Pérola Negra (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pérola Negra
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Criador(es) Enrique Torres
(obra original)
Henrique Zambelli
(adaptação para o Brasil)
Crayton Sarzy
(supervisão de texto)
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Antonino Seabra
(direção geral)
Henrique Martins
Nilton Travesso
Elenco Patrícia de Sabrit
Dalton Vigh
Cibele Larrama
Martha Mellinger
Vanusa Spindler
Maximira Figueiredo
ver mais
Tema de abertura "Tudo por Nada" - RPM
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 9 de novembro de 199818 de junho de 1999
N.º de episódios 191 (original)
180 (primeira reprise)
205 (segunda reprise)
Cronologia
Último
Último
Fascinação
A Usurpadora
Próximo
Próximo
Programas relacionados Perla negra
Perla
Rosa diamante

Pérola Negra é uma telenovela brasileira que foi produzida e exibida pelo SBT entre 9 de novembro de 1998 e 18 de junho de 1999, substituindo Fascinação e antecedendo A Usurpadora,[1] às 20h, em 191 capítulos.[2]

Escrita por Henrique Zambelli, com a supervisão de texto de Crayton Sarzy, baseada no original de Enrique Torres, sendo um remake da telenovela argentina Perla negra. Foi dirigida por Henrique Martins, supervisão de Nilton Travesso e direção geral de Antonino Seabra.[2]

A trama apresenta Patrícia de Sabrit, Dalton Vigh, Vanusa Spindler , Martha Mellinger, Cibele Larrama e Maximira Figueiredo nos papéis principais.

Foi reapresentada pela primeira vez pelo SBT entre 9 de agosto de 2004 e 15 de abril de 2005, em 180 capítulos, substituindo Pícara Sonhadora e sendo substituída por Pequena Travessa. as 13:15 e transferida para as 14:15

Foi reapresentada pela segunda vez pelo SBT entre 12 de julho de 2010 e 26 de abril de 2011 em 205 capítulos, substituindo Cinema em Casa e sendo substituída por Amigas & Rivais. [3]

Está sendo reapresentada pela terceira vez desde 29 de junho de 2015 nas tardes do SBT, substituindo Maria Esperança. [4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1993, o SBT parou de comprar telenovelas da Televisa e começou a investir em folhetins brasileiros.[5] Logo, em 1994, Sílvio de Abreu e Rubens Ewald Filho adaptaram Éramos Seis de um romance homônimo de Maria José Dupré.[6] [7] [8] Esta superou a meta de 10 pontos,[9] alcançando índices satisfatórios e a premiação do Troféu Imprensa de melhor novela.[10] Após tal sucesso,[11] Lauro César Muniz escreveu As Pupilas do Senhor Reitor, baseando-se em um folhetim português.[12]

Portanto, Sangue do Meu Sangue foi escrita em 1995 por Paulo Figueiredo e Rita Buzzar em uma refilmagem da obra de Vicente Sesso.[13] [14] Desde então, a emissora fez parcerias com a Ronda Studios e a JPO Produções. Com a volta às compras de romances mexicanos, a direção de teledramaturgia do SBT decidiu fazer um teste: colocar ao ar três telenovelas brasileiras, simultaneamente, no horário nobre.[15] [16] As três telenovelas brasileiras foram Colégio Brasil, Antônio Alves, Taxista e Razão de Viver.

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 1997, o SBT começou a gravar três telenovelas novamente, Pérola Negra foi gravada juntamente com O Direito de Nascer, que foi ao ar apenas em 2001, e a pré-produção de Fera Selvagem, que não foi exibida. As produções tinham o intuito de reativar a teledramaturgia da emissora, interrompido em 1996, quando aconteceu o sucesso inesperado da mexicana María Mercedes,[17]

A pré-produção começou em maio de 1997, fazendo análises de custos, escolhas de locações e uma avaliação do perfil dos personagens para a escalação do elenco. Vanusa Sppindler e Alexandre Paternost, casados na vida real, devem ser convidados pelo diretor Nilton Travesso para formar o par central da novela.[18]

As gravações ocorreram entre agosto de 1997 e fevereiro de 1998. Cada capítulo de Pérola Negra custou R$ 30 mil reais.[19]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Uma mulher misteriosa abandona uma menina recém-nascida, fruto de uma paixão proibida, numa conceituada escola exclusiva para moças. Ela entrega a menina para Miss Helen, mantenedora da instituição. Juntamente com o bebê, a mulher entrega um preciosíssimo colar contendo 22 pérolas negras. Cada pérola pagará um ano em que a menina permanecer no internato, até que ela complete 21 anos. Uma das pérolas deverá ser entregue à moça assim que ela deixar o colégio. É também passada a informação de que se a instituição não quiser ficar com a bebê, é pára deixá-la junto com as pérolas numa delegacia de polícia.

