Tour de France

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, consulte Tour de France (inglês) e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
Tour de France
Tour de France 2014
Detalhes da corrida
Data Julho
Região França e
Países adjacentes
Nome local Le Tour de France
   (em francês)
Alcunha La Grand Boucle
Competição UCI World Tour
Tipo Ciclismo em estrada
Organizador Amaury Sport Organisation
Diretor corrida Christian Prudhomme
História
Primeira edição 1903
Edições 101 (2014)
Primeiro vencedor  Maurice Garin (FRA)
Maiores vitoriosos
Mais recente  Vincenzo Nibali (ITA)

O Tour de France (Pronúncia francesa: [tuʁ də fʁɑ̃s]) (em português Volta à França em bicicleta (título em Portugal) ou Volta da França em ciclismo (título no Brasil)) ou simplesmente Tour, é uma competição anual de ciclismo de estrada realizada na França, disputada em etapas.[1] A corrida foi organizada pela primeira vez em 1903 para aumentar as vendas do jornal L' Auto;[2] é actualmente gerido pela Amaury Sport Organisation.[3] Desde a sua primeira edição, em 1903, a corrida tem sido realizado anualmente, excepto durante as duas Guerras Mundiais .[4] À medida em que ganhava destaque e popularidade, o corrida foi se alongando e a competição passou a contar com ciclistas de todo o mundo. O tour é um evento de UCI World Tour, o que significa que as equipes que competem na corrida são, na sua maioria, UCI ProTeam, com exce(p)ção das equipes convidadas pelos organizadores.[5] [6]

O Tour de France, o Giro d'Italia (Giro) e a Vuelta a España (Vuelta) fazem parte das prestigiadas provas de três semanas de duração Grand Tour do ciclismo,[7] sendo que o Tour é a mais antiga e geralmente considerada como a mais prestigiada das três.[8]

Tradicionalmente, a corrida é realizada no mês de julho. Enquanto a rota muda a cada ano, o formato da prova permanece o mesmo com provas de Contrarrelógio,[1] a passagem através das cadeias de montanhas dos Pireneus e dos Alpes, e a finalização na Avenida de Champs-Élysées, em Paris.[9] [10] As edições actuais do Tour de France consistem em 21 etapas diárias (fases), ao longo de 23 dias, cobrindo cerca de 3 200 km (1 990 mi).[11] As corridas se alternam percorrendo a França em circuitos no sentido horário e anti-horário.[12] O número de equipes geralmente varia entre 20 e 22, com nove ciclistas em cada uma. O percurso é constituído de estradas irregulares e montanhosas dentro da França, com pequenas passagens através de países vizinhos.

Todas as etapas são cronometradas, após o término de cada etapa, o tempo de cada ciclista é somado aos tempos das etapas anteriores.[1] [13] O ciclista com o menor tempo total é o vencedor da corrida e ganha o cobiçado maillot jaune. [1] Embora a classificação geral atraia mais atenção, há outras classificações na Volta à França: a classificação por pontos para os sprinters, a classificação de montanha para os escaladores, a classificação de ciclista jovem (idade inferior a 26 anos) e a classificação por equipas do Tour.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Vincenzo Nibali Chris Froome Bradley Wiggins Cadel Evans Andy Schleck Alberto Contador 2 Carlos Sastre Alberto Contador Oscar Pereiro Marco Pantani Jan Ullrich Bjarne Riis Miguel Induráin Miguel Induráin Miguel Induráin Miguel Induráin Miguel Induráin Greg LeMond Greg LeMond Pedro Delgado Stephen Roche Greg LeMond Bernard Hinault Laurent Fignon Laurent Fignon Bernard Hinault Bernard Hinault Joop Zoetemelk Bernard Hinault Bernard Hinault Bernard Thévenet Lucien van Impe Bernard Thévenet Eddy Merckx Luis Ocaña Eddy Merckx Eddy Merckx Eddy Merckx Eddy Merckx Jan Janssen Roger Pingeon Lucien Aimar Felice Gimondi Jacques Anquetil Jacques Anquetil Jacques Anquetil Jacques Anquetil Gastone Nencini Federico Bahamontes Charly Gaul Jacques Anquetil Roger Walkowiak Louison Bobet Louison Bobet Louison Bobet Fausto Coppi Hugo Koblet Ferdinand Kubler Fausto Coppi Gino Bartali Jean Robic Segunda Guerra Mundial Sylvère Maes Gino Bartali Roger Lapébie Sylvère Maes Romain Maes Antonin Magne Georges Speicher André Leducq 2 Antonin Magne André Leducq Maurice de Waele Nicolas Frantz Nicolas Frantz Lucien Buysse Ottavio Bottecchia Ottavio Bottecchia Henri Pélissier Firmin Lambot Léon Scieur Philippe Thys Firmin Lambot Primeira Guerra Mundial Philippe Thys Philippe Thys Odile Defraye Gustave Garrigou Octave Lapize François Faber Lucien Petit-Breton Lucien Petit-Breton René Polthier Louis Trousselier Henri Cornet Maurice Garin


Origens[editar | editar código-fonte]

O Tour de France foi criado em 1903. Suas origens remontam ao célebre Caso Dreyfus, que dividiu a França no final do século XIX. Alfred Dreyfus era um capitão do exército francês de origem judaica, que havia sido condenado (embora mais tarde absolvido) por vender segredos militares aos alemães. As disputas de opiniões se exacerbaram e houve manifestações de ambos os lados. Uma delas foi a que o historiador Eugen Weber chamou "um absurdo baile político", em 1899, no hipódromo de Auteuil, em Paris.[14] Entre os envolvidos estava Conde Jules-Albert de Dion, proprietário da fábrica de automóveis De Dion-Bouton, que acreditava que Dreyfus era culpado.[15] De Dion passou 15 dias na prisão e foi multado em 100 francos por seu papel em Auteuil,[14] que incluiu golpear a cabeça do presidente da França, Émile Loubet, com uma bengala.[14] [15] [16]

Weber relata que o incidente em Auteuil havia sido "... feito sob medida para a imprensa esportiva". O primeiro e maior jornal diário esportivo na França, Le Vélo[17] , vendeu 80 mil exemplares no dia.[18] Pierre Giffard, seu editor, achava que Dreyfus era inocente. Ele relatou a prisão de uma forma que desagradou de Dion, que ficou com tanta raiva que se juntou a outros que eram contra Dreyfus, como Adolphe Clément e Édouard Michelin, e abriu um jornal desportivo rival, L'Auto.[n 2]

O novo jornal nomeou Henri Desgrange como o editor. Ele era um ciclista de destaque e proprietário, com Victor Goddet, do velódromo do Parc des Princes [19] . De Dion conhecia-o através de sua reputação ciclística, através de livros e artigos sobre ciclismo que ele havia escrito, e através de artigos de imprensa que tinha escrito para a empresa de pneus Clément.

O jornal L'Auto não teve o sucesso que os fundadores queriam. A estagnação das vendas, sempre em menor quantidade do que se pretendia para superar o seu rival, levou a uma reunião para discutir a crise em 20 de novembro de 1902 no escritório do L'Auto na Rue du Faubourg Montmartre, em Paris. O último a falar foi o mais jovem - o jornalista chefe de ciclismo, Géo Lefèvre (1877-1961), de 26 anos de idade [20] . Desgrange o havia recrutado a partir do jornal de Giffard. [21] Lefèvre sugeriu uma corrida de seis dias, do tipo popular na estrada, mas em toda a França[21] . Corridas de ciclismo de longa distância eram um meio popular para vender mais jornais, mas nada na distância que Lefèvre sugeria havia sido tentado.[n 3] Se tivesse sucesso, ele iria ajudar o L'Auto a responder ao seu rival e talvez poderia colocá-lo fora do negócio [22] , como disse Desgrange, "prega o bico de Giffard fechado".[23] [24]

Desgrange e Lefèvre discutiram sobre isso depois do almoço. Desgrange estava em dúvida, mas o diretor financeiro do jornal, Victor Goddet, estava entusiasmado. Ele entregou as chaves do cofre da empresa a Desgrange e disse: "Pegue o que você precisa." [25] L'Auto anunciou a corrida em 19 de janeiro 1903.

Primeira edição do Tour de France[editar | editar código-fonte]

Maurice Garin, vencedor do primeiro Tour de France em pé no lado direito. (1903)[26]

Na primeira Volta à França, em 1903, o plano era uma corrida de cinco etapas, de 31 de maio a 5 de julho, partindo de Paris e parando em Lyon, Marselha, Bordéus e Nantes, antes de retornar a Paris. Toulouse foi adicionada mais tarde para quebrar o longo percurso através do Sul da França a partir do Mediterrâneo para o Atlântico. As etapas iriam durar a noite inteira e terminar na tarde seguinte, com dias de descanso antes de os ciclistas partirem novamente. Isso parecia ser muito difícil, além de envolver custos altos demais para a maioria.[27] Apenas 15 ciclistas se inscreveram. Diante disso, Desgrange, que nunca fora totalmente convencido da ideia, quase a abandonou totalmente[28] . Mas, em vez disso, ele cortou a duração para 19 dias, mudou as datas de 1 a 19 de julho e ofereceu um subsídio diário para aqueles que fizessem em média pelo menos 20 km/h em todas as etapas,[29] o equivalente ao que um ciclista poderia esperar ganhar num dia de trabalhado numa fábrica [30] . Ele também baixou a taxa de entrada de 20 para 10 francos, definiu o valor do primeiro prêmio em 12 000 francos, e o prêmio para o vencedor de cada etapa em 3.000 francos. O vencedor assim poderia ganhar seis vezes mais do que a maioria dos trabalhadores ganharia num ano[30] Isso atraiu entre 60 e 80 participantes – o número maior pode ter incluído participantes sérios e outros que desistiram – entre estes não apenas profissionais, mas amadores, alguns desempregados, alguns simplesmente aventureiros.[20] Cerca de sessenta ciclistas participaram do primeiro Tour de France e apenas 21 deles conseguiram chegar ao seu final.[31] [26] A prova teve início às 15:16 do dia 1 de julho de 1903 em frente ao café Reveil Matin em Montgeron, na periferia parisiense e era composta por 6 etapas ligando Paris, Lyon, Marselha, Toulouse, Bordéus e Nantes. Maurice Garin foi o vencedor deste primeiro Tour de France, que terminou em 19 de julho.[32]

No começo, a Volta à França era uma corrida de resistência quase contínua. Os corredores dormiam na beira da estrada e não eram autorizados a receber assistência alguma, mas vários participantes da segunda edição foram excluídos por terem apanhado um trem em parte do percurso.[27] Hoje em dia, o Tour é uma corrida em etapas, isto é, é dividido em etapas diárias. Há veículos de serviço (motocicletas e carros) que fornecem informações, alimento, água, acesso a mecânicos ou até assistência médica. Alguns veículos são "neutros" a todos os corredores pois pertencem à organização, outros são próprios a cada equipa.

