Bailundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.


Bailundo
[[Imagem:]]
Província Huambo
Características geográficas
Área 7 065 km²
População 56 000 hab.
Densidade 8 hab./km²

Projecto Angola  • Portal de Angola

Bailundo é uma cidade e município da província do Huambo, em Angola, localizada em pleno planalto central.

Tem 7 065 km² e cerca de 56 mil habitantes. É limitado a Norte pelos municípios de Waku Kungo e Andulo, a Este pelos municípios de Mungo, Cunhinga e Chinguar, a Sul pelos municípios de Catchiungo, Tchicala Tcholoanga e Huambo, e a Oeste pelos municípios de Ekunha, Londuimbale e Cassongue. É constituído pelas comunas de Bailundo, Lunge, Luvemba, Bimbe e Hengue.

História[editar | editar código-fonte]

À região do Bailundo foi dado o nome do primeiro soberano que, vindo do norte, fundou e reinou durante muitos anos naquilo que foi o maior, mais poderoso e influente reino da parte central de Angola. A embala (casa-grande), sede do Soma Inene (monarca) situava-se em Halavala, na localidade hoje designada de Bailundo.

O Reino do Bailundo foi sucessivamente atacado pelas tropas portuguesas durante o século XIX, tendo os mais conhecidos suseranos que ali reinaram resistido às confrontações militares até ao ano de 1896, altura em que o jovem capitão Justino Teixeira da Silva, transferido do Bié, onde fora também responsabilizado pela morte prematura do capitão-mor Silva Porto, acabou por derrotar o Rei Numa II que acabara de suceder a Ekwikwi II, e ali se instalou.

A vila veio a ser denominada de Teixeira da Silva, tendo retomado o nome anterior de Bailundo após a independência de Angola em 1975. Durante parte da Guerra Civil Angolana esteve aqui instalado o quartel-general da UNITA.

Ver também[editar | editar código-fonte]