Miss Hellen se compadece da recém nascida, mas precisa providenciar o registro de nascimento para que ela possa ser futuramente adotada e ter seu registo alterado pela nova família. Como não há nenhuma notícia da localização da família da menina, Miss Hellen tenta adotá-la como filha, mas os donos da instituição a proíbem disso. Pérola, então é registrada como Pérola Marques, filha de pais desconhecidos.

Pérola cresce solitária no orfanato, mesmo com o amor de Miss Hellen e de outros funcionários, Pérola acaba se perguntando quem serão seus pais biológicos e por quê a abandonaram recém nascida. Ela sempre teve a a esperança de ser adotada e de fato possuir um lar, mas nenhum casal interessou-se por ela, e ela sente-se triste, rejeitada, sem entende o por quê de tudo. Sua vida muda ao completar nove anos: Ela conhece uma menina recém chegada a instituição, de oito anos de idade, chamada Eva, e logo se tornam melhores amigas. Eva foi deixada no instituto após a morte de seus pais, por ordem da avó, Rosália Pacheco Oliveira. Eva é herdeira de uma fortuna e de uma indústria de cosméticos, e cresce sentindo-se desprezada por sua família verdadeira, e também tem a esperança de ser adotada, mas Eva e Pérola passam a ficar muito próximas, se amam como irmãs, e não querem mais se separar.

O que explica o abandono de Eva é a ganância por dinheiro e poder, a frieza de coração, a ambição desenfreada de uma mulher cruel: Rosália Pacheco Oliveira, avó paterna de Eva. Rosália sempre foi uma mulher arrogante e esnobe, muito materialista, dominadora e jamais aceitou que seu filho casasse com uma mulher pobre, que era a mãe de Eva. Apesar de ter feito de tudo para separa o filho de sua nora, o amor falou mais alto e eles se casaram e tiveram Eva. Com raiva, Rosália passou a infernizar a vida do marido, do filho e da nora, querendo o dinheiro só para si. Esta mulher má nunca gostou da mãe de Eva e sempre a odiou, e achava que Eva não fosse sua neta de verdade, e sim fruto de um golpe, já que sempre julgou a mãe de Eva de interesseira, só pelo fato da moça ser pobre. Com a morte do filho e da nora num acidente de carro, Rosália quis se desfazer do peso que era criar essa neta não desejada, e furiosa pela morte do filho, a humilha, e diz que preferia que ela tivesse morrido, do que seu filho. Sem piedade, Rosália a abandona no colégio interno, contra a vontade de seu marido, Carlos Pacheco Oliveira, que nunca perdoou a esposa por tê-lo traído e por ter abandonado a própria neta. Com ódio dela, Carlos ameaça se separar. Para continuar morando na mansão e desfrutar do dinheiro do marido, Rosália finge que ficou cega, e continua a humilhar a todos. Carlos paga o internato para sua neta, e se sente culpado por nunca ter tirado a menina de lá. Ele é o único parente que a visita uma vez por mês. Além dele, ninguém mais conhece Eva na casa, a não ser sua avó, mas que só a viu ainda criança e não faz ideia de como ela seja hoje, e não tem interesse em revê-la.

Onze anos se passam. Eva e Pérola cresceram juntas no colégio interno. Pérola já tem 20 anos, é uma jovem divertida e rebelde, e que causa travessuras engraçadas na instituição. Eva, com 19 anos, é uma jovem quieta e melancólica, traumatizada com a morte dos pais e as humilhações da avó, mas que encontra a alegria ao lado de sua amiga Pérola, que tem que enfrentar as broncas de Miss Hellen, que sempre a acusa de ser uma péssima companhia para Eva, já que Pérola é muito impulsiva, sai do internato para passear na cidade sem ordens, enfrenta as pessoas que a incomodam. O que a deixa triste é que logo vai ter que sair do colégio, pois só tem suas mensalidades paga até seus 21 anos. Eva é descendente de uma rica e tradicional família, e Miss Hellen preocupa-se pelo fato que a estada de Eva na instituição da destaque ao colégio interno e quer separar as duas, pois acha que a influência rebelde de Pérola pode desencaminhar Eva. Miss Hellen também teme que Eva saia do internato para passear pois recebeu uma carta dizendo que uma pessoa sempre estaria perto de Pérola, a vigiando, para saber se a instituição realmente toma conta da menina.

