Ana da Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ana
Imperatriz e Autocrata de Todas as Rússias
Imperatriz da Rússia
Reinado 30 de janeiro de 1730
a 28 de outubro de 1740
Coroação 28 de abril de 1730
Predecessor Pedro II
Sucessor Ivan VI
Marido Frederico Guilherme, Duque da Curlândia
Nome completo
Ana Ivanovna Romanova
Casa Romanov
Pai Ivan V da Rússia
Mãe Praskovia Feodorovna Saltykova
Nascimento 7 de fevereiro de 1693
Moscou, Império Russo
Morte 28 de outubro de 1740 (47 anos)
Enterro Catedral de Pedro e Paulo, São Petesburgo

Ana (Moscou, 7 de fevereiro de 1693 - 28 de outubro de 1740) reinou como Duquesa da Curlândia (atual Letônia) de 1711 a 1730 e como imperatriz da Rússia de 1730 a 1740.

Ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Ana era filha de Ivan V da Rússia e sobrinha de Pedro, o Grande. Pedro a casou com Frederico Guilherme, Duque da Curlândia em 1710, mas em uma viagem retornando de São Petersburgo ele acabou falecendo. Ana continuou como Duquesa da Curlândia de 1711 até 1730, sendo assessorada por um supervisor de Moscou chamado Pyotr Bestuzhev. Ela nunca se casou após a morte de seu marido, mas segundo seus inimigos, teve um caso com o Conde de Biron por vários anos[1] .

Com a morte de Pedro II da Rússia, o Conselho Privado Russo sob o comando do príncipe Dmitri Galitzine sagrou Ana imperatriz em 1730. O conselho acreditava que Ana seria grata aos nobres por terem feito a sua fortuna, acatando todas as decisões importantes e servindo como fantoche no trono. Tentando estabelecer uma monarquia constitucional na Rússia, os nobres convenceram-na a assinar vários papéis limitando os poderes do Czar. Mesmo assim, essas limitações se mostraram muito pouco eficazes quando Ana se estabeleceu como uma Czarina autoritária, usando sua popularidade com os guardas imperiais e com a nobreza de segundo escalão.

Políticas do reinado[editar | editar código-fonte]

Como uma das primeiras políticas para estabelecer seu poder, Ana restaurou a polícia de segurança nacional, utilizada para perseguir e punir aqueles que iam contra a sua pessoa e as suas decisões. Mesmo sem ter transferido a capital para Moscou, ela passou boa parte de sua vida na cidade em companhia de suas criadas pouco educadas. Tendo gosto por humilhar a antiga nobreza, Ana arranjou até um casamento do príncipe Dmitri Galitzine com uma de suas criadas, sendo que ambos estavam vestidos de palhaços, obrigando-os a passar a lua-de-mel em um palácio de gelo especialmente construído no inverno terrível de 1739-40.

Sem confiar em nobres russos, Ana dava os cargos de confiança a nobres alemães. Ela deu o Ducado da Curlândia a Ernesto João de Biron, que ganhou seu favor e tinha grande influência nas políticas do trono. Seu arqui-rival, o antigermânico ministro Artemy Petrovich Volynsky, foi executado alguns meses antes da morte de Ana. Biren era suficientemente prudente para não mexer com os assuntos do exército e relações internacionais, deixando esses assuntos a cargo de outros estrangeiros menos notórios.

Eles aliaram o país com o imperador Carlos VI da Germânia, e envolveram a Rússia na guerra da sucessão polonesa (1733-1735). Depois, fizeram Augusto III rei da Prússia, desprezando Estanislau I da Polônia e outros candidatos. Em 1736 Ana declarou guerra ao Império Otomano, mas Carlos fez um acordo em particular com os turcos obrigando a Rússia a devolver vários territórios ganhos em batalhas, com exceção de Azov. Essa guerra marcou o início de uma sucessão de disputas territoriais no sul do país em que Catarina, a Grande veio a triunfar. O reinado de Ana foi o primeiro a levar os limites russos até a Ásia Central.

Morte e sucessão[editar | editar código-fonte]

Quando Ana ficou doente declarou que seu sobrinho, Ivan VI, devia sucedê-la. Era uma tentativa de assegurar a linhagem de seu pai, Ivan V, e impedir os descendentes de Pedro I de herdar o trono.

Ana morreu com a idade de 47 anos com problemas nos rins. Ivan VI tinha apenas um ano e sua mãe, Ana Leopoldovna, era odiada por causa de seus vários conselheiros alemães. Como consequência, logo após a morte de Ana, Isabel da Rússia (filha legitimada de Pedro I) conseguiu ganhar o favor da população e aprisionou Ivan VI em um calabouço.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Michel Heller (2009), p.484

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Michel Heller, Histoire de la Russie et de son empire, Paris, Flammarion, col. « Champs Histoire », 2009, 985 p. (ISBN 2081235335)
Casa de Romanov
Ana I
Nascimento: 7 de fevereiro de 1693; Morte: 28 de outubro de 1740
Precedido por
Pedro II
Coat of Arms of Russian Empire.svg
Czarina da Rússia
17301740
Sucedido por
Ivan VI


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ana da Rússia