Polemo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a divindade, veja Polemo (divindade).
Polemo retratado em trajes medievais na Crônica de Nuremberga

Polemo (em grego: Πολέμων; d. 270/269 a.C.) de Atenas foi um proeminente filósofo Platonista e terceiro sucessor de Platão como mestre na Academia de Platão de 314/313 até 270/269 a.C. Discípulo de Xenócrates, acreditava que a filosofia deve ser praticada e não apenas estudada e destacava que o bem maior era viver de acordo com a natureza.

Vida[editar | editar código-fonte]

Polemo era filho de Filóstrato, um homem de riqueza e distinção política. Em sua juventude, ele era extremamente perdulário, muito dado ao deboche e a extravagância, gastando grande parte de seu tempo em devassidão e bebedeira. Um dia, tomado pela embriaguez adentrou a escola de Xenócrates e com ar insolente ridicularizou suas observações despertando grande indignação nos presentes. Xenócrates não reprimiu o jovem com severidade, mas mudou seu discurso ampliando a virtude da modéstia e da intemperança. A repreensão foi sentida e Polemo ficou tão impressionado com a eloquência e força do discurso do acadêmico que a partir daquele momento renunciou a vida desregrada que então vivia e passou a dedicar-se inteiramente ao estudo da filosofia. Ele tinha trinta anos e a partir daquele dia nunca mais bebeu nada além de água e após a morte de Xenócrates sucedeu a seu mestre na escola onde fez reformas.[1][2]

Seus discípulos incluem Crates de Atenas, que era seu eromenos [3], Crantor de Cilicia,[4], Zenão de Cítio[5] e Arcesilau.[6]Eusébio de Cesareia, Crônica faleceu em 270/269 a.C. (em alguns manuscritos 276/275 a.C.). Diógenes Laércio diz que ele morreu em uma idade avançada e de morte natural.[7] Crates de Atenas foi seu sucessor na Academia de Platão.[8]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Diogenes relata de que ele era um seguidor de Xenócrates em todas as coisas.[9]. Ele estimava o objeto da filosofia como um exercício das pessoas em coisas e ações e não em especulações dialéticas ; [10] seu caráter era grave e severo;[9] e tinha orgulho de mostrar o domínio que tinha adquirido sobre as emoções de toda espécie. Na literatura, admirava Homero e Sófocles e dizem ter sido o autor do comentário, que Homero é um Sófocles épico e Sófocles um trágico Homero.[7]

Escritos[editar | editar código-fonte]

Ele deixou, de acordo com Diógenes, vários tratados, nenhum dos quais vigentes quando a Suda foi compilada. Há, no entanto, uma citação feita por Clemente de Alexandria, seja dele ou de outro filósofo do mesmo nome, "Quanto à vida de acordo com a natureza" (em grego: ἐν τοῖς περὶ τοῦ κατὰ φύσιν βίου),[11] e outra passagem, sobre felicidade, que concorda exatamente com a afirmação de Cícero, [12] onde Polemon define como summum bonum (melhor bem) é viver de acordo com a natureza.

Referências

  1. Diógenes Laércio, iv. 16
  2. John Lemprière (1839). A Classical Dictionary, Containing a Copious Account of All the Proper Names Mentioned in Antient Authors... [S.l.: s.n.] pp. 2– 
  3. Diógenes Laércio, iv. 21, 22
  4. Diógenes Laércio, iv. 17, 22
  5. Diógenes Laércio, vii. 2, 25
  6. Diógenes Laércio, iv. 22, 24
  7. a b Diógenes Laércio, iv. 20
  8. Diógenes Laércio, iv. 21
  9. a b Diógenes Laércio, iv.
  10. Diógenes Laércio, iv. 18
  11. Clemente de Alexandria, Stromata, vii. p. 117
  12. Cicero, de Finibus, iv. 6


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Diógenes Laércio, A vida e a doutrina dos filósofos ilustres iv. 16-20
  • Suda, Polemo
  • Plutarco, de Adul. et Amic. 32, p. 71e
  • Luciano, Bis Accusat. 16, vol. ii. p. 811
  • Ateneu, Deipnosophistae ii., p. 44e
  • Cicero, Academica i. 9, ii. 35, 42; De Oratore iii. 18; de Finibus ii. 6, 11, iv. 2, 6, 16, 18, v. 1, 5, 7, and elsewhere
  • Horácio, Sermones ii. 3. 253ff.
  • Valério Máximo, vi. 9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Wikisource-logo.svg Diogenes Laërtius, Life of Polemo, traduzida para o inglês por Robert Drew Hicks (1925).