Eva se apaixona pela primeira vez na sua vida por Tomás Álvares Toledo, um rapaz rico e muito mulherengo, além de mimado, fútil e interesseiro, mas que no fundo tem bom coração. Tomás vai passar férias de trabalho no Interior de São Paulo, onde localiza-se o internato, e, ao passar próximo ao local, conhece Pérola, e tenta seduzi-la, mas ela o rejeita, mesmo tendo gostado dele. Ele passa a persegui-la, e com o tempo, eles passam a se encontrar e se beijar, mas Pérola passa a fugir dele, por ver que ele é apenas um conquistador barato, quer quer seduzi-la e usá-la com versos melosos. Pouco tempo depois, Tomás se interessa por Eva, e usa a mesma tática que fez com Pérola: Fala versos românticos e palavras de amor. Como é ingênua e mais romântica que Pérola, Eva se deixa seduzir. Ele fica mais interessado ao descobrir que ela nunca teve um um namorado na vida, portanto torna-se uma conquista especial para ele, que a seduz, querendo somente diversão, como fez com todas as outras, mas a faz promessas de fidelidade e casamento, para convencê-la a se entregar. Eva fica muito emocionada e feliz, e acredita nas promessas dele. Pérola a alerta, e diz que é melhor não levar a relação adiante, que ele só quer usá-la, mas Eva não a escuta, e diz que ela tem inveja de sua felicidade, pois nunca namorou ninguém, e quer tomar seu namorado. As duas brigam e param de se falar. Pérola fica revoltada com essa atitude da amiga, que só tem olhos para Tomás, que mentiu para ela, dizendo se chamar Adão. Apaixonada, Eva se entrega pela primeira vez na vida, e engravida. Ao descobrir a gestação, se desespera, e tenta se matar, mas não conta para ninguém que está esperando um filho. Pérola fica muito preocupada com a depressão da amiga, e vai tirar satisfações com Tomás, e bate na cara dele, o humilha, e diz que ele vai pagar caro por ter feito Eva de boba. Ele então a agarra e lhe rouba um beijo e diz que usou Eva, mas ficou triste por não ter usado Pérola também, que fica enjoada e horrorizada com este homem. Tomás abandona Eva, sem saber da gestação, a humilhando, dizendo que ela só foi mais uma aventura que ele teve. Eva entra em depressão e fica muito mal, arrependida de não ter dado ouvidos a melhor amiga. Pérola, sempre bondosa e generosa, a perdoa, e cuida dela, e promete se vingar do homem que destruiu os sonhos de sua melhor amiga. Carlos descobre a gravidez das neta por Pérola, e apesar de chocado, a apoia nesse momento difícil, e passa a mandar dinheiro para ela cuidar-se. Miss Hellen fica revoltada com o que houve com Eva e culpa Pérola, e as três brigam. Pérola descobre que miss Hellen tem um caso com Zacarias, o motorista, e a chantageia, dizendo que se ela contar para alguém que Eva está grávida, contará para todos que ela é amante do motorista. Sem saída, Miss Hellen aceita seu silêncio pelo dela, e a diretora mantém a gestação em sigilo absoluto, para não provocar um escândalo no colégio interno. Eva vai morar com um casal de fazendeiros, amigos da diretora, que cuidam muito bem dela, e Eva fica lá até dar à luz a um menino, e o batiza com nome de seu avô, Carlos. Pérola é muito altruísta, e abre mão de sua pérola negra, que vale uma fortuna, ao propor que Zacarias, o motorista, que ampare Eva, e registre o filho dela, em troca de sua joia. Interesseiro, ele aceita, e faz planos de riqueza com Miss Hellen. Eva fica feliz ao saber que seu filho não será bastardo, e volta a ter a alegria de antes ao lado de Pérola. Amigas inseparáveis, Pérola e Eva prometem, uma para a outra, cuidar do menino assim que deixarem o internato, quando Pérola completar 21 anos e tiver que sair de vez do internato. As duas selam um pacto de amizade, dizendo que vão criar juntas esse filho, e vão lhe dar todo amor do mundo. Pérola assiste o parto da amiga e fica muito emocionada. Pérola e Carlos batizam Carlinhos. Por se sentir sozinha e não conhecer nenhum parente, Pérola acaba considerando Eva e Carlinhos como sua família, e se considerando também mãe de Carlinhos. Eva volta para o internato e seu filho fica sendo criado por esses fazendeiros, que seu avô paga bem para as despesas do lar e os cuidados da criança, e Eva o visita todos os dias. Zacarias registra o menino, mas decide não aceitar a pérola negra, fingindo-se de bom moço para Pérola, mas planeja futuramente ter muito dinheiro, exigindo sua parte na herança por ser oficialmente pai do menino. Miss Hellen fica muito satisfeita.

