Vila romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Esquema de vila rural
Esquema de vila urbana
Esquema de vila urbana sofisticada

Na Roma Antiga, as vilas (em latim: villae; singular: villa) eram originalmente moradias rurais cujas edificações formavam o centro de uma propriedade agrícola. Portanto, era uma propriedade ou residência de campo de um patrício, ou de um plebeu de grandes posses, ou de uma família campestre romana, onde normalmente se centravam as explorações agrárias de maior vulto, embora haja casos de algumas dessas propriedades que não tinham exploração agrícola associada. Esses casos normalmente consistem em villae áulicas (como sucedeu no caso da vila de São Cucufate, Vidigueira) que evoluíram a partir de explorações rurais mais modestas, como as villae de planta linear ou villae de peristilo.

Pars Urbana (Domus)[editar | editar código-fonte]

A residência senhorial ou domus possuía quase sempre todos os confortos possíveis das classes mais abastadas da civilização romana, como termas, pátios com mosaicos, salas com repuxos, piscinas, jardins ou cavalariças. Algumas dessas propriedades, as pertencentes aos patrícios, eram de tal forma grandes que incluíam um teatro e um forte para uma pequena guarnição militar. Eram geralmente circundadas por jardins e depois por uma área agrícola.

As estruturas que formavam o espaço senhorial da villa, normalmente propriedades de média ou grande escala, eram também habitadas por trabalhadores, servoss domésticos ou, mais raramente, escravos, que trabalhavam na casa e nas estruturas de transformação que funcionavam na área imediatamente anexa, como era normalmente o caso dos lagares, estruturas de fiação e tecelagem, mas também das cozinhas que abasteciam a pars urbana. Estes trabalhadores domésticos tinham ainda funções muito bem definidas relacionadas com a limpeza e manutenção dos edifícios e de todas as estruturas relacionadas.

As divisões da vila romana[editar | editar código-fonte]

As vilas eram constituídas por três partes:

  • Na pars urbana (ou parte urbana) viviam o proprietário e a sua família. Era em tudo semelhante à domus urbana de famílias abastadas. As paredes eram muitas vezes pintadas com motivos decorativos, por vezes de uma grande beleza e complexidade, mas também detinham zonas com pavimentos aquecidos, com sistema de hipocausto, lareiras centrais, mosaicos parietais e de solo, etc. Possuíam normalmente água corrente, graças a sistemas de canalizações. Outras divisões incluíam o escritório ou área de negócios, um ou vários templos, quartos, cozinhas, termas, sala ou salas de jantar (triclinium), como sucede no caso da villa de Vale do Mouro (Coriscada).
  • Na pars rustica (ou parte rústica) viviam e trabalhavam os servos e/ou escravos rurais. Esta zona da villa incluía ainda zonas de armazenamento de matérias primas ou produtos, como sucede para a farinha com as horrea, áreas de transformação de matérias primas, .
  • Na pars frumentaria situavam-se os campos, bosques, vinhas, ribeiras ou rios e toda uma série de edifícios auxiliares para a extracção ou transformação de matérias primas, como é o caso de moinhos de água ou mesmo de lagares, como é o caso de Rumansil I (Murça do Douro) que poderia constituir uma estrutura de uma villa de maiores dimensões com o seu epicentro no Prazo (Freixo de Numão).

Evolução[editar | editar código-fonte]

Quartos aquecidos por hipocaustos eram um luxo presente em algumas vilas urbanas

A grande maior parte das villae surge sob a forma mais simplificada de villae lineares. Normalmente consistem numa série de edifícios adossados ou organizados em linhas. Embora muitas destas estruturas de exploração agrícola, por alguma razão (seja por má gestão, abandono, destruição) simplesmente desaparecem. Outras evoluem para plantas, arquitectonicamente, mais complexas, como é o caso das villae em peristilo.

As villae de peristilo constituem num primeiro passo por parte do dominus ou senhor da propriedade relativamente à sua afirmação social. Normalmente, as estruturas da pars urbana organizam-se em torno de um pátio, frequentemente ajardinado e fechado, distanciando a família do proprietário da estrutura produtiva da villa. Constroem-se e re-constroem-se normalmente estruturas mais complexas e confortáveis nesta zona, sendo que a maior parte das estruturas de transformação movem-se para fora do âmbito doméstico mais intimista que a pars urbana adquere.

Finalmente e menos frequentemente nas províncias fora da península itálica, as villae podem evoluir para um último e limiar estádio arquitectónico, as villae áulicas. Exponentes máximos de luxo, estas villae já estão totalmente fora da órbita rural que possuíram anteriormente, podendo ainda assim manter alguma das produções mais caras ao proprietário e que, pelo seu cariz emblemático, possuem um lugar neste contexto de afirmação de poder e social, como sucede com a produção de vinho em São Cucufate, única villa áulica conhecida até ao momento em Portugal.

Após a desagregação do Império Romano, a casa senhorial e a propriedade rural tomaram o lugar da villa e das suas propriedades. Em muitos casos e devido à qualidade das estruturas arquitectónicas, as villae são transformadas em igrejas (como sucede com a pars urbana do Prazo) ou mosteiros (no caso de São Cucufate).

Área agrícola[editar | editar código-fonte]

O espaço envolvente à villa suportava o sistema de produção agro-pecuário, englobando, entre outras, as seguintes áreas:

  • O hortus, o jardim, a horta e o pomar;
  • O ager, campos de culturas arvenses, com um sistema de agricultura de sequeiro;
  • O saltus, pastagem arborizada, com fins pecuários;
  • A silva, a área ocupada por floresta.

Vilas romanas em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, desde o século XIX, foram descobertas várias villae, algumas em excelente estado de conservação. Eis algumas das mais importantes:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]