Osni Cardoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Osni Cardoso
Deputado estadual da Bahia
Período 1 de fevereiro de 2019
até atualidade
Prefeito de Serrinha
Período 1 de janeiro de 2009
até 31 de dezembro de 2016
Vice-prefeito Adriano Lima (2009-2012)
Gika Lopes (2013-2016)
Sucessor Adriano Lima
Antecessor Tânia Lômes
Dados pessoais
Nome completo Osni Cardoso de Araujo
Nascimento 9 de dezembro de 1973 (46 anos)
Serrinha, Bahia
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade do Estado da Bahia
Partido PT (2004-presente)
Profissão pedagogo

Osni Cardoso de Araujo (Serrinha, 9 de dezembro de 1973) é um político e pedagogo brasileiro[1]. Atualmente, ocupa o cargo de deputado estadual da Bahia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Osni Cardoso é filho de Pedro Joaquim de Araujo e Alzira Cardoso de Jesus e nasceu na Comunidade da Bela Vista, Zona Rural de Serrinha[2]. Estudou no Colégio Estadual Aloísio Carneiro, Serrinha. Formou-se em pedagogia na Universidade Estadual da Bahia (UNEB), em 1999. É casado com Priscila Oliveira e tem quatro filhos.

Atividade profissional[editar | editar código-fonte]

Osni atuou como professor no Centro de Educação Municipal Oliveira Brito (CEMOD), em 2000, e no Colégio Municipal Maria Dalva, Serrinha, 2001. Também atuou como assessor parlamentar do Deputado Luiz Alberto, 2003, e assessor parlamentar do então vereador Rui Costa, 2005. Em 2015, foi presidente da Federação dos Consórcios Públicos do Estado da Bahia. Em 2017, foi funcionário do Gabinete do Governador da Bahia, lá atuou como Assessor Especial do Governador.

Política[editar | editar código-fonte]

Candidatou-se pela primeira vez a vereador de Serrinha em 2004, obteve 1.056 votos (2,55%) e não conseguiu ser eleito. Em 2006, candidatou-se ao cargo de deputado estadual, obteve 13.979 votos (0,22%) e não se elegeu. Em 2008, lançou candidatura tendo Adriano Lima como vice-prefeito, foi eleito onde derrotou o empresário Lulu Novais e a então prefeita Tânia Lômes. Em 2012, Osni reelegeu-se onde derrotou seu então vice Adriano Lima, que concorria ao cargo de prefeito, e tinha como companheira de chapa, Paula Lômes, a filha da prefeita que havia derrotado nas eleições de 2008. Em 2018, foi eleito deputado estadual da Bahia[3].

Gestão municipal[editar | editar código-fonte]

Osni foi o responsável por diversas obras de infraestrutura no município de Serrinha, incluindo asfaltamento, calçamento e construção da Praça do Vaqueiro e reformas de praças, como a Praça da Matança e a Praça da Bandeira. Na educação, foi implantado o Instituto Santos Dumont.

A gestão de Osni foi marcada por instabilidade política. Houveram diversas greves, principalmente por parte dos funcionários da educação[4], devido ao atraso de pagamento, ausência de aumento dos salários e falta de manutenção nas escolas, o que acarretou em alunos estudando com guarda-chuvas dentro de determinadas salas de aulas[5]. Também correram diversas e reportagens jornalísticas no município onde denunciavam esses ocorridos. Na saúde, o município só tinha duas ambulâncias, ambas em mau estado de conservação[6], e uma UPA chegou a ser inaugurada com gato de energia elétrica e sem blindagem na sala de raio-x[7].

Eleições 2020[editar | editar código-fonte]

Após recorrer pela perda dos direitos políticos, Osni teve sua candidatura deferida e concorreu, novamente, para prefeito de Serrinha[8]. Em sua candidatura, Osni encabeçou a coligação "A Força do Trabalho" e fez uma frente ampla, com os seguintes partidos: PT, Podemos, PL, PSDB, PSD, PCdoB, PDT, DEM e PTB. Teve como apoiadores, até nomes que que já haviam sido opositores anteriormente, como o empresário Vardinho Serra, o empresário e ex-vice prefeito de Serrinha, Berg da Aragon, que decidiu, de última hora, retirar sua candidatura para apoiar Osni, a empresária e ex-prefeita Tânia Lômes e Mariana Cunha, sua candidata a vice-prefeita, que na eleição anterior foi eleita vereadora apoiando Adriano Lima, opositor político de Osni Cardoso.

Osni perdeu a eleição com 18.719 votos (40,76% dos votos válidos).

Escândalos e operações policiais[editar | editar código-fonte]

Em 2013, Osni anunciou a construção do SAMU no município na cidade de Serrinha. Chegou a colocar outdoor e fazer publicações no Facebook. O SAMU não chegou em sua gestão[9].

Em 2016, Osni entregou a prefeitura com uma obra inacabada no hospital municipal da cidade. A obra foi para tomada de contas especial, e gerou uma multa de 1 milhão de reais ao município.

Durante sua gestão, o município foi contemplado com quatro creches modelo. As mesmas nunca foram concluídas. Segundo relatório do CGU, todas foram construídas de fachada e foram superfaturadas no valor de R$232.876,64. O mesmo relatório também concluí que Osni Cardoso contratou uma cooperativa de fachada e superfaturou a compra de leite[10].

Condenações[editar | editar código-fonte]

Em 2018, foi condenado à perda de direitos políticos por 3 anos por irregularidades na aplicação de recursos federais pelo Ministério Público Federal (MPF)[11];

Em 2019, Osni foi condenado à prisão por malversação de recursos do FUNDEB[12];

Em 2020, por causa de uma obra de calçamento que Osni iniciou no bairro do Novo Horizonte, Osni foi condenado a ressarcir R$ 543.939,12 ao erário público;

Em 2020, TCE-BA condenou Osni Cardoso a devolver R$230 mil aos cofres públicos pelo caso do "Piscinão". Onde o dinheiro da obra foi gasto, mas a obra não foi concluída[13].

Referências

  1. «Identidade de Osni» (PDF). Tribunal Superior Eleitoral. 15 de setembro de 2020. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  2. «Perfil de Osni Cardoso na ALBA». Assembleia Legislativa da Bahia. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  3. «Eleições que Osni concorreu». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  4. «Blog do Joilson Costa». 19 de abril de 2016. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  5. «Alunos estudam com guarda-chuvas, em Serrinha». Diário de Feira. 16 de maio de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  6. «Serrinha, hoje, tem 11 ambulâncias. Na época de Osni, eram 2.». Bahia Já. 21 de junho de 2020. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  7. «Osni inaugura UPA com gato de energia». Bahia Já. 28 de junho de 2017. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  8. «Candidatura de Osni em 2020». Tribunal Superior Eleitoral. 2020. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  9. «Osni anuncia SAMU». Jornal Nossa Voz. 25 de jun. de 2013. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  10. «Superfaturamento nas Creches Modelo de Serrinha» (PDF). Tribunal de Contas da União. 2017. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  11. «Ex-prefeito é condenado à perda de direitos políticos por 3 anos por irregularidades na aplicação de recursos federais». G1. 8 de março de 2018. Consultado em 25 de Fevereiro de 2020 
  12. «Osni condenado à prisão». Metro1. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  13. «TCE condena Osni por Piscina Olímpica». Bahia.Ba. 3 de junho de 2020. Consultado em 19 de novembro de 2020