Desgrange parece não ter esquecido o Caso Dreyfus que lançou a sua corrida e levantou as paixões dos seus apoiadores. Ele anunciou a sua nova corrida a 1 de julho de 1903, citando o escritor Émile Zola, cuja carta abria cada parágrafo com "J'accuse ... " levou à absolvição de Dreyfus, que estabelece o estilo flórido que ele usou doravante.[33] [34] [35]

O primeiro Tour de France começou fora do Café Reveil-Matin, na junção das estradas Melun e Corbeil, na aldeia de Montgeron. Foi iniciado pelo juiz Georges Abran, às 15:16 em 1 de julho 1903. Naquela manhã o L' Auto não tinha apresentado a corrida na sua primeira página.[n 4] [36] [37]

Entre os concorrentes estava o eventual vencedor, Maurice Garin, e seu rival bem construído Hippolyte Aucouturier, o favorito alemão Josef Fischer, e uma colecção de aventureiros, incluindo um competindo como "Sansão".[n 5]

A corrida terminou em Ville d'Avray na periferia de Paris, junto do Restaurante du Père Auto, antes de um passeio cerimonial em Paris e várias voltas no Parc des Princes. Garin dominou a corrida, vencendo as duas primeiras e últimas duas etapas, em 25,68 km/h. O último ciclista, Arsène Millocheau, acabou 64h 47m 22s atrás dele.

A maior parte das etapas são disputadas na França, mas é muito comum algumas etapas serem disputadas em países adjacentes à França, como Itália, Espanha, Suíça, Bélgica, Luxemburgo e Alemanha, e até mesmo em países não adjacentes, como República da Irlanda, Inglaterra e Países Baixos. As três semanas geralmente incluem dois dias de repouso, que são algumas vezes aproveitados para transportar os ciclistas quando o final de uma etapa é muito distante do início da etapa seguinte.

Nos últimos anos, a primeira etapa tem sido precedida de uma curta etapa de contrarrelógio individual (1 a 15 km), chamada prólogo ("Le Prologue"). O final tradicional é em Paris, nos Champs-Élysées. Entre essas duas etapas, são disputadas várias outras, incluindo etapas de montanha, contrarrelógio individual e por equipe. As etapas restantes são disputadas em terreno relativamente plano. Com a variedade de etapas, os sprinters podem ganhar algumas etapas, mas o vencedor geral final é quase sempre um especialista em etapas de montanhas e contrarrelógio.

Classificações[editar | editar código-fonte]

Alguns ciclistas de cada equipe procuram ganhar a classificação geral mas existem três outras competições buscando ciclistas de todas as especialidades: pontos, montanhas, e a classificação para jovens ciclistas aspirando a classificação geral.[38] A mais antiga das quatro classificações é a classificação geral. Se um ciclista lidera em mais de uma classificação, ele veste a camisa de ciclismo da classificação de maior prestígio.[38] A camisa restante é usada pelo ciclista que está em segundo lugar na competição.[38]

Equipas nacionais[editar | editar código-fonte]

Os primeiros Tours foram para indivíduos e membros de equipes patrocinadas. Havia duas classes de corrida, um para os ases, a outra para o resto, com regras diferentes [39] . Até o final da década de 1920, no entanto, Desgrange acreditava que poderia não vencer o que ele acreditava serem as tácticas desleais de fábricas de bicicletas.[40] [41] Quando a equipe Alcyon engendrou um plano para deixar Maurice De Waele ganhar, apesar que ele estava doente,[42] ele disse: "A minha corrida foi vencida por um cadáver", e em 1930, admitiu apenas equipes representando seu país ou região.[42] [43]

As selecções nacionais contestaram o Tour até 1961 [44] . As equipes eram de tamanhos diferentes. Alguns países tinham mais de uma equipe e alguns foram misturados com os outros para completar o número. As selecções capturaram a imaginação do público, mas tinha um senão: os ciclistas de uma selecção nacional poderiam ser de equipes comerciais rivais no resto da temporada. A lealdade dos ciclistas era por vezes questionável, dentro e entre as equipes.

O Retorno de equipes comerciais[editar | editar código-fonte]

Os corredores das equipas nacionais usavam as cores do país que representavam e um pequeno painel de pano no peito que mostrava o nome da equipe onde normalmente alinhavam. Os patrocinadores sempre foram infelizes sobre o uso de seus ciclistas no anonimato para a maior corrida do ano e a situação tornou-se crítica no início da década de 1960. As vendas de bicicletas tinham caído e fábricas de bicicletas estavam fechando [45] . Havia um risco, o comércio, disse que a indústria iria morrer se as fábricas não fossem autorizados a fazer publicidade no Tour de France.

Em 1962 o Tour retornou as equipes comerciais,[44] embora com mais problemas. A dopagem tornou-se um problema e os testes foram introduzidos para os ciclistas. Em 1966 os ciclistas entraram em greve perto de Bordéus[46] [47] e os organizadores suspeitaram que os patrocinadores os tinham provocado. O Tour voltou a equipes nacionais de 1967 e 1968 [48] como "uma experiência".[49] . O autor Geoffrey Nicholson identificou mais uma razão: a oposição ao encerramento de estradas por causa de uma corrida criticada como meramente comercial.[50] [51] O Tour voltou com equipes comerciais em 1969,[52] com a sugestão de que o formato de equipes nacionais poderia voltar a cada poucos anos. Isso nunca aconteceu.

Distâncias[editar | editar código-fonte]

A Volta à França originalmente correu ao redor do perímetro da França. Andar de bicicleta é um esporte de resistência e os organizadores perceberam as vendas que poderiam alcançar através da criação de super-homens e seus concorrentes. As etapas da noite foram abandonadas após o segundo Tour em 1904, quando houve trapaça persistente quando os juízes não podiam ver os ciclistas[53] . Isso reduziu a distância diária e global, mas a ênfase permaneceu na resistência. Desgrange disse que sua corrida ideal seria tão difícil que apenas um ciclista chegaria a Paris.[54]

Uma sucessão de escândalos de dopagem na década de 1960, culminando em 1967 com a morte de Tom Simpson, intentou a União Ciclística Internacional para limitar distâncias diárias e globais e impor dias de descanso. Foi então impossível acompanhar as fronteiras, e cada vez mais o Tour ziguezagueante em todo o país, às vezes com corridas de dia desconectados e ligados por trem, mantendo uma espécie de volta. O Tour moderno normalmente tem 21 etapas diárias e não mais do que 3 500 km (2 170 mi). Os Tours mais curtos e mais longos foram 2 428 km (1 510 mi) e 5 745 km (3 570 mi), em 1904 e 1926, respectivamente.[1] [55]

A caravana de publicidade[editar | editar código-fonte]

A caravana do Tour em Mulhouse (2005)

O Tour mudou em 1930 para uma competição em grande parte entre equipes representando seus países, em vez de as empresas que os patrocinavam. Os custos de alojamento dos ciclistas ficou a cargo dos organizadores, em vez dos patrocinadores e Henri Desgrange angariou o dinheiro, permitindo aos anunciantes preceder a corrida.

A procissão de camiões e carros, muitas vezes com uma decoração colorida ficou conhecida como a caravana de publicidade. Ele formalizou uma situação existente, as empresas tinham começado a acompanhar a corrida. O primeiro a assinar para preceder o Tour foi a empresa de chocolate Menier, um dos que tinham seguido a corrida. O diretor de publicidade, Paul Thévenin, apresentou pela primeira vez a ideia à Desgrange[56] . Ele pagou 50 000 francos antigos. Precedendo a corrida era mais atraente para os anunciantes, pois os espectadores se reuniram à beira da estrada, muito antes da corrida ou poderiam ser atraídos de suas casas. Os anunciantes que seguiam a corrida descobriram que muitas pessoas que tinham assistido a corrida já tinham ido para casa.

Menier distribuiu toneladas de chocolate nesse primeiro ano precedendo à corrida, assim como 500 000 chapéus policiais impressos com o nome da empresa. O sucesso levou a existência da caravana ser formalizada no ano seguinte.

A caravana estava no seu auge entre 1930 e meados de 1960, antes da televisão e, especialmente, a publicidade televisiva ser criada na França. Anunciantes competiam para atrair a atenção do público. Acrobatas em motocicletas actuaram para a empresa de aperitivos Cinzano e uma empresa de pasta de dentes. Uma acordeonista, Yvette Horner, tornou-se um dos pontos turísticos mais populares pois ela realiza sua apresentação em cima de um Citroën Traction Avant.[57] O Tour moderno restringe os excessos a que os anunciantes estão autorizados a fazer, mas no inicío era tudo permitido. O escritor Pierre Bost[n 6] lamentou:.. "Esta caravana de 60 camiões berrantes cantando através do campo as virtudes de um aperitivo, uma marca de cuecas ou um caixote de lixo é um espectáculo vergonhoso. Ela é feita de gritaria, feita de música feia, é triste, é feio, tem cheiro de vulgaridade e dinheiro."[n 7]

Os anunciantes pagam a Société du Tour de France aproximadamente €150 000 para colocar três veículos na caravana.[58] Alguns têm mais. Em cima disso, vêm os custos mais consideráveis ​​das amostras comerciais que são jogados para a multidão e os custos de acomodar os ciclistas e o pessoal -frequentemente alunos- que atiram as amostras. Os veículos também tem que ser decorados na manhã de cada etapa e, porque eles devem voltar aos padrões normais de rodovias comuns, retiradas após cada etapa. Os números variam, mas normalmente há cerca de 250 veículos a cada ano. A sua ordem na estrada é estabelecido por contrato, os principais veículos pertencentes aos maiores patrocinadores.

A procissão sai duas horas antes do início e, em seguida, reúne-se para preceder os ciclistas por uma hora e meia. Ela se espalha 20-25 km e leva 40 minutos para passar entre 20 e 60 km /h, e viajam em grupos de cinco. A sua posição é registada por GPS e por uma aeronave, mantendo-se organizada pelo director da caravana, Jean-Pierre Lachaud[n 8] , um assistente, três motociclistas, dois técnicos de rádio, mecânicos e equipe médica.[58] A andar com eles vão seis motociclistas da elite da Guarda Republicana.[59]

Os anunciantes distribuem material de divulgação para a multidão. O número de itens foi estimado em 11 milhões, cada pessoa na procissão dando 3 000 a 5 000 itens por dia.[58] Um banco, GAN, distribuiu 170 mil bonés, 80 000 crachás, 60 000 sacos de plástico e 535 000 cópias do seu jornal de corrida em 1994. Juntos, os itens pesavam 32 toneladas.[59] Espectadores morreram em colisões com a caravana (ver abaixo).