O tempo vai passando. Carlos decide que deve se separar de Rosálio, e que sua neta deve morar com ele e Carlinhos na capital, e que Pérola deve ir junto. Ele prepara um bom futuro para o menino e decide empregar as duas na sua empresa. Eva resiste, pois não gosta da avó, e não quer morar na sua mansão, mas Carlos garante que elas nem chegarão se voltar a se ver e que eles viverão num luxuoso e confortável apartamento. Na capital, Carlos fica surpreso ao descobrir que o namorado de sua sobrinha neta Malvina é o mesmo homem que enganou Eva e o humilha na frente de todos. Nesta discussão, eles se agridem fisicamente e Carlos tem um ataque cardíaco e fica acamado. Após alguns dias, após discutir com Rosálio, Carlos tem um noivo infarto, desta vez fulminante.

Rapidamente Eva recebe a notícia da morte de seu avô e fica arrasada. Ela também descobre que ele deixou tudo para si, a fim de se vingar da família interesseira que o cerca. Pérola não tem para onde ir, e Eva decide levá-la junto, para ela trabalhar na empresa de seu avô. As duas se despedem de Miss Hellen. Carlinhos fica com o casal de fazendeiros até Eva se estabilizar financeiramente na Cidade de São Paulo e voltar para buscar o menino: A jovem está decidida a trabalhar na empresa do avô e assumir seus bens. pesar de tato entusiasmo, Pérola é intuitiva e está com medo de viajar, e teme que algo ruim ocorra. Eva pede para ela ser mais otimista. As duas se abraçam, e prometem que sempre estarão unidas, nessa vida ou além dela.

A viagem corria normalmente, mas um acidente de carro fatal durante o percurso até a casa dos Pacheco Oliveira tira a vida de Eva: Um caminhão aparece na frente, Pérola é jogada para fora do veículo, e Eva e o motorista ficam presos as ferragens, e o carro cai num barranco e explode. Pérola, já caída e ensaguentada, vê tudo de longe e se desespera, e desmaia. Pérola fica machucada e inconsciente, mas sobrevive, e acorda no hospital, ficando muito assustada e desesperada com a morte da amiga. Ela fica aliviada por Carlinhos estar bem. No hospital, a confundem com Eva, e a enfermeira diz que quem morreu foi Pérola: Os documentos de Eva foram parar na bolsa de Pérola, e seus documentos estavam junto de Eva, sem uma explicação lógica para o que pudesse ter ocorrido, e Pérola começa a char que é um plano do destino para mudar sua vida. Assim, logo confirmaram ser ela Eva Pacheco Oliveira. Pérola fica muito abalada, tenta se explicar, mas a enfermeira acha que ela esta confusa devido ao acidente, e lhe dá sedativos. Pérola fica pensativa, e algo dentro ela diz para não deixar essa chance escapar. muito emocionada, acaba cumprindo a promessa que fez a melhor amiga, e ela decide falar que é Eva, e que é a mãe do menino. Eva, então, é enterrada como se fosse Pérola. Agora morando com os Pacheco Oliveira e sob a identidade de Eva, Pérola se depara com a maldade de pessoas como Malvina, namorada de Tomás, o rapaz que seduziu e engravidou Eva, e que fica encantado ao vê-la, pois não a reconheceu. Pérola também lida com o ódio mortal de Rosália, que diz odiar a neta e que irá desprezá-la com todas as suas forças, e que fará um inferno em sua vida. Assustada e muito preocupada, ela se isola de todos, mas decide agir, e, cansada das humilhações e maldades de Rosálio e Malvina, Pérola está determinada a cuidar da firma de cosméticos da família, para garantir a segurança financeira de Carlinhos, por quem realmente desenvolve um amor maternal: Ela volta ao Interior Paulista e pega o menino. Todos ficam recoltados na casa aos aber que ela tem u filho. Rosálio a chama de perdida, de mãe solteira, mulher sem moral, e as duas discutem muito. Ninguém aceita aquela criança na casa, por ser mais um herdeiro da família, mas inexplicavelmente Tomás se afeiçoa a criança, mas Pérola, isto é, Eva, o trata mal, o humilha e o impede de ver o bebê.

