Smaug

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Smaug
Personagem da Terra Média
Raça Dragão
Outros Nomes Trâgu (Dalish original)
O Dourado,
O Terrível,
Dragão de Erebor
Data de Nascimento Data desconhecida, mas a primeira a parição ocorreu em 2770 da Terceira Era
Data de Falecimento 2941 da Terceira Era
Primeira aparição
em Livro
O Hobbit
Primeira aparição
em Filme
The Hobbit: An Unexpected Journey
Intérprete Benedict Cumberbatch
Personagems Criados por J.R.R. Tolkien

Smaug, o Dourado, ou simplesmente Smaug, é um dragão criado por J. R. R. Tolkien na obra O Hobbit (1937), onde ele é o antagonista da história. Na época, ele vivia nas masmorras da Montanha Solitária (também conhecida no idioma sindarin como Erebor) na Terra Média, depois de expulsar os seus antigos moradores, os anões, para se apropriar de suas riquezas depois de destruir a cidade de Valle, situada ao pé dessa Montanha e habitada por homens. Preocupado com o retorno de Sauron à Terra-média, o mago Gandalf teme um possível papel do dragão nos planos de conquista do inimigo. Ao mesmo tempo em que é visitado pelo anão Thorin, Escudo de Carvalho, que lhe pede conselhos para recuperar sua herança perdida. Gandalf se oferece para organizar uma comitiva entre a companhia de Thorin e o hobbit Bilbo Bolseiro. Assim, organizando a busca de Erebor, que fará com que os anões recuperem os tesouros que lhes pertencem, enquanto libertam o norte de Rhovanion da influência do dragão.

Smaug foi muitas vezes comparado pelos críticos aos dragões da mitologia nórdica. Com efeito, O Hobbit possui muitas de suas inspirações nos trabalhos desta mitologia, incluindo Beowulf, que Tolkien dedicou um trabalho acadêmico. Segundo esta abordagem, Smaug pode ser interpretado como uma figura da avareza.

Características[editar | editar código-fonte]

Nomes[editar | editar código-fonte]

A origem do nome de Smaug é derivado do verbo em alemão primitivo smugan: "deslizar em um buraco", uma etimologia que Tolkien chamou de "uma piada filóloga de mau gosto".[1] De acordo com Tom Shippey, o nome Smaug poderia ter sido tirado da misteriosa expressão sm'eah-wyrm "pen­etrating worm" (literalmente verme penetrante) presente em Bald's Leechbook, uma obra anglo-saxônica do século X,[2] uma sugestão apoiada pela declaração de Tolkien no jornal The Observer, no qual ele afirma que Smaug vem da expressão wid smeogan wyrme "against the penetrating worm" (literalmente contra o verme penetrante).[1] Shippey diz que o nome refere-se mais à mente do que o física do dragão porque o significado de smeagan também se refere ao ardil, um nome que perfeitamente é o terno de Smaug, "a inteligência mais sofisticada de O Hobbit."[3]

Mais remotamente, Smaug também está ligado ao nome da criatura Smeagol, um derivado do inglês antigo smygel "terrier, lugar em que se escorrega", que Tolkien também chamou de smial, nome dado pelos hobbits aos seus buracos mais luxuosos.[4] Smaug é supostamente representado com o nome Trâgu, que tem o mesmo significado na língua de Valle,[5] também em relação ao verdadeiro nome de Smeagol em Westron: Trahald.[5] Durante sua reunião, Bilbo dá muitos nomes para embelezar Smaug: "Smaug, o Terrível", "Smaug, o primeiro e único destruidor", "Smaug, das riquezas imensuráveis​​", "Smaug, o Poderoso", "Senhor Smaug, o Impenetrável" e "Vossa Magnificência".

Descrição[editar | editar código-fonte]

Smaug é um dragão alado de cor vermelha e dourado. Ele possui um olfato muito aguçado, tanto que ele pode determinar o número de membros da companhia, apenas com o cheiro.[6] Seu peito é coberto com jóias e pedras preciosas incrustadas, com exceção de uma pequena parte "oca no peito esquerdo que é nu como um caracol sem sua concha."[6] Sua armadura emite uma luz vermelha e quente.

