Programa antártico brasileiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Logo-proantar.jpg

O Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) é um programa da Marinha do Brasil , que tem presença no continente da Antártica .[1] Ele coordena a pesquisa e o apoio operacional para a pesquisa na região. Atualmente, mantém uma estação de pesquisa durante todo o ano na Antártica ( Estação Antártica Comandante Ferraz ), bem como vários acampamentos sazonais. Ele também mantém dois navios de investigação que navegam nas águas da Antártida .[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

No ano de instituição do PROANTAR (1982), o Brasil adquiriu o navio-polar dinamarquês "Thala Dan", que foi renomeado "Navio de Apoio Oceanográfico (NApOc) Barão de Teffé". Naquele ano, a embarcação procedeu ao reconhecimento hidrográfico, oceanográfico e meteorológico de porções do continente Antártico com vistas a selecionar um local para a instalação de uma base brasileira. Em 12 de setembro de 1983, como resultado desta primeira expedição (designada Operação Antártica I, o Brasil foi reconhecido como Parte Consultiva do tratado da Antártica.

O Brasil realizou sua primeira expedição oficial à Antártica no verão 1982/1983, com o navio apoio oceanográfico NApOc Barão de Tefé, da Marinha do Brasil, e o navio oceanográfico NOc. Prof. Wladimir Besnad da USP. Os navios zarparam do porto de Rio Grande, estado do Rio Grande do Sul, em 26 de dezembro de 1982, com grande festividade e cobertura da imprensa. A bordo do NApOc Barão de Teffé havia 88 pessoas, entre militares, cientistas, jornalistas e convidados. No NOc W. Besnard estavam a bordo oito pesquisadores dois técnicos, um médico e um engenheiro eletrônico além de uma tripulação composta por 24 homens.

Em 5 de janeiro de 1975, depois de atravessar o Estreito de Drake, entre o extremo sul da América do Sul e a Antártica, onde reina um dos piores climas e condições de mar no mundo, o navio de apoio oceanográfico Barão de Tefé, entrou na Zona do Tratado Antártico, na latitude de 60 graus Sul. O comandante do navio era o CMG Fernando Pastor. Enquanto isto a equipe do NOc. Prof. W. Besnard realizava pesquisas oceanogáficas e meteorológicas no Springefield

Instalações[editar | editar código-fonte]

Na Antártida[editar | editar código-fonte]

Equipe da primeira expedição do NOc. Prof. W. Besnard[editar | editar código-fonte]

  1. Motonaga Iwai – Pesquisador chefe - Bioquímico – USP
  2. Phan Van Ngan –Geólogo - USP
  3. Moyses Gonsalez Tessler. - Químico– USP
  4. Oswaldo Ambrosio Jr. – Meteorologista- USP
  5. Rubens Junqueira Villela – Eng. Eletrônico - USP
  6. Luiz Vianna Nonato –Biólogo - UFPR
  7. Frederico Brandini - UFPR
  8. José Nestor Cardoso – Oceanólogo - FURG
  9. Lauro Antoni Madureira – Oceanólogo - SUDEPE
  10. Renato Amaral – Médico - UFRGS
  11. Clarimundo De Jesus – Técnico - USP
  12. Lourival Pereira De Souza –Técnico - USP
A equipe de pesquisadores completa - Estou de pé
Add caption here
Add caption here
Add caption here
Add caption here
Add caption here
Add caption here

Tripulação do NOc. Prof. W. Besnard[editar | editar código-fonte]

  1. Adilson Luiz Gama - Comandante
  2. Waldir da Costa Freitas - Imediato
  3. Antônio Clemente Guedes - 1o. Piloto
  4. Izaias Gomes d Medeiros - MPC
  5. Florentino Elias de Andrade - Carpinteiro
  6. José Fernando da Fonseca - Mariheiro
  7. José Barbosa de Oliveira - Marinheiro
  8. José Ribamar A. de Souza - Pescador
  9. Paulo Sérgio Saraiva Borges - Pescador
  10. Carlos Nazareno P. de Souza - Pescador
  11. Fernando Antonio R. de Almeida - Pescador
  12. JUraci de Oliveira - Pescador
  13. José Luiz Alves de Araújo - 1o. Maquinista
  14. Robson de Souza Cansanção - 2o. Maquinista
  15. Manoel Rubens Lopes Corrêa - 1o. Condutor
  16. Amaury Castro Donevanti - 1o. Condutor
  17. Antonio Reis Alves - Carvoeiro
  18. Ivandes Arcanjo da Fonseca - Carvoeiro
  19. Gilberto Antonio Monteiro - Cozinheiro
  20. Azevir dos Santos - Ajudante de Cozinha
  21. Arnaldo Travasso - Taifeiro
  22. Ari Cesar da Silva Salgado - Taifeiro
  23. Raimundo Nonato Xavier - Carvoeiro
  24. Ulisses Alves Filho - Taifeiro

Fonte: Álbum Brasil - Antártica 1982/83 Verão Antártico - Serviço de Relações Públicas da Marinha, Editoria Alvimar Rodrigues.

