Anões (Tolkien)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os Anões são, na obra criada por J. R. R. Tolkien, uma raça de baixa estatura, com barbas, amigos dos Hobbits e não gostam dos elfos.

São geralmente ferreiros ou mineradores, inigualáveis até mesmo pelos elfos em algumas de suas artes.

Chamam-se a si mesmos de Khazad. O nome em Sindarin é Hadhodrim e em Quenya, especialmente pelos Noldor, eram chamados de Casari. No entanto, os Sindar os chamavam de Naugrim ou Nogothrim, o Povo Nanico.

De sua Criação[editar | editar código-fonte]

Ao contrário dos Elfos e Humanos, os Anões não são Filhos de Ilúvatar, mas criações de Aulë, o Ferreiro dos Valar. Impaciente com a demora da chegada dos Filhos de Ilúvatar, Aulë resolve criar sozinho os Sete Pais dos Anões, para formarem uma raça resoluta, rígida e um tanto teimosa, capaz de resistir a Melkor, o Senhor do Escuro da época. Chamou-os de Khazad e ensinou-lhes também a língua que havia inventado.

Eru, o Único, no entanto, descobre a criação dos Anões e repreende Aulë pela pretensão. Aulë, com lágrimas nos olhos e o martelo em mãos, prepara-se para exterminar os Sete Pais dos Anões. Eru, com pena, permite que os Anões vivam, contanto que adormeçam e não despertem antes de seus próprios filhos despertarem.

De seu Idioma[editar | editar código-fonte]

Ilustração de um Anão.

O idioma criado por Aulë para os Anões é chamado Khuzdûl. Era uma língua diferente das dos homens e elfos, e poucos não-anões a aprenderam, porque seus falantes a guardavam em segredo. A mais longa frase em Khuzdûl conhecida é: Baruk Khazâd! Khazâd ai-mênu! (Machados dos Anões! Os Anões estão sobre vocês!). a comunicação entre eles, já que a mudança foi muito sutil.

Ao se depararem com elfos, estes se surpreenderam, já que pensavam ser as únicas criaturas falantes. A língua dos Anões, entretanto, lhes parecia rude e sem beleza alguma, mas os Anões foram rápidos ao aprender a língua élfica.

Artífices[editar | editar código-fonte]

Os anões trabalhavam mais com ferro e cobre do que com ouro e prata. No entanto, havia em suas minas um metal leve e muitíssimo resistente, além de muito valioso: Mithril, a Prata dos Anões.

Além disso, eram insuperáveis na têmpera do aço, e têm outras obras memoráveis:

  • Menegroth: As Mil Cavernas. Construídas pelos anões a pedido do rei Thingol, marido de Melian, a Maia. Receberam como pagamento pérolas dadas a Thingol por Círdan.
  • Nauglamír: O Colar dos Anões. Feito para Finrod Felagund, o colar foi posteriormente entregado a Thingol, que pediu que lhe engastassem uma Silmaril. Esse colar desencadeou a destruição de Doriath e a morte de Thingol.

Ver também[editar | editar código-fonte]