Ronnie Peterson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ronnie Peterson
Informações pessoais
Nome completo Bengt Ronald Peterson
Nacionalidade  sueco
Nascimento 14 de fevereiro de 1944
Örebro
Morte 11 de setembro de 1978 (34 anos)
Milão
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1970-1978
Equipes 3 (March, Lotus e Tyrrell)
GPs disputados 123
Títulos 0 (2º em 1971 e 1978)
Vitórias 10
Pódios 26
Pontos 206
Pole positions 14
Voltas mais rápidas 9
Primeiro GP GP de Mônaco de 1970
Primeira vitória GP da França de 1973
Última vitória GP da Áustria de 1978
Último GP GP da Itália de 1978

Bengt Ronald Peterson, mais conhecido como Ronnie Peterson (Örebro, 14 de fevereiro de 1944Milão, 11 de setembro de 1978), apelidado de o sueco voador, foi um automobilista que guiou na Fórmula 1 na década de 1970.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ronnie Peterson nasceu em Örebro, na vizinhança de Almby. Ele desenvolveu sua pilotagem muito jovem, quando ainda competia no kart, e carregou esse estilo até a Fórmula 1 --- muitas das mais conhecidas fotografias de Peterson ao volante retratam seu carro deslizando nas quatro rodas em alguma curva qualquer. Peterson dominava esta técnica --- também conhecida como drift --- como poucos pilotos da história. Era extremamente arrojado e hábil, em contraste com sua aparência delicada, com seu físico relaxado e um jeito tímido que lhe rendeu fama de frio.

Fórmulas Dois e Um[editar | editar código-fonte]

Ronnie fez sua estreia na Fórmula 1 guiando para a March, no GP de Mônaco de 1970. Antes, após os tempos de kart, ele participou da Fórmula 3 competindo pela equipe Svebe. Em 1971 obteve 5 segundos lugares, que lhe valeram o vice-campeonato; naquele ano ainda venceu o campeonato europeu de Fórmula 2 guiando pela March. Peterson permaneceu na March até o campeonto de 1972, quando assinou contrato com a Lotus preta para competir ao lado do brasileiro Emerson Fittipaldi na temporada seguinte.

1973 - 1976[editar | editar código-fonte]

Sua primeira vitória na sua nova equipe aconteceu no Grande Prêmio da França de 1973. Naquele ano venceu mais três vezes.

Em 1974 obteve mais três vitórias, nos GPs da França, Itália e Mônaco. Depois de um ano ruim em 1975, em que o Lotus 76 provou ser um erro, voltou a guiar pela March, equipe pela qual venceu o GP da Itália de 1976.

1977 - 1978[editar | editar código-fonte]

Em 1977 Peterson correu pela equipe Tyrrell, com o lendário Tyrrell P34 de seis rodas, mas a antes vitoriosa esquadra dos carros azuis já havia iniciado sua longa e irreversível decadência. O ano foi particularmente ruim para Peterson e, para surpresa de muitos, o sueco voltou a assinar contrato com a Lotus para a temporada de 1978.

Pela equipe de Colin Chapman, que havia aperfeiçoado o revolucionário conceito aerodinâmico do carro asa, Peterson venceu os GPs da África do Sul e Áustria. Mesmo assim, por condição contratual imposta pela equipe, não lhe foi permitido duelar diretamente com o companheiro de equipe Mario Andretti, primeiro piloto do time. Apesar de os resultados já lhe assegurarem o vice-campeonato, tal situação na Lotus levou Peterson a negociar uma possível ida para a McLaren na temporada de 1979.

A Lotus chegou ao GP da Itália com a possibilidade de tornar Andretti campeão antecipado. Nos treinos, Peterson teve seu carro titular danificado, e precisou recorrer ao carro reserva, que era um modelo mais antigo da Lotus.

Morte[editar | editar código-fonte]

Foi exatamente nesta corrida que estreou na F-1 o semáforo, em substituição ao antigo método de largada em que se baixava uma bandeira com as cores do país-sede do GP. No entanto, o diretor da prova, Gianni Restelli, atrapalhou-se com a novidade: antes que os carros das últimas filas do grid houvessem parado, foi acionada a luz verde. Os pilotos que vinham de trás, portanto, arrancaram em maior velocidade, o que fez com que todos os carros chegassem juntos ao ponto em que a reta se estreitava antes da Chicane Goodyear. Alguns carros se tocaram, e o Lotus de Peterson foi jogado para fora da pista, ao encontro do guard-rail. O choque danificou seriamente a parte dianteira do Lotus e rompeu os tanques de combustível, causando um grande incêndio. Peterson foi tirado do carro com graves ferimentos nas pernas, por bombeiros e outros pilotos, e foi internado. Os primeiros procedimentos médicos no atendimento incluíram a amputação do pé esquerdo do piloto. No dia seguinte, Ronnie Peterson faleceu, vítima de embolia causada pelas fraturas. Ele tinha 34 anos de idade.

