Stonehenge (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Stonehenge
Stonehenge
Autor(es) Bernard Cornwell
País Reino Unido
Género Romance histórico
Arte de capa Laboratório Secreto
Tradutor Alves Calado
Editora Record
Lançamento 1999 ( Inglaterra)
2008 ( Brasil)
Páginas 504
ISBN ISBN 978-85-01-07985-5
Cronologia
Excalibur
O Arqueiro

Stonehenge é um romance histórico do escritor inglês Bernard Cornwell, lançado em 1999 no Reino Unido e 2008 no Brasil. Transcorre em 2000 a.C., início da Idade do Bronze na Inglaterra e época em que, acredita-se, teve início o transporte das maiores pedras-azuis que ainda resistem no círculo de pedras hoje chamado Stonehenge, na planície de Salisbury,[1] no condado de Wiltshire, próximo a Londres, na Inglaterra.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A trama acontece em Ratharryn, vila liderada por Hengall cujo domínio fica ameaçado após a chegada de um estranho ao Templo do Céu carregando grande riqueza em ouro. O material continha ranhuras e era desenhado na forma de losango, referência à deusa Lahanna, na crença dos habitantes, que cultuavam Slaol. Essa chegada inesperada desperta desejos diversos por parte dos filhos de Hengall: Saban, Camaban e Lengar. Lengar, mais velho e ambicioso, deseja tornar-se chefe da tribo; Camaban, aleijado e pária da tribo, quer usar o ouro para tornar-se um temido feiticeiro e influenciar Saban, seu irmão mais novo, a construir-lhe um enorme templo que lhes dê a bênção de Slaol.

Lengar alia-se ao Povo de Fora e assassina seu pai, tornando-se líder de Ratharryn e vendendo seu irmão mais novo como escravo. Camaban, sendo feiticeiro, amedronta Lengar e consegue libertar Saban. Ambos vão a Cathallo, onde vive Sannas, a maior sacerdotisa conhecida por eles e serva fiel de Lahanna, e onde Camaban aprimora suas habilidades. Convencendo a todos de que pode conversar com o próprio Slaol, Camaban consegue mobilizar a tribo para construir um templo para homenagear seu deus. O templo de Cathallo o convence de que é possível transportar imensas pedras parar formar um círculo que traria os deuses distantes de volta ao lar, acabaria com todos os males e doenças, bem como o inverno que, ele acredita, era consequência do distanciamento de Slaol de sua amada, Lahanna, causado pelo culto a ela.

Camaban mobiliza o Povo de Fora e Ratharryn para seu sonho e, durante anos, as tribos tentam achar formas de transportar as pedras de Sarmennyn, que formavam um Templo das Sombras, até o Templo do Céu. Saban coordena os trabalhos e consegue montar o círculo que, após pronto, não parece tão magnífico quanto havia sido na tribo vizinha. Eles entram em guerra com Cathallo a fim de obter suas pedras, o que termina na morte de Lengar e liderança de Camaban. Ele lidera a tribo a uma vitória definitiva contra Cathallo e torna-se chefe das duas tribos. Decide desfazer todo o trabalho no Templo do Céu e torná-lo um Templo dos Mortos, a fim de aproximar Slaol e fazer todos os mortos voltarem à vida.

Durante mais anos os habitantes têm de carregar imensas pedras para tornar possível o sonho de Camaban. Saban consegue terminar o feito, mas vê a loucura que invadiu seu irmão - que autoafirmava-se um deus - e, na inauguração do templo, após tê-lo visto tentar matar sua filha, assassina-o e vê sua mulher morrer com a queda de uma das enormes pedras, o que é visto como uma mensagem dos deuses de que desaprovavam esse comportamento e, afinal, todo o esforço havia sido em vão. Saban foi nomeado chefe, e tudo voltou a ser como era.

Referências

  1. «Dig pinpoints Stonehenge origins» (em em inglês). BBC. 21 de setembro de 2008. Consultado em 22 de setembro de 2008  |coautores= requer |autor= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]