Organizadores[editar | editar código-fonte]

Memorial de Jacques Goddet no pico do Col du Tourmalet

O primeiro organizador foi Henri Desgrange, embora o funcionamento diário da corrida de 1903 foi por feito por Lefèvre. Ele seguiu os ciclistas de trem e bicicleta. Em 1936 Desgrange fez uma operação de próstata. Na época, foram necessárias duas operações, o Tour de France estava marcado numa data entre elas. Desgrange convenceu o seu cirurgião deixá-lo acompanhar a corrida[60] . O segundo dia foi demais e, devido a uma febre em Charleville, ele se retirou para seu château em Beauvallon. Desgrange morreu em casa na costa do Mediterrâneo em 16 de agosto de 1940.[60] A corrida foi assumida por seu vice, Jacques Goddet.[61]

A guerra interrompeu o Tour. A propaganda alemã queria ver a corrida ser realizada e ofereceu facilidades que de outra forma eram negadas, na esperança de manter um sentido de normalidade.[60] [62] Eles se ofereceram para abrir as fronteiras entre a França ocupada pelos alemães no norte e a região sul, a nominalmente independente França de Vichy, mas Goddet recusou.[60] [15]

Em 1944, o jornal L'Auto fechou e as suas portas foram seladas, e seu patrimônio, incluindo o Tour sequestrados pelo Estado pois a publicação de artigos era muito favorável aos alemães.[63] Os direitos da Tour eram assim propriedade do governo. Jacques Goddet foi autorizado a publicar outro jornal diário esportivo, o L'Équipe, mas havia um candidato rival para realizar o Tour: um consórcio de Sports e Miroir Sprint. Cada um deles organizou uma corrida candidata a suceder o Tour. O L'Équipe e Le Parisien Libéré teve La Ronde France[64] a Sports e Miroir Sprint teve a La Ronde de France. Ambas corridas eram de cinco etapas, o mais longo que o governo vai permitir por causa da escassez.[65] A corrida do L'Équipe foi melhor organizada e apelou mais ao público, também porque destacavam as equipas nacionais que tinham sido bem-sucedidas antes da guerra, quando o ciclismo francês estava em alta. Ao L'Équipe foi dado o direito de organizar a Tour de France 1947.[60]

As finanças do L'Equipe nunca foram boas e Goddet aceitou o suporte de Émilion Amaury, que havia apoiado a sua candidatura para organizar o Tour no pós-guerra.[60] . Amaury era um magnata dos jornais cuja condição era que o seu editor de esportes, Félix Levitan, devia se juntar a Goddet para realizar o Tour,[60] os dois trabalharam juntos, Goddet gerindo o aspecto esportivo e Levitan o financeiro.

Levitan começou a recrutar patrocinadores, às vezes aceitando prêmios em espécie se não pudesse obter dinheiro.[66] Ele introduziu o pódio final do Tour na Avenue des Champs-Élysées em 1975. Ele deixou o Tour em 17 de março de 1987, depois de perdas no Tour da América, onde ele estava envolvido. A alegação era de que ele havia feito cruzamento de finanças do Tour de France.[60] Levitan insistiu que ele era inocente, mas o bloqueio do seu escritório acabou com seu trabalho[60] . Goddet se aposentou no ano seguinte. Eles foram substituídos em 1988 por Jean-Pierre Courcol, o diretor do L'Équipe, e então, em 1989, por Jean-Pierre Carenso e, em seguida, por Jean-Marie Leblanc, que em 1989 tinha sido diretor de prova. O ex-apresentador de televisão Christian Prudhomme - que comentava o Tour entre outros eventos - substituiu Leblanc em 2007, tendo sido assistente do diretor por três anos.

O diretor de prova actual Prudhomme trabalha para a Société du Tour de France, uma subsidiária da Amaury Sport Organisation (ASO), que desde 1993 faz parte do grupo de mídia Grupo Amaury que possui o L'Équipe.[67] Ela emprega cerca de 70 pessoas em tempo integral, num escritório de frente, mas não conectado ao L'Équipe no Issy-les-Moulineaux área sudoeste de Paris. Esse número se expande para cerca de 220 durante a corrida em si, não incluindo 500 empregados contratados para mover barreiras, montar o pódio das etapas, sinalizar a via e outros trabalhos.[68]

Política[editar | editar código-fonte]

Os primeiros três Tours ficaram dentro da França. A corrida entrou em 1906 na Alsácia-Lorena, território anexado pelo Império Alemão em 1871, após a Guerra Franco-Prussiana. A passagem foi assegurada através de uma reunião em Metz entre o colaborador de Desgrange, Alphonse Steines, e o governador alemão.

Não houve equipes da Itália, Alemanha ou Espanha presentes em 1939 por causa de tensões que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Henri Desgrange preparou Tour para 1940, após a guerra ter começado, mas antes de a França ter sido invadida. A rota, aprovada pelas autoridades militares, incluiu uma rota ao longo da Linha Maginot.[69] Equipas seriam retiradas de unidades militares na França, incluindo os britânicos, que teriam sido organizadas por um jornalista, Bill Mills.[69] Com a invasão alemã a corrida não foi realizada novamente até 1947. A primeira equipe alemã depois da guerra participou do Tour 1960, embora ciclistas alemães tenham, individualmente, corrido em equipes mistas. O Tour, desde então, começou na Alemanha três vezes: 1965 em Colônia, 1980 em Frankfurt e 1987 em Berlim Ocidental no 750º aniversário da cidade. Planos para entrar na Alemanha Oriental naquele ano foram abandonados.

Córsega[editar | editar código-fonte]

Antes de 2013, o Tour de France tinha visitado todas as regiões da França Continental excepto a Córsega.[70] Jean-Marie Leblanc, quando era organizador, disse a ilha nunca tinha pedido que uma etapa começasse por lá, ele disse que seria difícil encontrar alojamento para 4 000 pessoas.[71] O porta-voz do partido nacionalista corso, François Alfonsi, disse: "Os organizadores devem ter medo de ataques terroristas.[n 9] Se eles estão realmente pensando em uma possível acção terrorista, eles estão errados. O nosso movimento, que é nacionalista é a favor da auto-governação, ficaria muito satisfeito se o Tour viesse para a Córsega".[71] a abertura de três etapas do Tour de France 2013 foram realizadas na Córsega, como parte das comemorações da 100ª edição da corrida.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O prêmio em dinheiro foi sempre conferido. De 20 000 francos antigos no primeiro ano,[72] o prêmio em dinheiro tem aumentado a cada ano, embora entre 1976-1987 o primeiro prêmio foi um apartamento oferecido por um patrocinador da corrida. O primeiro prêmio, em 1988, era um carro, um apartamento, uma obra de arte e 500 mil francos em dinheiro. Os prêmios somente em dinheiro retornaram em 1990.[73]

Os prêmios e bónus são concedidos para as colocações diárias e colocações finais ao término da corrida. Em 2009, o vencedor recebeu €450 000, enquanto os vencedores de cada uma das 21 etapas ganhou €8 000 (€10 000 para o contrarrelógio da equipe vencedora). Os vencedores da classificação por pontos e de montanha ganham cada um €25 000, a competição ciclista jovem e o prêmio combatividade €20 000, e €50 000 para o vencedor da classificação por equipe (calculado pela soma dos tempos acumulados dos três melhores ciclistas em cada equipe).[74]

Em memória do fundador do Tour, a lembrança de Henri Desgrange, é atribuída ao primeiro ciclista sobre o Col du Galibier, onde um monumento em sua homenagem foi erigido,[74] ou para o primeiro ciclista sobre o maior col no Tour. Um prêmio semelhante é oferecido no cume do Col du Tourmalet, no memorial de Jacques Goddet, o sucessor de Desgrange.

Classificação geral[editar | editar código-fonte]

Foto de Fabian Cancellara na Tour de France 2010. Ele é o ciclista com mais camisolas amarelas ganhas que nunca venceu uma classificação geral.

A camisola amarela ("maillot jaune"), atribuída ao primeiro corredor em tempo individual na classificação geral, é a de maior prestígio. Foi inventada em 1919 por Henri Desgrange, em referência ao papel amarelo do jornal L'Auto e o primeiro atleta a vesti-la foi Eugène Christophe, que acabaria aquela edição na terceira colocação.[75] É atribuída calculando-se o tempo total gasto por cada corredor, isto é, adicionando-se os tempos de cada etapa. O corredor com o menor tempo é considerado o líder no momento, e, ao final do evento, é declarado o vencedor geral do Tour.

Classificação da montanha[editar | editar código-fonte]

Richard Virenque no Tour de France 2003 vestindo a camiseta -branca com bolas vermelhas. Ele detêm o recorde de 7 vezes campeão da montanha

A camisola de bolinhas ("maillot à pois rouge"), é atribuída ao primeiro corredor na classificação em etapas de montanha; no topo de cada montanha do Tour, atribuem-se pontos aos primeiros a chegar no topo. As subidas são classificadas em categorias de 1 (mais difícil) a 4 (menos difícil) de acordo com seu grau de dificuldade, onde são levados em conta o declive e o comprimento da subida. Uma quinta categoria, chamada categoria especial, é reservada às montanhas ainda mais difíceis que as da primeira categoria. O primeiro corredor em uma subida de quarta categoria recebe 5 pontos, enquanto que o primeiro de uma subida categoria especial recebe 40. Enquanto que somente o segundo e terceiro colocados também ganham pontos em uma subida de quarta categoria, os 15 primeiros em uma subida categoria especial são recompensados com pontos.

De maneira geral, as etapas de montanha, juntamente com as etapas de contrarrelógio, decidem o vencedor do Tour de France, já que a diferença de tempo entre os ciclistas costuma ser muito maior nestas que nas etapas em terreno plano. Apesar de o melhor ciclista em montanha ser distinguido desde 1933, foi somente em 1975 que a camisola branca com pontos vermelhos foi introduzida para identificá-lo. As cores foram decididas pelo patrocinador da época, Chocolates Poulain, para combinar com um dos seus produtos mais populares.

A distribuição de pontos para as montanhas é a seguinte:[76]

Tipo 10ª
Mountainstage.svg Hors catégorie 25 20 16 14 12 10 8 6 4 2
Mountainstage.svg Primeira Categoria 10 8 6 4 2 1
Mountainstage.svg Segunda Categoria 5 3 2 1
Mediummountainstage.svg Terceira Categoria 2 1
Mediummountainstage.svg Quarta Categoria 1
  • Os pontos ganhos são dobrados para acabamentos que são da categoria dois ou maior.

Classificação por pontos[editar | editar código-fonte]

Alessandro Petacchi com a camisola verde do Tour de France

A camisola verde ("maillot vert"), foi criada em 1953 em comemoração aos 50 anos do primeiro Tour e é atribuída ao primeiro corredor na classificação individual por pontos (sprint). Ao final de cada etapa, ganham-se pontos quando se termina a etapa nos primeiros lugares. O número de pontos depende do tipo de etapa - mais se a etapa for plana, um pouco menos se for intermediária, ainda menos se for de montanha e o mínimo em etapas contrarrelógio. Também atribuem-se uns poucos pontos ao corredor que alcança primeiro certos pontos intermediários, assim como uma bonificação em segundos para o concurso da camisola amarela, mas são geralmente tão poucos que não representam muita coisa no resultado final. No entanto, têm um papel preponderante durante a primeira semana, antes das etapas de montanha, quando os corredores estão relativamente próximos na classificação geral. Erik Zabel (Alemanha) é o corredor que mais vezes terminou o Tour com a camisola verde, por 6 vezes, todas consecutivas, entre 1996 e 2001.[77]

Em 2011 o sistema de pontos foi alterado e agora figura como:[78]

Tipo 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª
Plainstage.svg Acabamento etapa plana 45 35 30 26 22 20 18 16 14 12 10 8 6 4 2
Mediummountainstage.svg Acabamento etapa média de montanha 30 25 22 19 17 15 13 11 9 7 6 5 4 3 2
Mountainstage.svg Acabamento etapa alta montanha 20 17 15 13 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1
History.gif Contrarrelógio individual 20 17 15 13 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1
Sprint intermediária 20 17 15 13 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1

Classificação de jovem ciclista[editar | editar código-fonte]

Andy Schleck na camisola branca no Tour de France

A camisola branca ("maillot blanc"): segue os mesmos critérios da camisola amarela, mas somente disputada por corredores com idade máxima de 25 anos em 31 de dezembro do ano em questão. A categoria, criada em 1975, foi introduzida como forma de reconhecer o desempenho dos ciclistas mais jovens, foi temporariamente extinta em 1998, mas novamente reintroduzida pouco tempo depois. Poucos são os competidores que se podem orgulhar de ter vestido a camisola amarela e branca no mesmo ano. O francês Laurent Fignon, em 1983, o alemão Jan Ullrich, que ainda compete, em 1997, e o espanhol vencedor do Tour de 2007 Alberto Contador e Andy Schleck em 2010 são os únicos até agora.

