Francisco Rabal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco Rabal
Nome completo Francisco Rabal Valera
Nascimento 8 de março de 1926
Águilas, Múrcia, Espanha
Morte 29 de agosto de 2001 (75 anos)
Bordéus, França
Ocupação ator, roteirista e diretor de cinema
Cônjuge Asunción Balaguer (1951-2001)
Festival de Cannes
Melhor ator Los santos inocentes (1984)
Outros prêmios
Festival Internacional de Cinema de San Sebastián Prêmio Donostia 2001
Concha de Prata de melhor ator
1953 - Hay un camino a la derecha
Premios Goya
Goya de melhor ator
1999 - Goya en Burdeos
IMDb: (inglês) (português)

Francisco Rabal (Águilas, Espanha, 8 de março de 1926 – Bordéus, França, 29 de agosto de 2001), também conhecido como Paco Rabal, foi um ator, roteirista e diretor de cinema espanhol.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu no pequeno enclave murciano de Cuesta de Gos, nas proximidades de Águilas. Seus pais eram Benito Rabal e Teresa Valera.[1]

Em 1936, após a Guerra Civil Espanhola estourar, Rabal e sua família deixaram Murcia e mudaram-se para Madrid.[2] O jovem Francisco teve que trabalhar como vendedor de rua e em uma fábrica de chocolate.[3] Quando ele tinha 13 anos, deixou a escola para trabalhar como eletricista nos Estudios Chamartín.

Rabal conseguiu alguns trabalhos esporádicos como um figurante. Dámaso Alonso e outras pessoas o aconselharam a tentar a sorte com uma carreira no teatro.

Durante os anos seguintes, Rabal conseguiu alguns papéis em companhias de teatro, como Lope de Vega ou María Guerrero. Foi lá que ele conheceu a atriz Asunción Balaguer; eles se casaram e permaneceram juntos até a morte de Rabal, em 2001. A filha do casal, Teresa Rabal, também é atriz.

Em 1947, Rabal conseguiu alguns trabalhos regulares no teatro. Ele usou o seu nome completo, Francisco Rabal, como nome artístico. No entanto, as pessoas que o conheciam sempre o chamavam de Paco Rabal. (Paco é a forma familiar para Francisco.) "Paco Rabal" tornou-se seu nome artístico não-oficial.

Durante a década de 1940, começou a atuar em filmes como um figurante, mas foi somente em 1950 que ele foi escalado para papéis com falas, e atuar em pares românticos e vilões. Ele estrelou três filmes dirigidos por Luis Buñuel - Nazarín (1959), Viridiana (1961) e Belle de Jour (1967).

William Friedkin pensou em Rabal para interpretar o vilão francês de seu filme de 1971, The French Connection. No entanto, ele não conseguia lembrar o nome "daquele ator espanhol". Equivocadamente, sua equipe contratou outro ator espanhol, Fernando Rey. Friedkin descobriu que Rabal não falava inglês nem francês, ele decidiu manter Rey no papel.[4] Rabal já havia trabalhado com Rey em Viridiana. Rabal, no entanto, trabalhou com Friedkin no muito menos bem sucedido, mas indicado ao Oscar, filme cult Sorcerer (1977), um remake de O Salário do Medo (1953).

Ao longo de sua carreira, Rabal trabalhou na França, Itália e México, com diretores como Gillo Pontecorvo, Michelangelo Antonioni, Luchino Visconti, Valerio Zurlini, Jacques Rivette e Alberto Lattuada.

Na década de 1980, Rabal atuou em Los santos inocentes, ganhando o prêmio de melhor ator no Festival de Cannes em 1984 com Alfredo Landa[1] , em El Disputado Voto del Señor Cayo e também na série de TV Juncal. Em 1989, foi membro do júri no Festival de Berlim.[5] Em 1999 ele interpretou Francisco de Goya em Goya en Burdeos de Carlos Saura, ganhando um prêmio Goya de melhor ator.

Francisco Rabal é o único ator espanhol a ter recebido o título de Doutor Honoris causa da Universidade de Múrcia.[2]

O último filme do qual Rabal participou foi Dagon, produção de 2001. Nele, seu nome é mencionado de forma especial antes dos créditos. A dedicatória diz "Dedicado a Francisco Rabal, um ator maravilhoso e melhor ainda um ser humano."

Rabal morreu em 2001 vítima de insuficiência respiratória por enfisema, enquanto viajava de volta para a Espanha. O ator estava voltando de Montreal, onde foi homenageado no Festival Internacional de Cinema de Montreal.[6]

Filmografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Francisco Rabal Biography (1925-2001). Film Reference. Página visitada em 1 de outubro de 2012.
  2. a b Filmoteca Regional Francisco Rabal. Filmoteca Murcia. Página visitada em 1 de outubro de 2012.
  3. Biografia de Paco Rabal. Biografias y vidas. Página visitada em 1 de outubro de 2012.
  4. Esta história é recontada em Making the Connection, supra.
  5. Berlinale: 1989 Juries. Berlinale. Página visitada em 1 de outubro de 2012.
  6. Morre Francisco Rabal, um dos atores mais célebres da Espanha. BBC Brasil (29 de agosto de 2001). Página visitada em 1 de outubro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]