Zaporíjia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Zaporíjia
  Cidade  
Sehenswürdichkeiten der Stadt Saporischschja.jpg
Símbolos
Bandeira de Zaporíjia
Bandeira
Brasão de armas de Zaporíjia
Brasão de armas
Localização
Zaporíjia está localizado em: Ucrânia
Zaporíjia
Localização de Zaporíjia na Ucrânia
Coordenadas 47° 50' 16" N 35° 08' 18" E
País Ucrânia
Oblast Zaporíjia
Características geográficas
Área total 331 km²
População total (2022) 728 000 hab.
Densidade 2 199,4 hab./km²
Código postal 69000—499

Zaporíjia[1] (em ucraniano: Запоріжжя, Zaporijjia; em russo: Запорожье, Zaporoje; em russo: Запорожье; em inglês: Zaporizhzhia) é uma cidade da Ucrânia, situada no oblast de Zaporíjia. Tem 331 km² de área e sua população em 2020 foi estimada em 728.000 habitantes.[2]

Localiza-se nas margens do rio Dniepre. Foi fundada em 1770, e denominou-se Aleksandrovsk até 1921.[3]

Nomes e etimologia[editar | editar código-fonte]

Até 1921 a cidade tinha o nome de Alexandrovsk devido a uma fortaleza (em russo: Александровская крепость, Alexandrovskaia krepost) que fazia parte do Império Russo. Em 1921, o nome da cidade mudou para o ucraniano Zaporijjia (russo: Zaporoje).

O nome "Zaporijjia" refere-se literalmente à posição da cidade localizada além das corredeiras — a jusante, ou ao sul das corredeiras do rio Dniepre, um grande impedimento à navegação no passado. Em 1932, as corredeiras do rio Dniepre foram inundadas para se tornar parte do reservatório da Estação Hidrelétrica de Dniepre.[4]

Nomes atuais e históricos da cidade, e suas representações, incluem: Zaporijjia,[5] ou Zaporíjia (em ucraniano: Запорі́жжя, transl. Zaporijjia; também Zaporoje (em russo: Запоро́жье, transl. Zaporóje, IPA: [zəpɐˈroʐjɪ]), e anteriormente Alexandrovsk (em russo: Алекса́ндровск, transl. Alexándrovsk [ɐlʲɪˈksandrəfsk] ou Oleksandrivsk ( em ucraniano: Олекса́ндрівськ, transl. Oleksándrivsk, [olekˈsɑnd⁽ʲ⁾r⁽ʲ⁾iu̯sʲk]).

História[editar | editar código-fonte]

Império Russo (1654–1917)[editar | editar código-fonte]

Fundação de Zaporíjia[editar | editar código-fonte]

Um plano de Alexandrovsk, 1823

Em 1770 a fortaleza de Alexandrovskaia (Александровская) foi erguida, sendo esse considerado o ano da fundação de Zaporíjia. Como parte da Linha de Defesa do Dniepre, a fortaleza protegia os territórios do sul do Império Russo das invasões dos tártaros da Crimeia. É incerto qual a o Alexander homenageado pela fortaleza. Alguns acreditam que foi Alexandr Golitsyn, o general que serviu Catarina, a Grande.[4] Outras possibilidades são o príncipe Alexandr Viazemski[6][7] ou Alexandr Rumiantsev .

Em 1775, a Rússia e o Império Otomano assinaram o tratado de paz de Küçük Kaynarca, segundo o qual as terras do sul da planície russa e da península da Crimeia se tornaram territórios governados pela Rússia. Como resultado, a Fortaleza Alexandrovskaia perdeu seu significado militar e se converteu em uma pequena cidade rural provincial, conhecida desde 1806 sob o nome de Alexandrovsk (Александровск).[4]

Colonos menonitas[editar | editar código-fonte]

Uma vista de Alexandrovsk no final do século XIX

Em 1789, menonitas vindos de Danzigue (Prússia) aceitaram o convite de Catarina, a Grande, para estabelecer várias colônias na área da cidade moderna. A ilha de Khortytsia foi presenteada a eles para "posse perpétua" pelo governo russo. Em 1914, os menonitas venderam a ilha de volta à cidade. Os menonitas construíram moinhos e fábricas agrícolas em Alexandrovsk.[8]

Durante a Revolução Russa e especialmente devido à Segunda Guerra Mundial, a maioria dos menonitas fugiram para a América do Norte e do Sul, além de serem realocados à força para o leste da Rússia. Atualmente, poucos menonitas vivem em Zaporíjia, embora na área muitos edifícios industriais e casas construídas por menonitas sejam preservados.[9]

A balsa[editar | editar código-fonte]

Em 1829, foi proposta a construção de um teleférico através do Dniepre. A balsa podia transportar uma dúzia de carroças. O projeto foi aprovado pelo czar e mais tarde foi utilizado em outras partes do Império Russo. Em 1904 a balsa foi substituída pela Ponte Kitchkas (Кичкасский), que foi construída na parte mais estreita do rio chamada "Garganta do Lobo", perto da parte norte da ilha de Khortytsia.