Classificações menores[editar | editar código-fonte]

O dorsal vermelho, que é atribuído ao corredor mais combativo da etapa anterior. No final de cada etapa, os juízes atribuem pontos aos corredores que entraram em "fugas" na etapa. O corredor com o maior número de pontos ganha um dorsal vermelho com letras em branco ao invés das usuais letras pretas em fundo branco.

A classificação por equipes. Para esta classificação, os tempos dos três primeiros corredores de cada equipe são adicionados após cada etapa. O Tour tem actualmente 22 equipes com 9 corredores cada uma (no início), cada equipe patrocinada por uma ou várias empresas. Não há regras específicas quanto à nacionalidade dos corredores de uma mesma equipe, apesar de este ter sido o caso em algumas edições anteriores do Tour.

Etapas notáveis[editar | editar código-fonte]

Perfil da subida do Alpe d’Huez.

Muitos lugares, e especialmente montanhas, estão frequentemente presentes no percurso geral do Tour (em praticamente todas as edições), e ganharam relativa fama por isso. As montanhas mais conhecidas são as de "categoria especial", com picos cuja dificuldade de ascensão está para além de uma categorização normal, e incluem o Passo do Tourmalet (Pirenéus, 2114 m), Ventoux (Provença, 1909 m), Passo do Galibier (Alpes, 2645 m), o Hautacam (Pirenéus, 1800 m) e o Alpe d'Huez, nos Alpes, com suas famosas 21 curvas, culminando a 1850 m.

A melhor maneira de ver e de apoiar todos os corredores é estar presente sobre o trajecto do contrarrelógio, pois neste tipo de etapa os corredores passam um após o outro. Até 2005 havia provas contrarrelógio por equipes; neste caso, o tempo da equipe é o do quinto corredor ao cruzar a linha de chegada. Este tipo de prova por equipe foi eliminado em 2006 para incluir uma tirada extra de contrarrelógio individual. De qualquer maneira, pode-se quase sempre achar um bom lugar para se ver o Tour.

Ao hospedar um pódio de início ou acabamento de etapa, produz prestígio e negócios para a cidade. O prólogo e a primeira fase são particularmente prestigiantes. Normalmente uma cidade sediará o prólogo (muito curto para ir entre as cidades) e o início da fase 1. O diretor de 2007 Christian Prudhomme disse que "em geral, por um período de cinco anos, temos o Tour a começar fora da França três vezes e duas vezes em França."[79]

A largada e a chegada da Volta[editar | editar código-fonte]

A maioria dos estágios são na França continental, embora desde a década de 1960 tornou-se comum ir visitar países vizinhos:[80] Andorra, Bélgica, Inglaterra, Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Mônaco, Países Baixos, Espanha e Suíça têm todos hospedados etapas ou parte de um pódio. Áustria, Catar e Escócia manifestaram interesse em sediar futuras partidas. A etapa pode ser plana, ondulada ou montanhosa. Desde 1975 a etapa final foi em Paris no Champs-Élysées, em 1903-1967 a corrida terminou no Parc des Princes o estádio no oeste de Paris e em 1968-1974, no vélodrome de Vincennes ao sul da capital [81] . Yorkshire foi anunciado como sede para as duas primeiras etapas do Tour de France 2014.[82] [83]

Emissão radiodifusão[editar | editar código-fonte]

O Tour foi seguido apenas pelos primeiros jornalistas do L'Auto, e os organizadores. A corrida foi criada para aumentar as vendas de um jornal debatendo e seu editor, Desgrange, não via nenhuma razão para permitir que as publicações rivais para o lucro. Os primeiros mídia, que não L'Auto papéis tempo foram autorizados em 1921, quando permitiram 15 carros de imprensa para os jornalistas regionais e estrangeiros.[84]

O Tour foi exibido pela primeira vez no cinema através de noticiário de um dia ou mais após o evento. A primeira transmissão de rádio ao vivo foi em 1929, quando Jean Antoine e Alex Virot do jornal L'Intransigeant transmitiram para a Rádio Cité. Eles usaram linhas telefónicas. Em 12 de julho de 1932, eles difundem uma transmissão com o som dos ciclistas cruzando o col du Aubisque nos Pirenéus, usando uma máquina de gravar para mais tarde transmitirem o som.

As primeiras imagens de televisão mostraram um dia depois de um pódio. O canal de TV nacional utilizou duas câmaras de 16 milímetros, um jipe​e uma moto. O filme foi levado de trem para Paris. O filme foi editado lá e mostrado no dia seguinte. A primeira transmissão ao vivo, e o segundo de qualquer esporte na França, foi o acabamento no Parc des Princes em Paris, em 25 de julho de 1948 [85] . Rikvan Steenbergen da Bélgica venceu no grupo depois de uma etapa de 340 km em Nancy. A primeira cobertura ao vivo do lado da estrada, foi a partir do Aubisque em 8 de julho de 1958. Propostas para cobrir toda a corrida foram abandonados em 1962, após objecções de jornais regionais, cujos editores temiam a competição [86] . A disputa foi resolvida, mas não a tempo, e a primeira cobertura completa foi no ano seguinte.

O comentarista de televisão líder na França era um ex- ciclista, Robert Chapatte. No início, ele era o único comentarista. Ele foi acompanhado nas próximas temporadas por um analista para as etapas de montanha e por um comentador seguindo os competidores de moto.

A radiodifusão em França foi em grande parte um monopólio estatal até 1982, quando o presidente socialista François Mitterrand permitiu emissoras privadas e privatizou o canal de televisão líder. A concorrência entre canais elevou as taxas de transmissão pagas aos organizadores de 1,5 por cento do orçamento de corrida em 1960, para mais de um terço até o final do século[87] . O tempo de emissão também aumentou com os canais a competiram para garantir os direitos. Os dois maiores canais que ficaram em propriedade pública, a France 2 e France 3, combinaram os esforços para oferecer uma cobertura melhor do que o seu rival privado, a TF1. As duas estações, rebaptizado France 2 e France 3, ainda detém os direitos nacionais e fornecem imagens para as emissoras de todo o mundo.

As estações utilizam uma equipe de 300 pessoas, com quatro helicópteros, dois aviões, duas motocicletas, outros 35 veículos, incluindo caminhões e 20 câmaras pódio.[n 10]

A televisão doméstica abrange as etapas mais importantes do Tour, tais como aquelas nas montanhas, a partir do meio da manhã até o início da noite. A cobertura normalmente começa com um levantamento da rota do dia, entrevistas ao longo da estrada, as discussões sobre as dificuldades e tácticas à frente, e um recurso de arquivamento de 30 minutos. Os maiores pódios são transmitidos ao vivo do início ao fim, seguido por entrevistas com ciclistas e outros, e apresentado como uma versão editada do pódio visto do lado de um chefe de equipe seguindo e aconselhando os ciclistas do carro. A rádio abrange a corrida com actualizações ao longo do dia, especialmente no canal de notícias nacional, France Info, e algumas estações que fornecem comentários contínuos em onda longa. Outros países também transmitem o Tour, incluindo os Estados Unidos, que têm cobertura do Tour desde 1999 no NBC Sports Network.

A combinação de controles de dopagem rigorosos sem precedentes e quase sem testes positivos ajudaram a restaurar a confiança dos fãs no Tour de France 2009. Isto conduziu directamente a um aumento da popularidade global do evento. A etapa mais assistida de 2009 foi a etapa 20, a partir de Montélimar a Mont Ventoux na Provença, com um público total global de 44 milhões, tornando-se o 12º evento esportivo mais assistido no mundo em 2009.[88]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Parte da multidão durante a maioria dos dias do Tour é Didi Senft que, num traje de diabo, tem sido o diabo do Tour desde 1993.

O Tour é importante para os fãs na Europa. Milhões[89] assistem na linha do percurso, alguns tendo acampado uma semana para obter a melhor vista.

O Tour de France apelou desde o início, e não apenas para as exigências das distâncias percorridas, mas porque ele jogou a um desejo de unidade nacional,[90] uma chamada para o Maurice Barrès chamado de France "de terra e mortes", ou o que Georges Vigarello chamou de "a imagem de uma França unida pela sua terra".[91]

Livro Escola por Agostinho Fouillée sob um pseudónimo de G. Bruno

A imagem tinha sido iniciada pelo livro 1877 de viagem / escola Le Tour de la France par deux enfants.[n 11] Ele falou de dois meninos, André e Julien, que "em uma espessa neblina de setembro deixaram a cidade de Phalsbourg na Lorena para ver a França num momento em que poucas pessoas tinham ido muito além da cidade mais próxima."

O livro vendeu seis milhões de cópias até o momento da estreia do Tour de France,[90] o livro mais vendido do século XIX na França (que não seja a Bíblia).[92] Ele estimulou um interesse nacional na França, tornando-se "visível e vivo", como dizia seu prefácio já tinha havido uma corrida de carros chamado o Tour de France, mas foi a publicidade por detrás da competição de ciclismo, e ao rigor de Desgrange para educar e melhorar a população, [93] que inspirou o francês para saber mais do seu país.[94]

Os historiadores académicos Jean-Luc Boeuf e Yves Léonard disseram que a maioria das pessoas na França tinham pouca ideia da forma do seu país até o jornal L'Auto começar a publicar mapas da corrida.[95]

Artes[editar | editar código-fonte]

O Tour tem inspirado várias canções populares em França, nomeadamente 'P'tit Gars du tour (1932), Les Tours de France ( 1936) e Faire le Tour de France (1950). Kraftwerk teve um sucesso em 1983 com a Tour de France, que a descreveu como uma "fusão de homem e máquina" minimalista[96] - e produziu um álbum, Tour de France Soundtracks, em 2003, no centenário do Tour.

O Tour e o seu primeiro vencedor italiano, Ottavio Bottecchia, são mencionados no final do livro de Ernest Hemingway The Sun Also Rises.[97]

Nos filmes, o passeio foi fundo para Cinq Tulipes Rouges (1949) por Jean Stelli, em que cinco ciclistas são assassinados. A burlesca em 1967, Les Cracks por Alex Joffé, com Bourvil et Monique Tarbes, também contou com ele. Patrick Le Gall fez Chacun son Tour (1996). A comédia, Le Vélo de Ghislain Lambert (2001 ), contou com o Tour de 1974.

Em 2005, três filmes narraram uma equipe. O HöllenTour alemão, traduzido como 'Inferno sobre rodas, registou 2003 a partir da perspectiva da equipe Telekom. O filme foi dirigido por Pepe Danquart, que em 1993 ganhou um Óscar de uma curta-metragem de acção ao vivo, Black Rider (Schwarzfahrer).[98] O filme dinamarquês Superando por Tomas Gislason gravou o Tour 2004 a partir da perspectiva da equipe CSC.