Smaug é descrito como "especialmente ganancioso, forte e mau",[7] "o mais poderoso de seu tempo."[8] No primeiro capítulo de O Hobbit, sabe-se que ele já havia ultrapassado os "cinco metros de altura",[nota 1] quando era um dragão jovem.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Smaug fez sua primeira aparição no ano de 2770 da Terceira Era, durante o reinado de Thrór.[9] Naquela época, o reino anão de Erebor vivia na opulência, eles cavaram os salões vazios do coração da Montanha Solitária cheio de "armaduras, jóias, pedras preciosas e cortes".[7] Toda essa riqueza era conhecida no país, de modo que o ganancioso, forte e perverso dragão Smaug,[7] "o mais poderoso de sua época",[8] eventualmente ouvir sobre isso. Em seguida, se ergueu em chamas e foi para Erebor, que ​​ele acabou destruindo. O dragão atacou a cidade da Montanha de Valle, matando as pessoas que encontrava pelo caminho. Thrór, seu filho Thráin II e seu pequeno neto Thorin II, Escudo de Carvalho, no entanto, conseguem escapar, e muitos anões vão se instalar em Ered Luin.

Em 2841 da Terceira Era, Thráin II, partindo sozinho, decidiu voltar para Erebor. Em 2845 ele foi preso na fortaleza de Dol Guldur por Sauron, que rouba seu anel, o último dos sete anéis dados aos Senhores dos Anões. Cinco anos mais tarde, Gandalf entra na fortaleza descobrindo que Thráin está morrendo e confirma que Sauron está de volta. Gandalf começa a temer que ele envie exércitos tomando o antigo Reino de Angmar do norte e chegando a Eriador. Este medo é reforçado pela ausência de forças anãs e humanas, destruídas por Smaug, no norte de Rhovanion,[10] forças que poderiam detê-lo. Além disso, o mago temia ainda mais que Sauron pudesse usá-lo como um aliado na futura Guerra do Anel. Assim, ele planeja uma maneira de se livrar do dragão.

Em março de 2941 da Terceira Era, Gandalf encontra Thorin no caminho para o Condado, até Bree. Thorin toma o conselho de Gandalf para se vingar de Smaug e recuperar o seu trono. Ele promete a Thorin pensar sobre o problema, e em seguida, retorna ao Condado. Lá ele encontra Bilbo Bolseiro e descobre que ele está ansioso por uma aventura. Gandalf então organiza a busca de Erebor, Thorin e sua companhia, juntamente com Bilbo, contando com o fato de que o dragão não sabe o que é um hobbit.[10]

A companhia atravessa a Terra Média, e finalmente chega em Erebor, no outono de 2941. Depois de algumas pesquisas, eles descobrem uma passagem secreta usada como saída de emergência pelo avô e pai de Thorin, durante o ataque do dragão. No Dia de Durin, que é a última lua do outono, é revelada a porta secreta por onde os anões entram.[11] Bilbo é enviado apenas até o coração da Montanha. Cada vez mais se afundando ele sente o calor intenso. Ouve um barulho que vem a ser o dragão dormindo em uma pilha de jóias e tesouros. O hobbit se beneficia do sono de Smaug para roubar uma taça de ouro e depois voltar para o fluxo de ar livre. Ele só tem tempo para encontrar os anões e mostrar-lhes o seu espólio, Smaug desperta e descobre o roubo da taça. Enfurecido, ele deixa a Montanha e voa com o objetivo de encontrar Bilbo. Smaug está empoleirado no topo da Montanha e derrama seu fogo nas laterais. Os anões e Bilbo mal tem tempo para se esconder no túnel secreto, mas a porta é destruída e eles ficam presos. Smaug, após esse acesso de fúria, encontra a sua pilha de tesouro e volta a adormecer. Bilbo decide descer até o covil do dragão, esperando que ele estivesse adormecido. Depois de usar o seu anel de invisibilidade, ele desce até o túnel. Apesar de sua invisibilidade, Smaug sente Bilbo. Depois de um diálogo onde o dragão tenta saber mais sobre o hobbit e seus companheiros, Bilbo escapa, mas não sem notar que Smaug tem uma falha no peito de sua armadura, ele informa sobre o buraco aos anões. Um tordo que seguia a companhia também descobre o ponto fraco do dragão e, em seguida, voa para Esgaroth. Smaug por sua vez, aparece fora de Erebor e tenta enterrar os anões causando deslizamentos de terra nas encostas da Montanha, antes de ir para a cidade à beira lago de Esgaroth (a Cidade do Lago).[6]

