O Silmarillion

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Silmarillion
O Silmarillion
Silmarrillion, Just under the Cover.jpg
Autor (es) J.R.R. Tolkien
Idioma Inglês
País Reino Unido
Assunto As origens da Terra-Média
Género Fantasia
Lançamento 1977
Páginas 468
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Waldéa Barcellos
Editora Martins Fontes
ISBN 85-336-1165-X
Cronologia
Último
Último
O hobbit
Próximo
Próximo

O Silmarillion /sɪlməˈrɪlɪən/ (título original em inglês: The Silmarillion) é uma coletânea de obras literárias de mito-poesias do escritor J. R. R. Tolkien, editado e publicado postumamente por seu filho Christopher Tolkien, em 1977, com a ajuda de Guy Gavriel Kay,[1] que mais tarde tornou-se um notável escritor de fantasia. O Silmarillion juntamente com outras obras de J. R. R. Tolkien, formam uma extensa, embora incompleta, narrativa que descreve o universo da Eä em que se encontram as terras de Valinor, Beleriand, Númenor e da Terra Média em que O Hobbit e O Senhor dos Anéis têm lugar

Depois do sucesso de O Hobbit, e antes da publicação de O Senhor dos Anéis, a editora de Tolkien solicitou uma continuação de O Hobbit, e Tolkien os enviou um rascunho de O Silmarillion. Mas, através de um mal-entendido, o editor rejeitou o projeto sem lê-lo na íntegra, com o resultado Tolkien começou a trabalhar em "Uma Festa Muito Esperada", o primeiro capítulo do que ele descreveu na época como "uma nova história sobre Hobbits", o que tornou-se O Senhor dos Anéis.[2]

O Silmarillion compreende cinco partes. A primeira parte, Ainulindalë, fala da criação de , o "mundo que é". Valaquenta, a segunda parte, dá uma descrição dos Valar e Maiar, os poderes sobrenaturais de Eä. A próxima seção, Quenta Silmarillion, que forma a maior parte da coleção, narra a história dos eventos antes e durante a Primeira Era, incluindo as guerras pelas Silmarils que deu título ao livro. A quarta parte, Akallabêth, relata a história da Queda de Númenor e seu povo, que tem lugar na Segunda Era. A parte final, Dos Anéis de Poder e da Terceira Era, é um breve relato das circunstâncias que levaram e foram apresentadas em O Senhor dos Anéis.

As cinco partes eram, inicialmente, trabalhos separados, mas era desejo expresso de Tolkien mais velho que eles fossem publicados conjuntamente.[1] Devido sua morte antes de terminar a revisão das várias lendas, Christopher reuniu materiais a partir dos escritos mais antigos de seu pai para preencher o livro. Em alguns casos, isso significava que ele tinha de elaborar material completamente novo, a fim de resolver as lacunas e inconsistências na narrativa.[3]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Depois do sucesso de O Hobbit e antes da publicação de O Senhor dos Anéis, os editores de Tolkien pediram uma continuação de "O hobbit". Tolkien, então, lhes enviou um rascunho de O Silmarillion. Mas, com um mal-entendido, o editor rejeitou o material sem lê-lo completamente e, como resultado disso, Tolkien começou a trabalhar no A Long Expected Party (em português: Uma Festa Muito Esperada), o primeiro capítulo do que ele descreveu na época como "uma nova história sobre hobbits, mas que acabou virando O Senhor dos Anéis, sua obra mais famosa e difundida."

O Silmarillion compreende cinco partes. A primeira parte, "Ainulindalë (A Música dos Ainur)", conta da criação de , o "mundo que é". "Valaquenta (O Relato dos Valar)", a segunda parte, dá a descrição dos Valar e Maiar, os poderes sobrenaturais de Eä. A próxima seção, Quenta Silmarillion (A História das Silmarils), que forma a maior parte do livro, narra a história dos eventos antes e durante a Primeira Era, incluindo as guerras sobre as Silmarils (de onde vem o nome do livro). A quarta parte, Akallabêth, relata a história da Queda de Númenor e seu povo, que tem seu lugar na Segunda Era. A parte final, "Dos Anéis de Poder e a Terceira Era", é um breve relato das circunstâncias que levaram aos eventos narrados em O Senhor dos Anéis.

As cinco partes eram, inicialmente, trabalhos separados, mas foi um desejo que Tolkien expressou, já idoso, de que eles fossem publicados juntos. Devido à morte de J. R. R. Tolkien antes de terminar de revisar as várias lendas que criou, Christopher, seu filho, juntou o antigo material escrito de seu pai para preencher o livro. Em alguns casos, isso significa que ele teve de criar material completamente novo para preencher as lacunas e incoerências na narrativa.

A série History of Middle-earth forma doze volumes num raio-x do processo que levou ao Senhor dos Anéis e ao Silmarillion através do olhar inicial de J.R.R. Tolkien e de comentários de seu filho Christopher.

O Silmarillion, como outros trabalhos de Tolkien sobre a Terra-Média, toma lugar em algum espaço de tempo na história da Terra (Arda). O Silmarillion era para ser uma tradução do terceiro volume dos livros de Bilbo, "Traduções do Élfico", o qual ele escreveu em Valfenda/Rivendell/Imladris.