Com fios para ganhar, crónica da Française des Jeux sobre ciclistas Baden Cooke e Jimmy Casper em 2003. Seguindo sua busca pela classificação por pontos, ganha por Cooke, o filme olha para o funcionamento do cérebro. O filme, feito para cinemas IMAX, surgiu em dezembro de 2005. Foi dirigido por Bayley Silleck, que foi nomeado para um Óscar de curta-metragem documentário, em 1996, para Cosmic Voyage.[99] Um fã, Scott Coady, seguindo o Tour de 2000 com uma câmara de vídeo portátil para fazer The Tour Baby[100] , que arrecadou US $160 000 para beneficiar a Fundação web Lance Armstrong,[101] e fez uma sequela em 2005, Tour Baby Deux!.[102]

Vive Le Tour por Louis Malle é um curta de 1962 de 18 minutos. O Tour de 1965 foi filmado por Claude Lelouch em Pour un Maillot Jaune. Este documentário de 30 minutos não tem narração e utiliza imagens e sons do Tour.

Na ficção, o filme de animação 2001 Les Triplettes de Belleville (As Bicicletas de Belleville) laços para o Tour de France.

Critériums Pós-Tour[editar | editar código-fonte]

Após o Tour de France há Critériums nos Países Baixos, Bélgica e Alemanha. Essas corridas são espectáculos públicos, onde milhares de pessoas podem ver seus heróis da corrida do Tour de France. O orçamento de um critérium é mais de 100,000 euros, com a maior parte do dinheiro a ir para os ciclistas. Vencedores de camisolas ou ciclistas de grande nome entre 20 e 60 mil euros por competição em dinheiro por iniciarem.[103]

Dopagem[editar | editar código-fonte]

Bandeira dos espectadores durante a Tour de France 2006

Alegações de uso de drogas para melhorar o desempenho no esporte (dopagem), têm atormentado o Tour quase desde 1903. Os primeiros ciclistas consumiam álcool e usaram éter, para aliviar a dor. Ao longo dos anos eles começaram a aumentar o desempenho e a União Ciclística Internacional e os governos promulgaram as políticas para combater a prática.

Em 1924, Henri Pélissier e seu irmão Charles Pélissier disseram ao jornalista Albert Londres que eles usaram estricnina, cocaína, clorofórmio, aspirina, "pomada de cavalo" e outras drogas.[104] A história foi publicada em Le Petit Parisien, sob o título Les Forcats de la Route ('Os condenados da Estrada').[20] [105] [106] [107]

Em 13 de julho de 1967, o ciclista britânico Tom Simpson morreu subindo o Mont Ventoux depois de tomar anfetamina. Em 1998, o "Tour of Shame", Willy Voet, soigneur para a equipe Festina, foi preso com eritropoietina (EPO), hormônio de crescimento, testosterona e anfetamina. A polícia invadiu hotéis da equipe e encontrou produtos em posse da equipe de ciclismo TVM. Os ciclistas entraram em greve. Após a mediação do diretor Jean-Marie Leblanc, a polícia limitou suas táticas e os ciclistas continuaram. Alguns ciclistas tinham abandonado e apenas 96 terminaram a prova. Tornou-se claro no julgamento que gestores de saúde e funcionários da equipe Festina tinham organizado a dopagem.

Outras medidas foram introduzidas pelos organizadores da corrida e da UCI, incluindo testes e exames para dopagem sanguíneo (transfusões mais frequentes e uso de EPO). Isso levaria a UCI para se tornar um partido particularmente interessado na iniciativa do Comitê Olímpico Internacional, a Agência Mundial Anti-Doping (WADA ), criado em 1999. Em 2002, a esposa de Raimondas Rumsas, em terceiro lugar na Tour de France 2012, foi presa depois de EPO e esteroides anabolizantes terem sido encontrados em seu carro. Rumsas, que nunca tinha falhado um teste, não foi penalizado. Em 2004, Philippe Gaumont disse que o doping era endémica à sua equipe Cofidis. O ciclista da Cofidis Fellow David Millar confessou o uso de EPO depois de sua casa ter sido alvo de buscas. No mesmo ano, Jesus Manzano, um ciclista com a equipe Kelme, alegou ter sido forçado por sua equipe a usar substâncias proibidas.[108]

A polémica do doping cercou Lance Armstrong. Em agosto de 2005, um mês após a sétima vitória consecutiva de Armstrong, o jornal L'Équipe publicou documentação segundo os qual Armstrong tinha usado EPO na corrida de 1999.[109] [110] Ao mesmo Tour, a urina de Armstrong mostrou vestígios de um hormônio glucocorticosteroides, embora abaixo do limiar positivo. Ele disse que tinha usado o creme de pele que contém triancinolona para tratar as feridas de sela.[111] Armstrong disse ter recebido permissão da UCI de usar este creme,[112] , mais alegações culminaram na decisão de desqualificação da Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA), retirando-lhe de todas as suas vitórias desde o 1º de agosto de 1998, incluindo as suas sete vitórias consecutivas do Tour de France, e uma proibição vitalícia de competir em esportes profissionais.[113] Ele optou por não recorrer da decisão e em janeiro de 2013, admitiu uso de doping numa entrevista televisiva realizada pela Oprah Winfrey,[114] apesar de ter anteriormente negado isso repetidamente ao longo de sua carreira.[115] [116] Em 1 de Agosto de 2013 Jan Ullrich - indiscutivelmente o maior rival de Armstrong na Tour de France - teria dito que Armstrong deve ter suas sete vitórias despojados reintegradas, devido a a prevalência de dopagem no momento. Ullrich tinha ganho o 1997 e terminou em segundo com Armstrong três vezes - em 2000, 2001 e 2003, mas recusou-se a participar de um pedido de títulos despojados do seu rival.[117]

O Tour de 2006 antes de começar tinha sido atormentado pela operação anti-doping Puerto. Os favoritos, como Jan Ullrich e Ivan Basso foram proibidos por suas equipes um dia antes do início. Dezassete ciclistas foram implicados. O ciclista americano Floyd Landis, que terminou o Tour como titular da liderança geral, havia testado positivo para testosterona depois que ele ganhou a etapa 17, mas isso não foi confirmado até cerca de duas semanas após a corrida ter terminado. Em 30 de junho de 2008 Landis perdeu seu apelo ao Tribunal Arbitral do Esporte e Óscar Pereiro foi nomeado como vencedor.[118] Em 24 de maio de 2007, Erik Zabel admitiu ter usado EPO durante a primeira semana do Tour 1996[119] , quando ele ganhou a classificação de pontos. Após a sua alegação de que outros ciclistas admitiram o uso de drogas, em 25 de julho de 2007 o ex-vencedor do Tour Bjarne Riis admitiu em Copenhaga, que ele usou inclusive, EPO regularmente de 1993 a 1998, quando ele ganhou o Tour de 1996.[120] A sua admissão significava que os três primeiros ciclistas, em 1996, foram todos ligados ao doping, dois admitindo a trapaça. Em 24 de julho de 2007 no controle de dopagem, Alexander Vinokourov testou positivo para uma transfusão de sangue (doping do sangue) depois de vencer um contrarrelógio, levando sua equipe Astana a retirar-se e a polícia a fazer buscas no hotel da equipe.[121] No dia seguinte no controle de Cristian Moreni falha para testosterona, e a sua equipe Cofidis retirou.[122]

No mesmo dia, o líder Michael Rasmussen foi removido por "violar as regras da equipe interna" pela falta de testes aleatórios no dia 9 de maio e 28 de junho. Rasmussen afirmou ter sido no México. O jornalista italiano Davide Cassani disse à televisão dinamarquesa que tinha visto Rasmussen na Itália. A suposta mentira solicitou a sua demissão pelo Rabobank.[123]

Em 11 de julho de 2008 Manuel Beltrán testou positivo para EPO após a primeira fase[124] em 17 de julho de 2008, Riccardo Riccò testou positivo para (metoxi-polietilenoglicol-epoetina beta) activador do receptor eritropoiese contínua, uma variante de EPO,[125] após a quarta etapa. Em outubro de 2008, foi revelado que o companheiro de equipe de Riccò e vencedor da etapa 11 do Tour de France 2008, Leonardo Piepoli, bem como Stefan Schumacher.[126]  – que ambos venceram etapas contrarrelógio – e Bernhard Kohl - terceiro na classificação geral e Rei das Montanhas - havia também testado positivo.[127]

Corredores assinando o livro de presença, ao início de uma etapa.

Depois de vencer o Tour de France 2010, foi anunciado no dia de descanso de 21 de julho que Alberto Contador havia testado positivo para baixos níveis de clembuterol.[128] Em 26 de janeiro de 2011, a Real Federação Espanhola de Ciclismo propôs uma proibição de 1 ano.[129] , mas reverteu a sua decisão em 15 de fevereiro e limpou Contador para poder correr.[130] Apesar de haver um recurso pendente na UCI, Contador terminou em 5º na geral Tour de France 2011, mas em fevereiro de 2012, Contador foi suspenso e despojado de sua vitória 2010.[131]

Durante o Tour de 2012, o ciclista colocado em terceiro lugar em 2011, Frank Schleck testou positivo para o diurético proibido xipamide e foi imediatamente desclassificado do Tour.[132]

Em outubro de 2012 a USADA divulgou um relatório sobre a dopagem da equipe US Postal, implicando, entre outros, Armstrong. O relatório continha depoimentos de ciclistas, incluindo Frankie Andreu, Tyler Hamilton, George Hincapie, Floyd Landis, Levi Leipheimer, e outros que descrevem uso generalizado de eritropoietina (EPO), transfusão de sangue, a testosterona, e outras práticas proibidas em vários Tours.[133] Em outubro de 2012, a UCI iniciou por em prática este relatório, retirando formalmente a Armstrong todos os seus títulos desde 1 de Agosto de 1998, incluindo todas as sete vitórias do Tour,[134] e anunciou que as suas corridas ganhas não seriam realocados para outros ciclistas.[135]

Greves, exclusões e desqualificações[editar | editar código-fonte]

NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em 1904 doze ciclistas, incluindo o favorito Maurice Garin e todos os homens da frente do pódio, foram desclassificados por várias razões, incluindo o uso ilegal de carros e comboio.

Em 1907 Émile Georget foi colocado em último lugar os resultados do dia depois de mudar sua bicicleta fora de uma área permitida. Edmond Gentil, patrocinadora da equipe rival Alcyon, retirou todos os seus ciclistas em protesto contra o que ele considerava muito clara uma penalidade. Eles incluíram Louis Trousselier, o vencedor em 1905.

Em 1912 e em 1913 Octave Lapiz retirou toda a sua equipa La Française, em protesto contra o que via como o conluio de ciclistas belgas.

Em 1913 Odile Defraye também se retirou-se da corrida com as pernas dolorosas e levou toda a equipe Alcyon com ele.

Em 1920 metade do campo retirou-se em Les Sables d' Olonne, em protesto contra o estilo de Desgrange de gestão.

Em 1925 a ameaça de uma greve terminou o plano de Desgrange que todos os ciclistas deviam comer exatamente a mesma quantidade de comida a cada dia.

Em 1967 Sylvère Maes da Bélgica retirou toda a sua equipa nacional depois do que ele considerava a sua rival francesa, Roger Lapébie, tinha sido punido muito levemente por ser rebocado para cima de um carro.

Em 1950 as duas equipes italianas retornaram a casa depois do líder da primeira equipe, Gino Bartali, pensar que um espectador lhe tinha ameaçado com uma faca.

