Shurato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shurato
天空戦記 シュラト
(Tenkū Senki Shurato)
Gênero Shōnen, Mitologia, Luta, Aventura, Fantasia
Mangá
Autor Hiroshi Kawamoto
Editora(s) Japão Shōnen Gahosha
Revista Japão Shōnen King
Data de publicação 1989 – 1990
Volumes 6
Anime
Direção Toshihiko Nishikubo
Takao Koyama
Estúdio Tatsunoko Productions
Exibição original 6 de Abril de 1989 – 25 de Janeiro de 1990
Emissoras de TV Japão TV Tokyo
Emissoras lusófonas Brasil Rede Manchete
Brasil Rede TV!
Nº de episódios 38 (Lista de episódios)
OVA
Sousei e no Antō (O Segredo sobre a Criação)
Direção Toshihiko Nishikubo
Yoshihisa Matsumoto
Estúdio Tatsunoko Productions
Nº de episódios 6 (Lista de episódios)
Projeto Animangá  · Portal Animangá

Tenkū Senki Shurato (天空戦記シュラト? lit. "A Guerra Celestial de Shurato"), ou simplesmente Shurato (シュラト?), é uma série de mangá criada por Hiroshi Kawamoto e transformada em anime pela Tatsunoko Productions. Tanto o anime e o mangá seguem as tentativas dos deuses de Asura em dominar o Mundo Celestial. Shurato, o personagem título, foi trazido para o campo de batalha e se torna um membro essencial dos Oito Guardiões do Povo de Deva e luta para resgatar a deusa Vishnu. Tanto no mangá e anime, Asura é representado por Indra, cujos subordinados engajam Shurato e seus companheiros em diversas ocasiões.

O mangá de Shurato começou a ser publicado no final da década de 1980 na magazine Shōnen King da revista Shōnen Gahosha e foi animado pelos estúdios da Tatsunoko Productions. Estreou na TV Tokyo em 6 de abril de 1989 e continuou até 18 de janeiro de 1990, gerando 38 episódios,[1] ainda que seu final só tenha sido mostrado no OVA auto-intitulado de 1991. Algumas edições internacionais do anime foram feitas, ainda assim os países em que obteve maior sucesso foram Japão, França e Brasil.[2]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Shurato Hidaka e Gai Kuroki são dois melhores amigos de infância e opostos um do outro em aparência e personalidade. Enquanto lutavam um contra o outro na final de um torneio de artes marciais, eles são subitamente encobertos por uma misteriosa luz e transportados para um lugar paralelo, o Mundo Celestial, onde a tecnologia moderna não existe e, ao invés disso, as pessoas dependem de seus Souma, uma forma de energia espiritual.

Shurato descobre que ele é, na verdade, a reencarnação de um rei antigo de mesmo nome, e um dos Hachibushu, um grupo de oito guardiões lendários com alta quantidade de Souma, sendo trazido para aquele mundo com Gai para lutar contra os deuses de Asura, uma legião de guerreiros destrutivos. Entretanto, por razões desconhecidas, Gai tenta matar Shurato repetidas vezes, confundindo Shurato, uma vez que o Gai real é um pacifista e a pessoa com mais compaixão que ele conhece.

Shurato, logo que acorda neste novo ambiente, conhece Rakesh, que se diz apaixonada por ele. Não demora muito e também encontra Gai, vestido com uma estranha armadura (a qual é conhecida como Shakti) e disposto a matá-lo. Na luta ele encontra um pequeno artefato em forma de leão, que se transforma em sua armadura. É salvo pela aparição de Leiga (Rei Karla), que leva Rakesh e Shurato para junto de Vishnu, que revela ser ele um dos 8 Guardiões Divinos do Povo de Deva.