Guerra civil (1917–1921)[editar | editar código-fonte]

A Ponte Kitchkas foi de importância estratégica durante a Guerra Civil Russa e transportava tropas, munições, feridos e suprimentos médicos. Por causa desta ponte, Alexandrovsk e seus arredores foram palco de combates ferozes de 1918 a 1921 entre o Exército Vermelho e os exércitos brancos de Denikin e Wrangel, o Exército Popular Ucraniano de Petliura e as tropas germano-austríacas, e após sua derrota, a luta com os insurgentes liderados por Grigoriev e Makhno. A ponte foi danificada várias vezes. O dano mais sério foi infligido pelas tropas de Makhno quando se retiraram de Alexandrovsk em 1920 e explodiram um vão de 40 metros de largura no meio da ponte.

O Comissário do Povo das Ferrovias Dzerjinski, do governo bolchevique, coordenou o reparo da ponte. A planta metalúrgica em Dnipropetrovsk construiu uma seção de substituição. A ponte Kitchkas reabriu em 14 de setembro de 1921. Em 19 de outubro de 1921, o Conselho Soviético de Trabalho e Defesa (presidido por Lenin) concedeu à ferrovia Ekaterininski a Ordem da Bandeira Vermelha da República Socialista Soviética da Ucrânia pela restauração precoce da Ponte Kitchkas.[10]

Na época da Ucrânia soviética como parte da URSS (1922–1991)[editar | editar código-fonte]

Industrialização nos anos 1920-1930[editar | editar código-fonte]

Bairro residencial-"SotsGorod". Edifícios na Avenida Sobornyi (arquiteto Lavrov, construído em 1936)

No início do século XX, Zaporíjia era uma pequena cidade rural do Império Russo, que adquiriu importância industrial durante a industrialização realizada pelo governo soviético em 1920–1930. A 10 quilômetros da cidade velha de Alexandrovsk, na parte mais estreita do rio Dniepre, foi planejada a construção da usina hidrelétrica, a mais poderosa da Europa na época. Mais tarde, a estação foi nomeada "DnieproHES", a usina siderúrgica – "Zaporijstal'" (Fábrica de Aço Zaporijjia), e a parte nova da cidade – "Sotsgorod".[11] (cidade socialista) [12][13] A produção da fábrica de alumínio ("DAZ" – Usina de Alumínio do Dniepre) de acordo com o plano deveria exceder a produção total de alumínio da Europa naquele momento.[14]

O Instituto Estadual de Desenho de Usinas Metalúrgicas (RU) (GIPROMEZ) desenvolveu um projeto de criação do Complexo Industrial do Dniepre. A GIPROMEZ consultou várias empresas, incluindo a Freyn Engineering Company de Chicago (EUA), que participou do projeto e construção dos altos-fornos.

Na década de 1930, a American United Engineering and Foundry Company construiu um laminador de tiras, que produzia tiras de aço para laminação a quente e a frio. O laminador era uma cópia da siderúrgica Ford River Rouge. A capacidade anual do moinho atingiu 600 000 toneladas. A largura da tira era de 66 polegadas.[15] Havia uma segunda seção que usava uma cópia soviética do laminador de tiras Demag AG que produzia tiras de aço de 45 polegadas de largura.[15]

A barragem hidroelétrica DniproHES[editar | editar código-fonte]

Usina hidrelétrica do Dniepre.

O ponto de virada na história da cidade foi a construção da hidrelétrica (DniproHES), iniciada em 1927 e concluída em 1932. O principal projetista do projeto foi IG Alexandrov ( RU ), o gerente de construção – AV Vinter ( RU ), o arquiteto-chefe – VA Vesnin e o principal conselheiro americano – o coronel Hugh Cooper.

A cidade do socialismo (Sotsgorod)[editar | editar código-fonte]

Entre a hidrelétrica e a área industrial a 10 km do centro da antiga Alexandrovsk foi estabelecido o distrito residencial n.º 6, que foi nomeado "Sotsgorod".

A ideia principal que orientava os arquitetos era a criação de uma cidade-jardim, uma cidade do futuro. Casas de vários andares (não mais de 4 andares) com apartamentos grandes e espaçosos foram construídas em Sotsgorod, com amplos quintais plantados com grama e árvores ao redor dos edifícios. Nikolai Kolli,[16] VAVesnin, GMOrlov, VGLavrov e outros projetaram o DniproHES e o SotsGorod. Le Corbusier visitou a cidade poucas vezes na década de 1930. Os arquitectos utilizaram as ideias da arquitectura construtivista.