Arqueiros da Cidade do Lago, vendo o dragão se aproximar, tentam atirar, mas ele está muito bem protegido por sua armadura de pedras preciosas. Ele incendeia e ataca várias casas de Esgaroth antes do tordo que seguia os anões alertar o Capitão Bard, herdeiro do trono de Valle, sobre o ponto fraco do dragão. Ele mata Smaug com uma Flecha Negra, herdada de sua família, com um tiro na cavidade esquerda do peito. Smaug cai sobre a cidade de Esgaroth causando um redemoinho e borbulhando sobre as águas.[12] A água que cerca seu corpo é temida pelas pessoas que o rodeiam, os seus ossos ainda estão lá, há vários séculos em ruínas, e ninguém se atreve a mergulhar para roubar as pedras preciosas em sua armadura.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Criação e evolução[editar | editar código-fonte]

J. R. R. Tolkien disse que não se lembra da data exata em que ele começou a escrever O Hobbit, embora ele tenha dito em uma carta para W. H. Auden, em 1925, que em um verão, quando estava ocupado corrigindo cópias de literatura inglesa, ele escreveu em uma cópia em branco deixando na primeira frase do livro: "Num buraco vivia um hobbit", sem saber de onde veio essa ideia.[13] Michael Tolkien, o segundo filho do autor, sugere 1929 como o começo da criação do romance, alguns de seus próprios escritos, que datam deste período são claramente inspirados na história de O Hobbit, que seu pai lia para seu filho durante seu crescimento.[14] No entanto, John D. Rateliff em A história de O Hobbit, sugere que a história não começou a ser escrita até o verão de 1930. No primeiro esboço de O Hobbit, The Fragment of Pryftan (em português 'O Fragmento de Pryftan'), o dragão aparece pela primeira vez com o nome "Pryftan".[15] O nome "Smaug" só aparece na revisão deste capítulo intitulado The Adventure Continues ('A Aventura Continua') a partir da segunda fase de escrita do livro. Tolkien então corrigiu concorrentemente o nome Pryftan nos capítulos anteriores.[16]

Por um longo tempo, Tolkien continuou indeciso sobre o destino do dragão. Assim, num projeto, é previsto que Smaug seria morto em seu sono por Bilbo,[17] se decidindo finalmente por sua morte durante a Batalha do Lago. No mesmo projeto, encontra-se pela primeira vez, a referência à cor vermelha dourada de Smaug.[18]

Revisão e análise[editar | editar código-fonte]

Beowulf and the dragon.jpg
Ring44.jpg
Beowulf e Siegfried enfrentam dragões que morrem de forma semelhante a Smaug em O Hobbit.[19]

Smaug é "um bom Dragon ocidental".[20] Portanto, tem ligações com dragões da literatura nórdica. Douglas A. Anderson observou como ele morre ferido no estômago, como o dragão Fafnir, da Saga dos Volsungos, de Beowulf.[19] O diálogo entre Bilbo e o dragão, durante seu encontro, onde Bilbo se recusa a revelar seu verdadeiro nome, é um lembrete da conversa entre Siegfried e Fafnir.[21] Essa troca também recorda o diálogo entre Ernest e o sapo gigante no conto Ernest, de Edward Knatchbull-Hugessen, publicado em 1869, em Stories for My Children.[22]

No entanto, Tolkien observou em uma entrevista de rádio em 1965 que "Fafnir é um ser humano ou humanoide que tomou esta forma, enquanto Smaug é apenas um lagarto puramente inteligente."[23] No entanto, apesar da inteligência de Smaug, não é nada comparado com o Necromante e esta diferença é comparada como a leveza de O Hobbit e a seriedade de sua continuação, O Senhor dos Anéis.[24] Comparado com Glaurung, Smaug "é tão perigoso e tão capaz de criar desolação", mas não tem a mesma majestade do mesmo.[25] A principal diferença que ele tem é a sua liberdade de ação. Ao contrário de Glaurung, que é dependente de Morgoth, Smaug é um "agente livre" que não conta com um mestre.[26] É mais parecido com o Dragão Branco da Lua em Roverandom, em especial a natureza.[27]