Shurato não aceita todas estas informações e apenas pensa em como encontrar Gai e voltar ao seu mundo, mas seus planos são alterados por ser espectador de uma traição a Vishnu: Mestre Indra, seu maior discípulo, a transforma em pedra. Ajudado pelo poder de Vishnu, foge do palácio junto de Hyuuga (Rei Celestial) e Rakesh. Indra acusa-os de ter petrificado Vishnu e juntos deverão provar sua inocência e trazer a vida novamente a Vishnu. Depois que descobrem que Indra é o verdadeiro traidor, Ryouma e Leiga se juntam a eles, já os demais guardiões são enganados pelo falso comandante e acabam lutando com seus companheiros.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Origens e materiais de base para o mangá[editar | editar código-fonte]

Vishnu, como apresentado na mitologia hindú.

O mangá de Shurato tem como base as mitologias budista e hinduísta,[3] seguindo quase que a risca a última. Nela, o universo divide-se em seis mundos, dos quais fazem parte o Mundo dos Ashuras ("Asura" em japonês e "Ashuras" em indi, adaptado erroneamente como "Asra" em português), Mundo dos Homens ("Chikyū") e o Mundo dos Deuses ("Tenkūkai"), este último sendo o Mundo Celestial do mangá. Os três deuses maiores do hinduísmo são Shiva, um deus tanto criador quanto destruidor e que no mangá foi apresentado como o vilão supremo; Brahma, deus criador que em Shurato morreu na batalha celestial há 10.000 anos[4] e após motiva uma busca por seu shakti a fim de descobrir seu sucessor;[5] e Vishnu, deus protetor do universo, no mangá representado em uma forma feminina, inspirada na forma como esse deus foi originalmente recebido no Japão.[4]

Indra é pai dos deuses e senhor do tempo e clima, enquanto na história é o segundo em comando de Vishnu e a trai,[4] transformando-a em pedra.[3] Os Hachibushu (japonês para Oito Guardiões Mágicos) na mitologia, protegem os budistas e mantém a harmonia no universo e, no mangá, são representados pelos Oito Guardiões.[4]

Adaptação em anime[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Shurato surgiu no Japão na época em que Os Cavaleiros do Zodíaco, da Toei Animation, estava em seu auge e produtoras concorrentes faziam sucesso lançando séries seguindo o mesmo padrão, como Samurai Warriors da Sunrise. logo puseram no mercado um produto que tentasse pegar carona na preferência dos fãs de anime. Shurato foi um deles e justamente por isto carrega muitas semelhanças com seu "irmão de armadura".

Música[editar | editar código-fonte]

Shurato teve 2 canções de abertura, "Shining Soul" e "Truth", e 2 canções de encerramento, "Sabaku no meizu" e "Kyaraban", todas interpretadas por Satoko Shimizu.[1] No Brasil, apenas a primeira canção tanto de abertura quanto de encerramento foram adaptadas para o português em versões que fãs brasileiros colocam como uma das mais bem interpretadas dos animes, e foram interpretadas pela cantora Graça Cunha. Além disso, o estúdio, fazendo um bom trabalho, chegou a trocar as músicas internas do anime pela versão dublada, o que raramente é feito e serviu para acentuar a carga dramática das cenas.

Dublagem[editar | editar código-fonte]

Garuda, o pássaro similar a Fênix.

No Brasil, Shurato estava para ser dublado em São Paulo pela Gota Mágica, mas devida a alta demanda de dublagem de animes recebido pelo estúdio devido ao sucesso de Os Cavaleiros do Zodíaco, foi feita na Dublavídeo, que até então possuía tradição maior com filmes. A direção ficou a cargo de Leda Figueiró, que escalou vozes conhecidas dos animes para os personagens, tendo Marcelo Campos como Shurato. A dublagem de todos os 38 episódios da série foi finalizada em pouco mais de um mês.

