Cuvango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cuvango
[[Imagem:]]
Província Huíla
Características geográficas
Área 9 680 km²
População 57 000 hab.
Densidade 6 hab./km²

Projecto Angola  • Portal de Angola

Cuvango ou Kuvango é uma vila e município da província da Huíla, em Angola.

Tem 9 680 km² e cerca de 57 mil habitantes. É limitado a Norte pelos municípios da Catchiungo e de Tchicala-Tcholoanga, a Este pelos municípios de Chitembo e Cuchi, a Sul pelo município de Cuvelai, e a Oeste pelos municípios de Jamba e Chipindo. É constituído pelas comunas de Cuvango, Galangue e Vicungo.O Município precisa de sair dos escombros de guerra para um posssível progresso, porque encontra-se estagnado.O projecto de acensão a categoria de província seria solução para a zona leste da Huíla, pois vendo o Tchipindo,Galangue e Cuvelai(no Cunene) para além das adormecidas potencialidades de ferro, ouro, só para citar alguns jazigos na Jamba,Cassinga e Tchamuntete ainda em pleno século XXI dá muita pena. O colono já deixou o projecto designado "Conselho dos Ngangela", pode agora não ser este o atributo, o mais importante é pensarmos na vida do reduto povo ainda existente na zona. Não há população tão dura para sua alfabetização a nível mundial.É possível instruir os povos desde que haja insentivos e projectos efectivante para tal fim e não projecto simulados apenas para estorquir dinheiros.Esta zona anda adormecida quase desconhecida do mapa angolano em termos de desenvolvimento, apesar de sair daí muitos dos seus melhores filhos a desempenhar grandes tarefas noutras parragens do País.Pensemos sempre na evolução das nossas origens. Angola é toda nossa, mas vejo muitas diferênça nos projectos de desenvolvimento,construções de infra-estruturas.Parece-me que há zonas ou provínvias com mais direitos do que outras e isto é mau. Se de facto todos somos "Um só povo e Uma só Nação", porque não se fazem prédios também no tchamutete,cuvelai,jamba tal como os que estão sendo erguidos no bailundo, lobito. Oh!.., agora há cidades mais importantes que outras, mas os filhos destas terras sacrificados em defesa da pátria não são importantes.Pensemos no todo e não em partes. O tchipindo nem tem postos de saúde dignos, mas sabe-se que os que lá estão são angolanos e muitos deles deram suas vidas para o país.

 O grande erro que sempre achei e chamo à consciência a todos e quaisquer nato destas parrgens é a união trabalharmos juntos e não pensarmos de forma ilusória nos falsos projectos, enganosos e simulados. Também deixemos de pensar que onde estamos é melhor do que lá onde nascemos,pois o melhor faz-se. Diz-se bem, todos demos no duro,sangramos, perdemos irmãos e melhores parentes com potencial para desenvolver a terra de origem, mas o maior problema está nas políticas sociais e enganosas deste país e sobretudo dos que dizem servir o povo. Já se sabe que o que interessa não é todo o povo, mas alguns povos, contribuindo assim na miséria dos outros.Isto é, estorquir, enganar e actualmente com simulações de falsos projectos para algumas áreas enquanto se beneficiam outras. Há muito falso líderes(Vejam a Diocese de Menongue).Umas das dioceses jovem,mas já envelhecidas pelos líderes. Não é que o povo não dê para que avance,desenvolva a religiâo nesta zona,os líderes que alí são nomeados procuram afundar cada vez mais com falsas desculpas culturais e muitos mais.Isto ocorre em ambos ramos,político, social ninguèm está interessado a fazer evoluir aquela parcela da terra. Cabe a cada um dos que alí nasceu pensar no futuro, porque o que se prevê e conforme o caminhar da carruagem, há quem tem daquilo com continuação ou prolongamento da sua língua, cultura ou povo.Porque os que já nasceram e vivem lá podem morrer ou desaparecer para futuramente não haver reclamação. Isto di-lo pela visão ou análise da política actual.Este povo foi o primeiro a abrir o caminho para todo "povo bantu" esta é uma verdade histórica para Angola, muito utilizados em tudo, mas pouco insentivado para ensino,pouco reconhecido nos seus esforços. O projecto de Pronvícia foi chumbado com os mesmos fins de aos poucos este povo desaparecer(recordem os massacres de Kangamba, Mavinga,kuito kwanavale, kuvelai, comuna de cassinga desapareceu do mapa ficou apenas o chamutete,o Chipindo,no kuvango levado a cabo pelo "General Bock". Onde estavam os oficias superiores para exigir das autoridades que houvesse um suporte forte em defesa da população se não fosse a mão amiga cubana no kangamba, kuito kwanavale,Mavinga,kuvelai, Cassinga e Chamutete. No Chipindo, kuvango já nem houve poupança, pois,vi e vivi este horror que parecia ser talho de animais. As organizações políticas em África, mais do ajudar o povo, preferem servir-se dele e matá-lo e é com muita pena.
Portanto, irmão o país é todo nosso, mas os nossos mais velhos estão acabar e não haverá "tungadzi" daqui mais algum tempo devido a confusão entre aquilo que é nosso e não conservamos e o que pensamos que já somos, mas que não realidade não somos nem seremos, porque nunca seremos como o são os donos da cultura.Isto é tão claro que a água para beber, o preto pode viver 100 anos nunca muda da cor e o contrário idem.[fonte fiável?]    


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Angola, integrado no Projecto Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.