A ligação com Beowulf é acentuada pela cena em que Bilbo rouba uma taça de ouro na pilha de Smaug, que recorda diretamente uma cena semelhante em Beowulf. Quando Tolkien foi perguntado sobre isso, ele respondeu:

"Beowulf é uma das fontes que eu mais considero, embora não tenha estado conscientemente presente na minha mente enquanto eu estava escrevendo, e o episódio do vôo foi apresentado naturalmente (e quase inevitavelmente), tendo em vista circunstâncias. É difícil imaginar qualquer outra maneira de continuar a história naquele momento. Eu gosto de pensar que o autor de Beowulf diria a mesma coisa."[28]
— J. R. R. Tolkien, carta ao editor do Observer

Smaug reflete portanto de muitas maneiras o dragão de Beowulf que Tolkien usou para praticar certas teorias literárias que ele desenvolveu em torno do retrato do dragão no poema anglo-saxão, proporcionando a criatura de inteligência bestial algo além do seu papel puramente simbólico.[29] De acordo com Jane Chance, Smaug expressa "o pecado espiritual" através de seu orgulho e avareza.[30] A ganância do dragão também se reflete através do "espanto", o poder de corrupção do tesouro nos anões e inclusive em Thorin, recusando-se a compartilhá-lo.[31]

Smaug também incorpora o papel de serpente tentadora como a imagem do pecado original da Bíblia, que tentou Adão e Eva.[32] É também próximo ao leviatã, o monstro do mar descrito no Livro de Jó, na Bíblia de Jerusalém, que Tolkien conhecia bem, tendo participado de uma tradução em inglês do hebraico.[33] O dragão e suas reservas de ouro podem ser vistas como um reflexo da relação tradicional entre o mal e a metalurgia, como se encontra na descrição do "Pandemonium" no Paraíso Perdido, de John Milton.[34] De acordo com Ross Smith, o diálogo do dragão "com o charme e o espírito (e a ênfase que o leitor imagina) de um membro educado da classe alta britânica",[35] mas especialmente com a "polidez agressiva caracterizada" da classe.[36]

Legado[editar | editar código-fonte]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Estátua na Bury Knowle Park (Oxford) representando Smaug e dois personagens de As Crônicas de Nárnia, de C. S. Lewis.

Tolkien tem mostrado muitas vezes o personagem. Um de seus desenhos em cores, intitulado Conversations with Smaug, ilustra o encontro entre Bilbo e o dragão. A ilustração apareceu em 1937, na segunda impressão em inglês da primeira edição de O Hobbit, em 1938, e na edição dos Estados Unidos, onde o monograma de Tolkien é removido do desenho.[37] Em ambas as edições, o título é impresso "Smaug, a Maior e Mais importante das Calamidades."[37]

Em 1973, em The J. R. R. Tolkien Calendar, há uma ilustração da Morte de Smaug (Death of Smaug), que representa o dragão sendo perfurado pela seta preta acima de Esgaroth.[38] [39] Este projeto tinha sido usado para ilustrar a capa da edição britânica de bolso em 1966, apesar da relutância de Tolkien perante o seu uso.[40] Por sua própria admissão, este esboço foi feito em 1936 para a primeira edição de O Hobbit.[41]

Smaug também é apresentado nos mapas das Terras Selvagens que adornam o romance O Hobbit desde 1937, e publicado, assim como antes, em Artist and Illustrator.[42] Um cartaz colorido por H. E. Riddett foi publicado em 1979. Nestes mapas, a representação de Smaug é muito semelhante a do Dragão Branco da Lua de Roverandom.[43] Ele também faz uma aparição na ilustração de The Father Christmas Letters de 1932, onde é desenhado na parede da caverna dos goblins.[44] O dragão também inspirou outros ilustradores como John Howe.[45] [46] Assim, em 1985, o calendário de aniversário de 50 anos de O Hobbit, ele ilustra A Morte de Smaug, em seguida, em 1990, é comandado uma ilustração de Smaug, o Dourado para enfeitar a capa do romance.[47]

Benedict Cumberbatch interpretou o dragão na adaptação de Peter Jackson.

