Os Filhos de Húrin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de The Children of Húrin)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
The Children of Húrin
Os Filhos de Húrin
Autor (es) J.R.R Tolkien
Idioma Inglês
País Inglaterra
Género Fantasia
Arte de capa Alan Lee
Editora Reino Unido HarperCollins
Lançamento 16 de Abril de 2007
Páginas 320
ISBN 0618894640
Edição portuguesa
Tradução Fernanda Pinto Rodrigues
Editora Publicações Europa-América
Lançamento Maio de 2007
Páginas 314
ISBN 978-972-1-05793-7
Edição brasileira
Tradução Ronald Eduard Kyrmse[1]
Editora Martins Fontes
Lançamento 2009
Páginas 338
ISBN 9788578271985

Os Filhos de Húrin, ou Narn i Chîn Húrin, é um dos livros da obra do escritor J. R. R. Tolkien. Lançado em 2007, é o mais recente publicado pelo filho do autor, Christopher Tolkien, executor do espólio literário de J.R.R.Tolkien, que fez um trabalho de compilação e edição das notas de seu pai.

História da publicação[editar | editar código-fonte]

Os Filhos de Húrin não é a primeira história a ser publicada após a morte do autor em 1973. Já antes Christopher Tolkien foi o responsável pela publicação de O Silmarillion, uma coletânea dos principais mitos que constituíam os alicerces da ficção Tolkieniana, e para muitos dos fãs foi a sua melhor criação. Surgiram também os doze volumes de The History of Middle Earth, embora não tão vocacionados para o público em geral, e também Contos Inacabados, que é uma espécie de análise profunda de algumas histórias de O Silmarillion.

Mas Os Filhos de Húrin é o primeiro livro, dos recentemente editados, a ter a capacidade de se assumir ao nível de O Senhor dos Anéis. E é absolutamente trágico. Os finais de Tolkien não de raro são infelizes. As suas histórias contêm um sabor doce e amargo, e a vitória anda sempre a par com um profundo sentimento de perda e mágoa. Isto será ainda mais verdade em Os Filhos de Húrin.

Em Portugal, o livro contem 25 ilustrações especialmente criadas para a obra da autoria de Alan Lee (o mesmo ilustrador de outras obras de Tolkien, tendo sido convidado pelo realizador Peter Jackson para ajudar a desenhar os cenários durante as filmagens do Senhor dos Anéis).

Sendo esta uma publicação póstuma, a história contida neste livro foi iniciada pelo seu autor há várias décadas, mais precisamente em 1914. Avaliando os excertos contidos em O Silmarillion' e Contos Inacabados, esta é talvez uma das criações mais obscuras de Tolkien. É uma história sobre maldição e a impossibilidade de escapar a uma condenação ditada por Morgoth, o Sinistro Inimigo do Mundo. A história sobre a incapacidade de um homem de assumir as rédeas do seu próprio destino e desafiar as forças que aprisionam e limitam a sua vida.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Húrin, um dos maiores guerreiros humanos de antigas eras, é aprisionado por Morgoth e amaldiçoado por se recusar a trair os elfos. Acorrentado de forma mágica a uma cadeira num alto pico, é forçado cruelmente a assistir a todos os males que se abateram sobre a sua própria família. O seu filho, Túrin, faz jus à memória do pai, mas ao longo das suas inúmeras batalhas, tragédias marcam todas as suas ações e todos os que o amam. A história tem o fim trágico.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Vendas[editar | editar código-fonte]

Ilustrador Alan Lee assinando cópias de Os Filhos de Húrin

Os Filhos de Húrin estreou no número um no The New York Times Fiction Hardcover lista dos mais vendidos.[2]

De acordo com a Houghton Mifflin, a editora dos Estados Unidos, foram vendidas 900,000 cópias em papel a nível mundial nas duas primeiras semanas, o dobro das expectativas iniciais dos editores.[3] HarperCollins, a editora britânica, afirmou 330,000 exemplares foram impressos no Reino Unido nas primeiras duas semanas.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.wmfmartinsfontes.com.br/detalhes_assessoria_destaquemidia.asp?id=184
  2. The New York Times: Books-Best-Seller Lists (em inglês). The New York Times (4 de maio de 2007). Página visitada em 12 de dezembro de 2012.
  3. a b Sales soar for new Tolkien novel (em inglês). Associated Press (1 de maio de 2007). Página visitada em 12 de dezembro de 2007.
Ícone de esboço Este artigo sobre a obra de J. R. R. Tolkien é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.