4ª Cúpula da Unasul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
4ª Cúpula da Unasul
IV Cumbre de Unasur
Da esquerda para a direita: Cristina Kirchner, Lula, Juan Manuel Santos e Fernando Lugo
Anfitrião Guiana
Sede Georgetown
Data 26 de novembro de 2010
Cronologia
Último
Último
Argentina 2009
Paraguai 2011
Próximo
Próximo

A 4ª Cúpula Sul-Americana foi a reunião de cúpula entre os chefes de Estado e de governo da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) que ocorreu em 26 de novembro de 2010 em Georgetown, capital da Guiana.

Ao todo, oito chefes de Estado e quatro diplomatas dos países-membros da Unasul participaram da reunião cujo objetivo foi firmar um protocolo adicional ao Tratado Constitutivo e eleger um novo Presidente pro tempore. Para o cargo de Presidente da Unasul, foi eleito o presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, em sucessão à Rafael Correa, presidente do Equador.

Participantes[editar | editar código-fonte]

A cúpula reuniu oito presidentes dos países-membros da Unasul. Bolívia, Chile, Peru e Uruguai enviaram representantes do governo no lugar de seus respectivos presidentes.

Ministros das Relações Exteriores

Temas[editar | editar código-fonte]

Integração regional[editar | editar código-fonte]

O Presidente Lula pediu aos demais chefes de Estado mais esforços para seguir com o projeto de integração da América do Sul, defendendo a "eliminação das assimetrias". Lula foi aplaudido diversas vezes durante o discurso e prestou homenagem ao primeiro secretário-geral da organização, Néstor Kirchner, que havia falecido no mês anterior.[1]

Secretário-geral[editar | editar código-fonte]

Os líderes reunidos decidiram prorrogar a eleição do Secretário-geral da Unasul até o próximo encontro em que todos os Chefes de Estado estivessem presentes, o que seria em Mar del Plata em 2011.

Ilhas Malvinas[editar | editar código-fonte]

Sobre a chamada Questão da Soberania das Ilhas Malvinas, líderes decidiram pela proibição do atracamento de navios com a bandeira malvina em qualquer porto dos países-membros. A medida foi considerada um ato de defesa aos interesses da Argentina, um dos países envolvidos na questão e segunda maior economia da organização. A Guiana, país da Commonwealth assim como as Malvinas, também aderiu ao acordo.

Referências