma parada cardíaca, em consequência de crise de asma.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1999 Chiquititas Condessa D'Egmont
1998 Pérola Negra Branca Pacheco de Oliveira
Fascinação Querubina Vidigal
1997 Os ossos do barão Lupércia
1996 A Última Semana D. Lurdes
1994 Éramos Seis Dona Marlene
1983 A Ponte do Amor
1982 A Força do Amor Julica
1981 Partidas Dobradas Ruth
1980 Dulcinéa vai à guerra Múrcia
1979 Dinheiro Vivo Isildinha
1978 O direito de nascer Consolação
1977 Éramos Seis Madre Superiora
1976 Tchan, a grande sacada Juanita Morales Baroni
Xeque-mate Carolina
1975 Ovelha Negra Cecília
Um dia, o Amor Débora
1974 A Barba Azul Ester
1973 Vidas Marcadas
Vendaval Marluce
1972 O leopardo Ester
Os fidalgos da casa mourisca
1971 Sol amarelo
Os deuses estão mortos Eulália
1970 As pupilas do senhor reitor Rosa
1969 Algemas de Ouro
Seu Único Pecado
1957 Coração Inquieto Carolina
1956 E o Vento levou Melanie Hamilton
1955 Engenho das Almas
Caminhos sem Fim Olívia
1954 Encruzilhada Marcela
1952 TV de Vanguarda Vários
1951 Sua Vida Me Pertence Eliana

No cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1949 Quase no céu[2]
1951 O comprador de fazendas dublando a voz do personagem Gilda [3]
1956 O Sobrado Maria Valéria
1975 O Sexo Mora ao Lado
1979 Dani, um cachorro muito vivo
1998 A Hora Mágica Glaura

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Troféu Roquette Pinto[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
1952 Melhor Atriz Lia de Aguiar Venceu

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. SILVA, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, seleção de textos críticos e Catálogo Bibliográfico. São Paulo: USP, 2007. p. 612
  2. Cinemateca Brasileira, Quase no Céu [em linha]
  3. Cinemateca Brasileira, O comprador de fazendas (1951) [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]