Os Pacheco Oliveira e os Álvares Toledo se odeiam há muitos anos. No passado, Carlos Pacheco Oliveira, avô de Eva, deu um golpe em um negócio e fez com que Fernando Álvares Toledo se matasse. Ele deixou dos filhos: Fernando Júnior e Tomás, que prometem se vingar Carlos limpando a honra da memória do pai deles. Para isso, Tomás se envolve com Malvina, usando a jovem, pois está interessado em tomar o controle da empresa de Carlos Pacheco Oliveira, tio avô de Malvina, que é obcecada de ciúmes por Tomás e enfrenta a família para estarem juntos. Mesmo sabendo que seu pai se matou por um golpe de Carlos, Tomás quer vingança e dirigir os negócios dos Pacheco Oliveira.

Pérola, se fingindo de Eva, tem que conviver com as intrigas e a rivalidade das duas famílias e até mesmo na sua própria família, que quer lhe arrancar a fortuna, já que Rosálio se une a Malvina para impedirem que a presidência caia nas mãos de Eva. Quando Tomás se aproxima de Pérola, isto é, Eva, é puramente por interesse, querendo a presidência da empresa de cosméticos. Tomás não lembra-se do rosto de Eva nem de Pérola, já que as viu há mais de um ano e conviveu poucos comentos com as duas, então não faz ideia de que Pérola está se passando pro Eva. Malvina e Pérola, ou melhor, Eva, se tornam inimigas mortais disputando o amor de Tomás, que chega a abandonar Malvina no altar, ao se ver apaixonado por Pérola, e que não adiantaria casar por interesse, pois seu grande amor é Pérola, e também por Pérola ter ligado para ele no momento da cerimônia, pedindo para ele não casar pois o ama demais. No começo, Pérola logo percebeu estar sendo vítima de um golpe de Tomás, que quer seu dinheiro, e termina o romance, e os dois passam a viver brigando, até que passam a viver uma paixão escondida de todos, até ele conseguir provar que a ama sem maiores interesses, porém ela sofre demais até aceitar que é completamente apaixonada pelo homem que destruiu a felicidade de sua melhor amiga. Pérola também se sente culpada por estar apaixonada por um homem que era o grande amor de Eva.

Tomás não compreende como Pérola resiste aos seus encantos, ele percebe nela um ódio muito grande e um amor intenso, e não sabe o que fez de mau a ela para haver tantas brigas. Nasce no coração de Tomás uma verdadeira paixão, e pela primeira vez ele se vê realmente apaixonado por uma mulher, e não somente interessado no corpo. Malvina passa a ter uma inveja e um ciúme doentios de Pérola, e tenta destruí-la dia-a-dia, coma acusações e intrigas, tanto na mansão como na empresa. Pérola dá a volta por cima, e passa a brigar por dinheiro e poder contra Tomás, que quer ser o presidente da empresa. Eva, na verdade Pérola, consegue se tornar presidente e se vinga de Tomás, o fazendo perder muito dinheiro. Enquanto isto,e la tenta sufocar seu amor por Tomás, esconder dele e de todos sua verdadeira história e ainda sofrer nas mãos da impiedosa Rosálio, que a cada dia é mais cruel a humilhando. Sem moral, Malvina acaba armando diversos golpes para derrubar Eva (Pérola).

Com o tempo passando, Tomás vai ligando os fatos, e a situação piora quando Tomás descobre que Pérola era aquela jovem brigona do internato que ele beijou, e que Carlinhos é seu filho com Eva, e que ela morreu no acidente de carro, o que o faz se enfurecer contra Pérola, por ter escondido algo tão forte como o fato dele ser pai, e, muito arrasado, a destrata e diz que se vingará dela, mas não tem coragem de faze-la mal. Ele acaba confiando em Malvina, se abre para a megera, que destrói Pérola, e acaba por desmascará-la para a família, revelando sua real identidade. Pérola se desespera, e Tomás, influenciado por Malvina, decide entrar na justiça para ter a guarda do menino, o que complica a situação de Pérola, acusada de uso de falsa identidade, pois ela se passou por Eva e assumiu a presidência da empresa de cosméticos, assinando documentações como se fosse Eva, o que a leva a responder na justiça. Isto é motivo de comemoração para Malvina, que quer ver o caminho livre para reconquistar Tomás. Em um certo momento, Malvina tenta assassinar Pérola, para tomar seu lugar na presidência, mas Pérola escapa ilesa.

Após tantas desavenças, desencontros e culpas, Pérola consegue se conectar com sua essência ao descobrir suas origens: Pérola descobre que a família de Eva esconde diversos segredos, que esclarecem o seu próprio passado. Entre eles, ela descobre que Rosália, a avó maquiavélica de Eva, é sua própria mãe!