Grande Zaporíjia

O Distrito n.º. 6 é uma pequena parte do projeto global chamado de Grande Zaporíjia. Este projeto para a cidade visava permitir que meio milhão de pessoas vivessem em sete áreas diferentes: Voznesenka, Baburka, Kitchkas, Alexandrovsk, Pavlo-Kitchkas e na Ilha de Khortytsia. Cada distrito deveria ser independente dos outros e ainda fazer parte de uma cidade unida. A linha da cidade deveria ser estendida ao longo das margens do rio Dniepre por 22 km.[17]

Pontes ferroviárias no Dniepre[editar | editar código-fonte]

A localização da ponte Kitchkas coincidia com a zona de inundação da barragem hidrelétrica. Inicialmente, foi planejado desmontá-la e reconstruí-la em outro local. Mas o conselho de especialistas determinou que isso não seria econômico, pois era mais barato construir uma nova ponte.

A construção da barragem hidroelétrica significou que uma nova ponte foi necessária para levar a ferrovia sobre o Dniepre. Em vez de ter uma única ponte, como antes, decidiu-se passar a ferrovia sobre a ilha de Khortytsia. A parte mais larga do rio entre Khortytsia e a cidade é conhecida como o Novo Dniepre, e a parte mais estreita entre Khortytsia e os subúrbios na margem direita do rio é conhecida como o Velho Dniepre. O Novo Dniepre foi atravessado por uma ponte de dois níveis de três arcos. Cada um dos arcos se estende por 140 metros. Quando incluídos os vãos de aproximação, o comprimento total é de 715 metros pesando 8 480 toneladas.[10]

O Velho Dniepre foi atravessado por uma ponte em arco de um só vão de 224 metros, formando a maior ponte de vão único da Europa na época. Esta ponte pesava 5 220 toneladas. Ambas as pontes foram projetadas pelo professor Streletsky. As novas pontes foram inauguradas em 6 de novembro de 1931. A ponte Kitchkas foi demolida depois.[10]

Segunda Guerra Mundial (1941–1945)[editar | editar código-fonte]

Um soldado do Exército Vermelho perto da represa hidrelétrica do Dniepre.

Ocupação alemã[editar | editar código-fonte]

A guerra entre a URSS e a Alemanha nazista começou em 22 de junho de 1941.

Após a eclosão da guerra, o governo soviético iniciou a evacuação dos equipamentos industriais da cidade para a Sibéria. As forças de segurança soviéticas NKVD atiraram em prisioneiros políticos na cidade. Em 18 de agosto de 1941, elementos do 1.º Grupo Panzer alemão chegaram aos arredores de Zaporíjia na margem direita e tomaram a ilha de Khortytsia.[18][19]

O Exército Vermelho abriu um buraco de 120 m por 10 m na barragem hidrelétrica do Dniepre (DniproHES) às 16h de 18 de agosto de 1941, produzindo uma onda de inundação que varreu de Zaporíjia a Nikopol, matando moradores locais e soldados de ambos os lados.[18] "Como nenhum número oficial de mortos foi divulgado na época, o número estimado de vítimas varia muito. A maioria dos historiadores coloca entre 20 000 e 100 000, com base no número de pessoas que viviam nas áreas inundadas".[20] Após dois dias, os defensores da cidade receberam reforços e mantiveram a margem esquerda do rio por 45 dias.[18] Durante esse tempo, as pessoas desmontavam máquinas pesadas, as embalavam e as carregavam na plataforma ferroviária, marcadas e contabilizadas com diagramas de fiação.[18] Só a Zaporijstal exportou 9 600 vagões com o equipamento. Zaporíjia foi tomada em 3 de outubro de 1941.[21]

A ocupação alemã de Zaporíjia durou 2 anos e 10 dias. Durante esse período, os alemães mataram mais de 35 000 pessoas e enviaram 58 000 pessoas para a Alemanha como trabalho forçado.[18] Os alemães usaram trabalho forçado (principalmente prisioneiros de guerra) para tentar restaurar a hidrelétrica do Dniepre e as siderúrgicas.[18] Os cidadãos locais estabeleceram uma organização de resistência clandestina na primavera de 1942.[18]

As linhas ferroviárias Krivoi RogStalingrado e Moscou–Crimeia, que passam por Zaporíjia foram importantes linhas de abastecimento para os alemães em 1942–43, mas a grande ponte ferroviária de três arcos Dniepre em Zaporíjia foi explodida pelo Exército Vermelho quando estavam em retirada em 18 de agosto de 1941, com mais trabalhos de demolição feitos em setembro de 1941 e os alemães não a colocaram de volta em operação até o verão de 1943.[22]

Quando os alemães reformaram o Grupo de Exércitos Sul em fevereiro de 1943, tinham seu quartel-general em Zaporíjia. A perda de Carcóvia e de outras cidades fez com que Adolf Hitler voasse para este quartel-general em 17 de fevereiro de 1943, onde permaneceu até 19 de fevereiro e conheceu o comandante do grupo, o Marechal de Campo Erich von Manstein, sendo persuadido a permitir que o Grupo de Exércitos Sul lutasse contra uma defesa móvel, que rapidamente levou a que muito do terreno perdido fosse recapturado pelos alemães na Terceira batalha de Carcóvia.[23] Hitler visitou o quartel-general em Zaporíia novamente em 10 de março de 1943, onde foi informado por von Manstein e seu colega da força aérea o Marechal de Campo Wolfram Freiherr von Richthofen.[24][25] Hitler visitou a sede em Zaporíjia pela última vez em 8 de setembro de 1943.[26] Em meados de setembro de 1943, o Grupo de Exércitos mudou sua sede de Zaporíjia para Kirovogrado (agora chamada Kropyvnytskyi).[27]

Tanto a grande ponte ferroviária sobre o Novo Dniepre quanto a menor sobre o Velho Dniepre foram danificadas em um ataque aéreo por um grupo de oito aeronaves Ilyushin Il-2 liderados pelo tenente A Usmanov em 21 de setembro de 1943.

