Vila romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Esquema de vila rural
Esquema de vila urbana
Esquema de vila urbana sofisticada

Na Roma Antiga, as vilas (em latim: villae; singular: villa) eram originalmente as moradias rurais cujas edificações formavam o centro de uma propriedade agrícola. Portanto, era uma propriedade ou residência de campo de um patrício, ou de um plebeu de grandes posses, ou de uma família campestre romana, onde normalmente se centravam as explorações agrárias de maior vulto, embora haja casos de algumas dessas propriedades que não tinham exploração agrícola associada.

Domus[editar | editar código-fonte]

A residência senhorial ou domus tinha quase sempre todos os confortos que a civilização romana denominava aos senhores com posses, como termas, jardins ou cavalariças. Algumas dessas propriedades, as pertencentes aos patrícios, tinham tal grandiosidade que incluíam um teatro e um forte para uma pequena guarnição. Eram geralmente circundadas por jardins e depois por uma área agrícola, embora haja casos de propriedades rurais sem exploração agrícola associada.

Estas propriedades agrícolas que poderiam consistir pequenas fazendas dependentes do trabalho familiar ou em grandes propriedades, essas últimas pertencentes aos patrícios, com trabalhadores escravos, ou servos, detinham as estruturas rurais que seriam necessárias para as manter, tais como um celeiro, moinho ou lagar.

As divisões da vila romana[editar | editar código-fonte]

As vilas eram constituídas por três partes:

  • Na pars urbana viviam o proprietário e a sua família. Era em tudo semelhante à habitação urbana dos cidadãos abastados. As paredes eram pintadas com motivos decorativos, por vezes de uma grande beleza e complexidade. Muitas vilas possuíam água corrente, graças a um sistema de canalizações que só muitos séculos depois voltaria a ser usado no Ocidente. Por vezes eram dotadas de um hipocausto, um sistema de aquecimento central em que o ar era aquecido sob o pavimento.
  • Na pars rustica viviam e trabalhavam os servos e escravos. Esta parte da habitação incluía ainda despensas e alojamentos para os animais domésticos.
  • Por fim, na pars frumentaria situavam-se as instalações de uso comum como os celeiros e armazéns com produtos agrícolas da vila, como por exemplo azeite, vinho, cereais ou uvas, que seriam transportados e vendidos por vezes nas mais distantes paragens do império.

Outras divisões incluíam o escritório, o templo doméstico, quartos de dormir e a sala de jantar.

Evolução[editar | editar código-fonte]

Quartos aquecidos por hipocaustos eram um luxo presente em algumas vilas urbanas

A partir do século II a.C., as vilas, cada vez mais sofisticadas e elegantes, construídas frequentemente em torno de um pátio e localizadas de forma a tirar o máximo partido da paisagem, começaram a ser edificadas como casas de campo para os ricos, sendo cultivadas por arrendatários ou sob supervisão de um administrador (vilicus).

Em tempos pós-romanos, a casa senhorial e a propriedade rural (e seus equivalentes em outros lugares na Europa Ocidental) substituíram a vila e suas propriedades.

Área agrícola[editar | editar código-fonte]

O espaço envolvente à vila suportava o sistema de produção agro-pecuário, englobando as seguintes áreas:

  • O hortus, o jardim, a horta e o pomar;
  • O ager, campos de culturas arvenses, com um sistema de agricultura de sequeiro;
  • O saltus, pastagem arborizada, com fins pecuários;
  • A silva, a área ocupada por floresta.

Vilas romanas em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal chegaram até aos nossos dias várias vilas, algumas em excelente estado de conservação. Eis as mais importantes:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]

  • [1] (informações sobre cada uma das vilas, incluindo fotografias e ilustrações)
  • [2] (informações sobre os romanos na Península Ibérica)
  • [3]
  • [4] (página 6)