Dentre os mais notáveis capítulos, estão:

  • "A Música dos Ainur (Ainulindalë)";
  • "De Beren e Lúthien";
  • "De Túrin Turambar" (descrito também nos livros Contos Inacabados e Os Filhos de Húrin);
  • "De Tuor e da queda de Gondolin";
  • "De Eärendil e da Guerra da Ira".

A página-título contém inscrições em tengwar significando: "Contos da Primeira Era quando Morgoth viveu na Terra Média e os Elfos guerrearam contra ele para reaver as Silmarilli aos quais são adicionados a Queda de Númenor e a história Dos Anéis de Poder e da Terceira Era na qual esses contos chegaram ao final".

Estrutura do Livro[editar | editar código-fonte]

"O Silmarillion" compreende cinco partes:

  • Ainulindalë (A Música dos Ainur)

Fala da criação de , o Mundo.

  • Valaquenta (O Relato dos Valar)

Descreve os Valar e os Maiar, os poderosos que moldaram o mundo.

  • Quenta Silmarillion (A História das Silmarils)

Relata a história do que aconteceu antes e durante a Primeira Era, formando a maior e principal parte do livro. Divide-se em 24 capítulos:

  • 01 - Do Início dos Tempos
  • 02 - De Aulë e Yavanna
  • 03 - Da Chegada dos Elfos e do Cativeiro de Melkor
  • 04 - De Thingol e Melian
  • 05 - De Eldamar e dos Príncipes dos Eldalië
  • 06 - De Fëanor e da Libertação de Melkor
  • 07 - Das Silmarils e da Inquietação dos Noldor
  • 08 - Do Ocaso de Valinor
  • 09 - Da Fuga dos Noldor
  • 10 - Dos Sindar
  • 11 - Do Sol, da Lua e da Ocultação de Valinor
  • 12 - Dos Homens
  • 13 - Da Volta dos Noldor
  • 14 - De Beleriand e Seus Reinos
  • 15 - Dos Noldor em Beleriand
  • 16 - De Maeglin
  • 17 - Da Chegada dos Homens ao Oeste
  • 18 - Da Ruína de Beleriand e da Queda de Fingolfin
  • 19 - De Beren e Lúthien
  • 20 - Da Quinta Batalha: Nirnaeth Arnoediad
  • 21 - De Túrin Turambar
  • 22 - Da Destruição de Doriath
  • 23 - De Tuor e da Queda de Gondolin
  • 24 - Da Viagem de Eärendil e da Guerra da Ira
  • Akallabêth (A Queda)

Fala da ilha de Númenor e sua Queda na Segunda Era, quando os Valar pediram a ajuda de Ilúvatar que modificou a forma de Arda.

  • Dos Anéis do Poder e da Terceira Era

Um breve relato dos principais acontecimentos desde a criação dos Anéis do Poder ao fim da Terceira Era.

Evolução do Texto[editar | editar código-fonte]

Os primeiros esboços do Silmarillion datam do início de 1925, quando Tolkien escreveu um "Esboço da Mitologia". No entanto, o conceito dos personagens, temas e histórias específicas foram desenvolvidos em 1917, quando Tolkien, então um oficial britânico que havia retornado da França após a Primeira Guerra Mundial, estava numa cama sofrendo da Febre das Trincheiras. Àquela época, ele chamou sua coleção de histórias de The Book of Lost Tales.

Muitos anos depois da guerra, encorajado pelo sucesso de O hobbit, Tolkien enviou uma versão incompleta porém mais desenvolvida de "O Silmarillion" para seu editor, George Allen & Unwin, mas ele rejeitou o trabalho por ser muito obscuro e "demasiadamente celta". Ele, então, pediu a Tolkien que, ao invés desse, fizesse uma continuação para "O Hobbit", ideia que se transformaria na mais famosa, mas não mais importante, obra dele: O Senhor dos Anéis.

No fim dos anos 1950, ele começou novamente a trabalhar no Silmarillion, mas muito de seu trabalho era relacionado a assuntos teológicos e filosóficos mais do que com a narrativa. Durante esse tempo, ele escreveu muito sobre estes tópicos, como o surgimento do mal em Arda, a origem dos Orcs, o costume dos Elfos e sua imortalidade, o Mundo Plano e a história do Sol e da Lua (veja Duas Árvores de Valinor). Por esses tempos, sérias dúvidas o acometeram sobre alguns aspectos fundamentais do trabalho e ele voltou às versões mais antigas das histórias. Parece que ele sentiu que devia solucionar esses problemas antes de publicar a versão final.

Depois da morte de Tolkien, em 1973, Christopher Tolkien compilou a narrativa de "O Silmarillion". Suas intenções parecem ter sido a de manter-se consistente, principalmente, com O Senhor dos Anéis. Às vezes, ele chegou a ter de criar alguma coisa, devido à escassez de anotações de seu pai. Vale observar que Tolkien, muitas vezes, escrevia o livro às pressas, até mesmo com anotações a lápis e, não raramente, ilegíveis. O livro foi, então, publicado no ano de 1977.