A dublagem realizada é tida como um dos fatores do sucesso do anime no país, uma vez que permaneceu fiel ao original e ainda introduziu uma nova prática ao traduzir os créditos do original japonês para o português, o que foi seguido por Yu Yu Hakusho e mais tarde por Dragon Ball Z.[6] Ainda assim, a dublagem modificou certos nomes no anime, traduzindo erroneamente o povo de Ashura como "povo de Asra", trocando o nome do deus Brahma para Brafma para que ele não ficasse com o mesmo nome de uma popular cerveja do país, adaptando Leiga o Rei Garuda (Karura Oh), referente a uma ave da mitologia hindu similar a uma Fênix, para o Rei "Karla"[4] e modificando do nome do personagem Kuuya (o Rei Dappa) para "Kennya".

Versões internacionais[editar | editar código-fonte]

Em 1991, começou a ser exibido pela TF1 na França, tendo Thierry Redler como Shurato e posteriormente também nas Filipinas com Carlo Eduardo Labalan e Jimmy Manalo no papel principal.[1] Em 1996, a série foi trazida para o Brasil através da Tikara Filmes, de Toshihiko Egashira, e exibida na extinta Rede Manchete. Tanto na França como no Brasil, o anime veio tentando pegar carona no sucesso que Os Cavaleiros do Zodíaco havia conseguido.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Shurato fez sucesso em terras nipônicas, sendo celebrado por uns e considerado uma mera cópia de Os Cavaleiros do Zodíaco por outros. De fato, Shurato seria a última série de anime envolvendo armaduras e mitologias, chamado por alguns de sub-gênero "spirit". Ainda assim é tido como um dos precursores do henshin e como a maior inspiração para Guerreiras Mágicas de Rayearth, cujas criadoras eram grandes fãs da série.[7] Elas também renderam uma segunda homenagem com um doujinshi de Shurato intitulado Tenku Senki Shurato Original Memory (Muma), em 1990.[8]

No Brasil, o anime não chegou a ser um sucesso estrondoso, mas ganhou bastante notoriedade, sendo o único entre os animes que estrearam na Rede Manchete na época, o que incluia Sailor Moon e Samurai Warriors, a manter a audiência do canal. Além disso, gerou diversos produtos licenciados que iam de bonecos à jogo de tabuleiro, lançados pela Glasslite. Shurato seria reprisado até 1999, ainda que já tivesse sido esquecido pelo público devido a curta duração do anime. Havia planos da Tikara Filmes para exibir os seis episódios do OVA lançado após o final da série em 1991. Originalmente, deveriam ser exibidos na Manchete, mas devido a temores por parte da emissora com possíveis prejuízos, o lançamento foi deixado de lado, e a Tikara partiu para lançar Yu Yu Hakusho. Shurato voltaria a ser exibido na RedeTV!, que havia substituído a Manchete em 1999, o que durou pouco tempo, uma vez que o novo canal não fez pagamento de direitos de exibição. Atualmente, após a volta de Os Cavaleiros do Zodíaco e Yu Yu Hakusho à TV, atualmente passa nos sabados pela manha na ulbratv.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Tenku Senki Shurato (TV). Anime News Network. Retirado em 14 de fevereiro de 2008.
  2. Shurato's Revolution. Retirado em 18 de fevereiro de 2008.
  3. a b Shurato. Retirado em 16 de fevereiro de 2008.
  4. a b c d e Shurato: A verdadeira origem. AnimesDream. Retirado em 16 de fevereiro de 2008.
  5. Shurato. AnimeWorld. Retirado em 16 de fevereiro de 2008.
  6. 2o encerramento de dragon ball z. GoogleVideo. Retirado em 18 de fevereiro de 2008.
  7. Guerreiras Mágicas de Rayearth - Mangá. Cocômentários (09/05/07). Retirado em 18 de fevereiro de 2008.
  8. Cunha, Katchiannya. Mangás - Os Quadrinhos da Terra do Sol Nascente. Tsuru. Retirado em 18 de Fevereiro de 2008.
Ícone de esboço Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.