Há muitos anos, Rosália, casada com Carlos, e morando com seu único filho e sua nora, formavam uma família rica e tradicional, embora houvessem brigas constantes entre eles por conta de dinheiro e poder, a família mantinha a pose de exemplo da sociedade, mas Rosália sempre traiu o marido com diversos homens. Rosália, porem, tem um amante fixo, seu motorista, um homem bem mais jovem que ela, que também é seu capanga e executor de seus planos diabólicos. Por descuido, Rosália acaba engravidando dele. Este homem sabe que a criança é dele, e passa a chantagear Rosália, querendo muito dinheiro para não falar para Carlos que ele é traído, já que tem provas contra ela, pois tem roupas íntimas de Rosália guardadas com ele, e era só mostrar suas lingeries para Carlos para ela ser desmascarada. Furiosa e não suportando ser ameaçada, Rosália manda matá-lo.

Amargurada e rancorosa, Rosália passa a odiar esta criança que vai nascer, pois ela atrapalhará todos os seus planos de ser herdeira do marido. Carlos Pacheco Oliveira não pode mais ser pai, por ter feito uma vasectomia assim que o primeiro filho nasceu, pois só desejava ser pai de um único filho homem e que sucedesse ele na empresa. Rosália, sempre impiedosa, não teve como abortar a gestação, apesar de ter tentado, mas não conseguiu, por já tê-la descoberto em estado avançado e por já ter mais de quarenta anos. Sem alternativas, ela confessa tudo ao marido, mas o ameaça: Se ele abandoná-la e não ajudá-la a se desfazer da criança, o colocará na cadeia, pois tem prova de seus crimes de desvio e lavagem de dinheiro.

Carlos paga ao médico para que não conte a ninguém que fez o parto. Rosália coloca a criança em um cesto e, mesmo detestando sua nora, paga a mulher para que leve o bebê até um colégio interno e a deixe lá. Um ano depois de tudo isso, nasceu Eva, a neta de Rosália, que ela jamais a aceitou, por a bebê ser mais uma herdeira e afazer constantemente lembrar-se de sua filha abandonada, o que causa muita raiva e rancor. Rosália é egoísta e não quer dividir sua fortuna, não aceitando Eva, e passa a acusar sua nora de golpista, interesseira, de ter dado o golpe da barriga. De tanto infernizá-los, seu filho e sua nora se mudam com a criança, o que acaba causando diversas brigas entre ela e o marido, que passa a odiá-la, por ela ser muito cruel e arrogante.

Alguns anos depois, disposta a acabar com tudo, Rosália manda sabotar o carro da nora, onde ela estaria com Eva, mas o que Rosália não esperava era que seu filho iria encontrá-las depois, e assim, eles morrem num acidente de carro, mas Eva consegue sobreviver. Rosália se desespera com a morte do filho, e passa a odiar a neta por ela ter sobrevivido, e diz que ela deveria ter morrido com a mãe, no lugar do seu filho. Inescrupulosa e maquiavélica, Rosália abandona sua neta, Eva, e sem perceber, na mesma instituição de ensino que mandou abandonar Pérola. Não suportando mais essa maldade da esposa, Carlos diz que irá se separar, mas Rosália, para continuar casada, paga um médico que atesta sua cegueira devido a complicações de diabetes, falsa doença que afirma ser a causa de seu problema. Sem ter coragem de se separar de sua esposa inválida, Carlos continua a relação, mas somente aparente, pois não mantém mais com ela uma relação de casamento. Após a morte do marido, a família descobre, algum tempo depois, que ela mentiu esse tempo todo e que sempre enxergou, o que fazem descobrir sua verdadeira personalidade.

Pérola fica muito chocada com toda essa história, e é rejeitada por Rosália, que diz odiá-la, e que nunca amou essa filha que teve. Isso faz Pérola sofrer demais, mas supera isto com o amor que sente por Tomás e o amor maternal por Carlinhos. Apesar de tudo, Pérola fica muitíssimo feliz ao descobrir que é tia de Eva! Embora quase fossem da mesma idade, Eva sempre respeitou Pérola e acatou seus conselhos, quando achava que ela estava certa. Pérola tinha um jeito maternal para cuidar de Eva, sem saber dos laços familiares que a uniam, além dos laços afetivos.

Com o tempo, Rosália se arrepende e implora perdão para Pérola, e passa a chamá-la de filha. Rosália, então conta que se fingiu de cega não só para manter seu casamento pela piedade do marido, mas para guardar para sempre a imagem de Pérola recém nascida, e que por isso, quis fechar os olhos pára o mundo e só se lembrar dela, e quis se punir por ter cometido esse ato. Pérola fica muito emocionada, diz que não tem nada a perdoar, mas a chama de mãe e a abraça. Rosália, então, revela que sempre soube que ela não era Eva, pois quando Pérola chegou a casa, beijou Rosália no rosto, e Eva odiava sua avó, e jamais faria isso. Rosália se arrepende e confessa que queria voltar no tempo, e pedir perdão pela humilhações e maldades feitas contra sua neta Eva. Com o tempo, Rosália vai pagando por seus pecados e em depressão, acaba definhando aos poucos, sofrendo de arrependimentos. Ela morre num ataque cardíaco e Pérola se desespera e chora, e lhe pede perdão por não ter dado amor a ela, e nem o perdão que ela pedira em vida.

