Maria Cristina de Espanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Maria Cristina
Infanta da Espanha
Condessa de Marone-Cinzano
Retrato por Philip de László, 1927
Nascimento 12 de dezembro de 1911
  Palácio Real de Madrid, Madrid, Espanha
Morte 23 de dezembro de 1996 (85 anos)
  Villa Giralda, Madrid, Espanha
Sepultado em Panteão Marone-Cinzano, Turim, Itália
Nome completo  
Maria Cristina Teresa Alexandra Maria de Guadalupe Maria da Conceição Idlefonsa Vitória Eugénia de Bourbon e Battenberg
Marido Enrico Marone-Cinzano, 1.º Conde de Marone-Cinzano
Descendência Vittoria Eugenia Marone-Cinzano
Giovanna Paola Marone-Cinzano
Maria Teresa Marone-Cinzano
Anna Alessandra Marone-Cinzano
Casa Bourbon
Pai Afonso XIII da Espanha
Mãe Vitória Eugénia de Battenberg
Religião Catolicismo
Brasão

Maria Cristina de Bourbon e Battenberg (Maria Cristina Teresa Alexandra Maria de Guadalupe Maria da Conceição Idlefonsa Vitória Eugénia), (12 de dezembro de 1911 - 23 de dezembro de 1996) foi uma infanta espanhola por nascimento e condessa Marone-Cinzano por casamento. Ela era tia paterna do rei João Carlos I de Espanha e tia-avó materna da princesa Sibilla de Luxemburgo.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Maria Cristina

A infanta Maria Cristina nasceu a 12 de dezembro de 1911 no Palácio Real de Madrid. Era a quarta filha, segunda menina, do rei Afonso XIII de Espanha e de sua esposa Vitória Eugénia de Battenberg. Sua mãe era filha do príncipe Henrique de Battenberg e da princesa Beatriz do Reino Unido, filha da rainha Vitória do Reino Unido, o que fazia com que Maria Cristina descendesse da família real britânica por parte da mãe. A família real espanhola teve de deixar o país em 1931 após a proclamação da Segunda República Espanhola. Estabeleceram-se primeiro na França e depois na Itália.

Em 1933 o rei Afonso e as suas filhas, as infantas Beatriz e Maria Cristina, mudaram-se para Roma. O rei, cautelosamente prevenido, queria que os seus pretendentes soubessem dos perigos da hemofilia, que tinha afectado dois dos seus filhos varões, Afonso, Príncipe das Astúrias e o infante Gonçalo.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Dona Maria Cristina contraiu um matrimônio morganático com Enrico Marone-Cinzano, 1.º Conde de Marone-Cinzano, filho de Alberto Marone e da sua esposa Paola Cinzano. Enrico era viúvo de Noemí de Alcorta y García-Mansilla e já tinha três filhos, entre eles Alberto, 2.º Conde Marone-Cinzano. A infanta e o conde casaram-se no dia 10 de Junho de 1940 na Basílica de San Camilo de Lelis em Roma. Antes de se casar com Maria Cristina, o rei Vítor Emanuel III da Itália concedeu-lhe o título de Conde de Marone-Cinzano, para que não houvesse tanta diferença no status social.[1] Eles tiveram quatro filhas:

  • Vittoria Eugenia (1941);
  • Giovanna Paola (1943);
  • Maria Teresa (1945);
  • Ana Alessandra (1948).

Referências

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Maria Cristina de Espanha


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.