Monte Castelo (Santa Catarina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Monte Castelo
Bandeira de Monte Castelo
Brasão de Monte Castelo
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 15 de maio de 1962
Gentílico monte-castelense
Prefeito(a) Aldomir Roskamp (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Monte Castelo
Localização de Monte Castelo em Santa Catarina
Monte Castelo está localizado em: Brasil
Monte Castelo
Localização de Monte Castelo no Brasil
26° 27' 43" S 50° 13' 51" O26° 27' 43" S 50° 13' 51" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Norte Catarinense IBGE/2008 [1]
Microrregião Canoinhas IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Major Vieira, Papanduva, Rio do Campo e Santa Cecília
Distância até a capital 402 km
Características geográficas
Área 561,732 km² [2]
População 8 348 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 14,86 hab./km²
Altitude 820 m
Clima Mesotérmico úmido, com verão quente e temperatura média de 16°C.
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,737 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 92 234,312 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 063,25 IBGE/2008[5]
Página oficial

Monte Castelo é um município brasileiro do Estado de Santa Catarina. Localiza-se a uma latitude 26º27'44" sul e a uma longitude 50º13'52" oeste, estando a uma altitude de 820 metros. Sua população estimada em 2011 era de 8.346 habitantes. O principal acesso se dá pela rodovia BR-116.


História[editar | editar código-fonte]

Aproximadamente em 1807, com a passagem das tropas vindas do Rio Grande do Sul, o senhor João da Silva Machado, conhecido como Barão de Antonina, construiu uma capela na localidade de Rodeio Grande, à 80 metros da Estrada da Mata.

Posteriormente, colonos vindos de Ribeirão Vermelho (Campo do Tenente - PR) procuraram se fixar nas localidades de Rancho Grande e Lageadinho. Em Rancho Grande se localizaram as famílias Grein, Veiga do Prado e Ribeiro e em Lageadinho, a família Zacarias. Em 1888 em virtude de ataques indígenas, em Rancho Grande, foi morto o chefe da família Grein e em consequência a família Veiga transferiu-se para Rodeio Grande, fixando-se junto à capela, onde passou a lavrar terras onde eram mais favoráveis e férteis à agricultura. Os filhos de Pedro Ribeiro mais tarde formaram o povoado de Rio das Antas, tornado distrito em 1959, e que fora a antiga sede do atual município de Monte Castelo até 1962, quando esse desmembra de Papanduva e é elevado à categoria de município.

Com a resolução nº 1/62, de 14 de fevereiro de 1962, da Câmara Municipal de Papanduva, ratificada pela lei estadual nº 818, de 23 de abril de 1962, foi criado o município de Monte Castelo. O nome Monte Castelo, foi uma homenagem aos expedicionários brasileiros que participaram da II Guerra Mundial, na tomada de Monte Castelo na Itália.


Colonização

O território que compreende os atuais limites do município de Monte Castelo eram ocupados até a primeira metade do século XX por índios Kaigang e Xo kleng, esses últimos também conhecidos como bugres ou botocudos. A Serra do Espigão, limite entre os municípios de Monte Castelo e Santa Cecília era tida por muitos tropeiros como um dos trechos mais perigosos entre o Rio Grande do Sul e São Paulo devido à presença dos Xokleng.

O contato entre os indígenas e os tropeiros e posteriormente com os imigrantes que por ali se estabeleceram gerou enfrentamentos, barbáries que são narradas pela população local. Na Serra do Espigão há um cemitério onde estão enterrados corpos de tropeiros e indígenas que enfrentaram-se em algum momento entre os séculos XVIII e XIX. Em várias outras localidades também são encontradas cruzes que sinalizam morte de tropeiros e ou indígenas.

Os tropeiros transitavam pelo norte de Santa Catarina desde o século XVIII, por esse motivo os tropeiros encaminharam ao Rei D. João VI em 1816 um requerimento pedindo a abertura de uma estrada, a que foi construída em 1829 denominada Estrada da Mata. A abertura dessa estrada coincide com a fundação da Colônia Rio Negro na margem esquerda do Rio Negro (Mafra - SC) e a chegada de imigrantes germânicos que vão se instalando ao longo da Estrada da Mata. Assim em Papanduva vão se instalar as famílias Friedrich e Haas, em Monte Castelo a família Grein, e em Santa Cecília as famílias Granemann, Goetten, Drissen e Rauen.


Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do Município baseia-se principalmente na agricultura familiar sendo os principais produtos: - Fumicultura. - Avicultura: Frango. - Grãos: Soja, milho, feijão. - Bovinocultura de corte : Raças Charoles e Nelore - Bovinocultura de Leite: Raças Holandesa e Jersey - Ovinocultura: Raças Texel, Ile de France, Hampshire - Fruticultura: Maçã (Castel Gala), Caqui (fuyu e Kyoto) e Pêra. - Piscicultura: Bagre, Tilápia e Carpa.

Destacam-se ainda, o beneficiamento de madeira e a silvicultura na produção de mudas, principalmente de pinos e eucalipto, bem como áreas de florestamento e reflorestamento com os mesmos.

Há também a extração e beneficiamento de erva mate.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.