Eduardo Viveiros de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Viveiros de Castro numa conferência sobre diversidade cultural, em Brasília, 2007

Eduardo Batalha Viveiros de Castro (Rio de Janeiro, 19 de abril de 1951) é um antropólogo brasileiro, professor do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Formado em ciências sociais pela PUC-Rio, concluiu em 1977 o mestrado em antropologia social no Museu Nacional e em 1984 o doutorado, na mesma instituição.[1] Publicou inúmeros artigos e livros, considerados como importante contribuição para a antropologia brasileira e a etnologia americanista, entre eles: From the enemy's point of view: humanity and divinity in an Amazonian society, Amazônia: etnologia e história indígena e A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia.

Lecionou na École des Hautes Études en Sciences Sociales, na Universidade de Chicago e na Universidade de Cambridge. Uma de suas mais significativas contribuições refere-se ao desenvolvimento do conceito de perspectivismo amazônico.

Sobre ele, diz Claude Lévi-Strauss, seu colega e mentor: "Viveiros de Castro é o fundador de uma nova escola na antropologia. Com ele me sinto em completa harmonia intelectual".[2]

Referências

  1. Eduardo V. de Castro: O Pesquisador IEAT (site). Página visitada em 10 de agosto de 2011.
  2. O Estado de S.Paulo, 20 de abril de 2008. Entrevista: Viveiros de Castro fala sobre os conflitos na reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, como prova do insuperável estranhamento que ainda temos em relação aos índios. Por Flávio Pinheiro e Laura Greenhalgh.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.