Turma do Bidu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A turma do Bidu, criada por Mauricio de Sousa, é constituída essencialmente por objetos inanimados (ossos, pedras, poças de água, etc) que estabelecem diálogos, por vezes marcados pelo non-sense e pela metalinguagem. Uma das personagens mais recorrentes é Dona Pedra - além de outros cães que aparecem nas diversas funções de produção de um filme (roteiristas que estabelecem o argumento da história, sendo freqüentes as referências à própria história e à sua condição de desenhos).

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Bidu (1959) - O primeiro personagem de Maurício, faz dois personagens diferentes: cão do Franjinha e diretor/personagem de estúdio.

Bidu é o cão do Franjinha e astro de histórias em quadrinhos. Apesar de Bidu ser o animal de estimação de Franjinha, suas historinhas refletem um universo paralelo, repleto de metalinguagem,[1] onde é um astro das histórias em quadrinhos (com direito ao assistente Manfredo) e um caricato penetra-calouro-imitador, Bugu que luta por um espaço no mundo das histórias em quadrinhos). Quando é astro das histórias em quadrinhos, é bem arrogante e mal-humorado.

    • Mister B (1999) - sátira do mágico Mister M. Mister B ensina como são feitos os truques dos quadrinhos, como as pedras falantes, as caminhadas no ar e os personagens 'imortais'. Na última história, antes de um interlúdio em suas aparições, personagens irritados com suas revelações procuram capturá-lo. Sua semelhança com Bidu leva a captura do mesmo, porém, ao fim da história, é revelado que o personagem, ainda que possuindo uma silhueta idêntica à de Bidu, é na verdade Bugu.
  • Bugu (1972) - Bugu é um cachorro amarelo de formato oval. Seu maior dom é fazer imitações. O que deixa Bidu com raiva, por isso é amplamente desgostado e desprezado pelo cachorro azul por tentar roubar-lhe a cena. Bugu costuma finalizar suas participações sendo chutado para fora da história por meio de um chute de Bidu, dizendo "Tchau, mamãe!". O personagem foi criado pelo irmão de Maurício, Márcio Sousa, que diz que Bugu é um auto-retrato, "sempre tentando roubar a cena do irmão famoso".[2] [3]
  • Buguinho (1982) - Sobrinho do Bugu que, com suas peraltices, chegou a deixá-lo doente numa clínica de repouso. Apareceu na história Bugu não veio, mas..., na revista Cascão nº1, da editora Abril.
  • Manfredo (1981) - é o assistente do Bidu, sempre aparece nas histórias que ele está no estúdio. De vez em quando,ele mesmo expulsa o Bugu do estúdio do Bidu. É um cachorro que faz tudo nas histórias do Bidu: contra-regra, secretário, assistente, produtor... enfim, o que for preciso.
  • Duque(1960) - o melhor amigo do Bidu. Não tem nenhuma característica muito marcante além dos olhos verdes. Por ser o melhor amigo de Bidu, aparece na maioria das histórias. É calmo e bom amigo, sempre tenta ajudar o Bidu em alguns conflitos. Ele é o cachorro de estimação do Titi.
  • Zé Esquecido (1987) - amigo do Bidu, famoso por se esquecer de tudo que faz ou deixou de fazer. É o cão do Xaveco, mas poucas pessoas sabem disso por 2 motivos: o Xaveco é um personagem secundário e o Zé Esquecido é tão esquecido que se esqueceu aonde mora e quem é seu dono.
  • Dona Pedra (1977)- uma pedra com quem Bidu fala (e que surpreendentemente também fala).
  • Zé Gordão (1994) - cachorro gordo e peludo,passa o dia inteiro babando.
  • Dona Árvore (2008)- árvore que o Bidu geralmente conversa com ela.
  • Fifi (1969)- cachorrinha pela qual o Bidu é apaixonado.
  • Théo Um cão Dalmata muito inteligente,amigo do Bidu.
  • Rufios O cachorro mais bravo da rua,apareceu em várias histórias.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Bidu Foi o primeiro personagem publicadado por Maurício de Sousa, em uma tira de jornal pela Folha de S.Paulo em 1959[4]  e depois publicado como revista em quadrinho pela Editora Continental.[5] , estrelou uma revista em quadrinhos pela Editora Continental em 1960.[5] Mauricio se inspirou no cachorrinho que ele tinha na infância, o Cuíca[6]

Após, a Mônica ganhar título próprio pela Editora Abril nos anos 70,[7] o personagem passou a ter histórias publicadas em revistas da Turma da Mônica[8] e almanaques de reedições[9] [1]

Em 2008, Bidu aparece em Turma da Mônica Jovem, muito leitores pensaram que o Bidu poderia estar morto, já que a revista se passa no futuro, onde a Turma está na adolescência.[10]

Em 2009 foi lançado um álbum em comemoração aos 50 anos do personagem, a edição conta com uma coletânea de histórias do personagem, incluindo uma HQ inédita em estilo mangá e uma versão facsimile de Bidu #1 da Editora Continental,[5] no mesmo ano o personagem ganha uma história para o álbum MSP 50, álbum que homenageia os 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa, escrita e desenhada por Laerte Coutinho.[11]

Referências

  1. a b Guilherme Kroll Domingues. «Bidu #1». Universo HQ. 
  2. «Turma do Mauricio». Superinteressante. Editora Abril. 2004. Consultado em 22 de novembro de 2015. 
  3. «Quem inspirou os personagens da Turma da Mônica?». Mundo Estranho. Editora Abril. Consultado em 22 de novembro de 2015. 
  4. «Bidu». Monica.com.br. 
  5. a b c Marcus Ramone. «Álbum especial comemora os 50 anos do Bidu». Universo HQ. 
  6. Mauricio de Sousa. «Crônica 90 - "Perguntas e Respostas." (1)». Monica.com.br. 
  7. Carlos Costa sobre release (27/11/2009). «Mônica e Cebolinha em livros de bolso pela L&PM». HQ Maniacs. 
  8. Marcus Ramone. «Monica #1». Universo HQ. 
  9. Marcus Ramone (13/08/08). «Bidu e Mingau estrelam seu primeiro almanaque». Universo HQ. 
  10. Marcelo Naranjo (28/11/08). «Cebola e Mônica se beijam em Turma da Mônica Jovem # 4». Universo HQ. 
  11. Eduardo Nasi. «MSP 50». Universo HQ. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]