Em 1950 a maior parte do pelotão saiu das suas bicicletas e correu para o Mediterrâneo em Sainte-Maxime. O verão tinha sido excepcionalmente quente e alguns ciclistas teriam entrado no mar sem desmontarem. Todos os envolvidos foram penalizados pelos juízes.

Em 1996 os ciclistas entraram em greve perto de Bordéus após feitos testes de droga na noite anterior.

Em 1968 os jornalistas entraram em greve por um dia depois de Félix Levitan os ter acusado de ver "com os olhos cansados​", a sua resposta aos escritores denúncia de que a corrida foi monótona.

Em 1978 os corredores pedalam lentamente durante todo o dia e, de seguida, atravessam a linha a pé em Valence d'Agen, como protesto por terem de se levantar cedo para competir em mais do que uma etapa por dia.

Em 1982 os metalúrgicos em greve pararam a etapa do contrarrelógio por equipas.

Em 1987 os fotógrafos entraram em greve, dizendo que os carros que transportam os hóspedes do turismo estavam a atrapalhar.

Em 1988 a corrida entrou em greve em protesto a respeito de um teste de drogas em Pedro Delgado.

Em 1990 os organizadores tiveram conhecimento de um bloqueio por parte dos agricultores na área de Limoges e desviaram a corrida antes dela chegar lá.

Em 1991 os ciclistas recusaram-se a correr por 40 minutos porque um ciclista, Urs Zimmerman, foi penalizado por conduzir de um acabamento de etapa para o início do próximo em vez de tomar o avião.

Em 1991 a equipe PDM foi para casa após cada um dos seus ciclistas adoecer, um por um no prazo de 48 horas.

Em 1992 activistas do movimento separatista basco bombardearam os carros dos seguidores durante a noite.

Em 1997 o sprinter belga Tom Steels foi expulso da corrida por lançar sua garrafa sobre outro ciclista num sprint em Marennes, Charente-Maritime.[136]

Em 1998 no caso Festina :

  • A equipe Festina foi desclassificada depois de terem surgido revelações de dopagem organizado dentro da equipe.
  • Após esta descoberta, a corrida parou em protesto contra o que os ciclistas diziam ser uma investigação-pesada desta e de outras acusações de dopagem.

Em 1999 bombeiros em demonstração pararam a corrida e atiraram bombas de mau cheiro.

Em 2006 Floyd Landis foi destituído do título depois de testar positivo para testosterona sintética.

Em 2007 :

  • A equipe Astana abandonou a corrida depois de Alexander Vinokourov ser apanhado na dopagem, e a equipe Cofidis retirou Cristian Moreni da competição no dia seguinte por este falhar um controlo.
  • Michael Rasmussen foi removido pela sua equipe, a Rabobank, enquanto vestia a camisola amarela por ter mentido sobre o seu paradeiro durante uma sessão de treinamento da equipe no México.

Mortes[editar | editar código-fonte]

Nenhum ciclista por mais prudente que seja está imune aos acidentes. Uma queda pode ser ocasionada por falha do equipamento, mas com certeza expõe ferimentos e pode até levar a morte, como a do jovem italiano Fabio Casartelli que, em 1995, numa descida do Col Portet d’Aspet, foi arremessado da bicicleta. A gravidade de uma queda pode ser muito maior do que se parece. Se um ciclista perde o equilíbrio, outros competidores podem ser arrastados, ocasionando um grande acidente. O percurso húmido, a sinalização inadequada e as chamadas ilhas direccionais, somadas à distracção, são factores de ruptura do equilíbrio de um atleta em competição. Além disso, a velocidade (que pode superar em alguns trajectos 80km/h), e a pressa de chegar à linha de chegada, elevam a possibilidade de quedas.

Os ciclistas que morreram durante o Tour de France :

  • 1910 : Ciclista francês Adolphe Helière afogado na Riviera Francesa durante um dia de descanso.
  • 1935 : Ciclista espanhol Francisco Cepeda mergulhou numa ravina no Col du Galibier.
  • 1967 : 13 de julho de Estágio 13: Tom Simpson morreu de insuficiência cardíaca durante a subida do Mont Ventoux. Anfetaminas foram encontrados na camisola e sangue de Simpson.
  • 1995 : 18 de julho de Estágio 15: Fabio Casartelli caiu a 88 km/h (55 mph), enquanto fazia o descendente do Col de Portet d'Aspet.

Outros sete acidentes fatais têm ocorrido :

  • 1934 : Um motociclista dando uma demonstração no velódromo de La Roche Sur Yon, para entreter a multidão antes que os ciclistas chegassem, morreu depois de bater em alta velocidade.[137]
  • 1957 : 14 de julho : O motociclista Rene Wagter e passageiro Alex Virot, jornalista da Rádio Luxemburgo, num despiste numa estrada de montanha perto de Ax-les-Thermes.
  • 1958 : Um funcionário, Constant Wouters, morreu de ferimentos recebidos após o velocista André Darrigade colidir com ele no Parc des Princes.[138]
  • 1964 : Vinte pessoas morreram quando uma carrinha de fornecimento embateu numa ponte na região de Dordogne, resultando no maior número de mortes relacionadas com o Tour.[139]
  • 2000: Um jovem de 12 anos de Ginasservis, conhecido como Phillippe, foi atropelado por um carro de publicidade da caravana do Tour de France.[140]
  • 2002 : Um menino de sete anos de idade, Melvin Pompele, morreu atropelado perto de Retjons depois de correr na frente da caravana.[140]
  • 2009 : 18 de julho na etapa 14: Um espectador de 60 anos foi atropelado por uma moto da polícia ao atravessar uma estrada ao longo da rota perto de Wittelsheim.[58]

Palmarés e recordes[editar | editar código-fonte]

Palmarés recente da Volta à França[editar | editar código-fonte]

Data (nacionalidade) Vencedor (equipe) Etapas Distância Velocidade Class. de montanha Class. por pontos Class. jovens
1985 (72ª) França Bernard Hinault (La Vie Claire-Radar) 23 4 109 36,232 km/h Colômbia Luis Herrera República da Irlanda Sean Kelly Colômbia Fabio Parra
1986 (73ª) Estados Unidos Greg LeMond (La Vie Claire-Radar) 24 4 094 36,645 km/h França Bernard Hinault Bélgica Eric Vanderaerden Estados Unidos Andrew Hampsten
1987 (74ª) República da Irlanda Stephen Roche (Carrera) 26 4 231 36,645 km/h Colômbia Luis Herrera Países Baixos Jean-Paul van Poppel México Raúl Alcalá
1988 (75ª) Espanha Pedro Delgado (Reynolds) 23 3 286 38,909 km/h Países Baixos Steven Rooks Bélgica Eddy Planckaert Países Baixos Erik Breukink
1989 (76ª) Estados Unidos Greg LeMond (ADR) 22 3 285 37,487 km/h Países Baixos Gert-Jan Theunisse República da Irlanda Sean Kelly França Fabrice Philipot
1990 (77ª) Estados Unidos Greg LeMond (Z Vêtements) 22 3 504 38,621 km/h França Thierry Claveyrolat Alemanha Oriental Olaf Ludwig França Gilles Delion
1991 (78ª) Espanha Miguel Indurain (Banesto) 22 3 914 38,747 km/h Itália Claudio Chiappucci União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Djamolidine Abdoujaparov Colômbia Álvaro Mejía
1992 (79ª) Espanha Miguel Indurain (Banesto) 23 3 983 39,504 km/h Itália Claudio Chiappucci França Laurent Jalabert Países Baixos Eddy Bouwmans
1993 (80ª) Espanha Miguel Indurain (Banesto) 22 3 714 38,709 km/h Suíça Tony Rominger Uzbequistão Djamolidine Abdoujaparov Espanha Antonio Martín Velasco
1994 (81ª) Espanha Miguel Indurain (Banesto) 22 3 978 38,383 km/h França Richard Virenque Uzbequistão Djamolidine Abdoujaparov Itália Marco Pantani
1995 (82) Espanha Miguel Indurain (Banesto) 22 3 635 39,193 km/h França Richard Virenque França Laurent Jalabert Itália Marco Pantani
1996 (83ª) Dinamarca Bjarne Riis (Team Telekom)[n 12] 22 3 907 39,227 km/h França Richard Virenque Alemanha Erik Zabel Alemanha Jan Ullrich
1997 (84ª) Alemanha Jan Ullrich (Team Telekom) 21 3 950 39,237 km/h França Richard Virenque Alemanha Erik Zabel Alemanha Jan Ullrich
1998 (85ª) Itália Marco Pantani (Mercatone Uno) 22 3 850 39,983 km/h França Christophe Rinero Alemanha Erik Zabel Alemanha Jan Ullrich
1999 (86ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 870 40,276 km/h França Richard Virenque Alemanha Erik Zabel França Benoît Salmon
2000 (87ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 662,5 39,545 km/h Colômbia Santiago Botero Alemanha Erik Zabel Espanha Francisco Mancebo
2001 (88ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 453 40,070 km/h França Laurent Jalabert Alemanha Erik Zabel Espanha Oscar Sevilla
2002 (89ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 276 39,909 km/h França Laurent Jalabert Austrália Robbie McEwen Itália Ivan Basso
2003 (90ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 391 40,956 km/h França Richard Virenque Austrália Baden Cooke Rússia Denis Menchov
2004 (91ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 426 40,563 km/h França Richard Virenque Austrália Robbie McEwen Rússia Vladimir Karpets
2005 (92ª) retirado[n 13]  · [141] 21 3 608 41,654 km/h Dinamarca Michael Rasmussen Noruega Thor Hushovd Ucrânia Yaroslav Popovych
2006 (93ª) Espanha Óscar Pereiro (Caisse d'Epargne-Illes Balears)[n 14] 21 3 657,1 40,784 km/h Dinamarca Michael Rasmussen Austrália Robbie McEwen Itália Damiano Cunego
2007 (94ª) Espanha Alberto Contador (Discovery Channel) 21 3 569,9 39,226 km/h Colômbia Mauricio Soler Bélgica Tom Boonen Espanha Alberto Contador
2008 (95ª) Espanha Carlos Sastre (Team CSC) 21 3 558,5 40,492 km/h Espanha Carlos Sastre[142] Espanha Óscar Freire Luxemburgo Andy Schleck
2009 (96ª) Espanha Alberto Contador (Astana) 21 3 445 40,310 km/h retirado[n 15] Noruega Thor Hushovd Luxemburgo Andy Schleck
2010 (97ª) Luxemburgo Andy Schleck (Team Saxo Bank)[n 16] 21 3 642 39,594 km/h França Anthony Charteau Itália Alessandro Petacchi Luxemburgo Andy Schleck
2011 (98ª) Austrália Cadel Evans (BMC Racing Team) 21 3 430 39,788 km/h Espanha Samuel Sanchez Reino Unido Mark Cavendish França Pierre Rolland
2012 (99ª) Reino Unido Bradley Wiggins (Team Sky) 21 3 494,4 39,900 km/h França Thomas Voeckler Eslováquia Peter Sagan Estados Unidos Tejay van Garderen
2013 (100ª) Reino Unido Christopher Froome (Team Sky) 21 3 404 40,542 km/h Colômbia Nairo Quintana Eslováquia Peter Sagan Colômbia Nairo Quintana
2014 (101ª) Itália Vincenzo Nibali (Astana) 21 3 404 40,710 km/h Polónia Rafal Majka Eslováquia Peter Sagan França Thibaut Pinot

Os principais recordes[editar | editar código-fonte]