Libertação[editar | editar código-fonte]

Em meados de agosto de 1943, os alemães começaram a construir a linha de defesa Panther-Wotan ao longo do Dniepre, de Kiev à Crimeia, e recuaram para ela em setembro de 1943. Os alemães mantiveram a cidade como uma ponte sobre o Dniepre com elementos do 40.º Panzer e do 17.º Corpo.[28] A Frente Sudoeste Soviética, comandada pelo general do exército Rodion Malinovski, atacou a cidade em 10 de outubro de 1943.[28] Quando os defensores conseguiram deter os ataques, o Exército Vermelho reforçou suas tropas e lançou um ataque noturno surpresa às 22:00 do dia 13 de outubro,[29] "lançando uma barragem de artilharia maior do que qualquer coisa vista até à data (quando 'divisões' inteiras de artilharia apareceram pela primeira vez) e lançando nada menos que dez divisões fortemente apoiadas".[27]

O Exército Vermelho invadiu a cabeça da ponte, forçando os alemães a abandoná-la em 14 de outubro de 1943. Os alemães em retirada destruíram quase completamente a usina siderúrgica Zaporijstal;[18] demoliram a grande ponte ferroviária novamente,[27] e demoliram o prédio da turbina, danificando 32 das 49 baías da barragem hidrelétrica de Dniepre.[18] A cidade tem uma rua entre os distritos de Voznesenskyi e Oleksandrivskyi e um memorial no distrito de Oleksandrivskyi dedicado ao tenente do Exército Vermelho que comandou o primeiro tanque a entrar em Zaporíjia; ele e sua tripulação foram mortos na batalha pela cidade.[18]

O Exército Vermelho não recapturou as partes da cidade na margem direita até 1944.

A reconstrução da barragem hidroelétrica do Dniepre começou em 7 de julho de 1944. A primeira eletricidade foi produzida a partir da barragem restaurada em 3 de março de 1947.

Contemporâneo (1991–tempo atual)[editar | editar código-fonte]

Zaporíjia moderna (2015).

Novas pontes sobre o Dniepre[editar | editar código-fonte]

A conexão de transporte de automóveis entre os bairros da margem direita e o centro da cidade através da ponte Preobrajensky já apresentava engarrafamentos no final dos anos 1990. Em 2004, foi iniciada a construção de novas pontes sobre o [[Rio Dniepre|]Dniepre]. A construção das pontes parou logo após o início devido à falta de financiamento. O desenho do projeto estava em revisão, com custo estimado em 8 bilhões de grívnias, em oposição aos 2 bilhões originais (8 biliões de grívnias e 2 biliões de grívnias em português europeu).[30]


Eventos Euromaidan, 2013–2014[editar | editar código-fonte]

Durante as ocupações da administração estadual do Euromaidan em 2014, protestos contra o presidente Viktor Ianukovytch também foram realizados em Zaporíjia.[31] Em 23 de fevereiro de 2014, o prédio da administração estadual regional de Zaporíjia foi ocupado por 4 500 manifestantes,[32] em meados de abril de 2014 houve confrontos entre ativistas ucranianos e pró-russos .[33] Os ativistas ucranianos superaram os manifestantes pró-Rússia.[34][35]

Renomeando ruas da cidade, plantas, centros culturais (2016)[editar | editar código-fonte]

Em 19 de maio de 2016, o parlamento ucraniano aprovou a chamada "Lei de Descomunização".[36] Devido a essas leis, o conselho da cidade teve que renomear mais de 50 ruas principais e as partes administrativas da cidade, os monumentos dos líderes da União Soviética (Lenin e Félix Dzerjinski) foram destruídos.[37][38] Os nomes que homenageiam os líderes soviéticos nos títulos de usinas industriais, fábricas, centros culturais e DniproHES foram removidos.

