Turma do Piteco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Turma do Piteco
Piteco personagem.jpg
País de origem Brasil
Primeira publicação Uma tira de jornal do Diário de São Paulo, de 9 de maio de 1961
Género humor, aventura, ficção pré-histórica
Autor(es) Mauricio de Sousa
Personagens principais Piteco
Thuga
Bolota
Tio Glunc
Vartolo
Local da acção Lem
Época da acção Pré-história

A Turma do Piteco é uma tira ambientada na pré-história criada pelo cartunista Mauricio de Sousa e publicada pela primeira vez em uma tira no jornal Diário de São Paulo em 1961.[1]

A série teve muitos personagens marcantes, entre eles os protagonistas Piteco e Thuga presentes desde as primeiras tiras e também o dinossaurinho Horácio, que mais tarde teve as suas próprias tirinhas. Desde os anos 70, passou a ter suas histórias publicadas em gibis de outros personagens criados por Mauricio.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Principais e recorrentes[editar | editar código-fonte]

  • Piteco (1961): o protagonista, um típico Homo erectus solteirão e de bem com a vida que caça e pesca. A sua arma é uma clava, vive na aldeia de Lem (supostamente onde hoje situa-se a cidade paulista de Bauru) e cujo nome completo é Pithecanthropus Erectus da Silva (uma alusão ao antigo nome científico do Homem de Java, o nome científico atual sendo Homo erectus).

Piteco é um caçador destemido e corajoso, mas seu maior medo é se casar com Thuga, por isso vive fugindo dos "planos infaliveis" que ela inventa para leva-lo ao altar. Mas mesmo nunca assumindo um compromisso com ela, Piteco fica enciumado sempre que outro homem mostra interesse em Thuga, além de entrar em desespero quando ela finge nao ter mais interesse nele, como visto nas historias "O casamento de Thuga" (publicado em Cebolinha numero 137 da editora Globo), "Paqueras Pré-Históricas (Cebolinha numero 7, editora Globo), dentre outros. O que demonstra que no fundo ele ama Thuga, só nao o admite porque quer continuar solteiro.

Em histórias mais antigas, Piteco encontrou o ovo de onde nasceria o dinossaurinho Horácio,[2] porém o animal arranjou confusão em Lem e foi expulso.

Até a época da Abril, Piteco carregava uma clava com um prego de metal – o que é bem curioso, considerando que nessa era o metal ainda não havia sido inventado. Essa clava acabou sumindo a partir da época da editora Globo.

Existe também entre alguns fãs uma teoria de que Piteco possa ser o ancestral da Monica, devido a algumas similaridades físicas entre eles (como o cabelo em formato de banana e a roupa vermelha) mas isso no entanto nunca foi confirmado.

  • Thuga (1961): uma mulher gordinha pré-histórica muito romântica e sonhadora. É solteira e seu maior sonho é casar-se com Piteco, mas ele quase nunca corresponde ao seu amor porque quer ficar para sempre solteirão. Foi criada logo na segunda tira, desde sempre perseguindo o seu amado aventureiro caçador – sendo considerada o personagem feminino mais antigo criado por Mauricio (criada antes mesmo de Mônica). Ocasionalmente tem a companhia de seu tio ganancioso Glunc e de sua amiga Ogra.
  • Tio Glunc (1963): tio de Thuga. Um velho ganancioso, mesquinho, interesseiro, que quer saber apenas de se tornar rico e ganhar dinheiro fácil à custa dos outros. É preconceituoso, odeia pobres e quer distância deles. Não suporta Piteco e a todo custo tenta casar sua sobrinha com um solteirão rico para que possa ser sustentado por ambos;
  • Bolota (1967): o melhor amigo de Piteco, um rapaz magro e narigudo que sofre ainda de calvície. Ao contrário de Piteco, é casado e tenta convencer o amigo a também casar-se.

