Boris Pasternak

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde outubro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Boris Pasternak Medalha Nobel
Boris Pasternak durante o Primeiro Congresso de Escritores Soviéticos, em 1934
Nascimento 10 de fevereiro de 1890
Moscou
Morte 31 de maio de 1960 (70 anos)
Peredelkino
Cidadania Rússia Russa
Prêmios Nobel prize medal.svg Nobel de Literatura (1958)

Boris Leonidovitch Pasternak (em em russo: Борис Леонидович Пастернак; Moscou, 10 de fevereiro de 1890Peredelkino, 31 de maio de 1960) foi um poeta e romancista russo.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um professor de pintura e de uma pianista, teve uma juventude em uma atmosfera cosmopolita. Estudou filosofia na Alemanha e retornou a Moscou em 1914, ano em que publicou sua primeira coleção de poesias. Primeiramente próximo do futurismo russo, é principalmente como poeta que Pasternak se tornou conhecido na Rússia.

Durante a Primeira Guerra Mundial ele ensina e trabalha em uma usina química dos Urais, o que lhe deu matéria para a sua famosa saga Doutor Jivago anos mais tarde.

Pasternak caiu em desgraça com as autoridades soviéticas durante os anos 1930; acusado de subjetivismo, ele conseguiu, no entanto, não ser enviado a um Gulag.

Foi-lhe atribuído o Nobel de Literatura de 1958, mas ele não foi autorizado a recebê-lo por razões políticas.

Na Rússia, é mais conhecido como poeta do que romancista, em virtude de o livro Dr. Jivago não ter feito sucesso na antiga União Soviética por motivos políticos. É interessante observar, no entanto, que o personagem principal, homônimo ao livro, é, justamente, um poeta que tem problemas com as autoridades soviéticas, embora simpatizante da causa dos deserdados. O Dr. Jivago, é possível afirmar, é um alter-ego do poeta Pasternak.

Até o momento de sua morte por câncer de pulmão em 1960, a campanha contra Pasternak foi severamente criticada com a credibilidade internacional da URSS. Ele continua sendo uma figura importante na literatura russa ainda hoje. Além disso, as táticas desenvolvidas por Pasternak foram mais tarde continuadas, ampliadas e aperfeiçoadas por Aleksandr Solzhenitsyn e outros dissidentes soviéticos.

Primeiros Anos[editar | editar código-fonte]

Datcha de Boris Pasternak in Peredelkino perto de Moscovo

Pasternak nasceu em Moscou em 10 de Fevereiro, (gregoriano), 1890 (Juliano 29 de janeiro) em uma rica família judia russa. Seu pai era o pintor pós-impressionista, Leonid Pasternak, professor da Escola de Moscou de Pintura, Escultura, Arquitetura. Sua mãe era Rosa Kaufman, uma pianista de concertos e filha do industrial Odessa Isadore Kaufman.

Em uma carta de 1959 a Jacqueline de Proyart, Pasternak recordou,

"Eu fui batizado quando criança por minha babá, mas por causa das restrições impostas aos judeus, particularmente no caso de uma família que foi isenta deles e desfrutou de uma certa reputação em vista da posição de meu pai como artista, havia algo um pouco complicado sobre isso, e ele sempre foi como um meio-discreto e íntimo, uma fonte de inspiração rara e excepcional em vez de ser com calma um dado adquirido. Creio que esta é a raiz da minha distinção, mais intensamente de todos minha mente foi ocupada pelo cristianismo nos anos 1910-12, quando os principais fundamentos desta distinção - a minha maneira de ver as coisas, o mundo, a vida - foram tomando forma ... "

Logo após seu nascimento, os pais de Pasternak se juntou ao Movimento tolstoiano. Novelista Leo Tolstoy era um amigo próximo da família, como lembrou Pasternak, "meu pai ilustrava seus livros, fui vê-lo, o reverenciava, e ... a casa inteira estava imbuído de seu espírito".

Em um ensaio de 1956, Pasternak lembrou trabalho febril de seu pai a compilação de ilustrações para o romance de Tolstoi Ressurreição. O romance foi, então, serializada na revista Niva pela editora Fyodor Marx, com sede em São Petersburgo. Os esboços foram elaborados a partir de observações em lugares como tribunais, prisões e nos trens, em espírito de realismo. Para garantir que os esboços conheci maquinistas de trem que foram convocados para pessoalmente recolher as ilustrações. Pasternak escreveu: "Minha imaginação infantil foi atingido pela visão de um condutor de trem em seu uniforme ferroviária formal, de pé esperando na porta da cozinha, como se estivesse de pé sobre uma plataforma ferroviária na porta de um compartimento que estava prestes a sair da estação. O Marceneiro estava fervendo no fogão. As ilustrações foram apressadamente limpas e secas, fixas, coladas em pedaços de papelão, enroladas, amarradas. As parcelas, uma vez prontas, foram seladas com lacre e entregues ao condutor ".

Segundo Max Hayward, "Em novembro de 1910, quando Tolstoi fugiu de sua casa e morreu em casa do chefe da estação de Astapovo, Leonid Pasternak foi informado por telegrama e ele foi para lá imediatamente, levando seu filho Boris com ele, e fez um desenho de Tolstoi em seu leito de morte ".

Os visitantes regulares na casa dos Pasternak também incluiam Sergei Rachmaninoff, Alexander Scriabin, Lev Chestov, Rainer Maria Rilke. Pasternak aspirava primeiro a ser músico. Inspirado por Scriabin, Pasternak brevemente era um estudante no Conservatório de Moscou. Em 1910, ele foi abruptamente para a Universidade alemã de Marburg, onde estudou com neos-kantianos Hermann Cohen e Nicolai Hartmann

Sobre Doutor Jivago[editar | editar código-fonte]

Em 1958, Boris Pasternak publicou seu mais conhecido trabalho no mundo ocidental: o romance Doctor Zhivago (no português, Doutor Jivago). O livro não pôde ser publicado na então União Soviética, devido às críticas feitas ao regime comunista na obra. Os originais do livro foram contrabandeados para fora da "Cortina de Ferro" e editados na Itália, tornando-se rapidamente em um verdadeiro best-seller, fazendo de Pasternak ganhador do Nobel de Literatura.

Entretanto, pelo fato de ser um livro proibido pelo governo de Moscou, Pasternak foi impedido de receber o Nobel e acabou sendo obrigado a devolver a honraria. A proibição da publicação de Dr. Jivago dentro da União Soviética vigorou até 1989, quando a política de abertura de Mikhail Gorbatchev, então líder da URSS, liberou a publicação da obra. Somente neste ano, os russos puderam conhecer a saga de Jivago.

Em 1965, Doutor Jivago ganhou uma adaptação para o cinema, com Omar Shariff, no papel principal. O filme ficou famoso também por sua grande trilha sonora, "Lara's Theme". Entretanto, Pasternak não viveu para ver seu livro adaptado para as telas. Ele morreu em 1960. Encontra-se sepultado no Cemitério Peredelkino, Moscou na Rússia.[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Precedido por
Albert Camus
Nobel de Literatura
1958
Sucedido por
Salvatore Quasimodo
Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.