Nuno Melo (ator)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junhoo de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 24 de junho de 2015.


Nuno Melo
Nome completo Nuno Jorge Lopes de Melo Cardoso
Nascimento 8 de fevereiro de 1960
Castelo Branco, Portugal
Nacionalidade Portugal português
Morte 9 de junho de 2015 (55 anos) Lisboa, Portugal
Ocupação Ator
Outros prêmios
Globo de Ouro (Portugal) - Melhor Ator de Cinema (2012)

Nuno Jorge Lopes de Melo Cardoso (Castelo Branco, 8 de fevereiro de 1960Lisboa, 9 de junho de 2015) foi um ator português. Trabalhou sobretudo em Portugal e no Brasil.

Teve uma filha, nascida em 1987[1] e em 2010 casou com Isabel Nogueira, de quem se separou em 2013.[2]

Morreu a 9 de junho de 2015, após uma luta contra um cancro no fígado,[3] no Hospital CUF Infante Santo, em Lisboa. O ator sofria há nove anos de hepatite C.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Começou no Teatro de Animação de Setúbal em 1981 e estreou na televisão com um pequeno papel na telenovela Vila Faia. Também participou da telenovela Chuva na Areia, onde desempenhou o personagem Caniço (ainda hoje presente na memória dos portugueses).

Em 1987 trabalhou com Herman José no programa Casino Royal.

Participou também na série Alentejo Sem Lei e no programa Crime na Pensão Estrelinha.

Em 1991 participou no filme A Divina Comédia de João César Monteiro. No ano seguinte participou no filme O Dia do Desespero de Manoel de Oliveira.

Para a TV Manchete, fez a série luso-brasileira Cupido Electrónico, com Tônia Carrero.

Em 1995, na série de humor de grande sucesso, Camilo & Filho Lda., interpretou Alberto, um homem de 40 anos, que vivia com o seu pai, ambos eram sucateiros e viviam numa casa em mau estado. Curiosamente, os dois protagonistas detestavam-se.

Em 1996 e 1997 entra no programa de anedotas Malucos do Riso. O ator já revelou que não gostou de participar neste projeto.

Em 1999, entra na série de humor Clube dos Campeões, onde interpretou Deolindo Durão um mecânico antipático, que era constantemente bombardeado na sua oficina com bolas de um clube de futebol que treinava muito perto daquele local. Quando isso acontecia gritava Pés de chumbo.

Em 2004 e 2005 trabalhou na telenovela brasileira Senhora do Destino da TV Globo onde desempenhou o papel de um motorista. O seu papel agradou o público brasileiro, (consta-se que após esse projeto foi abordado para integrar outros projetos naquela estação).

Em 2006 e 2007 trabalhou na telenovela da SIC Vingança, onde fez o papel do psicopata Luís. No programa Contacto, Nuno Melo revelou um episódio engraçado que decorreu nas gravações da novela: ao gravar a cena em que o seu personagem estava em tribunal a responder sobre todos os crimes que era julgado, e de repente tinha um ataque cardíaco. A cena foi tão bem executada, que todo o elenco presente naquela filmagem, pensou que tinha sido real, tendo sido chamado uma ambulância.

Foi distinguido com o Prémio Prestígio, atribuído pela RTP, durante o Lisbon Village Festival de 2007.

A seguir entrou na novela Resistirei. Participou depois na série histórica Equador, baseada na obra de Miguel Sousa Tavares, onde esteve de julho a outubro de 2008.

Após o fim das gravações entrou na novela Flor do Mar. Entre agosto de 2009 e abril de 2010, participou na sétima temporada de Morangos com Açúcar.

Em 2012 foi distinguido na gala SPAUTORES, como o melhor ator de cinema de 2011. Graças à sua interpretação no filme "O Barão".

Ganhou o Globo de Ouro de Melhor ator na XVII Gala Globos de Ouro da SIC.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • Mensagem (1988)
  • A Divina Comédia (1991)
  • O Dia do Desespero (1992)
  • Pax (1994) Vasco
  • Fado majeur et mineur (1995)
  • O Despertador (1996)
  • Tráfico (1998)
  • O Que Foi? (1999)
  • 451 Forte (2000) Armando
  • Tarde Demais (2000) Joaquim
  • 88 (2001)
  • A Janela (Maryalva Mix) (2001) Antónyo Xoramyngas
  • O Homem-Teatro (2001)
  • A Filha (2003) Ricardo
  • És a Nossa Fé (2004) (voz)
  • O Crime do Padre Amaro (2005) José Eduardo
  • A Monte (2007)
  • O Barão (2011)
  • Estrada de palha (2012)

Televisão[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]