Diem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Diem
Dados
Usado 2021 (planejado)
Inflação
Sub-Unidade

Símbolo
Plural Não disponível
Moedas Não disponível
Notas Não disponível
Banco central Não disponível
Fabricante Diem Association
www.diem.com

Diem (anteriormente conhecida como Libra)[1][2] é uma criptomoeda baseada em blockchain autenticado proposta pela empresa de mídias sociais Meta, Inc.. O projeto será administrado e criptograficamente confiado pela Associação Diem. A ideia do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, é "simplificar o mais possível as transações financeiras para todas as pessoas do mundo, onde quer que vivam, tenham ou não uma conta bancária".[3] O lançamento está planejado para 2020.[4][5]

Até o presente momento não foram constatadas a existência da moeda ou da rede, somente códigos experimentais e rudimentares foram publicados[6].

História[editar | editar código-fonte]

No dia 4 de janeiro de 2018, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez uma postagem no seu perfil, demonstrando o interesse da companhia em aprofundar os seus estudos sobre os aspectos positivos e negativos das criptomoedas.

Em maio de 2018, o vice-presidente do Facebook e ex-presidente do PayPal, David Marcus, saiu da Facebook Messenger para entrar na nova divisão de blockchain, primeiras matérias sobre o planejamento de uma criptomoeda foram divulgadas[7][8].

No mês de fevereiro de 2019, já havia mais de 50 engenheiros trabalhando no projeto.[9]

A confirmação de que o Facebook teria a intenção de criar uma nova criptomoeda, na época chamada de GlobalCoin" ou "Facebook Coin", surgiu em abril de 2019[10].

A moeda foi formalmente anunciada em 18 de junho de 2019[5][11], e sua primeira versão deve ser lançada em 2020[3][5].

Em 15 de julho de 2019, o Facebook anunciou a moeda não será lançada até que todas as preocupações regulatórias tenham sido cumpridas e apropriadamente aprovadas.[12]

Características[editar | editar código-fonte]

O plano é que a Diem seja lastreada por ativos financeiros como cesta de moedas,[13] e títulos do governo do Tesouro dos EUA para evitar a volatilidade[14].

Ao contrário de criptomoedas como Bitcoin ou Ethereum que usam blockchains "sem autenticação" (qualquer usuário pode participar do processo de mineração), a blockchain da Diem será operada por uma rede de nós validadores supervisionada pelos membros fundadores da Associação Diem (blockchain autenticado) em que cada membro será responsável pela execução de um 'nó' (computador dedicado a fazer validações das transações já validadas). O que demanda confiança na associação Diem como se fosse um "banco central"[15]. Junto do crescimento da rede e o aumento de sua autossuficiência, a Associação Diem trabalhará na transição gradual para um modo de operação sem autenticações.[16]

Associação Diem[editar | editar código-fonte]

A Associação Diem foi fundada por 28 membros e foi sediada em Genebra, Suíça.[17]. Alguns dos parceiros têm o objetivo de fazer transações financeiras diárias, como pagar contas, fazer compras e utilizar o transporte público. Os membros são separados em 6 grandes grupos:

  • Pagamentos: Mastercard, PayPal, PayU, Stripe e Visa.
  • Tecnologia e Mercados: Booking Holdings, eBay, A subsidiária do Facebook Novi, Farfetch, Lyft, MercadoPago, Spotify e Uber
  • Telecomunicações: Iliad e Vodafone
  • Blockchain: Anchorage, Bison Trails, Coinbase e Xapo
  • Capital de risco : Andreessen Horowitz, Breakthrough Initiatives, Ribbit Capital, Thrive Capital, Union Square Ventures
  • Organizações sem fins lucrativos, multilaterais e instituições acadêmicas: Creative Destruction Lab, Kiva, Mercy Corps e Women's World Banking

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Logo quando surgiram rumores sobre o lançamento da Diem, o mercado de criptomoedas se agitou, ajudando o bitcoin a superar a marca dos US$ 11 mil[18], além de fazer as ações do Facebook subirem.[17]

Mas a criptomoeda já possui críticas[19][20] e opositores como o Banco Central da França.[21] e autoridades da União Europeia.[22][23]

Críticas regulatórias dos Estados Unidos.[editar | editar código-fonte]

Reguladores e políticos dos estados unidos expressaram suas preocupações em meados de 2019. Maxine Waters, presidente do Comitê de Serviços Financeiros dos Estados Unidos pediu ao Facebook para suspender o desenvolvimento e o lançamento da Diem, citando uma lista de escândalos recentes e que "o mercado de criptomoedas atualmente carece de um claro marco regulatório".[24] O comitê também enviou uma carta ao Facebook pedindo que a companhia pare o desenvolvimento da Diem, apontando preocupações com a privacidade, a segurança nacional, trocas e políticas monetárias.[25]

Jerome Powell, presidente da Reserva Federal, testificou perante o congresso no dia 10 de julho que o Fed tinha "preocupações sérias" de como a Diem iria lidar com "lavagem de dinheiro, proteção ao consumidor e estabilidade financeira"[26]

O presidente Donald Trump twittou no dia 12 de julho que: "Se o Facebook e outras empresas querem se tornar um banco, eles devem buscar uma nova carta bancária e estar sujeito a todas as regulamentações de bancos"[27].