Invasão russa (2022)[editar | editar código-fonte]

Durante a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, as forças russas estiveram envolvidas em ataques contínuos à cidade. Em 27 de fevereiro, alguns combates foram relatados na periferia sul de Zaporíjia.[39] As forças russas começaram a bombardear Zaporíjia mais tarde naquela noite.[40] Em 3 de março, as forças russas que se aproximavam da Usina Nuclear de Zaporíjia foram disparadas ao desativar um tanque e responderam causando um incêndio e preocupação com um possível colapso nuclear. Os bombeiros conseguiram controlar o fogo.[41][42] As forças militares russas dispararam mísseis em Zaporíjia na noite de 12 e 13 de maio.[43]

Em 30 de setembro de 2022, o presidente russo Vladimir Putin assinou um decreto de anexação de quatro oblasts ucranianos, após realizar referendos internacionalmente considerados como fraudulentos e ilegais nas áreas das regiões sob ocupação militar russa.[44][45] O oblast de Zaporíjia foi incluído no decreto, apesar de não estar totalmente sob domínio das forças russas; a cidade de Zaporíjia, capital localizada em seu norte, segue sob controle ucraniano.[46][47]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A cidade está localizada no sudeste da Ucrânia. O rio Dniepre divide a cidade em duas partes entre elas está localizada a ilha de Khortytsia. A cidade abrange 334 km² a uma altitude de 50 metros acima do nível do mar.[48]

A flora da ilha de Khortytsia é única e diversificada devido ao ar seco da estepe e uma grande bacia de água doce ao redor, que em certo grau limpa o ar poluído pelas indústrias. A ilha de Khortytsia é um parque nacional. A superfície da ilha é cortada por grandes ravinas (balka), percursos pedestres e monumentos históricos. A ilha é uma área de lazer muito popular para crianças e adultos. Há um grande número de sanatórios, resorts e centros de saúde. Lá também se encontram praias de areia para banho e outras atividades aquáticas. RU [49]

Governança[editar | editar código-fonte]

O edifício da administração regional de Zaporíjia
O edifício do conselho da cidade de Zaporíjia

Zaporíjia é uma sede regional do oblast de Zaporíjia e uma cidade de importância regional, o que significa que tem uma forma de autogoverno dentro do oblast (região).

Subdivisão administrativa[editar | editar código-fonte]

A cidade é dividida em 7 raions administrativos.

Raions da cidade. 1. Oleksandrivsky, 2. Zavodsky, 3. Komunarsky, 4. Dniprovsky, 5. Voznesenivsky, 6. Khortytsky e 7. Shevchenkivsky

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população da cidade vem diminuindo desde os primeiros anos da independência do estado. Em 2014–2015, a taxa de crescimento da população foinegativa (-0,56% por ano).[50]

Em janeiro de 2017, a população da cidade era de 750 685 habitantes[51]

Gráfico da População de Zaporíjia
Ano População Fonte
1781 329
1795 1 230 [52]
1804 2 500 [52]
1824 1 716 [8]
1859 3 100 [8]
1861 3 819 [52]
1864 4 354 [8]
1870 4 601 [53]
1885 6 707
1894 16 100
1897 16 393
Ano População Fonte
1900 24 196
1902 35,000 [8]
1910 38 000
1913 63 000 [52]
1915 c. 60 000 [8]
1916 72 900 [52]
1917 58 517
1926 55 744
1937 243 148 [54]
1939 289 188 [55][56]
1943 120 000 [55]
Ano População Fonte
1956 381 000 [57]
1959 449 000
1970 658 000
1971 676 000 [56]
1979 781 000
1989 897 600
1991 896 600
2001 815 300
2010 776 918
2011 775 678
2015 757 650 [1][ligação inativa]
2017 750 685 [2]

De acordo com o censo de 2001, Zaporíjia tinha a seguinte estrutura étnica: [58]

Total (milhares) ucranianos russos bielorrussos búlgaros judeus georgianos armênios tártaros azeris roma (ciganos) pólos alemães moldavos gregos
815,3 573 207 5,5 3,6 3,4 3,11 3,08 2,2 1,2 0,92 0,78-1,8 0,76 0,72 0,6
100% 70,28% 25,39% 0,67% 0,44% 0,42% 0,38% 0,38% 0,27% 0,15% 0,11% 0,1% 0,09% 0,09% 0,07%

Linguagem[editar | editar código-fonte]

O ucraniano é usado para negócios oficiais do governo.

Língua nativa dos moradores de Zaporíjia, de acordo com o censo na Ucrânia (porcentagem):

Linguagem 1897[59] 1926[60] 1989[61] 2001[62]
ucraniano 43,0 33,8 41,3 41,6
russo 24,8 52,2 57,0 56,8
iídiche 27,8 9,7  0,1

As seguintes denominações religiosas estão presentes em Zaporíjia: [63]

Cristandade[editar | editar código-fonte]

Ortodoxia
Catedral da Santa Proteção.

A maioria dos cidadãos são cristãos ortodoxos da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou) ou Igreja Ortodoxa da Ucrânia. Entre as igrejas ortodoxas, a Igreja da Intercessão, que está sob o Patriarcado de Moscou, é a mais popular. Há também a Igreja de São Nicolau e a Catedral de Santo André na cidade.

Protestantismo

O protestantismo é representado por:

Catolicismo

O catolicismo é representado por:

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

O judaísmo ortodoxo é representado por uma união e seis comunidades.

Islamismo[editar | editar código-fonte]

No distrito de Zaporíjia há cinco comunidades que fazem parte da Administração Espiritual de Muçulmanos da Ucrânia e quatro comunidades muçulmanas independentes..

