Youthanasia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Youthanasia
Álbum de estúdio de Megadeth
Lançamento 1 de Novembro de 1994
Gravação 1994 em Phoenix, Arizona
Gênero(s) Heavy metal
Duração 49:57
Gravadora(s) Capitol Records
Produção Dave Mustaine, Max Norman
Cronologia de Megadeth
Último
Último
Countdown to Extinction
(1992)
Cryptic Writings
(1997)
Próximo
Próximo
Singles de Youthanasia
  1. "Train of Consequences"
    Lançamento: 1994
  2. "A Tout le Monde"
    Lançamento: 1995
  3. "Reckoning Day"
    Lançamento: 1995

Youthanasia é o sexto álbum de estúdio da banda norte americana de thrash metal Megadeth, editado a 1 de Novembro de 1994 pela Capitol Records.

O título é um "portmanteau" (amálgama) das palavras youth (juventude) e euthanasia (eutanásia), implicando que a sociedade está promovendo uma eutanásia nos jovens, o que é consistente com a visão do líder e principal compositor da banda, Dave Mustaine. A capa mostra uma idosa a pendurar bebés pelos pés, naquele que parece ser um estendal sem fim; a capa foi inspirada directamente de um verso retirado da canção "Youthanasia".

O álbum não marca um estilo diferente que o grupo tinha nas primeiras gravações, no entanto, e de acordo com a página oficial da banda, "Youthanasia marcou a evolução contínua de Megadeth, seguindo os passos do álbum anterior." (Countdown to Extinction de 1992).

Youthanasia recebeu boas criticas na altura do seu lançamento. Um sucesso comercial, estreou-se com o pico máximo na quarta posição na tabela Billboard 200. Em 1995 foi certificado como platina por ter editado mais de um milhão de cópias no Estados Unidos. Uma reedição remisturada e melhorada que inclui faixas bónus e várias notas, foi lançada a 27 de Julho de 2004.

Inicio e gravações[editar | editar código-fonte]

O álbum anterior de Megadeth, Countdown to Extinction, tornou-se o lançamento de maior sucesso da banda, estreando-se na segunda posição no Billboard 200 e eventualmente conseguiu mesmo a dupla platina. Como resultado, continuaram a esgotar salas de espectáculo por toda a América do Norte, e a criar uma forte base de fãs fora desse território. Com Youthanasia, a banda moveu-se para um som mais mainstream, popular para com as massas.[1]

Foi uma época de problemas e conflitos dentro de Megadeth, em que em cada duas semanas, segundo Mustaine, havia "intervenções emocionais ultrajantes" para que o grupo se tornasse uma democracia. Havia muitas reuniões da banda durante este período, que punham em causa o controlo criativo de Mustaine sobre uma "fórmula de sucesso", para que o resto da banda pudesse exercer melhor a sua criatividade.[2] Outro problema prendia-se com o facto de não haver ainda decisão sobre onde iriam gravar o álbum. Mustaine não o queria fazer em Los Angeles, acabando eventualmente por irem gravar para Phoenix, visto que a maior parte da banda vivia no estado do Arizona.[3] As sessões do álbum começaram no estúdio Phase Four em Março de 1994, mas foi deixado depois de aparecerem alguns problemas fazendo com que a banda decidisse procurar outro estúdio.[2] O produtor Max Norman sugeriu que fosse construído um estúdio para a banda. Em conversa sobre o processo de gravação, Dave Mustaine disse: "Youthanasia foi escrito em exclusivo e a 100 por cento no estúdio. Não estávamos a tocar nenhum material antigo. Nada do passado influenciou a nova gravação."[4] Mustaine refere também que deu "mais liberdade" aos outros membros da banda e chamou ao álbum "um esforço total do grupo".[5]

Capa e título[editar | editar código-fonte]

A capa mostra uma idosa a pendurar bebés pelos pés, naquele que parece ser um estendal sem fim. De acordo com David Ellefson, o desenho para a capa foi directamente inspirado de um verso da canção "Youthanasia": "a canção, foi provavelmente a nossa maior representação daquilo que pensamos sobre os jovens que ouvem a nossa música, e o que o futuro lhes reserva. É como uma escolha que podes fazer: ou tornas-te pro-activo ou escolhes 'Youthanasia'."[6] O título é um "portmanteau" (amálgama) das palavras youth (juventude) e euthanasia (eutanásia). Mustaine afirmou que a ideia para o título deriva de ouvir falar de Jack Kevorkian, assim como o declínio do estado para com o bem-estar dos jovens, especificamente na sua relação com as drogas, o crime, a violência e a falta de parentalidade.[3]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

“Train of Consequences”
Pequena amostra da canção.