Recorde Detentor(s)
Vitórias na classificação geral 5 vitórias :
Jacques Anquetil (1957 e de 1961 a 1964),
Eddy Merckx (de 1969 a 1972, e em 1974),
Bernard Hinault em (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985),
Miguel Indurain (de 1991 a 1995)
Podiums 8 : Raymond Poulidor (1962 : 3º, 1964 : 2º, 1965 : 2º, 1966 : 3º, 1969 : 3º, 1972 : 3º, 1974 : 2º, 1976 : 3º)
Segundo lugar 6 : Joop Zoetemelk (1970, 1971, 1976, 1978, 1979, 1982)
Terceiro lugar 5 : Raymond Poulidor (1962, 1966, 1969, 1972, 1976)
Classificação geral (por país) 36 : França
Vestiu a camisola amarela (meias etapas incluídas) 111 : Eddy Merckx
Melhor escalador 7 : Richard Virenque de 1994 a 1997, depois em 1999, 2003 e 2004
Classificação por pontos 6 : Erik Zabel de 1996 a 2001
Colecções de camisolas Eddy Merckx é o único ciclista a vestir várias camisolas na mesma volta à França, a camisola amarela, a verde e a prêmio de montanha (a sua equipe depois conseguiu vencer a classificação das equipes). Isso foi em 1969. Se houvesse mais troféus de camisola amarela nesse ano, ele também os teria ganho.
Vitórias de etapas 34 : Eddy Merckx
Vitórias de etapas na mesma volta 8 : Eddy Merckx em 1970 e 1974, Charles Pélissier em 1930, Freddy Maertens em 1976
Vitórias de etapas consecutivas 5 : François Faber 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª etapas em 1909
Vitórias individuais de etapas por nações 691 : França
Fugas solitárias mais longas vitoriosas (depois da Segunda Guerra mundial)[143] 253 km : Albert Bourlon em 1947 na 14ª etapa Carcassonne-Luchon
Fuga solitária vitoriosa com maior avanço sobre o segundo lugar (depois da Segunda Guerra mundial)[143] 22 min 50 s : José Luis Viejo em 1976 na 11ª etapa Montgenèvre-Manosque
Recorde de participações 17 : George Hincapie (de 1996 a 2012), Stuart O'Grady (de 1997 a 2013) e Jens Voigt (de 1998 a 2014)
Recorde de voltas terminadas 16 : Joop Zoetemelk (de 1970 a 1986 excepto 1974)
Avanço em acabamento em serra na chegada entre dois primeiros 8 segundos : entre Greg LeMond e Laurent Fignon em 1989
Vencedor mais jovem de um Tour Henri Cornet, com idade de 19 anos, 11 meses e 20 dias[144] em 1904
Vencedor mais velho de um Tour Firmin Lambot, com idade de 36, 4 meses e 9 dias[144] em 1922
Numero de dorsal do vencedor na partida dorsal n°1 : 25 vencedores

Lusófonos na Volta à França[editar | editar código-fonte]

A participação de equipas e corredores lusos de maior relevo na volta são; Alves Barbosa em 1956 onde obteve um 10º posto na geral, Joaquim Agostinho (com dois terceiros lugares e mais seis vezes nos primeiros dez), José Azevedo, Acácio da Silva (o único que foi camisola amarela durante algumas etapas), Paulo Ferreira, e Rui Costa com vitórias de etapas. A edição de 2014 conta com a participação de cinco portugueses: Rui Costa, (Lampre-Merida), Nelson Oliveira, (Lampre-Merida), Sérginho Paulinho, (Team Saxo Bank) (7ª participação), Tiago Machado, (NetApp-Endura) e José Mendes , (NetApp-Endura). Sérgio Paulino com 7 participações torna-se assim o segundo português com mais presenças, depois das treze de Joaquim Agostinho.[145]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Anteriormente Lance Armstrong (EUA) com 7 vitórias até serem retiradas os seus títulos é banido para vida das competições UCI no seguimento de alegações da investigação oficial de dopagem sobre ele [1].
  2. (antepassado do diário esportivo francês L'Équipe). De Dion, Clément e Michelin estavam particularmente preocupados com Le Vélo- que reportava mais sobre outros temas do que sobre ciclismo, porque o seu suporte financeiro era de um dos seus rivais comerciais, a empresa Darracq. De Dion acreditava que o Le Vélo dava muita atenção a Darracq e a ele muito pouco. De Dion era um homem cortês, mas franco, que já tinha escrito colunas para Le Figaro, Le Matin e outros. Ele também era rico e podia se dar ao luxo de seguir seus caprichos, que incluíam a fundação da publicação Le Nain Jaune ('o anão amarelo'), uma publicação que "...não atende a nenhuma necessidade particular."
  3. Desgrange tentou primeiro copiar e superar as corridas realizadas por seu rival. Em 1901, ele reviveu o evento Paris-Brest após a ausência de um decénio. Seu vencedor tirou quase duas horas do tempo recorde, mas a corrida não pegou a imaginação do público. As corridas mais longas foram de cidade em cidade, como de Bordéus a Paris, numa operação. Giffard foi o primeiro a sugerir uma corrida que durava vários dias, novo para o ciclismo, mas uma prática estabelecida no automobilismo. Ao contrário de outras corridas ciclística, também seria uma corrida em grande parte por marcadores de paço.
  4. O jornal L'Auto preferiu concentrar-se na corrida de carros Coupe Gordon-Bennett, apesar de só começar por mais 48 horas. A escolha reflecte não apenas que o Tour de France era um valor desconhecido - somente após a primeira corrida ter terminado e que se estabeleceu uma reputação - mas também aponta para a incerteza do Desgrange. A sua posição como editor dependia de elevar as vendas. Isso aconteceria se o Tour tivesse sucesso. Mas o jornal e seus empregadores perderiam muito dinheiro se ele não o conseguisse. Desgrange preferiu manter a distância. Ele não lançou a corrida e não seguiu os ciclistas. A reportagem foi deixado para Lefèvre, que tinha tido a ideia, e acompanhou a corrida de bicicleta e de comboio. Desgrange mostrou um interesse pessoal na sua corrida apenas quando já parecia um sucesso.
  5. Não era incomum o uso de nomes falsos e muitas vezes coloridos. Isto reflecte não só a ousadia da empresa, mas associação de ligeiro escândalo sobre as corridas de bicicletas, o suficiente para que alguns preferiam usar um nome falso. A primeira corrida entre cidades, de Paris a Ruão, incluía muitos nomes inventados ou simplesmente iniciais. A primeira mulher a terminar tinha entrado como "Miss América", apesar de não ser americana.
  6. Pierre Bost foi um jornalista e dramaturgo conhecido pelos roteiros de cinema e peças de teatro prolíficos que ele escreveu em 1940. Ele morreu em 1975.
  7. "Cette caravane de soixante camions barriolés qui chantent à travers la campagne les vertus d'un apéritif, d'un calecçon ou d'une boîte à ordures fait un honteux spectacle. Cela crie, cela fait de la sale musique, c'est laid, c'est triste, c'est bête, cela sue la vulgarité et l'argent." – Laget, Serge (1990), La Saga du Tour de France, Découvertes Gaillard, France, ISBN 978-2-07-053101-1. Lenda diz que em 1939 as pessoas em áreas remotas correram das suas casas com a visão de um modelo de leão negro gigante no teto de um carro a promover o sapato polonês Lion Noir.
  8. Jean-Pierre Lachaud juntou à caravana do Tour de France em 1983 para distribuir publicidade para o Crédit Lyonnais, o banco que patrocina a camisola amarela. A experiência levou a iniciar a sua própria empresa, NewSport, que agora administra a caravana para a Société du Tour de France.
  9. A Córsega conheceu períodos de acção violenta atribuídos a quem procura a separação da França.
  10. Uma câmara pódio não é está sempre focada no pódio do vencedor, mas faz uma escala completa da área de montagem, ou pódio.
  11. Um livro escolar escrito por Agostinho Fouillée sob o nome de Bruno G. e publicado em 1877, que vendeu seis milhões em 1900, sete milhões em 1914 e 8,4 milhões em 1976. Foi usado nas escolas até os anos 1950 e ainda está disponível.
  12. O dinamarquês Bjarne Riis, da equipe Team Telekom, foi despojado do seu título em 7 de junho de 2007 depois do uso de EPO. Mas finalmente em 4 de julho de 2008 foi reabilitado pelos organizadores da Volta a França a participar novamente nesta competição.
  13. a b c d e f g Título de Lance Armstrong retirado pela UCI a 22 de outubro de 2012 por dopagem.
  14. Vitória depois da desqualificação de Floyd Landis com controle positivo à testosterona no Tour.
  15. Os resultados de Franco Pellizotti são anulados por violação das regras antidopagem.
  16. Alberto Contador, vencedor inicial é desclassificado por dopagem.