Hinduísmo[editar | editar código-fonte]

A cidade abriga uma filial da Academia Védica .

Economia[editar | editar código-fonte]

Indústria[editar | editar código-fonte]

Indústria e porto fluvial.

Zaporíjia é um importante centro industrial da Ucrânia, com a principal fabricante de automóveis do país, a mundialmente famosa fabricante de motores de aeronaves Motor-Sich. Bem abastecida com eletricidade, Zaporíjia forma, juntamente com a vizinha Bacia do Donets e as minas de manganês de Nikopol e Kryvyi Rih, um dos principais complexos industriais da Ucrânia.

Geração de eletricidade[editar | editar código-fonte]

Zaporíjia é um grande centro gerador de eletricidade. Existem centrais hidroeléctricas, como a Estação Hidroelétrica do Dniepre "DniproHES " e a maior central nuclear da Europa. As usinas de Zaporíjia geram cerca de 25% de todo o consumo de eletricidade da Ucrânia. A Usina Nuclear de Zaporíjia está localizada perto do Enerhodar (Енергода́р, que significa doador de energia ), a cerca de 60 km de Zaporíjia, sendo a maior usina nuclear da Europa. Também em Enerhodar, está a Central Térmica de Zaporíjia .

Atrações[editar | editar código-fonte]

Teatro Acadêmico Magara.

Zaporíjia tem uma filarmônica, alguns museus, teatros, bibliotecas. Entre eles estão:

  • Teatro Acadêmico Magara
  • Laboratório Municipal de Teatro «VIE»
  • Teatro para espectadores jovens
  • Teatro de Equitação «Cossacos Zaporijianos»
  • Museu Regional de Zaporíjia
  • Museu Nacional de História dos Cossacos Zaporijianos
  • Museu de Arte Regional de Zaporíjia
  • Museu da Aviação Motor Sich
  • Biblioteca Científica Universal da Região de Zaporíjia
Ilha de Khortytsya.
'Fonte da Vida' em Zaporíjia (construída em 2004) com a exposição diária de artistas zaporijianos.

A infraestrutura[editar | editar código-fonte]

A cidade de Zaporíjia é um importante centro de transporte na Ucrânia e possui um sistema de transporte profundamente desenvolvido que inclui opções rodoviárias, ferroviárias, fluviais e aéreas para transporte de passageiros, cargas e serviços públicos. O transporte público da cidade inclui ônibus, minivans, bondes, trólebus e ferrovias.

Aeroporto Internacional de Zaporíjia.

O único aeroporto da cidade que está localizado a leste da cidade (margem esquerda do Dniepre) inclui voos domésticos e internacionais. A oeste da cidade (margem direita do Dniepre) está localizado o aeródromo menor Shyroke.

Cidades gêmeas e cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

Praça Zaporíjia (em alemão: Saporoshjeplatz) em Oberhausen, em homenagem à cidade gêmea de Oberhausen, Zaporíjia

Zaporíjia tem um acordo sobre as relações das cidades irmãs com: [64][65]

Além disso, em 1969 a cidade renomeou uma de suas ruas "Wrocław" (Breslávia em português), e o governo comunista de Breslávia reconhecendo que eles deveriam homenagear a cidade ucraniana de maneira semelhante e uma parte da Sudecka foi renomeado para rua Zaporoska (Zaporíjia em polaco).[69]