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

Youthanasia não marca um estilo diferente que a banda tinha nas primeiras gravações. De acordo com a revista Billboard, "desde a abertura furiosa da bateria em "Addicted to Chaos", até ao thrash controlado de "Train of Consequences", Mustaine e companhia entregam-nos uma marca agressiva de raiva'n'roll com um efeito poderoso". Notaram também que mesmo as canções mais lentas, como "A Tout le Monde", têm tendência a encaminhar-se para uma "explosão vigorosa".[7] Os autores Pete Prown e Harvey P. Newquist opinaram que liricamente, Youthanasia contém "mais variações temáticas" de Megadeth. Escreveram também que o álbum é musicalmente diversificado, desde os "versos acústicos e lentos" de "A Tout le Monde" até aos riffs "perigosos" de "Train of Consequences" e "Family Tree".[8] A revista Q diz que as imagens de marca de Megadeth, como os "riffs crocantes, tambores trovejantes e vozes amargas", estão presentes no álbum, com as letras a serem mais "introspectivas".[9] Sandy Masuo da Los Angeles Times diz que "Youthanasia ferve com a guitarra pungente do costume, metralhando riffs e ritmos implacáveis ​​infundidos com uma melodia secreta. A voz de Mustaine parece mais profunda, o que aumenta os seus comentários sobre as falhas fatais da sociedade (e as suas próprias)."[10]

Já lhe chamaram álbum de thrash, álbum de rock, e até mesmo álbum de música alternativa. Para mim apenas pode ser chamado de álbum de Megadeth. É o suficiente.

Dave Mustaine, sobre o género do álbum.[5]

Mike Stagno disse que Youthanasia contém "um tipo de metal mais tradicional". Stagno explica também que apesar da música de algumas faixas permanecerem "muito pesadas", era óbvio que neste álbum, o thrash metal era "muito escasso".[11] Stephen Thomas Erlewine concorda que Megadeth "alguns elementos mais experimentais e progressivos da sua música".[12] Similarmente, Chris Ayers da revista canadiana Exclaim!, sentiu que com Youthanasia, a banda "eliminou o seu thrash brilhante para um som de meio-tempo".[13] De acordo com a página oficial da banda, "Youthanasia marcou a evolução contínua de Megadeth, seguindo os passos do álbum anterior."[14] Em conversa sobre a direcção estilística do álbum, o guitarrista Marty Friedman afirmou: "Usamos essencialmente as nossas armas. Não é como se fossemos mudar o próximo álbum para tentar seguir a tendência. Nós não mudamos com os tempos."[15]

Lançamento e digressão[editar | editar código-fonte]

Dave Mustaine atribuiu mais tarde a toda a banda os créditos de Youthanasia, como um tributo ao sucesso do grupo durante aquele período.

Youthanasia foi editado a 1 de Novembro de 1994 pela Capitol Records.[12] Foi um sucesso comercial, estreando-se com o pico máximo na quarta posição na tabela Billboard 200, com mais de 143,000 unidades vendidas na primeira semana.[16] Um pouco abaixo da posição máxima do seu antecessor, Countdown to Extinction, que conseguiu a segunda posição em 1992.[17] Várias semanas após o lançamento, foi certificado com platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) por ter editado mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos.[18] O álbum também conseguiu entrar nos dez primeiros lugares no Reino Unido,[19] bem como noutros países.[20] Acabou por receber eventualmente a certificação de platina pela Music Canada e o prémio de prata da British Phonographic Industry (BPI), por ter editado 100,000 e 60,000 cópias respectivamente.[21] [22] Uma reedição remisturada e melhorada que inclui faixas bónus e várias notas, foi lançada a 27 de Julho de 2004.[23]

Foram retirados três singles de Youthanasia: "Reckoning Day",[24] "Train of Consequences" e "A Tout le Monde".[14] "A Tout le Monde" foi mais tarde regravado com Cristina Scabbia, vocalista de Lacuna Coil, com o título "À Tout le Monde (Set Me Free)". Esta versão foi mais tarde editada como single, e incluída no álbum United Abominations em 2007.[25] Tanto "Train of Consequences" como "A Tout le Monde" entraram na tabela Mainstream Rock Tracks.[17]

Megadeth fizeram uma digressão extensa para suportar Youthanasia. Começaram em Novembro de 1994, com espectáculos na América do Sul.[26] Continuaram em 1995, com várias bandas de suporte como Korn, Flotsam and Jetsam e Fear Factory.[27] Durante este período a banda também visitou a Europa, onde ficaram oito semanas. David Ellefson partilhou as suas impressões ao interpretar em frente aos fãs europeus: "Até agora, o público tem sido muito bom e parece que o heavy metal, e especialmente Megadeth, está na linha da frente da música na Europa. Parece que o público é agora melhor do que nunca".[4] A digressão mundial terminou em Setembro de 1995, com a banda a tocar no festival Monsters Of Rock na América do Sul, juntamente com Ozzy Osbourne e Alice Cooper, como cabeça de cartaz.[26]