Nas entrevistas dos pilotos após a prova, o inglês James Hunt declarou que, pelo som que emitia no momento da largada, o antigo Lotus reserva que Peterson estava usando parecia ter problemas e não acelerar devidamente, o que teria contribuído para o desastre. No mesmo acidente foi seriamente ferido o piloto italiano Vittorio Brambilla, atingido na cabeça por uma roda solta de um dos carros envolvidos, e alguns meses depois outro piloto italiano, Riccardo Patrese, foi colocado em sursis pela FIA, sob a acusação de ter sido elemento culposo do acidente. Por conta da confusão ocorrida com o uso do semáforo no GP da Itália, determinou-se que a largada só poderia ser dada depois que um fiscal atravessasse o grid com uma bandeira na mão, sinalizando que todos os carros haviam parado.

Todos os Resultados de Ronnie Peterson na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(Legenda: Corridas em negrito indicam pole position; corridas em itálico indicam volta mais rápida.)

Ano Nome Oficial da Equipe Chassis Motor Pneus 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Pontos Posição
1978 John Player Team Lotus Lotus 78 Ford Cosworth DFV V8 G ARG
BRA
Ret
AFS
USW
MON
Ret
BEL
ITA
Ret
51
Lotus 79 ESP
SUE
FRA
GBR
Ret
ALE
Ret
AUT
HOL
1977 Elf Tyrrell Racing Tyrrell P34 Ford Cosworth DFV V8 G ARG
Ret
BRA
Ret
AFS
Ret
USW
Ret
ESP
MON
Ret
BEL
SUE
Ret
FRA
12º
GBR
Ret
ALE
AUT
HOL
Ret
ITA
USA
16º
CAN
Ret
JAP
Ret
7 14º
1976 John Player Team Lotus Lotus 77 Ford Cosworth DFV V8 G BRA
Ret
10 11º
March Engineering March 761 AFS
Ret
USW
10º
ESP
Ret
BEL
Ret
MON
Ret
SUE
FRA
19º
GBR
Ret
ALE
Ret
AUT
HOL
Ret
ITA
CAN
USA
Ret
JAP
Ret
1975 John Player Team Lotus Lotus 72E Ford Cosworth DFV V8 G ARG
Ret
BRA
15º
AFS
10º
ESP
Ret
MON
BEL
Ret
SUE
HOL
15º
FRA
10º
GBR
Ret
ALE
Ret
AUT
1
ITA
Ret
EUA
6 13º
1974 John Player Team Lotus Lotus 72E Ford Cosworth DFV V8 G ARG
13º
BRA
MON
SUE
Ret
HOL
FRA
GBR
10º
AUT
Ret
ITA
CAN
USA
Ret
35
Lotus 76 AFS
Ret
ESP
Ret
BEL
Ret
ALE
1973 John Player Team Lotus Lotus 72D Ford Cosworth DFV V8 G ARG
Ret
BRA
Ret
AFS
11º
52
Lotus 72E ESP
Ret
BEL
Ret
MON
SUE
FRA
ING
HOL
11º
ALE
Ret
AUT
ITA
CAN
Ret
USA
1972 STP March Racing Team March 721G Ford Cosworth DFV V8 G ARG
AFS
12
March 721X ESP
Ret
MON
11º
BEL
March 721G FRA
GBR
ALE
AUT
12º
ITA
CAN
DSQ
USA
1971 STP March Racing Team March 711 Ford Cosworth DFV V8 F AFS
10º
ESP
Ret
MON
HOL
GBR
ALE
AUT
ITA
CAN
USA
33
Alfa Romeo T33 V8 FRA
Ret
1970 Antique Automobiles Racing Team March 701 Ford Cosworth DFV V8 G MON
BEL
NC
0 NC
(27º)
Colim Crabble Racing HOL
FRA
Ret
GBR
ALE
Ret
ITA
Ret
CAN
NC
USA
11º

↑1 Foi atribuído metade dos pontos, porque o número de voltas não alcançou 75% de sua distância percorrida. Peterson marcou 1 ponto com o 5º lugar.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • De acordo com as floriculturas de Örebro, nunca houve um funeral com mais flores do que o de Ronnie Peterson.
  • Em Örebro há uma estátua de Ronnie Peterson feita por Richard Brixel. O mesmo artista foi convidado a fazer uma estátua ao piloto Ayrton Senna, que também morreu durante uma corrida.
  • Ronnie Peterson casou-se com a ex top model Barbro Edwardsson em Abril de 1975 e eles tiveram uma filha, Nina. Barbro chegou a se casar novamente com o piloto norte-irlandês John Watson, mas nunca superou a morte de Ronnie e cometeu suicídio em 1987.
  • Um dos maiores amigos de Peterson na F-1 foi o brasileiro Emerson Fittipaldi. Diz-se que, em uma de suas passagens pelo Brasil, Peterson teria dito a Fittipaldi, após ver as peripécias de um motorista numa Kombi no trânsito de São Paulo: "realmente, este país tem que ter pilotos campeões de Fórmula 1!".
  • Um dos pilotos do fim da era romântica do automobilismo, Peterson era considerado pouco atento aos valores comerciais que o esporte começava a gerar, e em certa ocasião apareceu no autódromo portando no macacão um enorme bordado de uma empresa que lhe havia dado um cortador de grama.

Notas e referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.