Partido da Justiça e Desenvolvimento (Turquia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido da Justiça e Desenvolvimento
Adalet ve Kalkınma Partisi
Presidente Binali Yıldırım
Secretário Abdulhamit Gül
Fundação 2001
Sede Ancara,  Turquia
Ideologia Democracia islâmica
Conservadorismo social
Liberalismo económico
Populismo de direita
Neo-otomanismo[1]
Espectro político Direita[2]
Membros 9,810,827 (2017)
Afiliação europeia Aliança dos Reformistas e Conservadores Europeus
Assembleia Nacional
316 / 550
Cores Laranja, Azul e Preto

O Partido da Justiça e Desenvolvimento (em turco: Adalet ve Kalkınma Partisi, forma abreviada AK Parti ou AKP) é um partido político turco. O AKP foi fundado em 2001, por uma ala reformista do Partido da Virtude, que é um partido islâmico turco. O AKP considera-se um partido moderado e conservador, defensor de uma economia de livre mercado e do acesso da Turquia à União Europeia.[3]

O AKP participou pela primeira vez das eleições parlamentares nacionais em 2002, procurando se afastar da imagem de partido religioso, e venceu o pleito. Como o líder do partido, Recep Tayyip Erdoğan, tinha sido proibido de assumir o cargo de primeiro-ministro da Turquia, outro membro do partido, Abdullah Gül, tornou-se primeiro-ministro. Erdoğan foi autorizado a assumir o governo em 2003, e Abdullah Gül passou a ocupar a presidência da Turquia.

O AKP promoveu reformas estruturais, e sob seu governo a Turquia alcançou um maior crescimente econômico, além de encerrar um período de três décadas de hiperinflação—a inflação caiu para 8.8% em junho de 2004. Para a publicação britânica The Economist, o governo do AKP foi o mais bem-sucedido na Turquia em décadas.[4]

O AKP e o Partido Republicano do Povo (CHP) são os dois principais partidos políticos da Turquia.

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data Votos % Deputados +/- Status
2002 10 808 229 34,3 (#1)
363 / 550
Governo
2007 16 327 291 46,6 (#1)
341 / 550
Baixa22 Governo
2011 21 399 082 49,8 (#1)
327 / 550
Baixa14 Governo
06/2015 18 867 411 40,9 (#1)
258 / 550
Baixa69 Governo
11/2015 22 947 478 49,5 (#1)
317 / 550
Aumento59 Governo

Referências

  1. «Erdogan thinks he's Caliph, new sultan of the Ottoman». RT. Consultado em 9 de novembro de 2012. 
  2. Gunes, Cengiz (2013). «The Kurdish Question in Turkey». Routledge: 270 
    Konak, Nahide (2015). Waves of Social Movement Mobilizations in the Twenty-First Century: Challenges to the Neo-Liberal World Order and Democracy. [S.l.]: Lexington Books. p. 64 
  3. «New to Turkish politics? Here's a rough primer». Turkish Daily News. 22 de julho de 2007. Consultado em 22 de julho de 2008. 
  4. «The battle for Turkey's soul Democracy v secularism in Turkey)». The Economist. 3 de maio de 2007. Consultado em 22 de julho de 2008.. Cópia arquivada em uma data desconhecida  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)