Em 23 de agosto de 1983, o avião C-130 Hercules, da Força Aérea Brasileira, pousou na pista de pouso da Estação Marsh, na Ilha do Rei George, do Chile, na Antártica, inaugurando o Vôo de Apoio Antártica, que vem sendo realizado sete durante as Operações Antárticas.

A Estação Antártica Comandante Ferraz foi instalada em 6 de fevereiro de 1984, na baía do Almirantado, ilha do Rei George, no âmbito da Operação Antártica II, realizada no verão de 1983-84. Inicialmente com oito módulos, a estação abrigou doze pessoas durante 32 dias, sendo desativada até a operação seguinte. Durante a Operação Antártica IV, em 1986, a estação passou a ser ocupada permanentemente.

Em 1994, a Marinha do Brasil adquiriu o navio-polar norueguês "Polar Queen", que foi renomeado "Navio de Apoio Oceanográfico NApOc Ary Rongel (H-44)" e substituiu o navio Barão de Teffé a partir da Operação Antártica XIII. A nova embarcação opera helicópteros, transporta 2 400 m³ de carga e possui laboratórios de pesquisa oceanográfica e meteorológica. Para complementar e, futuramente substituir, o NApOc Ary Rongel (H-44), a Marinha do Brasil negociou a compra e modernização do navio Ocean Empress, que após a sua modernização e adapatação recebeu o nome de NPo Almirante Maximiano (H-41).

A Força Aérea Brasileira apóia o PROANTAR por meio de sete vôos anuais com aeronaves C-130 Hercules que transportam equipamentos, material e pessoal, tanto no verão como no inverno.

Primeiros brasileiros na Antártica[editar | editar código-fonte]

O primeiro brasileiro a pisar na Antártica foi o médico e jornalista Duval Ros Borges (1912-2000), que foi a convite dos Estados Unidos, em 1958. Durval Borges era editor de Ciência e Saúde da revista Visão, e foi fazer uma matéria sobre o encontro de dois exploradores antárticos Hillary e Fucs, em expedição transantártica. Publicou em 1959 o livro: Um brasileiro na Antártica.

A primeira brasileira na Antártica foi a mineira, de Juiz de Fora, Eny Turolla Maia, esposa do Coronel Tigre Maia, da Força Aérea Brasileira, em 1981. Tigre Maia era presidente da Associação dos Adidos Estrangeiros no Chile. Foi realizado um vôo para a Antártica, saido de Santiago, com escala em Punta Arenas e depois com pouso na Ilha do Rei George, na base chilena. D. Eny acompanhou o marido nessa missão chilena à Antártica. Se tornou a primeira brasileira no local.

O primeiro brasileiro no pólo Sul foi o meteorologista Rubens Junqueira Villela (1935-), da Universidade de São Paulo, em 1964.

Objetivos do Programa Antártico[editar | editar código-fonte]

Lula na Antártida

Os objetivos científicos do Programa Antártico Brasileiro incluem o desenvolvimento de pesquisas no continente Antártico para ampliar o conhecimento dos fenômenos naturais que ali ocorrem e sua repercussão sobre o território brasileiro. O CNPq é a entidade responsável pela pesquisa científica brasileira na Antártida e desenvolve projetos para estudar as mudanças ambientais globais, identificar os recursos econômicos vivos e não-vivos da região e formas de seu aproveitamento e levantamento das condições fisiográficas e ambientais do continente Antártico.

O objetivo político do PROANTAR foi preservar o direito de o Brasil participar das reuniões consultivas periódicas sobre o continente Antártico previstas no art. IX no tratado da Antártida, o que exige a manifestação de interesse pela Antártida, por meio da promoção ali de substancial atividade de pesquisa científica, tal como o estabelecimento de estação científica ou o envio de expedição científica.

Organização[editar | editar código-fonte]

O PROANTAR é gerenciado pela Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, órgão criado em 2001 e que é coordenado pelo comandante da Marinha do Brasil. O programa é integrado, ainda, pelo CNPq e pelo Ministério do Meio Ambiente.

Estação de Apoio Antártica - EsAntar[editar | editar código-fonte]

A ESANTAR Esantar foi estabelecida na Fundação Fundação Universidade Federal do Rio Grande para dar apoio logístico as operações do Brasil na Antártica. Praticamente todos os vestimenta e demais instrumental passam pela Esantar para abastecimento e manutenção da Estação Comandante Ferraz.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Programa Antartico Brasileiro ("Brazilian Antarctic Program) Brazilian Navy. Retrieved on 2012-02-27. (português).