Haakon V da Noruega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Haakon V)
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde fevereiro de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Haquino V Haakon Magnusson (em nórdico antigo Hákon Magnússon) (1270 - 1319) foi rei da Noruega entre 1299 e 1319. Filho de Magno VI da Noruega e Ingeborg Eriksdatter.

Por meio de sua ascendência materna, um de seus antepassados era o rei Olavo II

Foi nomeado duque pelo pai em 1273. Ante a falta de filhos varões de seu irmão mais velho, o rei Érico II, Haquino se converteu no herdeiro do trono, e finalmente em rei, em 1 de novembro de 1299.

Levou uma ativa política externa. Em 1299 se casou com Eufemia de Arnstein, uma nobre alemã. Através da rainha a corte a Noruega teve contato com a vida cultural do continente.

No início de seu reinado, deu prosseguimento à guerra contra a Dinamarca, empreendida por seu irmão, mas em 1309 concluiu um tratado de paz com esse país. Nesse tempo manteve boas relações com Magno I da Suécia, e comprometeu a sua filha Ingeborg Håkonsdotter com o filho daquele, o príncipe Érico Magnusson.

Envolveu-se na guerra civil sueca, na qual os filhos de Magno I, Brigério I Magnusson, Érico Magnusson de Södermanland e Valdemar Magnusson da Finlândia disputavam o poder. Haquino inicialmente apoiou a seu futuro genro Érico em 1304. Com o tempo, as relações com o Érico derivaram em inimizade e por conseguinte em uma guerra, que só terminou quando o príncipe sueco se casou com o Ingeborg em 1312.

Haquino tentou melhorar os sistemas de defesa do reino, e construiu as fortalezas do Akershus, Vardøhus e Bohus. Em seu tempo se deu a mudança da capital da Noruega do Bergen para a cidade de Oslo, lugar onde residiu o monarca a maior parte do tempo.

A tumba de Haquino V consta entre as ruínas da Igreja da Santa Maria de Oslo

Era um cristão devoto que realizou várias ações a favor da religião. Ordenou a construção de albergues destinados a alojar peregrinos que se dirigiam a Nidaros, estimulou as missões, e outorgou generosas doações. diz-se que era justo e considerado com seus súditos, e que levava uma vida singela. A sua morte, acontecida em 1319, correram-se rumores a respeito de supostos milagres, o que provocou que fosse venerado como santo em Oslo. Foi sepultado na Igreja de Santa Maria de Oslo (construída sob suas ordens, hoje destruída), e nesse templo existiu um altar dedicado a sua memória e veneração. Seu culto se estendeu a outras regiões do país e inclusive a Dinamarca. Embora nunca tenha existido uma canonização, o Papa Leão X reconheceu seu culto em 1520, mas este terminaria abruptamente com a reforma protestante em 1537.

Sua morte representou o fim do ramo masculino da Dinastia Hårfagre, que reinava na Noruega desde 872. Foi sucedido pelo neto Magno II, que uniu sob si as coroas da Suécia e da Noruega.

No curso de umas escavações nas ruínas da Igreja da Santa Maria se encontraram os restos de um casal de pessoas, que conforme se presumiu, eram os reis Haquino e Eufêmia. Os restos foram transladados e então sepultados no Castelo do Akershus.

Precedido por
Érico II
Rei da Noruega
12991319
Sucedido por
Magno VII


Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.