Litecoin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logotipo de Litecoin

Litecoin (símbolo: Ł; abrev: LTC) é uma criptomoeda sustentada por uma rede peer-to-peer e um projeto de software livre lançado sob a licença MIT.[1] Inspirada e quase tecnicamente semelhante a Bitcoin (BTC).[2] A criação e transferência de Litecoin está baseada num protocolo de criptografia de código aberto e não é gerida por uma autoridade central.[3] Os desenvolvedores de Litecoin pretendem tentar melhorar Bitcoin [4] e oferecem três diferenças fundamentais.[5] [6]

Em primeiro lugar, a rede Litecoin processa um bloco cada 2,5 minutos, em vez de cada 10 minutos.

Segundo, a rede Litecoin irá produzir 84 milhões de litecoins, o que representa quatro vezes mais unidades do que a rede Bitcoin.

Por último, Litecoin utiliza a função scrypt no seu algoritmo de provas de trabalho: uma função sequencial de memória rígida que foi pensada inicialmente por Colin Percival.[7] Esta função tem como objetivo prevenir que a mineração em GPU, FPGA e ASIC tenha uma vantagem significativa sobre a mineração com CPU, embora atualmente a mineração em GPU seja 10 vezes mais eficiente do que a mineração em CPU. Cada litecoin é subdivisível em 100.000.000 unidades menores, definidas por oito casas decimais.

Transações[editar | editar código-fonte]

As transações, saldos, e emissões são geridas por uma rede peer-to-peer muito semelhante à de Bitcoin através de scrypt e seu esquema de provas de trabalho (as Litecoins são emitidas quando é encontrado um valor hash suficientemente pequeno, neste ponto é criado um bloco, o processo de criação dos blocos é chamado de mineração).[8] [9] A taxa de emissão forma uma série geométrica, e esta taxa divide-se em dois a cada 4 anos (cada 840.000 blocos) atingindo um total de 84 milhões de LTC. A natureza intensiva da memória scrypt significa que Litecoin é mais adequada do que Bitcoin, para a mineração em GPU. As implementações FPGA e ASIC são mais custosas para criar scrypt do que para SHA 1 como o usado por Bitcoin.[10]

Presentemente, as Litecoins são comercializadas para ambas as moedas fiduciárias e as bitcoins, geralmente nas transações online. As transações reversíveis (bem como as realizadas com cartão de crédito) não são utilizadas normalmente para comprar Litecoins, pois as transações com Litecoin são irreversíveis, portanto, existe o perigo de estorno.[11] [12] A partir de 28 de abril de 2013, 1 LTC vale aproximadamente 4,11 USD ou 0,032 BTC.[12] [13] Isto faz com que Litecoin seja a segunda maior criptomoeda pela capitalização de mercado com um limite de 70.000.000 USD. [14] [15] [16]

História[editar | editar código-fonte]

Litecoin foi lançada através de um cliente de código aberto em Github no dia 7 de outubro de 2011. Foi uma confluência do cliente Bitcoin-Qt, diferenciando-se apenas por ter um tempo modificado de geração de blocos, um algoritmo de hash diverso, e um GUI ligeiramente alterado.[17] A versão atual deste cliente (a partir de 19 de abril 2013) é a v0.6.3c.[18]

Foram lançados clientes alternativos, incluindo um cliente não oficial Android,[19] bem como um cliente oficial Electrum.[20]

A maior bolsa de Bitcoin, Mt.Gox, anunciou em 25 abril de 2013 que a comercialização de Litecoin foi demorada devido aos ataques dos DDoS no seu sítio web. [21]

De modo recente, Litecoin foi anunciada nas notícias como uma alternativa de Bitcoin.[22]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Os desenvolvedores de Litecoin tem um novo lançamento em processo, a versão 0.8.1, que ajudará na modernização e melhora da rede. Esta importante atualização incluirá todas as melhoras realizadas no recente lançamento de 0.8.1 Bitcoin.

Mercados Principais[editar | editar código-fonte]

  • 'Atlantis' (atlantisrky4es5q.onion via Tor), o segundo maior mercado livre utiliza Litecoin e Bitcoin para realizar pagamentos entre os compradores e vendedores.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Litecoin.org Litecoin.org, abril de 2013 Litecoin.org. Visitado em 24 de abril de 2013.
  2. (13 de abril de 2013). Mining digital gold. The Economist. Jornal "The Economist". Página visitada em 27 de abril de 2013.
  3. Satoshi, Nakamoto. Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System (em inglés). Visitado em 24 de abril de 2013.
  4. Simonite, Tom. Bitcoin Isn’t the Only Cryptocurrency in Town. Visitado em 24 de abril de 2013.
  5. Powers, Shawn. Cryptocurrency: Your Total Cost Is 01001010010 Linux Journal, Março de 2012 Linux Journal. Visitado em 21 de outubro de 2012.
  6. BATR. Bitcoins Risk Reward. Visitado em 24 de abril de 2013.
  7. Percival, Colin. Stronger Key Derivation Via Sequential Memory-Hard Functions. Visitado em 24 de abril de 2013.
  8. (21 de outubro de 2012). Litecoin Miner Status. FishGuy876's Blog. Página consultada em 27 de abril de 2013.
  9. (21 de outubro de 2012). Using scrypt for user authentication. Página consultada em 27 de abril de 2013.
  10. Coventry, Alex. Nooshare MIT. Visitado em 21 de outubro de 2012. "These hash functions can be tuned to require rapid access a very large memory space, making them particularly hard to optimize to specialized massively parallel hardware."
  11. (21 de outubro de 2012). Comparison of online payment methods. Blockchain. Página consultada em 27 de abril de 2013.
  12. a b LTC/USD BTC-E. Visitado em 25 de abril de 2013.
  13. BTC/LTC Vircurex. Visitado em 15 de abril de 2013.
  14. (15 de abril de 2013). Bitcoin Isn't the Only Cryptocurrency in Town. MIT Technology Review.
  15. Cryptocoin Mining Information
  16. BTC-E | Bitcoin Exchange, Namecoin Exchange, Litecoin Exchange, BTC Exchange
  17. Search Results: Litecoin Abe Search. Visitado em 20 de outubro de 2012.
  18. litecoin-project: litecoin: Download Packages. 21 de outubro de 2012.
  19. Litecoin Wallet on Google Play store
  20. electrum-client-litecoin. 21 de outubro de 2012.
  21. Dan Goodin. Potent DDoS attacks on Mt. Gox delay rollout of new virtual currency Ars Technica. Visitado em 27 de abril de 2013.
  22. (13 de abril de 2013). Mining digital gold. The Economist.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]