Referências

  1. a b c d e f Joel Gunter (16 julho 2012). The Tour de France: a guide to the basics (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 30 julho 2012.
  2. 1903 Tour de France (em inglês) Bikeraceinfo.com (19 Janeiro 1903). Página visitada em 30 julho 2012.
  3. Tour de France snubs velodrome Holocaust memorial (em inglês) The Jewish Chronicle. (12 julho 2012). Página visitada em 30 julho 2012.
  4. Barry Boys. The Return of a Grand Affair – "New Tour Legend: the Maillot Jaune" (em inglês) Cycling Revealed. Página visitada em 3 junho 2009.
  5. Union Cycliste Internationale Uci.ch. Página visitada em 6 agosto 2012.
  6. When is the Criterium route announced.. UCI WorldTour calendar 2012 (em inglês) Cycling Weekly.. Página visitada em 6 agosto 2012.
  7. Chadwick & simon 2007, p. 48
  8. Million dollar, baby! Cycling News. Future Publishing Limited (12 Janeiro 2007). Página visitada em 21 maio 2011.
  9. Tour de France 2011 – Stage by stage (em inglês) Letour.fr. Página visitada em 30 julho 2012.
  10. Moment 17: 1975 – TDF's First Champs Elysees Finish (em inglês) Bicycling Magazine.. Página visitada em 30 julho 2012.
  11. UCI Regulations (em inglês) 2.6.011. Página visitada em 21 julho 2009.
  12. Augendre 1996, p. 17
  13. Regulations of the race (em inglês) ASO/letour.fr. Página visitada em 30 dezembro 2008.
  14. a b c Dauncey & Hare 2013, p. xi
  15. a b c Boeuf & Léonard 2003
  16. Harp 2001, p. 20
  17. Boeuf & Léonard 2003, p. 23
  18. Nicholson 1991
  19. Goddet 1991, p. 16
  20. a b c Woodland 2007
  21. a b Goddet 1991, p. 20
  22. Dauncey & Hare 2013, p. 64
  23. www.cyclingnews.com presents the 93rd Tour de France (em inglês) Cycling News.. Página visitada em 18 julho 2009.
  24. Know how the Tour de France started (em inglês) Amazon.com (19 janeiro de 1903). Página visitada em 18 julho 2009.
  25. Goddet 1991, p. 15
  26. a b Spaarnestad Photo image number SFA001006411
  27. a b Dauncey & Lebre 2013, p. 13
  28. Nicholson 1991, p. 44
  29. Thierry & Chany 2011, p. 21
  30. a b Dauncey & Lebre 2013, p. 131
  31. The Greatest Race (em inglês) Bicycling. Página visitada em 04-08-2009.
  32. Samuel Abt (2003-06-29). The Tour De France Grew Into Top Event (em inglês) The New York Times. Página visitada em 2009-08-26.
  33. Dauncey & Lebre 2013, p. 63
  34. Augendre 1996, p. 7
  35. Nicholson 1991, p. 45
  36. Thierry & Chany 2011, p. 26
  37. Allchin & Bell 2003, p. 3
  38. a b c Tour de France jerseys explained sportinglife. British Sky Broadcasting Ltd (1 julho 2013). Página visitada em 18 julho 2013.
  39. Augendre 1996, p. 13
  40. Maso 2003, p. 50
  41. McGann & McGann 2006, p. 84
  42. a b Augendre 1996, p. 30
  43. "Tour de France, 100 ans, 1903-2003", L'Équipe, França, 2003, P182
  44. a b Augendre 1996, p. 55
  45. Maso 2003, p. 122
  46. Augendre 1996, p. 59
  47. Nicholson 1991, p. 50
  48. Augendre 1996, p. 60
  49. Maso 2003, p. 126
  50. Nicholson 1991, p. 14
  51. Woodland 2007, p. 234
  52. Augendre 1996, p. 62
  53. Seray 2000
  54. Tom James (15 de agosto, 2003). Veloarchive 1924:Le tour de Souffrance Veloarchive. Página visitada em 24 Outubro 2009.
  55. (2007) "Tour de honra": 172, 200-201.
  56. Thierry & Chany 2011, p. 242
  57. Le Petit Bleu de Lot-et-Garonne, França, 20 de julho de 2005
  58. a b c d Le Tour Guide, França, 2000
  59. a b GAN Spécial Tour de France de 1994
  60. a b c d e f g h i Goddet 1991
  61. "Tour de France, 100 ans, 1903-2003",L'Équipe, França, 2003, P227
  62. McGann 2006
  63. Libération, França, 4 de julho de 2003.
  64. Ciclismo Revelado-tour de France Timeline (em inglês) Cyclingrevealed.com. Página visitada em 18 de julho de 2009.
  65. Dauncey & Lebre 2013
  66. Augendre 1996, p. 69
  67. Augendre 1996, p. 87
  68. Dauncey & Lebre 2013, p. 37
  69. a b The bicycle, Reino Unido, 8 de julho de 1943, p6.
  70. La Corse fait-elle peur au Tour de France-le plus Leplus.nouvelobs.com. Página visitada em 23 fevereiro de 2012.
  71. a b L'Équipe Magazine, França, 23 de outubro de 2004
  72. Woodland 2007, p. 300-304
  73. Augendre 1996, p. 69-83
  74. a b Règlement de l ' épreuve et Liste des prix Letour.fr. Página visitada em 18 de julho de 2009.
  75. The legend of the maillot jaune (em inglês) VeloNews (2003-06-29). Página visitada em 2009-08-24.
  76. Tour de France 2011 – Rules Letour.fr. Página visitada em 23 Fevereiro 2012.
  77. Liggett, Phil; Raia, James; Lewis, Sammarye (2005), Tour de France for dummies, For Dummies, pag 37,38 e 39, ISBN 0-7645-8449-9, 9780764584497
  78. Regulations of the race ASO/letour.fr. Página visitada em 29 junho 2011.
  79. Provence blog por ProvenceBeyond:Tour de France, a partir de Mônaco Provenceblog.typepad.com. Página visitada em 04 de novembro de 2008.
  80. Dauncey & Lebre 2013, p. 149
  81. Augendre 1996, p. 61
  82. Grande Départ em Yorkshire para 2014.
  83. 2014 a ser realizada em Yorkshire Jornal The Guardian (17 de janeiro 2014). Página visitada em 28 maio 2013.
  84. Augendre 1996, p. 21
  85. Dauncey & Lebre 2013, p. 134
  86. Dauncey & Lebre 2013, p. 136
  87. Dauncey & Lebre 2013, p. 117
  88. ViewerTrack, Os eventos esportivos de TV mais assistidos de 2009.
  89. Tour de France factos, números e Curiosidades Gofrance.about.com. Página visitada em 04 novembro de 2008.
  90. a b Boeuf & Léonard 2003, p. 67
  91. L' imagem d'une France unifiée par le soleil, Vigarello, Georges, Le tour de France, p3807, citado Boeuf, p67
  92. França desde 1871:Palestra 9 Transcrição, por John M. Merriman, cursos abertos de Yale, 03 de outubro de 2007
  93. Boeuf & Léonard 2003, p. 70
  94. Boeuf & Léonard 2003, p. 74
  95. RefBoeuf, Boeuf & Léonard 2003, p. 75-76
  96. Chris Jones, Kraftwerk, Tour de France Soundtracks, BBC, 04 de agosto de 2003
  97. A coisa esplêndida (16 de novembro de 2009).
  98. Sangue, suor e engrenagens Sydney Morning Herald (27 maio 2005). Página visitada em 27 maio 2007.
  99. Morris, Wesley. ""Wired" is winning tour of race, brain", BOSTON GLOBE, 30 de dezembro 2005. Página visitada em 11 de julho 2008.
  100. thetourbaby.com thetourbaby.com. Página visitada em 2013/06/29.
  101. The Baby Tour! (em inglês) RoadCycling.com (08 outubro 2004). Página visitada em 27 maio de 2007.
  102. tourbabydeuxmovie.com tourbabydeuxmovie.com. Página visitada em 2013/06/29.
  103. Fixed for the fans - the post-TdF criteriums (em inglês) cyclingnews.com. Página visitada em 21 maio 2013.
  104. "Tour de France,100 ans, 1903-2003",L'Équipe, França 2003, P149
  105. de Mondenard 2003
  106. Associação de Treinadores Ciclismo britânicos(ABCC), Drogas e o Tour de France por Ramin Minovi ABCC (01 de junho de 1965). Página visitada em 18 de julho de 2009.
  107. Moore 2011, p. 145
  108. Ex- Kelme promessas cavaleiro doping revelações VeloNews (20 março 2004). Página visitada em 27 maio 2007.
  109. L'Équipe, França, 23 de agosto de 2005, p1
  110. L'Équipe alega amostras de Armstrong mostrarem uso de EPO no Tour de 99 VeloNews (23 de agosto 2005). Página visitada em 27 maio 2007.
  111. Armstrong viagem : passeios de acompanhante de planícies do Texas a Champs- Elysees (em inglês) CNN Sports Illustrated (22 julho 2000). Página visitada em 27 maio 2007.
  112. Armstrong & Jenkins 2001
  113. Lance Armstrong é banido para a vida e seu palmares competitivo desqualificado resultado das sua violações de doping decorrentes da participação na conspiração de doping da equipe profissional United States Postal (em inglês) EUA Anti-Doping Agency. Página visitada em 29 juno 2013.
  114. 15 janeiro de 2013, 16:05 (2013/01/15). win / Lance Armstrong diz a Oprah que ele dopou-se para vencer (em inglês) CBS News. Página visitada em 29 junho 2013.
  115. Em Reversão, Armstrong se diz arrependido de usar drogas (em inglês) New York Times. Página visitada em 2013-01-05.
  116. Atty. nega relatório Lance Armstrong vai admitir doping (em inglês) CBS Notícias. Página visitada em 2013-01-05.
  117. Jan Ullrich suporta Lance ESPN Associated Press (01 de agosto de 2013). Página visitada em 17 de outubro de 2013.
  118. Landis perde recurso, deve perder título do Tour de France Houston Chronicle (30 de junho de 2008). Página visitada em 30 junho de 2008.
  119. Zabel e Aldag confessar EPO uso (em inglês) Cyclingnews (24 de maio de 2007). Página visitada em 27 maio de 2007.
  120. Riis, Tour de France Champ, diz que tomou substâncias proibidas Bloomberg (25 maio 2007). Página visitada em 26 maio 2007.
  121. Astana Pulls Out of Tour de France Washington Post. 24 julho 2007.
  122. BBC.co.uk- sendo o Tour atingido por um segundo resultado de doping (em inglês)
  123. Rasmussen, líder do Tour de France, é expelido pela equipe (em inglês) Bloomberg (26 julho 2007). Página visitada em 18 de julho de 2009.
  124. Doping agency: Beltran positive for EPO google. Página visitada em 7 novembro 2008.[ligação inativa]
  125. BBC SPORT | Other sport ... | Tour 'winning war against doping' (em inglês) News.bbc.co.uk (17 julho 2008). Página visitada em 4 novembro 2008.
  126. Piepoli and Schumacher Tour de France samples positive for CERA (em inglês) Autobus.cyclingnews.com (7 October 2008). Página visitada em 18 julho 2009.
  127. Kohl positive confirmed (em inglês) Autobus.cyclingnews.com. Página visitada em 18 julho 2009.
  128. Contador testes positivos para os baixos níveis de clembuterol (em inglês) VeloNews.competitor.com (30 de setembro de 2010). Página visitada em 07 de julho de 2011.
  129. federação espanhola propõe suspensão de um ano para Contador (em inglês) VeloNews.competitor.com (27 de janeiro de 2011). Página visitada em 07 de julho de 2011.
  130. Fed espanhol cancela Alberto Contador, Contador planeia começar Algarve (em inglês) VeloNews.competitor.com (15 fevereiro de 2011). Página visitada em 07 de julho de 2011.
  131. CAS sanctions Contador with two-year ban in clenbutorol case (em inglês) Cyclingnews. Future Publishing Limited (6 fevereiro 2012). Página visitada em 6 Fevereiro 2012.
  132. Schleck afastado.vai perder Tour de France depois de ter falhado teste de drogas durante o último ano de corrida (em inglês). Página visitada em 1 fevereiro 2013.
  133. Investigação da equipe de ciclismo Service Postal, USADA, 2012 outubro, ret 2012 10 14 (em inglês)
  134. Lance Armstrong despojado de todos os sete Tours de France ganhos pela UCI (em inglês) BBC (22 de outubro de 2012). Página visitada em 22 de outubro de 2012.
  135. Tour de France vitórias de Lance Armstrong não será realocado (em inglês) BBC (26 de outubro de 2012). Página visitada em 26 de outubro de 2012.
  136. Lionel Birnie (02 de julho de 2010). Tom Steels em Mark Cavendish:"Ele é o homem a ser batido' (em inglês) Cycling Weekly. Página visitada em 24 de julho de 2010.
  137. Ultimas Informaciones – La XXVIII Vuelta a Francia (em espanhol) El Mundo Deportivo (28 julho 1934).
  138. Woodland 2007, p. 105
  139. Europe | Tour de France spectator killed (em inglês) BBC News (18 julho 2009). Página visitada em 18 julho 2009.
  140. a b Woodland 2007, p. 80
  141. a b c d e f g Sept éditions sans vainqueur (em françês) lequipe.fr (26 de outubro 2012). Página visitada em 26 de outubro 2012.
  142. (em inglês) União ciclista internacional (2008). 05 Jul-27 Jul 2008 - General classificativa: Brest - Paris Union cycliste internationale. Página visitada em 26 de outubro 2009.
  143. a b As fugas do Tour de France depois de 1947(em francês)
  144. a b «10 anedotas sobre o Tour de France», linternaute.com, julho de 2007.(em francês)
  145. Cabral, Mariana. (5 de julho de 2014). "Le Tour de Portugal". Jornal Expresso.

Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Tour de France