Secundários[editar | editar código-fonte]

  • Pedrosa: amigo de caçadas e pescarias de Bolota e Piteco. Bonachão e um tanto sujinho, acredita-se ser um ancestral de Cascão;
  • Ogra (1963): amiga feia de Thuga, que ora ajuda-a a "caçar" Piteco ora tenta arranjar um namorado a si mesma;
  • Zum e Bum (1970): dois irmãos gêmeos idênticos fora-da-lei estúpidos, que sempre falham em seus delitos;
  • o juiz de paz: frequentemente chamado por Thuga ou pelo tio Glunc para realizar o casamento adequado;
  • Vartolo: amigo de Piteco, de caça e pescarias;
  • Beleléu (1991): um primo de Piteco, e um físico esquisito da aldeia. Por mais úteis que possam parecer seus inventos, os cidadãos consideram-no um doido.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Criação e trajetória dos personagens[editar | editar código-fonte]

A Turma do Piteco foi publicada pela primeira vez em uma tira de jornal publicada pelo Diário de São Paulo no dia 9 de maio de 1961. Mauricio cita como influências as tiras de aventura de Tarzan[3] e as tiras cômicas do Brucutu,[4] tal qual Brucutu,[5] Piteco vive na Idade da Pedra, onde pessoas e dinossauros convivem[6] (uma hipótese descartada por cientistas, que afirmam que os dinossauros foram extintos antes do surgimento da humanidade).[7] Em Brucutu, há as terras de Moo (inspirada em Mu) e Lem (inspirada em Lemúria),[8] esse último sendo o nome da aldeia de Piteco e de seus concidadãos.

Acusado de ser comunista, Maurício foi despedido pelo chefe de redação do jornal Folha de S.Paulo, retornando para Mogi das Cruzes; nesta época passou a apresentar um catálogo de suas tiras para fornecer aos jornais locais. Em 1962 é contratado pelo jornal carioca Tribuna da Imprensa, para o qual criou o personagem Piteco e sua turma.[9] A estreia de Piteco no jornal Tribuna da Imprensa ocorreu em 25 abril de 1962, na parte inferior da página 9.[10]

Suas tirinhas permaneceram no Diário de São Paulo até 22 de julho de 1961, só retornando dois anos depois no dia 7 de fevereiro de 1963 no jornal Diário da Noite. O nome completo do personagem é Pithecanthropus erectus (da Silva) – Pithecanthropus Erectus sendo uma espécie do homo erectus, também conhecido como Homem de Java.[11]

Expansão dos personagens para o mundo editorial[editar | editar código-fonte]

Em 1970, Mauricio assina com a Editora Abril e lança a revista da Mônica,[12] época em que personagens da turma do Piteco, do Horácio e do Astronauta passaram a ter histórias publicadas em revistas.[13]

Os títulos vieram a ser transferidos para a Editora Globo em 1987, e em 2007 para a Panini Brasil.[12]

Em álbuns celebrativos[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o personagem ganha releituras no álbum MSP 50: em uma história das de autoria do quadrinista Flávio Luiz, encontra-se com o Astronauta.[14][15]

Em 2010, é lançado o segundo álbum, o MSP+50, em que Piteco é protagonista em três histórias, uma delas de Beto Nicácio (na qual Piteco ficou bastante parecido com o Wolverine, da Marvel Comics),[16] uma por Emerson Lopes e outra de Fabio Ciccone[17] (criador da webcomic Magias & Barbaridades).[18]

Em 2011, é lançado o terceiro e último álbum, o MSP Novos 50, em que Piteco protagoniza duas histórias: uma produzida pelo quadrinista Luke Ross (conhecido por ilustrar quadrinhos para o mercado norte-americano)[19] e a outra pelo quadrinista Alves,[20][21] em novembro do mesmo ano, durante o Festival Internacional de Quadrinhos, Gusman anunciou que Piteco seria um dos personagens utilizados na linha Graphic MSP, o quadrinista Shiko (que participou do segundo álbum, onde criou uma história para Astronauta) ficou responsável pela graphic novel protagonizada pelo personagem,[22] Batizada de Piteco - Ingá, fazendo referência a Pedra do Ingá na Paraíba, estado de origem do autor.[23] Em junho de 2019, é lançado uma nova graphic novel intitulada Piteco - Fogo por Eduardo Ferigato, que apresenta novos personagens, como Thala, a filha crescida de Piteco e Thuga, podendo ser considerado uma continuação de Ingá. [24][25][26] Em dezembro de 2020, durante uma live para Comic Con Experience, foi anunciada mais uma graphic novel escrita e desenhada por Ferigato.[27]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Em 2019, em parceria com o McDonald's, um livro com duas histórias ilustradas Chico Bento: Amor de verão e Piteco: Viagem no Tempo foi um dos brindes do McLanche Feliz.[29]