Críticas regulatórias internacionais[editar | editar código-fonte]

O ministro de finanças da França, Bruno Le Maire, falou à rádio francesa Europe 1 que a Diem não poderia ser permitida a se tornar uma moeda soberana. Ele avisou ao parlamento francês sobre preocupações dele sobre a Diem como privacidade, lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo. Ele pediu aos governadores dos bancos centrais do Grupo dos Sete que preparem um relatório sobre os planos do Facebook.[21]

O presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, disse que há necessidade de manter uma "mente aberta" sobre novas tecnologias para transferências de dinheiro, mas "qualquer coisa que funcione neste mundo se tornará instantaneamente sistêmica e terá que estar sujeita aos mais altos padrões de regulamentação".[21]

Membro do Parlamento Europeu da Alemanha, Markus Ferber, avisou que o Facebook pode se tornar um sistema bancário sombra.[21]

O governo do Japão já começou o processo de invertigação da Diem e está fazendo análises sobre o efeito na política monetária japonesa e regulação fiscal. Isso será feito antes do grupo dos Sete se encontrarem na França entre 24 e 26 de agosto de 2019.[28]

O Comissário Federal Suíço de Proteção e Informação de Dados disse que não ouviu nada do Facebook mesmo apos David Marcus dizer ao senado americano que o órgão iria supervisionar o projeto[29]

Privacidade[editar | editar código-fonte]

O plano da Facebook é deixar a Novi resposável pelo gerenciamento da Diem para usuários do Facebook, os executivos do Facebook afirmaram que a Novi não compartilhará informações de compra de uma conta sem autorização[30]

Implementação[editar | editar código-fonte]

Consenso da blockchain[editar | editar código-fonte]

A Diem pretende começar a transicionar para um modelo sem autenticação usando o sistema de prova por participação em cinco anos[11], embora o próprio paper admita que não exista solução "que possa entregar escalabilidade, estabilidade, e segurança necessária para dar suporte a bilhões de pessoas e transações ao redor do globo através de uma rede sem autenticação"[31]

Código[editar | editar código-fonte]

O código-fonte da Diem é escrito em Rust e foi publicado como open source sob a licença Apache na plataforma Github: https://github.com/diem/diem

Elaine Ou, colunista da Bloomberg News, tentou compilar e rodar o código publicamente lançado da Diem. O software não fez mais que permitir moedas falsas serem colocadas em uma carteira; quase todas as funcionalidades do paper ainda não estão implementadas, incluindo os "maiores características que serão inventadas". Elaine ficou surpresa que o Facebook "iria lançar um software em tal estado"[6].

Carteira digital[editar | editar código-fonte]

Facebook planeja lançar a sua carteira digital Novi em uma data indefinida. A Novi estará disponível no IOS e Android, mas você poderá enviar moedas Diem pelo Messenger e WhatsApp[4].

Move[editar | editar código-fonte]

Move é a linguagem flexível para contratos inteligentes e transações customizáveis da Blockchain da Diem. Será uma linguagem de programação estaticamente tipada, compilada para bytecode.

Abaixo, um exemplo de script de transação peer-to-peer do paper[32]

public main(payee: address, amount: u64) {
  let coin: 0x0.Currency.Coin = 0x0.Currency.withdraw_from_sender(copy(amount));
  0x0.Currency.deposit(copy(payee), move(coin));
}

