Análogo à Terra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Impressão artística de Kepler-62f, um dos exoplanetas confirmados com maior IST.

Um análogo à Terra (também definido como gêmeo da Terra, exoterra, segunda Terra, Terra alienígena, Terra 2 ou planeta tipo-Terra) é um planeta ou mundo semelhante às condições encontradas na Terra.[1] Para ser considerado um analógico terrestre, um corpo planetário deve orbitar a sua estrela na zona habitável do sistema (coloquialmente chamada de zona "Cachinhos Dourados"),[2] tem uma massa e raio semelhantes às da Terra, têm composição atmosférica adequada, pertencente a uma estrela semelhante ao Sol e ter o resto de nossas características básicas planeta que permitem, em conjunto com o acima exposto, a presença de vida como nós a conhecemos.[3][4][5]

Desde 1995, os astrônomos Michel Mayor e Didier Queloz descobriram o primeiro exoplaneta orbitando uma estrela semelhante ao Sol, 51 Pegasi b,[6] o objetivo principal dos especialistas em exoplanetologia tem sido encontrar uma segunda Terra.[7] Nos anos e mesmo após o lançamento do telescópio Kepler, as descobertas eram em sua maioria gigantes gasosos que orbitavam suas estrelas a distâncias muito pequenas, dadas as limitações dos instrumentos da época.[8] Estes organismos, chamados Jupíteres quentes, muita influência nas estrelas e transitam frequentemente em frente a eles, levando a um viés refletindo um claro domínio deste tipo de planetas do resto.[9] Ao longo do tempo, a melhoria das ferramentas de pesquisa (especialmente após o lançamento do telescópio Kepler em 2009) inverteu a tendência, sendo evidente o predomínio de corpos telúricas semelhantes à Terra acima das massas maiores.

A possibilidade de encontrar um análogo à Terra tem um interesse especial para a humanidade, visto que pode inferir-se que a maior semelhança entre um exoplaneta e a Terra, aumenta a probabilidade de que pode sustentar vida alienígena e até mesmo uma possível civilização alienígena.[10] Como tal tem sido um tema frequentemente tratados no campo da ciência, do cinema, da literatura e da filosofia.[11][12] Em última análise, a descoberta e colonização de tais planetas seria garantir a sobrevivência da humanidade para catástrofes mundiais como a própria morte do Sol.[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «NASA's Kepler Discovers First Earth-Size Planet In The 'Habitable Zone' of Another Star» (em inglês). NASA. 17 de abril de 2014. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  2. «Earth, our Goldilocks Planet» (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. 17 de abril de 2014. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  3. «What Makes an Earth-Like Planet? Here's the Recipe» (em inglês). Space.com. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  4. «Habitable Zone for Alien Planets, and Possibly Life, Redefined» (em inglês). Space.com. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  5. «Getting to Know the Goldilocks Planet» (em inglês). NASA Science. 29 de março de 2012. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  6. «A Jupiter-mass companion to a solar-type star» (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2015. 
  7. «Kepler Mission Rockets to Space in Search of Other Earths» (em inglês). NASA. 6 de março de 2009. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  8. «Learning from hot Jupiters» (em inglês). MIT Kavli Institute. 15 de dezembro de 2010. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  9. «Otro planeta extrasolar: un Júpiter "templado"» (em inglês). El Mundo. 17 de março de 2010. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  10. «Most liveable alien worlds ranked» (em inglês). 23 de novembro de 2011. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  11. «What movies can teach us about life in space» (em inglês). 14 de novembro de 2014. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  12. «Popular Colonization Science Fiction Books» (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2015. 
  13. «Death of a Sunlike Star: How It Will Destroy Earth» (em inglês). Space.com. 10 de outubro de 2013. Consultado em 15 de junho de 2015. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]