António Ribeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
D. António Ribeiro
Cardeal da Santa Igreja Romana
Patriarca de Lisboa
Atividade Eclesiástica
Diocese Patriarcado de Lisboa
Nomeação 10 de Maio de 1971
Predecessor Manuel Gonçalves Cerejeira
Sucessor José da Cruz Policarpo
Mandato 19711998
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 5 de julho de 1953
Nomeação episcopal 3 de julho de 1967
Ordenação episcopal 17 de setembro de 1967
por Manuel Gonçalves Cerejeira
Lema episcopal Ex Fide in Fidem
Nomeado arcebispo 10 de maio de 1971
Nomeado Patriarca 10 de maio de 1971
Cardinalato
Criação 5 de março de 1973
por Paulo VI
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santo António de Pádua na Via Merulana
Brasão
Coat of arms of António Ribeiro.svg
Dados pessoais
Nascimento Celorico de Basto
21 de Maio de 1928
Morte Lisboa
24 de Março de 1998 (69 anos)
Nacionalidade Portuguesa
Filiação José Ribeiro e Ana Gonçalves
Funções exercidas - Bispo Auxiliar de Braga (1967-1969)
- Bispo Auxiliar de Lisboa (1969-1971)
- Vigário Militar de Portugal (1971-1998)
Títulos anteriores Bispo Titular de Tigillava
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom António Ribeiro (Celorico de Basto, 21 de maio de 1928Lisboa, 24 de março de 1998) foi um cardeal português, o 15.º Patriarca de Lisboa, como Dom António II.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de José Ribeiro (c. 1860) e de sua mulher Ana Gonçalves (c. 1904), ambos de São Clemente de Basto. Estudou no Seminário de Braga, na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, na Faculdade Teológica em Innsbruck e na Faculdade Teológica de Munique.[1]

Vida religiosa[editar | editar código-fonte]

Foi ordenado em 5 de julho de 1953, na Arquidiocese de Braga. O então arcebispo de Braga, D. António Bento Martins Júnior, mandou-o estudar para Roma onde se doutorou na Pontifícia Universidade Gregoriana com a tese «A Doutrina do Evo em S. Tomás de Aquino. Ensaio sobre a duração da alma separada». Depois desta sua formação humanística, filosófica e teológica, António Ribeiro iniciou a sua atividade na Comunicação Social e no ensino. Entre 1959 e 1964 foi membro do corpo docente do Seminário de Braga e ficou responsável pelo programa «Encruzilhadas da Vida», transmitido aos sábados na RTP, em que debate temas de atualidade, frequentemente sugeridos pelos próprios telespectadores. Foi docente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, entre 1964 e 1966. Transita para o programa, também na RTP, intitulado "Dia do Senhor", entre 1964 e 1967, onde demonstrou as suas qualidades de comunicador, com um sentido crítico e uma capacidade de leitura cristã dos acontecimentos. Lecionou Filosofia Social, Filosofia Moral e Psicologia Social e foi director do Instituto Superior de Cultura Católica, entre 1965-1967 e Vigário-geral da arquidiocese de Braga, entre 1966 e 1967. Para além de trabalhar na área da Comunicação Social, foi assistente nacional e diocesano da Liga Universitária Católica e ainda das associações profissionais de médicos, farmacêuticos, juristas, engenheiros e professores.

Episcopado[editar | editar código-fonte]

Inicialmente foi escolhido para suceder, na diocese moçambicana da Beira, ao bispo D. Sebastião Soares de Resende, mas o regime não permitiu que fosse para Moçambique. Foi então eleito bispo-titular de Tigillava e nomeado bispo-auxiliar de Braga, em 3 de Julho de 1967, foi consagrado em 17 de Setembro, pelo Cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira, Patriarca de Lisboa, assistido por Francisco Maria da Silva, arcebispo de Braga, e por António de Castro Xavier Monteiro, arcebispo titular de Mitilene, bispo-auxiliar de Lisboa.[1]

Em 6 de Junho de 1969, é nomeado bispo-auxiliar de Lisboa. Promovido ao Patriarcado de Lisboa, o décimo-quinto patriarca de Lisboa com o nome de D. António II (nomeado aos 13 de Maio de 1971, por aniversário das aparições marianas de Fátima). Foi nomeado Vigário militar de Portugal, 24 de Janeiro de 1972.[1]

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

O Papa Paulo VI fê-lo cardeal no consistório de 5 de março de 1973, recebendo o barrete cardinalício e o título de Santo Antônio de Pádua na Via Merulana no mesmo dia.[1]

Posteriormente Paulo VI confiou-lhe a presidência do último Sínodo de Bispos do seu pontificado, a IV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, a 30 de setembro de 1997. Foi o enviado especial do Papa João Paulo II para a celebração do quinto centenário da evangelização de Angola, em Luanda, entre 22-27 de outubro de 1991 e enviado especial do Papa para a celebração do quinto centenário do Tratado de Tordesilhas, em Setúbal, Portugal, em 5 de setembro de 1994.[1] Presidiu a cerimónia de casamento de D. Duarte Pio de Bragança e D. Isabel de Herédia, em 13 de maio de 1995, em Lisboa.

Morreu em 4 de março de 1998, por conta do estágio avançado de um cancro, em sua residência em Lisboa. O seu túmulo encontra-se no túmulo dos patriarcas na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa. Um monumento comemorativo a ele foi erguido em Britelo, Basto, e um busto foi colocado em sua vila natal, Celorico de Basto, na praça que leva seu nome.[1]

Conclaves[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Criação do titulus
(1933)
Brasão episcopal
Bispo-titular de Tigillava

19671971
Sucedido por
Józef Marek
Precedido por
Manuel Gonçalves Cerejeira
Brasão cardinalício
15.º Cardeal-Patriarca de Lisboa

19711998
Sucedido por
José da Cruz Policarpo
Precedido por
Manuel Gonçalves Cerejeira
Ordinário Castrense
19711998
Sucedido por
Januário Torgal Mendes Ferreira
Precedido por
Peter Tatsuo Doi
Brasão cardinalício
Cardeal-presbítero
de Santo Antônio
de Pádua na Via Merulana

19731998
Sucedido por
Cláudio Hummes
O.F.M.