Numa entrevista ao Hard Rock Examiner, Dave Mustaine revelou a possibilidade "muito grande" de Megadeth vir a tocar o álbum na integra em 2014, em homenagem aos 20 anos de aniversário do lançamento de Youthanasia.[28]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg[12]
Entertainment Weekly B−[29]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svg[10]
Metal Forces 7.5/10[30]
Q 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[9]
The Rolling Stone Album Guide 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg[31]
Sputnikmusic 4/5[11]

O álbum recebeu criticas positivas na altura do lançamento. Stephen Thomas Erlewine, analisou-o para o site Allmusic, comentando que, falta-lhe foco se comparado com Countdown to Extinction. No entanto, Erlewine sugere que a produção do álbum compensa esse facto. Também fala em favor de "Train of Consequences", chamando à música "riffs martelados".[12] Mike Stagno do Sputnikmusic analisou Youthanasia positivamente, fazendo notar que tal como o antecessor, foi um afastamento distinto do som ouvido em Rust in Peace (1990). Stagno sugere que a falta de um ritmo rápido é compensado pelas faixas que facilmente são lembradas.[11]

Numa critica contemporânea, a revista Q deu ao álbum quatro em cinco estrelas refere que Youthanasia tem "maior profundidade e amplitude do que os seus antecessores".[9] Tom Sinclair da Entertainment Weekly, deu a classificação B-, e com uma análise curta diz que Youthanasia pode "impressionar, mas sem impacto."[29] Neil Arnold da Metal Forces chamou ao álbum "o verdadeiro e último opus de Megadeth, antes da crise até final da década de '90". Também refere que é "pálido em comparação com os registos clássicos de Megadeth" mas ainda mantém a banda "no seu elemento".[30] Paul Corio, numa análise retrospectiva da Rolling Stone, escreveu que o álbum tem música "metal-máquina" e que está "calibrada para matar". Deu especial ênfase às faixas "Elysian Fields" e "Victory", como exemplos de Mustaine no seu melhor.[32] Apesar da rejeição por parte de alguns fãs, Pete Prown chamou a Youthanasia "mais do que um digno sucessor" de Countdown to Extinction.[8]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por Dave Mustaine, excepto onde anotado.[33] [†]

# Título Letra Música Duração
1. "Reckoning Day"   Dave Mustaine, David Ellefson Mustaine, Marty Friedman 4:34
2. "Train of Consequences"       3:26
3. "Addicted to Chaos"       5:26
4. "A Tout le Monde"       4:28
5. "Elysian Fields"   Mustaine, Ellefson   4:03
6. "The Killing Road"       3:57
7. "Blood of Heroes"       3:57
8. "Family Tree"     Mustaine, Ellefson, Nick Menza 4:07
9. "Youthanasia"       4:09
10. "I Thought I Knew It All"     Mustaine, Friedman, Ellefson, Menza 3:44
11. "Black Curtains"     Mustaine, Friedman 3:39
12. "Victory"       4:27
Duração total:
49:57

† Na reedição de 2004, Dave Mustaine refere que todas as canções foram compostas por Ellefson/Friedman/Menza/Mustaine.[2]

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Vendas/remessas
Canadá (Music Canada)[21] Platina 100,000
Finlândia (Musiikkituottajat)[37] Ouro 20,000[37]
Reino Unido (BPI)[22] Prata 60,000
Estados Unidos (RIAA)[18] Platina 1,000,000^

Pessoal[editar | editar código-fonte]

Créditos foram retirados das notas do álbum.[2] [33]

Megadeth
Músicos adicionais
  • Jimmie Wood – harmónica em "Train of Consequences" e "Elysian Fields"
Produção
  • Produzido e misturado por Max Norman e Dave Mustaine
  • Engenheiro de áudio e assistente – Mike Tacci
  • Segundo assistente e técnico de bateria – Bruce Jacoby
  • Técnico de guitarra – Michael Kaye
  • Master tape por Bob Ludwig
Reedição de 2004
  • Produzido por Dave Mustaine
  • Misturado por Ralph Patlan e Dave Mustaine
  • Engenharia por Ralph Patlan com Lance Dean
  • Edição por Lance Dean e Scott "Sarge" Harrison com Bo Caldwell
  • Master tape por Tom Baker