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Libra | A New Global Currency». libra.org (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2019 
  2. Bursztynsky, Jessica (1 de dezembro de 2020). «Facebook-backed Libra Association has been renamed Diem». CNBC (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  3. a b «Facebook anuncia criação da Libra, sua própria criptomoeda». Terra. Consultado em 28 de junho de 2019 
  4. a b «Facebook's Calibra cryptocurrency wallet launches in 2020». Engadget (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  5. a b c «Facebook lança oficialmente sua criptomoeda e diz que poderá compartilhar informações com a justiça». CriptoFácil. 18 de junho de 2019. Consultado em 25 de junho de 2019 
  6. a b «I Tried Using Facebook's Libra Blockchain. It Didn't Work.». www.bloomberg.com. "I spent an afternoon installing Libra with the goal of creating my own digital asset, and it was not an empowering experience. Most of the features were unavailable or unimplemented, and there was little functionality beyond the ability to place fake coins in a wallet. It’s odd that a company like Facebook would release software in such a state.". Consultado em 19 de julho de 2019 
  7. Gartenberg, Chaim (11 de maio de 2018). «Facebook reportedly plans to launch its own cryptocurrency». The Verge. Consultado em 19 de julho de 2019 
  8. Liao, Shannon (8 de maio de 2018). «Facebook is creating a mysterious blockchain division». The Verge. "After nearly four unbelievably rewarding years leading Messenger, I have decided it was time for me to take on a new challenge I’m setting up a small group to explore how to best leverage Blockchain across Facebook, starting from scratch.”. Consultado em 29 de junho de 2019 
  9. Popper, Nathaniel; Isaac, Mike (28 de fevereiro de 2019). «Facebook and Telegram Are Hoping to Succeed Where Bitcoin Failed». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  10. Chohan, Usman W. (12 de março de 2019). «Social Media Monopolies and Cryptocurrencies: Facebook's Proposed Coin». Rochester, NY (em inglês) 
  11. a b «Facebook announces Libra cryptocurrency: All you need to know». TechCrunch (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  12. «Facebook Says Libra Won't Launch Until Regulators Satisfied». ca.finance.yahoo.com (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  13. «Subscribe to read». Financial Times (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  14. Business, Clare Duffy, CNN. «Facebook wants to make cryptocurrency mainstream. Here's how». CNN. Consultado em 19 de julho de 2019 
  15. Brandom, Russell (18 de junho de 2019). «Facebook's cryptocurrency has a trust problem». The Verge. Consultado em 19 de julho de 2019 
  16. «How Libra Works». Libra Vision. Consultado em 18 de Junho de 2019 
  17. a b Umpieres, Rodrigo Tolotti. «Facebook lança oficialmente a Libra, sua própria criptomoeda». www.infomoney.com.br. Consultado em 18 de junho de 2019 
  18. «Bitcoin ultrapassa os US$11 mil e atinge maior alta do ano». CriptoFácil. 25 de junho de 2019. Consultado em 25 de junho de 2019 
  19. «Alphaville's Libra cheat sheet». ftalphaville.ft.com. Consultado em 19 de julho de 2019 
  20. «Zuckerberg: The man who would be monetary king». ftalphaville.ft.com. Consultado em 19 de julho de 2019 
  21. a b c d «Facebook Token Runs Into Instant Political Opposition in Europe». Bloomberg (em inglês). 18 de junho de 2019. Consultado em 18 de junho de 2019. French Finance Minister Bruno Le Maire said the digital currency known as Libra shouldn’t be seen as a replacement for traditional currencies.“It is out of question’’ that Libra “become a sovereign currency,’’ Le Maire said in an interview on Europe 1 radio. “It can’t and it must not happen.” Le Maire called on the Group of Seven central bank governors, guardians of the global monetary system, to prepare a report on Facebook’s project for their July meeting. His concerns include privacy, money laundering and terrorism finance. While Carney said "we need to have an open mind" about technology that can facilitate cross-border money transfers, "we will look at it very closely and in a coordinated fashion" at multilateral organizations including the G-7 Meanwhile, Markus Ferber, a German member of the European Parliament, said Facebook, with more than 2 billion users, could become a “shadow bank” and that regulators should be on high alert. 
  22. «Criptomoeda do Facebook passará por avaliação de autoridades da União Europeia». CriptoFácil. 19 de junho de 2019. Consultado em 25 de junho de 2019 
  23. «Criptomoeda do Facebook mal saiu e já será investigada na Europa». www.tecmundo.com.br. 18 de junho de 2019. Consultado em 19 de junho de 2019 
  24. Wong, Queenie. «Facebook's Libra cryptocurrency faces pushback from US lawmakers». CNET (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  25. «Committee Democrats Call on Facebook to Halt Cryptocurrency Plans». Financial Services Committee. 2 de julho de 2019. Consultado em 19 de julho de 2019 
  26. Popper, Nathaniel; Isaac, Mike; Smialek, Jeanna (10 de julho de 2019). «Fed Chair Raises 'Serious Concerns' About Facebook's Cryptocurrency Project». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  27. «Subscribe to read». Financial Times (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  28. Neowin ·, Paul Hill. «Japan becomes the latest country to investigate Facebook's Libra». Neowin (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  29. Schulze, Elizabeth (16 de julho de 2019). «Swiss group that's supposed to oversee privacy for Libra says it hasn't heard from Facebook at all». CNBC (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 
  30. Passy, Jacob. «Why Facebook's Libra coin could become a big pain in your wallet». MarketWatch (em inglês). "Libra will be a “stablecoin,” linked to the value of other currencies, unlike other cryptocurrencies like bitcoin BTC, -4.27% Consumers who use Facebook’s Messenger service, WhatsApp or a stand-alone app will be able to access Libra through a digital wallet managed by new Facebook subsidiary Calibra.". Consultado em 19 de julho de 2019 
  31. «The Libra Whitepaper - Blockchain, Association, Reserve | Libra». Libra.org. Consultado em 19 de julho de 2019 
  32. «Move: A Language With Programmable Resources · Libra». developers.libra.org (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]