Palácio dos Biscainhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikipedia lexikon2.jpg   Nota linguística: Embora a ortografia Biscaínhos seja frequente, ela está errada. Em português o i nunca carece de diacrítico quando precede o grupo nh, tal como em rainha, linha, tainha ou fuinha. Grafe-se portanto correctamente Palácio dos Biscainhos..


Palácio dos Biscainhos, Braga.
Palácio dos Biscainhos, Braga.
Palácio dos Biscainhos: azulejos.
Palácio dos Biscainhos: jardim formal.
Palácio dos Biscainhos: parterres.

O Palácio dos Biscainhos localiza-se na freguesia da , cidade e concelho de Braga, distrito de mesmo nome, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Foi erguido no século XVII e modificado ao longo dos séculos.

No século XIX foi propriedade dos segundos condes de Bertiandos e a filha destes, a segunda viscondessa de Paço de Nespereira, foi casada com D. João Lobo Machado Cardoso do Amaral e Meneses, 2º visconde de Paço de Nespereira, antigo governador civil de Braga.

O seu último proprietário, o 3º visconde de Paço de Nespereira, da família dos condes de Bertiandos, faleceu em 10 de julho de 1963, tendo, às vésperas da morte, doado os seus bens à cidade.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1949.

Atualmente uma parte do imóvel está tutelado pela Câmara Municipal de Braga, tendo aí em tempos funcionado a assembleia municipal. Essa parte encontra-se abandonada e em avançado estado de degradação. No restante, sob a tutela do Instituto Português dos Museus, está instalado o Museu dos Biscainhos.

Características[editar | editar código-fonte]

Este palácio aristocrático, com amplos salões com tetos luxuosos, e os jardins barrocos revelam o quotidiano da nobreza setecentista, assim como numerosas referências à vida dos outros habitantes do espaço: criados, escravos, capelães.

O pavimento estriado do rés-do-chão, particularmente invulgar, permitia que as carruagens entrassem no edifício a fim de desembarcarem os passageiros e seguissem para as cavalariças.

O jardim, formado por volta de 1750, é considerado um mais importantes jardins históricos do período barroco em Portugal.

O espaço, de aproximadamente um hectare, está dividido no "terreiro", "jardim formal", "patamares do pomar e das hortas" ("parterres"), "recinto das muralhas", "canavial" e "largo do pombal", estando enriquecido com diversas fontes e esculturas barrocas.

O "jardim formal" apresenta um traçado labiríntico de canteiros de buxo. A embelezá-lo, existem janelas e portões ornamentais, encimados por pináculos ou por meninos com charamelas, esculturas decorativas, painéis de azulejos polícromos, cinco fontes de repuxo, um pavilhão de jardim, um mirante e duas monumentais e paralelas casas de fresco (construídas por árvores vivas) de japoneiras oitocentistas com chafarizes no interior.

Dentre as várias árvores existentes, a mais notável é um majestoso tulipeiro da Virgínia ("Liriodendron tulipifera") plantado no século XVIII.

No reinado de Luís I de Portugal, o jardim mereceu a honra de ser visitado pela família real a convite dos condes de Bertiandos, senhores do Palácio.

O Museu dos Biscainhos[editar | editar código-fonte]

Trata-se de museu público, inaugurado em 11 de fevereiro de 1978. Esta instituição permite o conhecimento contextualizado da vida quotidiana do período compreendido entre os séculos XVII e XIX, através de coleções de peças de artes decorativas (mobiliário, ourivesaria, cerâmicas, vidros, têxteis etc.), instrumentos musicais e meios de transporte, nacionais e estrangeiras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palácio dos Biscainhos