Referências

  1. Stephen Thomas Erlewine. Megadeth - Biography. AllMusic. Página visitada em 18-9-2013.
  2. a b c d Youthanasia liner notes (2004 remaster). [S.l.: s.n.], 2004.
  3. a b Rene, Sheila. "Sodom and Gomorra" - 1995 Dave Mustaine interview archived at The Realms of Deth Rockmetal.pl. Página visitada em 8-3-2013.
  4. a b Megadeth Conquers Globe. Rockmetal.art.pl Megadeth CyberArmy (1995). Página visitada em 16-9-2013.
  5. a b P.J. Merkle (Maio de 1995). Megadeth: Bewitched, Bothered and Bewildered. Rockmetal.art.pl Hit Parader. Página visitada em 16-9-2013.
  6. Megadeth Trash Pantera. MTV (4-11-2002). Página visitada em 4-9-2013.
  7. Verna, Paul; Cronin, Peter. (26-11-1994). "Album Reviews". Billboard. Página visitada em 4-9-2013.
  8. a b Prown, Pete; Newquist, Harvey P.. Legends of Rock Guitar: The Essential Reference of Rock's Greatest Guitarists. [S.l.]: Hal Leonard Corporation, 1997. ISBN 0-7935-4042-9 Página visitada em 4-9-2013.
  9. a b c Megadeth - Youthanasia CD Album. CD Universe Q. Página visitada em 11-11-2012.
  10. a b Masuo, Sandy (30-10-1994). In Brief: *** Megadeth, "Youthanasia," Capitol. Los Angeles Times. Página visitada em 12-11-2013.
  11. a b c Mike Stagno (15-11- 2006). Megadeth - Youthanasia (staff reviews). Sputnikmusic. Página visitada em 3-3-2012.
  12. a b c d Stephen Thomas Erlewine. Youthanasia - Megadeth. AllMusic. Página visitada em 3-3-2012.
  13. Chris Ayers (Março de 2005). Megadeth: Remixed and Remastered Series Exclaim!. Página visitada em 1-10-2013.
  14. a b Youthanasia (1994) Megadeth.com. Página visitada em 4-9-2013.
  15. Gary James. Marty Friedman - Megadeth Famous Interview.com. Página visitada em 4-9-2013.
  16. Keith Caulfield (12-6-2013). Queens Of The Stone Age Get First No. 1 Album On Billboard 200 Billboard. Página visitada em 28-9-2013.
  17. a b c d e Megadeth - Awards. AllMusic. Página visitada em 24-2-2013.
  18. a b RIAA Gold and Platinum Database Search. Recording Industry Association of America. Página visitada em 24-9-2009.
  19. a b c Chart Stats - Megadeth Chart Stats. Arquivado do original em 30-5-2012. Página visitada em 24-2-2013.
  20. a b c d e f g h Megadeth - Youthanasia. swedishcharts.com. Página visitada em 28-8-2013.
  21. a b Canadian album certifications – Megadeth – Youthanasia. Music Canada. Página visitada em 5-9-2013.
  22. a b BPI Certifications and Awards. British Phonographic Industry. Página visitada em 4-9-2013.
  23. Megadeth: Complete Reissue Details Revealed. Blabbermouth.net (5-7-2004). Página visitada em 4-9-2013.
  24. Megadeth Discography: Singles & EPs. Discogs. Página visitada em 4-4-2014.
  25. Megadeth: "A Tout Le Monde (Set Me Free)" Video Posted Online. Roadrunner Records Blabbermouth.net (19-4-2007). Página visitada em 24-2-2014.
  26. a b History. Megadeth.com. Página visitada em 19-9-2013.
  27. Título não preenchido, favor adicionar. Roadrunner Records (8-2-2012). Página visitada em 19-9-2013.
  28. Elliot Levin (3-10-2013). Mustaine Says There Is A "Very Big Chance" Megadeth Will Perform Entire Youthanasia Album. Blabbermouth.net Examiner. Página visitada em 4-10-2013.
  29. a b Tom Sinclair (4-11-1994). Music Review: "Youthanasia Review" Entertainment Weekly. Página visitada em 11-11-2012.
  30. a b Arnold, Neil. Megadeth: Youthanasia Metal Forces. Página visitada em 8-8-2013.
  31. Brackett, Nathan; Christian Hoard. The Rolling Stone Album Guide. Nova Yorque: [s.n.], 2004. ISBN 0-7432-0169-8
  32. Corio, Paul. (Arquivado em 1-10-2007). "Megadeth - Youthanasia: Album Review". Rolling Stone. Página visitada em 11-11-2012.
  33. a b Youthanasia liner notes (edição de 1994). [S.l.]: Capitol Records, 1994.
  34. (14-11-1994) "Top 100 Albums" (DjVu). RPM 60 (17). Library and Archives Canada.
  35. Chartverfolgung / Megadeth / Longplay. Página visitada em 7-3-2013.
  36. メガデス-ORICON STYLE ミュージック. Oricon. Página visitada em 7-3-2013.
  37. a b Certificações (Finlândia) (álbum) – Megadeth – Youthanasia. Musiikkituottajat. Página visitada em 7-4-2014.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]