Mary Astor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Mary Astor
Mary Astor em trailer de The Hurricane.
Nome completo Lucile Vasconcellos Langhanke
Outros nomes The Cameo Girl
Rusty
Nascimento 3 de maio de 1906
Quincy, Illinois
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americana
Morte 25 de julho de 1987 (81 anos)
Los Angeles (Califórnia), Estados Unidos
Ocupação Atriz
Cônjuge Thomas Gordon Wheelock (1945 - 1955)
Manuel del Campo (1937 - 1942)
Dr. Franklyn Thorpe (1931 - 1935)
Kenneth Hawks (1928 - 1930)
Atividade 1921 - 1980
Oscares da Academia
Melhor atriz coadjvante
1942 - The Great Lie
IMDb: (inglês)


Mary Astor (Quincy, 3 de maio de 1906Los Angeles, 25 de setembro de 1987) foi uma atriz norte-americana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida Lucile Vasconcellos Laghanke, era filha de um imigrante alemão, Otto Ludwig Langhanke, e de uma estadunidense de Illinois, Helen Marie Vasconcellos, descendente de portugueses e irlandeses. Iniciou a carreira no cinema com pequenas participações, e muitas vezes não creditada, em 1921, no filme Sentimental Tommy ("Tommy, o Sentimental"), aos 15 anos de idade, em uma cena que acabou sendo cortada do filme.

Fez a partir de então pequenos papéis, até que em 1924 John Barrymore a impôs como sua parceira no filme Beau Brummel ("O Belo Brummel"). Teve uma vida agitada: um tempestuoso caso com Barrymore, quatro casamentos, foi vítima do alcoolismo e teve uma tentativa de suicídio. Quando foi ao tribunal lutar pela custódia da filha, na década de 30, a revelação de seu diário íntimo foi um dos grandes escândalos da época, e sua carreira sofreu uma queda.

Teve uma filha com o segundo marido, e um filho, Antonio, do terceiro casamento com Manuel del Campo.

Escreveu duas autobiografias: My Story e Life on Film, mas após uma doença cardíaca, começou a escrever novelas, num asilo para artistas, na Califórnia.

O trabalho da atriz, seja como heroína ou como vilã, misturava sempre sua beleza sombria com sensualidade. A consagração veio em 1941, com o Oscar de melhor atriz (coadjuvante/secundária) pela atuação no filme A Grande Mentira.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Recebeu o Oscar de atriz (coadjuvante/secundária) em 1941, com o filme The Great Lie ("A Grande Mentira")

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALBAGLI, Fernando. Tudo sobre o Oscar. Rio de Janeiro: EBAL, 1988. Edições Cinemin.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mary Astor
Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedida por:
Jane Darwell
por The Grapes of Wrath
Oscar de melhor atriz (coadjuvante/secundária)
por The Great Lie

1942
Sucedida por:
Teresa Wright
por Mrs. Miniver