Inês Pedrosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Inês Pedrosa
Nome completo Inês Margarida Pereira Pedrosa
Nascimento 15 de Agosto de 1962 (52 anos)
Coimbra, Sé Nova
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação escritora
Principais trabalhos Fazes-me Falta
Fica Comigo Esta Noite

Inês Margarida Pereira Pedrosa (Coimbra, Sé Nova, 15 de Agosto de 1962) é uma jornalista e escritora portuguesa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Publicou o seu primeiro texto na revista Crónica Feminina, tinha apenas doze anos. Aos vinte e dois licenciou-se em Ciências da Comunicação, na Universidade Nova de Lisboa.[1] Estreou-se como jornalista profissional em 1983, na redacção de O Jornal (actual revista Visão). No ano seguinte, a convite de António Mega Ferreira, passou para a redacção do Jornal de Letras, Artes e Ideias, que abandonou para integrar a equipa fundadora do semanário O Independente, então dirigido por Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas, em 1988. Foi ainda redactora da LER e do semanário Expresso, em cuja revista Única manteve uma coluna semanal, a Crónica Feminina, assim chamada em homenagem à revista na qual publicara o seu primeiro texto, até Fevereiro de 2011. É, desde então, cronista do semanário "Sol" onde assina a coluna "Fora de Órbita". Foi directora da revista Marie Claire em Portugal, de 1993 a 1996.

Estreou-se na literatura em 1991, com o livro infantil Mais Ninguém Tem, seguindo-se o seu primeiro romance, A Instrução dos Amantes, em 1992.[1] Nas Tuas Mãos, de 1997, valeu-lhe o Prémio Máxima de Literatura, e Fazes-me Falta, em 2003, consolidou-a como uma principais romancistas da actualidade. Em 2005, a partir de Nas Tuas Mãos e Fica Comigo Esta Noite, assinou a sua primeira peça de teatro, 12 mulheres e 1 cadela, dirigida por São José Lapa. Ganhou o Prémio Máxima de Literatura com "Os Íntimos" (2010). Os seus livros estão publicados no Brasil, em Espanha, Itália e Alemanha.

Teve intervenção pública nas causas da despenalização da interrupção voluntária da gravidez e do casamento entre pessoas do mesmo sexo, em Portugal, além de ter sido porta-voz oficial e mandatária por Lisboa da candidatura de Manuel Alegre à Presidência da República, em 2006.

Foi diretora da Casa Fernando Pessoa, de Fevereiro de 2008 a Abril de 2014,[2] demitindo-se com alegações de terem sido adjudicados serviços a uma empresa com escritório na residência da sua directora.[3] [4]

Família[editar | editar código-fonte]

Filha de Jacinto Ricardo Gallo Teodósio Pedrosa (7 de Novembro de 1935 - 6 de Maio de 1998) e de sua mulher Maria Felicidade Fonseca Pereira Pedrosa (1936). É prima em segundo grau da actriz Alexandra Lencastre e da jornalista Ana Ribeiro.

Foi casada primeira vez com Paulo António dos Santos Alves Guerra (16 de Março de 1963), sem geração.

Foi casada segunda vez com o escritor Fernando Pinto do Amaral, do qual tem uma filha, Laura Maria Pereira Pedrosa Pinto do Amaral (Lisboa, 21 de Janeiro de 1998).

É casada terceira vez com o ilustrador e publicitário Gilson dos Santos Lopes (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 16 de Julho de 1963), sem geração.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • 1991 Mais Ninguém Tem (história infantil)
  • 1992 A Instrução dos Amantes
  • 1997 Nas tuas Mãos
  • 2002 Fazes-me Falta
  • 2002 A Menina que Roubava Gargalhadas
  • 2003 Fica Comigo Esta Noite (Contos)
  • 2005 Carta a uma Amiga, com Maria Irene Crespo
  • 2006 Do Grande e do Pequeno Amor, com Jorge Colombo
  • 2007 A Eternidade e o Desejo
  • 2010 Os Íntimos
  • 2012 Dentro de Ti Ver o Mar
  • 2015 Desamparo

Não ficção[editar | editar código-fonte]

  • 1999 José Cardoso Pires: Fotobiografia
  • 2000 20 Mulheres para o Século XX
  • 2002 Antologia da Poesia Portuguesa (Colectânea)
  • 2004 Anos Luz: Trinta Conversas para Celebrar o 25 de Abril
  • 2005 Crónica Feminina
  • 2008 No Coração do Brasil-seis cartas de viagem ao padre António Vieira

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]