Na adaptação de desenhos animados O Hobbit, de 1977, Smaug é dublado por Richard Boone,[48] enquanto na adaptação de rádio de O Hobbit, em 1978, é narrado por Francis Wolff. Em geral, o projeto de Smaug na versão animada é consistente com a descrição de Tolkien, em manter a sua imagem. James Horan lhe dá a sua voz no vídeo jogo The Hobbit, lançado em 2003.[49] Na adaptação cinematográfica (2012-2014) de Peter Jackson é o ator britânico Benedict Cumberbatch, que foi contratado para encarnar e interpretar a voz do dragão.[50] [51]

Na adaptação de Jackson, Smaug é apresentado com uma longa cabeça, escamas vermelho-douradas, o corpo de uma serpe e penetrantes olhos amarelos. O dragão fala com Received Pronunciation com um rosnado subjacente como Cumberbatch, tendo sugestão dos répteis do zoológico de Londres, visando um tom que seria "a ponte entre o animal e o humano", com uma profunda e áspera voz gutural.[52] [53] [54] O projeto do dragão também foi criado com animação de quadro-chave, o que significa que foi animado manualmente, além do desempenho de captura de movimento do ator. Weta Digital empregou seu software proprietário "Tissue", que foi homenageado em 2013, com um "Prêmio de Ciência e Engenharia" da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas por fazer o dragão o mais realista possível. Além disso, o supervisor da empresa, Joe Letteri, disse em uma entrevista à USA Today que eles usaram dragões europeus e asiáticos clássicos como inspirações para criar Smaug.[55]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Smaug fez sua primeira aparição na Fictional 15, a lista da revista Forbes dos 15 personagens de ficção mais ricos. Naquele ano, ele foi classificado na 7ª posição, com um patrimônio estimado em 8,6 bilhões de dólares, enquanto Tio Patinhas foi o primeiro com 44 bilhões de dólares. No ano seguinte, a revista fez uma análise mais cuidadosa[56] e concluiu que uma estimativa mais prudente seria de US$ 61 bilhões, que o colocou confortavelmente no topo da lista.[57] Michael Noer, o autor deste artigo, limitou a sua estimativa, a fim de manter o valor líquido de Smaug em linha com personagens vivos factuais, nomeadamente Bill Gates e Carlos Slim. As estimativas estão diretamente ligadas ao tamanho de Smaug e na suposição de que ele situa-se na maior parte de seu tesouro. Uma leitura mais literal dos textos de Tolkien e comparações com pessoas históricas em vez de pessoas factuais (nomeadamente John D. Rockefeller ou a família Rothschild) resultaria em uma estimativa muito superior, tanto quanto 870 bilhões de dólares, de acordo com o artigo. Em 2013, na edição da Forbes Fictional 15, Smaug ficou em segundo lugar na lista, com um patrimônio líquido de cerca de US$ 54.1 bilhões ficando a trás do Tio Patinhas, que foi estimado com um patrimônio líquido de 65,4 bilhões de dólares.[58]

Em 1964, Carey Blyton, um compositor inglês, adaptou O Hobbit como abertura de um concerto, com a permissão entusiasta de Tolkien. Smaug é representado por "súbitos acordes tutti e glissando de trombone, e sua morte deve ser imediatamente reconhecível na forma de uma corda de arranque pizzicato enquanto a flecha fatal é disparada, seguida por mais agonia no latão e um pizzicato caindo nas cordas".[59]

Smaug deu seu nome a um software de análise astrofísica para a reconstrução da distribuição espacial de hidrogênio, a temperatura e a abundância de metais em aglomerados de galáxias.[60]