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Na época do lançamento, avaliações de O Silmarillion foram geralmente negativas. O Silmarillion foi criticado por ser muito sério, sem os momentos de luz de coração que foram encontrados em O Senhor dos Anéis e especialmente O Hobbit.[4] [5] [6] TIME lamentou que "não busca unificar e, acima de tudo, nenhum grupo de irmãos para o leitor se identificar".[4] Outras críticas incluíam linguagem arcaica[7] [8] difícil de ler e muitos nomes duros de se lembrar.[7] [9]

Apesar destas deficiências, alguns revisores elogiaram o alcance da criação de Tolkien. The New York Times Book Review reconheceu que "o que está finalmente mais comovente é ... o heroísmo da tentativa excêntrica de Tolkien".[5] TIME descreveu O Silmarillion como "majestoso, uma obra realizada por tanto tempo e tão poderosamente na imaginação do escritor que domina o leitor".[4] O The Horn Book Magazine ainda elogiou o "notável conjunto de lendas concebidas com poder imaginativo e contados na bela língua".[10] John Calvin Batchelor, revendo o livro para o The Village Voice, elogiou o livro como uma "obra-prima difícil, mas incontestável da fantasia" e elogiou o caráter de Melkor, descrevendo-o como "um cara mau impressionante", cuja "principal arma contra a bondade é a sua capacidade em corromper os homens, oferecendo-lhes armadilhas para a sua vaidade".[11]

Robert M. Adams, do The New York Review of Books chamado O Silmarillion de "um furo vazio e pomposo", "não é um evento literário de qualquer magnitude", e chegou a afirmar que a principal razão para as suas "enormes vendas" foi o "culto a Tolkien" criado pela popularidade de O Hobbit e O Senhor dos Anéis, prevendo que mais pessoas iriam comprar O Silmarillion, mas que nunca iriam lê-lo.[7] [12] O School Library Journal chamou de "apenas um pós-escrito natimorto" para obras anteriores de Tolkien.[6] Peter Conrad do New Statesman foi mais longe a ponto de dizer que "Tolkien não pode realmente escrever".[13]

Influências da obra no mundo da música[editar | editar código-fonte]

A banda alemã de power metal Blind Guardian se baseou na história de O Silmarillion para escrever o álbum Nightfall in Middle-Earth.[14] A banda britânica de neo-prog Marillion embasou-se nesse trabalho para criar o nome do grupo, assim como a banda de death metal sueca Amon Amarth, que significa "Montanha da Perdição" em Sindarin. A banda de rock'n'roll Led Zeppelin também possui, em suas letras, algumas passagens dos livros de Tolkien, como nas canções "Ramble On", "Misty Mountain Hop" e "The Battle of Evermore".

Referências

  1. a b Tolkien 2009, pp. prefácio
  2. Tolkien, J. R. R.. In: Tolkien, Christopher. The Lays of Beleriand (em inglês). [S.l.]: Ballantine, 1985. p. 433–4. ISBN 0-345-38818-6
  3. Rérolle, Raphaëlle. My father's "eviscerated" work -- son of Hobbit scribe J.R.R. Tolkien finally speaks out (em inglês). [S.l.]: Le Monde, 2012.
  4. a b c Foote, Timothy. (24 de outubro de 1977). "Middle-earth Genesis" (em inglês). TIME 110: 121 pp.. Página visitada em 04 de janeiro de 2014.
  5. a b Gardner, John. (23 de outubro de 1977). "The World of Tolkien" (em inglês). The New York Times Book Review. Página visitada em 04 de janeiro de 2014.
  6. a b Hurwitz, K. Sue. . "Pictures Used with Story Telling" (em inglês). School Library Journal.
  7. a b c Adams, Robert M.. (24 de novembro de 1977). "The Hobbit Habit" (em inglês). The New York Review of Books 24 (19): 22 pp.. Página visitada em 04 de janeiro de 2013.
  8. Jefferson, Margo (24 de outubro de 1977), Newsweek 90: pp. 114.
  9. Yamamoto, Judith T. (1 August 1977), Library Journal 102 (14): 1680, ISSN 0363-0277
  10. Cosgrave, M. S. (Abril de 1978), The Horn Book Magazine 54: 196
  11. Batchelor, John Calvin. Tolkien Again: Lord Foul and Friends Infest a Morbid but Moneyed Land. [S.l.]: The Village Voice, 1977. Página visitada em 04 de janeiro de 2014.
  12. Adams, Robert M. 'The Silmarillion and the Hobbit Habit.' New York Review of Books, 24 de novembro. Quoted in Johnson J.R.R. Tolkien: six decades of criticism (1986), p. 162
  13. Conrad, Peter (23 September 1977), New Statesman 94: 408
  14. Eden, Bradford Lee. Middle-earth Minstrel: Essays on Music in Tolkien (em inglês). [S.l.]: McFarland, 2010. p. 134. ISBN 0786456604

Bibliografia[editar | editar código-fonte]