Em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Piteco foi escolhido para ilustrar a 35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.[31]

Referências

  1. «Maurício de Sousa». Roda Viva. 9 de outubro de 1989 
  2. «Turma do Mauricio». Super Interessante. Fevereiro de 2004 
  3. Mauricio de Sousa (24 de setembro de 1996). «Crônica 30 - "Navegando nas Letras..."». Monica.com.br 
  4. Paula Dume (26 de junho de 2009). «Mauricio de Sousa comemora 50 anos de carreira com documentário e atrações». Folha Online 
  5. «A volta dos dinossauros: Os robossauros». Super Interessante. Dezembro de 1989 
  6. «O rei dos quadrinhos brasileiros». Rio Comicon 
  7. Tim Fridtjof Flannery (2005). Os senhores do clima. [S.l.]: Editora Record. 71 páginas. 9788501075048 
  8. Sm Ramasamy, N.R.D.M.S. Project (India), Bharathidasan University. Centre for Remote Sensing (2006). Geomatics in Tsunami. [S.l.]: New India Publishing. 5 páginas 
  9. «A história de Mauricio de Sousa: como tudo começou». jornal Folha de S.Paulo. 2020. Consultado em 30 de julho de 2020 
  10. «Piteco. Maurício de Souza». jornal Tribuna da Imprensa. 25 abril de 1962. p. 9. Consultado em 30 de julho de 2020 
  11. «Personagem - Piteco». Monica.com.br 
  12. a b Carlos Costa sobre release (27 de novembro de 2009). «Mônica e Cebolinha em livros de bolso pela L&PM». HQ Maniacs. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2009 
  13. Marcus Ramone. «Almanaque da Mônica #1». Universo HQ 
  14. Marcus Ramone (30 de junho de 2009). «Têm início as comemorações dos 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa». Universo HQ 
  15. Eduardo Nasi. «MSP 50 - MAURICIO DE SOUSA POR 50 ARTISTAS». Universo HQ 
  16. Érico Assis (15 de Junho de 2010). «Quadrinistas reinventam a Turma da Mônica em previews de MSP +50». Omelet 
  17. Eduardo Nasi. «MSP + 50 - Mauricio de Sousa Por Mais 50 artistas». Universo HQ 
  18. Marcelo Naranjo (15 de maio de 2009). «Magias e Barbaridades: 500 tiras online». Universo HQ 
  19. Equipe HQM (12 de março de 2007). «Entrevista: Luke Ross». HQManiacs. Arquivado do original em 6 de setembro de 2011 
  20. MSP Novos 50 (2011). Panini Comics
  21. Eduardo Nasi. «MSP Novos 50 - Mauricio de Sousa por 50 Novos artistas». Universo HQ 
  22. Samir Naliato (10 de novembro de 2011). «Primeiros lançamentos da linha Graphic MSP são anunciados no FIQ». Universo HQ 
  23. Samir Naliato (19 setembro, 2013). «Graphic MSP do Piteco ganha título oficial». Universo HQ  Verifique data em: |data= (ajuda)
  24. Graphic MSP anuncia HQ da Tina e mais na CCXP18
  25. Divulgadas as quatro Graphics MSP de 2019
  26. Revelada a capa de Piteco – Fogo, próxima Graphic MSP
  27. «Mauricio de Sousa Produções anuncia Graphics MSP para 2021 na CCXP». O Dia. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  28. «Os primeiros livros que escrevi». Mônica.com.br. Arquivado do original em 16 de outubro de 2007 
  29. «McLanche Feliz troca brinquedos por livros da Turma da Mônica». www.tribunadejundiai.com.br. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  30. «Turma da Mônica em Uma Aventura no Tempo». Diler & Associados 
  31. «Cartaz da Mostra de Cinema traz Piteco, de Mauricio de Sousa». Folha de. 11 de outubro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]