Notas

  1. Um pouco mais que cinco metros de altura.

Referências

  1. a b Tolkien 2005, p. 25
  2. Shippey 1979, p. 301
  3. Shippey 2005, p. 102
  4. Hammond 2005, pp. 27, 53
  5. a b Tolkien 2002, p. 54
  6. a b c Tolkien 2009. "Informação de dentro"
  7. a b c d Tolkien 2009. "Uma recepção inesperada"
  8. a b Tolkien 2010. "O Povo de Durin"
  9. Tolkien 2010. "O Povo de Durin"
  10. a b Tolkien (2) 2009, pp. "A Busca de Erebor"
  11. Tolkien 2009. "Na soleira da porta"
  12. Tolkien 2009. "Fogo e água"
  13. Tolkien 2005, pp. 163
  14. Anderson 2012, pp. 24
  15. Tolkien 2007, pp. 9
  16. Tolkien 2007, pp. 75
  17. Tolkien 2007, pp. 364
  18. Tolkien 2007, pp. 363
  19. a b Anderson 2012, pp. 326-327
  20. Petty 2009, pp. 281
  21. Anderson 2012, pp. 323
  22. Anderson 2012, pp. 323-325
  23. Tolkien (2) 2007, pp. 543
  24. Thomas 2000, pp. 128
  25. Hart 2007, pp. 9
  26. Petty 2009, pp. 286
  27. Petty 2009, pp. 281-282
  28. Tolkien 2005, pp. 31
  29. Steele 2006, pp. 137-147
  30. Chance 2001, pp. 57-58
  31. Shippey 2005, pp. 88-89
  32. Chance 2001, pp. 68
  33. Tolkien (2) 2007, pp. 525
  34. Lobdell 1975, pp. 106
  35. Ross, Smith. (Janeiro de 2006). "Tolkien the storyteller" (em inglês). English Today 85 22 (1). DOI:10.1017/S0266078406001076.
  36. Shippey 2005, pp. 90
  37. a b Anderson 2012, pp. 320
  38. Tolkien 1992, pp. Ilustrações nº 19
  39. Hammond 1995, pp. Ilustração nº 137
  40. Anderson 2012, pp. 354
  41. Tolkien 2005, pp. Carta nº 281
  42. Hammond 1995, pp. Ilustração nº 84 e nº 87
  43. Anderson 2012, pp. 463
  44. Tolkien (2) 2007, pp. xvi
  45. Maytum, Matt (25 de maio de 2013). The Desolation Of Smaug Sneak-Peek Footage Reaction (em inglês) Total Film. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  46. Ilustrator [Portfolio] (em inglês) John Howe. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  47. Howe 2004, pp. 95-97
  48. Bogstad 2011, pp. 67
  49. Casamassina, Matt (11 de novembro de 2003). The Hobbit (em inglês) IGN. Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  50. Child, Ben (20 de junho de 2011). Benedict Cumberbatch joins The Hobbit as Smaug (em inglês) The Guardian. Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  51. Mike Fleming. Benedict Cumberbatch To Voice Smaug in ‘The Hobbit’ DeadLine. Página visitada em 10 de janeiro de 2013.
  52. Cumberbatch's Hobbit challenges (em inglês) Yahoo! (15 de dezembro de 2013). Página visitada em 20 de janeiro de 2014.
  53. McWeeny, Drew (05 de dezembro de 2013). Benedict Cumberbatch on bringing Smaug to life for the latest installment of The Hobbit (em inglês) HitFlix. Página visitada em 20 de janeiro de 2014.
  54. Giardina, Carolyn (13 de dezembro de 2013). 'The Hobbit: The Desolation of Smaug:' Weta's Joe Letteri Reveals The Biggest VFX Challenges (em inglês) The Hollywood Reporter. Página visitada em 20 de janeiro de 2014.
  55. Truitt, Brian (16 de dezembro de 2013). Five things to know about scaly 'Hobbit' star Smaug (em inglês) USA Today. Página visitada em 20 de janeiro de 2014.
  56. Noer, Michael (23 de abril de 2012). How Much is a Dragon Worth, Revisited (em inglês) Forbes. Página visitada em 19 de janeiro de 2014.
  57. Smaug (em inglês) Forbes (2012). Página visitada em 19 de janeiro de 2014.
  58. Smaug (em inglês) Forbes (2013). Página visitada em 19 de janeiro de 2014.
  59. Bratman 2010, pp. 156
  60. Pizzolato, Fabio. (2003). "Smaug: A New Technique for the Deprojection of Galaxy Clusters" (em inglês). The Astrophysical Journal 592 (1): 62–78. DOI:10.1086/375617. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Livros de Tolkien[editar | editar código-fonte]

