Turma do Bidu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A turma do Bidu, criada por Mauricio de Sousa, é constituída essencialmente por objetos inanimados (ossos, pedras, poças de água, etc) que estabelecem diálogos, por vezes marcados pelo non-sense e pela metalinguagem. Uma das personagens mais recorrentes é Dona Pedra - além de outros cães que aparecem nas diversas funções de produção de um filme (roteiristas que estabelecem o argumento da história, sendo freqüentes as referências à própria história e à sua condição de desenhos).

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Bidu (1959) - O primeiro personagem de Maurício, faz dois personagens diferentes: cão do Franjinha e diretor/personagem de estúdio.

Bidu é o cão do Franjinha e astro de histórias em quadrinhos. Apesar de Bidu ser o animal de estimação de Franjinha, suas historinhas refletem um universo paralelo, repleto de metalinguagem,[1] onde é um astro das histórias em quadrinhos (com direito ao assistente Manfredo) e um caricato penetra-calouro-imitador, Bugu que luta por um espaço no mundo das histórias em quadrinhos). Quando é astro das histórias em quadrinhos, é bem arrogante e mal-humorado.

    • Mister B (1999) - sátira do mágico Mister M. Mister B ensina como são feitos os truques dos quadrinhos, como as pedras falantes, as caminhadas no ar e os personagens 'imortais'. Na última história, antes de um interlúdio em suas aparições, personagens irritados com suas revelações procuram capturá-lo. Sua semelhança com Bidu leva a captura do mesmo, porém, ao fim da história, é revelado que o personagem, ainda que possuindo uma silhueta idêntica à de Bidu, é na verdade Bugu.
  • Bugu (1972) - Bugu é um cachorro amarelo de formato oval. Seu maior dom é fazer imitações. O que deixa Bidu com raiva, por isso é amplamente desgostado e desprezado pelo cachorro azul por tentar roubar-lhe a cena. Bugu costuma finalizar suas participações sendo chutado para fora da história por meio de um chute de Bidu, dizendo "Tchau, mamãe!". O personagem foi criado pelo irmão de Maurício, Márcio Sousa, que diz que Bugu é um auto-retrato, "sempre tentando roubar a cena do irmão famoso".[2] [3]
  • Buguinho (1982) - Sobrinho do Bugu que, com suas peraltices, chegou a deixá-lo doente numa clínica de repouso. Apareceu na história Bugu não veio, mas..., na revista Cascão nº1, da editora Abril.
  • Manfredo (1981) - é o assistente do Bidu, sempre aparece nas histórias que ele está no estúdio. De vez em quando,ele mesmo expulsa o Bugu do estúdio do Bidu. É um cachorro que faz tudo nas histórias do Bidu: contra-regra, secretário, assistente, produtor... enfim, o que for preciso.
  • Duque(1960) - o melhor amigo do Bidu. Não tem nenhuma característica muito marcante além dos olhos verdes. Por ser o melhor amigo de Bidu, aparece na maioria das histórias. É calmo e bom amigo, sempre tenta ajudar o Bidu em alguns conflitos. Ele é o cachorro de estimação do Titi.
  • Zé Esquecido (1987) - amigo do Bidu, famoso por se esquecer de tudo que faz ou deixou de fazer. É o cão do Xaveco, mas poucas pessoas sabem disso por 2 motivos: o Xaveco é um personagem secundário e o Zé Esquecido é tão esquecido que se esqueceu aonde mora e quem é seu dono.
  • Dona Pedra (1977)- uma pedra com quem Bidu fala (e que surpreendentemente também fala).
  • Zé Gordão (1994) - cachorro gordo e peludo,passa o dia inteiro babando.
  • Dona Árvore (2008)- árvore que o Bidu geralmente conversa com ela.
  • Fifi (1969)- cachorrinha pela qual o Bidu é apaixonado.
  • Théo Um cão Dalmata muito inteligente,amigo do Bidu.
  • Rufios O cachorro mais bravo da rua,apareceu em várias histórias.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Bidu Foi o primeiro personagem publicadado por Maurício de Sousa, em uma tira de jornal pela Folha de S.Paulo em 1959[4]  e depois publicado como revista em quadrinho pela Editora Continental.[5] , estrelou uma revista em quadrinhos pela Editora Continental em 1960.[5] Mauricio se inspirou no cachorrinho que ele tinha na infância, o Cuíca[6]

Após, a Mônica ganhar título próprio pela Editora Abril nos anos 70,[7] o personagem passou a ter histórias publicadas em revistas da Turma da Mônica[8] e almanaques de reedições[9] [1]

Em 2008, Bidu aparece em Turma da Mônica Jovem, muito leitores pensaram que o Bidu poderia estar morto, já que a revista se passa no futuro, onde a Turma está na adolescência.[10]

Em 2009 foi lançado um álbum em comemoração aos 50 anos do personagem, a edição conta com uma coletânea de histórias do personagem, incluindo uma HQ inédita em estilo mangá e uma versão facsimile de Bidu #1 da Editora Continental,[5] no mesmo ano o personagem ganha uma história para o álbum MSP 50, álbum que homenageia os 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa, escrita e desenhada por Laerte Coutinho.[11]

Referências

  1. a b Guilherme Kroll Domingues. «Bidu #1». Universo HQ. 
  2. «Turma do Mauricio». Superinteressante. Editora Abril. 2004. Consultado em 22 de novembro de 2015.  Parâmetro desconhecido |mes= ignorado (|data=) (Ajuda)
  3. «Quem inspirou os personagens da Turma da Mônica?». Mundo Estranho. Editora Abril. Consultado em 22 de novembro de 2015. 
  4. «Bidu». Monica.com.br. 
  5. a b c Marcus Ramone. «Álbum especial comemora os 50 anos do Bidu». Universo HQ. 
  6. Mauricio de Sousa. «Crônica 90 - "Perguntas e Respostas." (1)». Monica.com.br. 
  7. Carlos Costa sobre release (27/11/2009). «Mônica e Cebolinha em livros de bolso pela L&PM». HQ Maniacs. 
  8. Marcus Ramone. «Monica #1». Universo HQ. 
  9. Marcus Ramone (13/08/08). «Bidu e Mingau estrelam seu primeiro almanaque». Universo HQ. 
  10. Marcelo Naranjo (28/11/08). «Cebola e Mônica se beijam em Turma da Mônica Jovem # 4». Universo HQ. 
  11. Eduardo Nasi. «MSP 50». Universo HQ. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]