Asterix e os Normandos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Astérix et les Normands
Astérix e os Normandos (PT)
Asterix e os Normandos (BR)
Autor (es) René Goscinny e Albert Uderzo
Género Banda desenhada
Série Asterix
Editora Dargaud
Lançamento 1966
Edição portuguesa
Editora ASA
Edição brasileira
Editora Cedibra
Record

Astérix et les Normands (no Brasil, Asterix e os Normandos; em Portugal, Astérix e os Normandos) é um livro de quadrinhos de 1966 escrito por René Goscinny e desenhado por Albert Uderzo, o nono da série de livros Asterix. Foi adaptado para o cinema em Asterix e os Vikings (2009, mesclando elementos de Astérix e a Grande Travessia) e teve parte de seu enredo inclusa em Astérix et Obélix: Au service de sa Majesté (2012).

Argumento[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O sobrinho de Abraracourcix, Goudurix, vem passar férias à aldeia gaulêsa com o objectivo de se tornar um homem. Astérix e Obélix ficam incumbidos de o educar, e tudo parece correr bem até ao dia em que desembarca um grupo de Normandos que vêm com o objectivo de conhecer o medo (pois estes pensam que faz voar). Goudurix é raptado pelos Normandos pois é bastante medroso (ou seja o ideal para os seus raptores) mas Astérix consegue convencer o chefe inimigo (Olaf Grossebaf) de que consegue assustá-los...com Assurancetourix. De facto este canta tão mal que os Normandos aterrorizados descobrem o que é o medo e regressam a casa, mais medrosos que nunca.

Piadas históricas[editar | editar código-fonte]

  • Os Normandos são um trocadilho entre o significado literal do termo, "homens do Norte", e a região francesa da Normandia. Assim os normandos são vikings com alguns hábitos da Normandia (apesar de muito antes dos povos escandinavos existirem - o chefe Abominaf inclusive cita que "não viemos fazer a guerra, nossos descendentes cuidarão disso daqui a alguns séculos").
    • Os normandos abusam do creme em seus pratos, um elemento recorrente da culinária da Normandia.
    • Há recorrentes menções de como o enredo possui uma "invasão da Normandia".
    • Um mito sobre os vikings cita que eles usam crânios de inimigos mortos como canecas. Na história, a bebida tomada nos crânios é o Calvados, feito na cidade homônima normanda.
    • Todos os normandos, em citação a nomes como Olaf, tem nomes terminados em "af" (Abominaf, Batiscaf, Espinaf). Obelix acha hilário, e Abracurcix responde notando como os gauleses são terminados em "ix".
  • Calhambix dirige uma "charrete esportiva" feita na atual Milão, terra de fabricantes como a Alfa Romeo.
  • Calhambix toca um gênero popular entre os jovens da Lutécia, o "rock 'n' rix", e cita a Chatotorix um clube local, o Olympix. Depois também diz a Abominaf o lema da atual Paris - "Mergitur ou não, fluctuat!"
  • Os romanos fazem relatórios em três vias sobre seus acontecimentos, e essa burocracia é uma "marmorada" por ser registrada em tábuas de mármore (em contraste à "papelada" atual).