  • Tolkien, J. R. R.. O Hobbit. São Paulo: Martins Fontes, 2009. ISBN 9788578271121
  • Tolkien, J. R. R.. O Senhor dos Anéis (em português). São Paulo: Martins Fontes, 2010. ISBN 8533613407
  • Tolkien, J. R. R.. In: Tolkien, Christopher. Pictures by J. R. R. Tolkien (em inglês). [S.l.: s.n.], 1992. 112 pp. ISBN 0395606489
  • Tolkien, J. R. R.. In: Tolkien, Christopher; Carpenter, Humphrey. The Letters of J. R. R. Tolkien (em inglês). [S.l.]: Houghton Mifflin, 2005. ISBN 0-04-826005-3
  • Tolkien, J. R. R.; Tolkien, Christopher. The Peoples of Middle-earth (em inglês). [S.l.]: HarperCollins, 2002. 482 pp. ISBN 0-261-10348-2
  • Tolkien, J. R. R.; Rateliff, John D.. The History of The Hobbit (em inglês). Reino Unido: HarperCollins, 2007. Capítulo: Part One: Mr. Baggins. , 467 pp. ISBN 0007235550
  • Tolkien (2), J. R. R.. In: Tolkien, Christopher. Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média (em português). 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009. ISBN 9788578270735
  • Tolkien (2), J. R. R.; Rateliff, John D.. The History of The Hobbit (em inglês). Reino Unido: HarperCollins, 2007. Capítulo: Part Two: Return to Bag-End. , p. 438. ISBN 0007250665

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Anderson, Douglas A.. The Annotated Hobbit (em inglês). Boston, MA: Houghton Mifflin Harcourt, 2012. ISBN 978-0-395-47690-1
  • Bogstad, Janice M.; E. Kaveny, Philip. Picturing Tolkien: Essays on Peter Jackson's The Lord of the Rings Film Trilogy (em inglês). ilustrada ed. [S.l.]: McFarland, 2011. ISBN 0786446366
  • Bratman, David. Middle-earth Minstrel: Essays on Music in Tolkien (em inglês). [S.l.: s.n.], 2010. Capítulo: Liquid Tolkien: Music, Tolkien, Middle-earth and More Music. , ISBN 9780786448142
  • Chance, Jane. Tolkien's art: a mythology for England (em inglês). [S.l.]: University Press of Kentucky, 2001. ISBN 9780813190204
  • Hammond, Wayne G.; Scull, Christina. J. R. R. Tolkien: Artist and Illustrator (em inglês). [S.l.]: Houghton Mifflin, 1995. ISBN 0-261-10322-9
  • Hammond, Wayne G.; Scull, Christina. The Lord of the Rings: A Reader's Companion (em inglês). [S.l.]: HarperCollins, 2005. ISBN 0-00-720907-X
  • Hart, Rachel. Tree of tales: Tolkien, Literature and Theology (em inglês). [S.l.]: Baylor University Press, 2007. 132 pp.
  • Howe, John; Queille, David. Artbook (em inglês). [S.l.]: Nestiveqnen Editions, 2004. ISBN 2915653011
  • Lobdell, Jared. A Tolkien Compass (em inglês). [S.l.]: Open Court, 1975. Capítulo: The Psychological Journey of Bilbo Baggins. , ISBN 978-0875483160
  • Shippey, Tom. Creation from Philology in The Lord of the Rings (em inglês). [S.l.]: Cornell University Press, 1979. ISBN 080141038X
  • Shippey, Tom. The Road to Middle-earth (em inglês). Londres: HarperCollins, 2005. ISBN 978-0-261-10275-0
  • Steele, Felicia Jean. Mythlore (em inglês). [S.l.]: Mythopoeic Society, 2006. Capítulo: Dreaming of dragons: Tolkien's impact on Heaney's Beowulf. , vol. 25. ISBN 0146-9339
  • Petty, Anne C.; Fanfan Chen, Thomas Honegger. In: Lang, Peter. Good Dragons are Rare (em inglês). [S.l.: s.n.], 2009. Capítulo: J.R.R. Tolkien's Dragon, The Evolution of Glaurung and Smaug. , ISBN 9783631582190
  • Shippey, Tom. The Road to Middle-earth (em inglês). Londres: HarperCollins, 2005. ISBN 978-0-261-10275-0
  • Thomas, Paul Edmund. Some of Tolkien's Narrators (em inglês). [S.l.]: Greenwood Press, 2000. ISBN 0313305307

Ligações externas[editar | editar código-fonte]