Referências

  1. Correia, Paulo (Primavera de 2022). «Indomalásia e Wallaceia — regiões e sub-regiões biogeográficas» (PDF). a folha – Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. Consultado em 27 de julho de 2022 
  2. «Zaporizhzhya, Ukraine Metro Area Population 1950-2022». www.macrotrends.net. Consultado em 30 de agosto de 2022 
  3. «Zaporizhzhya» (em inglês). Encyclopædia Britannica. Consultado em 7 de julho de 2021 
  4. a b c Pospelov, pp. 25–26
  5. «Про затвердження транслітерації написання географічної назви міста Запоріжжя латиницею. Рішення виконавчого комітету №476». Zaporizhzhia city council. Executive committee. 28 de agosto de 2017 
  6. Я. П. Новицкий. История города Александровска, (Екатеринославской губ.) в связи с историей возникновения крепостей Днепровской линии 1770–1806 г. – Екатеринослав: Типография Губернского Земства, 1905. – 176 с. (em russo)
  7. Віталій Бондар, Ірина Козлова. (25 de setembro de 2010). Таємниці унікальних документів (em ucraniano). Запорізька правда 
  8. a b c d e f Natalia Ostasheva Venger (2003). «The Mennonite Industrial Dynasties in Alexandrovsk». Journal of Mennonite Studies. V21. Dnepropetrovsk National University. pp. 89–110 
  9. Friesen, R. Building on the Past: Mennonite Architecture, Landscape and Settlements in Russia/Ukraine. Raduga Publications, 2004.
  10. a b c The bridges of Zaporizhzhia (Мосты Запорожья), by L. Adelberg (Адельберг Л), pub RA Tandem st, Zaporizhzhia, 2005. (em russo)
  11. «Sovetskai︠a︡ arkhitektura». Искусство. 27 de outubro de 1969 – via Google Books 
  12. New world review, p40
  13. Меерович М. Г. Соцгород – базовое понятие советской градостроительной теории первых пятилеток Arquivado 2011-09-28 no Wayback Machine
  14. «История Запорожья». photoalbum.zp.ua 
  15. a b The Soviet economy and the Red Army, 1930–1945, by Walter Scott Dunn, Greenwood Publishing Group, 1995 ISBN 0-275-94893-5, page 13.
  16. «Колли Николай Джемсович». bse.sci-lib.com 
  17. V.E. Alyeshin, Dissertation, (Алёшин В. Э., Глава III. Практическое воплощение теоретический идеи в градостроительстве Украины в период индустриализации и первой пятилетки. Развитие представления о социалистическом поселении в градостроительстве Украины в 1920–х – начале 1930–х годов (Диссертация на соискание ученой степени кандидата архитектуры))
  18. a b c d e f g h i j The Great Patriotic War on the territory of Zaporizhzhia (Великая Отечественная война на территории Запорожья) (em russo)
  19. «The Eastern Front, Timeline 1941». Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 
  20. Radio Free Europe Radio Liberty, Ukrainian Activists Draw Attention To Little-Known WWII Tragedy , by Dmytro Moroz and Claire Bigg, 23 August 2013.
  21. Germany and the Second World War, Volume IV The Attack on the Soviet Union, p 607 says that Zaporizhzhia was captured on 1 October 1941.
  22. Lost Victories, by Field Marshal Eric von Manstein, pdf version p263.
  23. Lost Victories, by Field Marshal Eric von Manstein, translated by Anthony G Powell, pdf version p267-270.
  24. Lost Victories, by Field Marshal Eric von Manstein, pdf version p 274.
  25. There are photographs of Hitler's meeting at HQ Army Group South taken by Heinrich Hoffmann in the Bavarian State Library Arquivado 2011-05-16 no Wayback Machine; the library records show them as taken on 10 March 1943. The following instructions will find the photos on the site:
  26. Lost Victories, by Field Marshal Eric von Manstein, pdf version p290-2.
  27. a b c Lost Victories, by Field Marshal Eric von Manstein, says that the Germans finished repairing the railway bridge only a few months before they lost the city in October 1943.
  28. a b «The Eastern Front, Timeline 1943». Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 
  29. Moscow-Stalingrad-Berlin-Prague, Memories of Army Commander ("Москва-Сталінград-Берлін-Прага". Записки командарма), by Dmitri Danilovich Lelyushenko (Лелюшенко Дмитро Данилович), pub Nauka, Moscow, 1987, chapter 4.
  30. Почему мосты строят по 14 лет – и что говорит Укравтодор
  31. Buckley, Neil (26 de janeiro de 2014). «Ukraine protests spread to Yanukovich heartland»Subscrição paga é requerida. Financial Times 
  32. «В Запорожье участники Майдана опечатали кабинеты руководства Запорожской ОГА : Новости УНИАН». Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  33. Ukraine Tensions Escalate as Russia, U.S. Exchange Barbs Arquivado 2014-09-15 no Wayback Machine
  34. Ukraine crisis: What is happening where?, BBC News (15 April 2014)
  35. «Armed, pro-Russian separatists lay siege to Donetsk Oblast; at least three dead (VIDEOS, UPDATES) – Apr. 14, 2014». 14 de abril de 2014 
  36. Poroshenko signed the laws about decomunization. Ukrayinska Pravda. 15 May 2015
    Poroshenko signs laws on denouncing Communist, Nazi regimes, Interfax-Ukraine. 15 May 20
    Goodbye, Lenin: Ukraine moves to ban communist symbols, BBC News (14 April 2015)
  37. Vitaly Shevchenko (1 de junho de 2016), In pictures: Ukraine removes communist-era symbols, BBC News 
  38. Полный перечень переименованных в Запорожье улиц