O espírito de Eva, vindo de um lugar bom e cheio de luz, aparece ajudando Pérola nos momentos em que ela mais precisa, a aconselhando, tentando uni-la a Tomás e fazê-la perdoar os que lhe fizeram mal um dia. Como possuem uma forte conexão, Pérola sonha com ela sempre e pode senti-la ainda viva, e sempre que isso ocorre, chora de emoção, ao perceber que está cumprindo corretamente sua missão ao cuidar de Carlinhos como mãe, como a promessa que um dia ela fez

Malvina e outros membros da família, como seu pai, acabam pagando por seus crimes atrás das grades. Tomás se regenera, amadurece como homem, se torna responsável, e ambos, pérola e Tomás, se perdoam por tantos conflitos e desencontros. Ele pede Pérola em casamento e Pérola se emociona e passa a ter certeza que ele a ama, dizendo confiar nele totalmente. Eles se unem numa linda cerimônia na igreja, e juntos, eles criam Carlinhos, e mais tarde formam sua própria família, sempre com as bênçãos de Eva, e se tornam muito felizes.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Exibição[editar | editar código-fonte]

Assim como aconteceu com O Direito de Nascer, Pérola Negra foi apresentada já inteiramente pronta, prevista para estrear em setembro de 1997,[20] ou na segunda quinzena de outubro de 1997,[21] em ambas as datas, para substituir Os Ossos do Barão. Também foi cogitada para março de 1998.[22] [22]

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1998, pela primeira vez como exportadora, o SBT participou do Natpe em Nova Orleães, a principal feira de televisão do continente americano, dividindo uma estande com a Telefe, emissora argentina que produziu a versão argentina Perla negra, foram oferecidas 11 novelas, sendo duas inéditas no próprio Brasil, Pérola Negra (Black Pearl, em inglês, e Perla Negra, em espanhol) e O Direito de Nascer (The Right to Be Born/El Derecho de Nacer).[22]

Em Portugal, Pérola Negra foi exibida pela TVI.[23]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Patrícia de Sabrit interpretou a protagonista Pérola.
Dalton Vigh interpretou o protagonista Tomás.
Ator Personagem
Patrícia de Sabrit Pérola Marques Pacheco Oliveira Weinstein / "falsa" Eva Pacheco Oliveira / Patrícia
Dalton Vigh Tomás Álvares Toledo
Maximira Figueiredo Rosália Pacheco Oliveira
Martha Mellinger Miss Helen Clinton (Neusa Helena Montefiori)
Cibele Larrama Malvina Isabel Pacheco Oliveira Baggio
Vanusa Spindler Eva Pacheco Oliveira
Manitou Felipe Augusto Perez
Lia de Aguiar Branca Pacheco Oliveira Baggio
Luiz Carlos de Moraes Fernando Álvares Toledo
Ângela Dip Ivone
Renato Modesto Fernando Álvares Toledo Júnior
Ana Paula Aquino Beth
Blota Filho Zacarias Gomes
Mariana Dubois Lucila Álvares Toledo
Jorge Cerruti Alan
Marcela Leal Ana Maria Rodrigues Pacheco Oliveira
Tadeu Menezes Dante Andrade Xavier
Luiz Baccelli Dr. Benjamin Weinstein
Beto Bittencourt Elias Pacheco Oliveira Baggio
Teresa Morrone Kátia
Karina Cataldo Teresa
Rildo Gonçalves Carlos Pacheco Oliveira
Cléo Ventura Renata Álvares Toledo
Fábio Cardoso Laureano Pacheco Oliveira Baggio
Giovanne C.Paravela Carlos "Carlinhos" Pacheco Oliveira Álvares Toledo (Carlos Tomás Gomes)

Elenco de apoio[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Maria Fernanda Cândido Manuela Ferreira Campos
Marcos Mello Matias Weinstein
Maristane Dresch Maria Luíza Malu
Josmar Martins Guido Terzana
Homero Kossac Horácio Camargo
Roney Facchini Leon Weinstein
Cynthia Benini Sônia
Rosa de Mendonça Bruna
André Garolli Leonardo Bastos
Oswaldo Campozana Participação
Ana Cláudia Vidal Participação
Mário Bastos Participação
Lu Grimaldi Participação
Rogério Limonta Participação
Fernando Rancoleta Participação