  39. «Техніка росіян зайшла до Бердянська, в Запоріжжі зброю дають усім готовим захищати обласний центр». Радіо Свобода (em ucraniano). Consultado em 28 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  40. «Жителів Запоріжжя просять не покидати укриття: Обстрілюють аеродром – новини Запоріжжя». www.depo.ua (em ucraniano). Consultado em 28 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  41. «Video analysis reveals Russian attack on Ukrainian nuclear plant veered near disaster». NPR. 11 de março de 2022. Consultado em 1 de abril de 2022 
  42. "Update 1-Ukraine nuclear power plant Zaporizhzhia on fire, town mayor says". Reuters. 4 March 2022. Retrieved 7 March 2022.
  43. «Invaders fire missiles on Zaporizhzhia, Sumy region at night» 
  44. «Putin assina anexação ilegal de territórios ucranianos e menciona armas nucleares». G1. 30 de setembro de 2022. Consultado em 2 de outubro de 2022 
  45. «Por que os referendos da Rússia na Ucrânia são considerados ilegítimos». Yahoo Notícias. 29 de setembro de 2022. Consultado em 2 de outubro de 2022 
  46. Norton, Tom (30 de setembro de 2022). «Fact Check: Putin's Russia doesn't fully control annexed Ukrainian regions». Newsweek (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2022 
  47. «Conheça as quatro regiões da Ucrânia que a Rússia anexou ilegalmente». g1. 30 de setembro de 2022. Consultado em 2 de janeiro de 2022 
  48. «Паспорт города Запорожье». photoalbum.zp.ua 
  49. «The interactive map of island of Khortitsa (Russian)». Consultado em 2 de julho de 2011. Arquivado do original em 2 de julho de 2011 
  50. «Zaporizhzhia · Population». population.city 
  51. Держстат України
  52. a b c d e Official Portal Zaporizhzhia city authorities, History (Офіційний портал, Запорізької міської влади, Історія міста) Arquivado 2012-02-03 na WebCite, accessed 11 April 2011. {{{2}}}
  53. Ripley, George; Dana, Charles A. (Charles Anderson) (27 de outubro de 1879). «The American cyclopaedia: a popular dictionary of general knowledge. Edited by George Ripley and Charles A. Dana». New York D. Appleton – via Internet Archive 
  54. Half a century classified as 'Secret': All-Union census in 1937 (Полвека под грифом 'секретно': Всесоюзная перепись населения 1937 года) Arquivado 25 maio 2013 no Wayback Machine, by Valentina B Zhiromskaya, I Kiselev, Yu A Polyakov, pub Nauka, 1996. This gives the 1926 population as 55,295.(DJV-ZIP – requires DjVu viewer software) {{{2}}}
  55. a b The emergency evacuation of cities: a cross-national historical and geographical study, by Wilbur Zelinsky, Leszek A. Kosiński, pub Rowman & Littlefield, 1991, ISBN 0-8476-7673-0.
  56. a b The Great Soviet Encyclopedia (Большая Советская Энциклопедия), entry for Zaporizhzhia – Zaporizhzhia oblast center (Запорожье – центр Запорізької обл.), 3rd edition, pub 1969 to 1978. (em russo)
  57. Ukrainian SSR (Украинская ССР), pub Economic Institute of the Ukrainian Academy of Sciences, 1958, p87.
  58. Лозовой Н. (17 de janeiro de 2011). «Этнические войны: украинская версия». Истеблишмент. Arquivado do original em 23 de agosto de 2011 
  59. «Demoskop Weekly: Prilozhenie. Spravochnik statisticheskikh pokazateleĭ» Демоскоп Weekly - Приложение. Справочник статистических показателей. [Demoscope Weekly: appendix. Digest of statistical indicators.]. www.demoscope.ru. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  60. Vsesoi͡uznai͡a perepisʹ naselenii͡a 1926 goda. Moscow: Издание ЦСУ Союза ССР. 1928–1929 
  61. Romant͡sov, V. O. «Населення України і його рідна мова за часів радянської влади та незалежності» Naselenni͡a Ukraïny i ĭoho ridna mova za chasiv radi͡ansʹkoï vlady ta nezalez͡hnosti [The population of Ukraine and its native language in the periods of the Soviet régime and independence]. Consultado em 15 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 6 de março de 2016 
  62. «Vseukraïnsʹkyĭ perepys naselenni͡a 2001 roku: Rozpodil naselenni͡a za ridnoi͡u movoi͡u, Zaporizʹka oblastʹ» Всеукраїнський перепис населення 2001 року. Розподіл населення за рідною мовою, Запорізька область [All-Ukrainian census of population 2001: Distribution of population by native language, Zaporizka oblast.] 
  63. «Archived copy». Consultado em 17 de abril de 2011. Arquivado do original em 17 de junho de 2008  Остров Свободы (газета)
  64. a b c d e f g h Міста-побратими м. Запоріжжя [Twin Cities Zaporizhzhia]. City of Zaporizhzhia (em ucraniano). Шановні відвідувачі і користувачі сайту. Consultado em 7 de agosto de 2013. Arquivado do original em 3 de agosto de 2012 
  65. Беляева Л. Города-побратимы Запорожья // Правда. – 2011. – № 16. – С. 9.
  66. «Belfort – Les Relations Internationales» [Belfort – International Relations]. Belfort Mairie (em francês). Consultado em 21 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 20 de julho de 2011 
  67. ‘Zaporozhe : Birmingham’s twin city in the USSR’. Typescript (photocopy), [1980]Birmingham and Zaporizhia, Ukraine. Twin cities, back in the USSR?
  68. Zachert, Uwe; Annica Kunz. «Twin cities». Landeshauptstadt Magdeburg [City of Magdeburg]. Consultado em 7 de agosto de 2013. Arquivado do original em 1 de setembro de 2012 
  69. «Wrocław, ul. Zaporoska – Dolny.Slask.org.pl». Consultado em 29 de julho de 2011. Arquivado do original em 29 de setembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]