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Capa: Patrícia de Sabrit

  1. "Tudo Por Nada" - RPM
  2. "Evidências" - José Augusto e Roberta Miranda
  3. "Me Liga" - Patrícia Marx
  4. "Tudo é Fantasia" - Cabeça de Nego
  5. "Abrázame" - Simone, Rafael Basurto & Trio Los Panchos
  6. "My Heart Can't Tell You No" - Rod Stewart
  7. "Just My Imagination" - The Temptations
  8. "Cadê Você" - Yara Figueiredo
  9. "Pérola Negra" - Luíz Melodia
  10. "Fragile" - Leo Gandelman
  11. "Brigas" - Gal Costa

Lançamento e repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Na exibição inédita, Pérola Negra tinha médias de audiência entre 16 e 19 pontos no Ibope. Cada ponto equivale a 60 mil telespectadores na Grande São Paulo.[1] Na primeira reprise, chegou a ficar mais de uma vez em primeiro lugar, e empatando com a Rede Globo, que no horário reapresentava Terra Nostra, e depois Deus nos Acuda, no Vale a Pena Ver de Novo.[17] Sua média foi de 16 pontos.

Na segunda reprise, junto com Esmeralda, aumentaram em 50% a média vespertina do SBT, que com o Cinema em Casa ficava em 4 pontos, que agora chega a 6 pontos.[24]

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Thiago Stivaletti (20 de junho de 1999). Mexicana substitui "Pérola" no SBT Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.
  2. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas tele
  3. Patricia Teixeira (1 de julho de 2010). SBT reprisa novelas Pérola Negra, Esmeralda e Canavial de Paixões O Fuxico. Visitado em 5 de junho de 2015.
  4. Gabriel Vaquer (25 de maio de 2015). SBT anuncia nova reprise de "Pérola Negra" em suas tardes Na Telinha. Visitado em 27 de maio de 2015.
  5. Santos Reis, Arthur. (24 de dezembro de 2013). "O fim do ciclo mexicano". Jornal do Brasil. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  6. Schwartsman, Annette. (28 de novembro de 1993). "Osmar Prado vira Hitler e assina contrato com SBT". Folha de S. Paulo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  7. Blecher, Nelson. (13 de dezembro de 1993). "Vice-líder, SBT parte para a produção de novelas". Folha de S. Paulo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  8. Tavares, Helena. (4 de dezembro de 1993). "Novela da Tupi é a novidade do SBT". Jornal do Brasil. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  9. Apolinário, Sônia. (20 de fevereiro de 1994). "Investimento visa a dez pontos de audiência". O Globo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  10. (6 de dezembro de 1994) "Novela supera expectativa de audiência". Folha de S. Paulo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  11. Martino, Telmo. (7 de dezembro de 1994). "O paraíso do anonimato recuperado". O Globo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  12. Antenore, Armando. (15 de junho de 1994). "Romance português substitui Éramos Seis". Jornal do Brasil. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  13. Scalzo, Mariana. (9 de julho de 1993). "Conheça os personagens". Folha de S. Paulo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  14. Magalhães, Simone. (11 de janeiro de 1995). "Vicente Sesso prepara remakes de duas novelas". O Globo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  15. Corrêa, Elena. (19 de de novembro de 1995). "Melodrama em segunda vinda". O Globo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  16. (5 de maio de 1996) "Três novelas estreiam amanhã no SBT". O Globo. Visitado em 26 de dezembro de 2013.
  17. a b Pérola Negra Teledramaturgia. Visitado em 4 de maio de 2014.
  18. Cristina Padiglione (21 de maio de 1997). SBT toca a produção da argentina 'Pérola Negra' Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.
  19. Daniel Castro (8 de novembro de 1998). SBT tira 'Pérola Negra' da gaveta Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.
  20. Daniel Castro (13 de julho de 1997). SBT começa a gravar 'Pérola Negra' Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.
  21. Cristina Padiglione (3 de julho de 1998). SBT começa a gravar 'Pérola Negra' Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.
  22. a b c SBT comercializa novelas inéditas Folha de São Paulo UOL (25 de janeiro de 1998). Visitado em 4 de maio de 2014.
  23. Ivan Finotti (2000). Novelas derrubam humor de Portugal (em português) Folha Online. Visitado em 6 de janeiro de 2012.
  24. Audrey Furlaneto (22 de julho de 2010). SBT troca filmes por novelas e melhora audiência em 50% Folha de São Paulo UOL. Visitado em 4 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]