Angels & Demons (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Angels & Demons
Anjos e Demónios (PT)
Anjos e Demônios (BR)
 Estados Unidos
2009 •  Cor •  146 min 
Direção Ron Howard
Produção Brian Grazer
Ron Howard
Roteiro Akiva Goldsman
David Koepp
Baseado em Dan Brown
Elenco Tom Hanks
Ewan McGregor
Ayelet Zurer
Stellan Skarsgard
Pierfrancesco Favino
Armin Mueller-Stahl
Género Policial
Suspense
Música Hans Zimmer
Companhia(s) produtora(s) Columbia Pictures
Imagine Entertainment
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Portugal 14 de Maio de 2009
Estados Unidos 15 de Maio de 2009
Brasil 15 de Maio de 2009
Idioma inglês
italiano
Latim
Orçamento US$ 150 milhões
Receita US$ 485 930 816
Cronologia
Último
O Código Da Vinci (2006)
Inferno (2016)
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Angels & Demons (Anjos e Demônios (título no Brasil) ou Anjos e Demónios (título em Portugal)) é um filme americano baseado no romance homônimo (Anjos e Demônios), escrito por Dan Brown. O filme foi lançado mundialmente no dia 15 de maio de 2009, distribuído pela Sony, produzido por Brian Grazer e adaptado ao cinema por Akiva Goldsman. Ron Howard voltou a direção, Tom Hanks interpreta novamente o professor Robert Langdon, Ayelet Zurer interpreta a física italiana Vittoria Vetra e Ewan McGregor interpreta Patrick McKenna, o camerlengo do papa, que ajudará Langdon nas investigações.

A equipe de produção do filme trabalhou intensamente para conseguir lançar um teaser trailer na mesma altura do lançamento do quinto romance de Dan Brown, The Lost Symbol/português do Brasil O Símbolo Perdido. Entretanto o lançamento do livro foi adiado para setembro de 2009. Antes de The Lost Symbol, foram lançados o Código da Vinci, Anjos e Demônios, Ponto de Impacto (A Conspiração em Portugal) e Fortaleza Digital.

Após o sucesso de O Código Da Vinci e Anjos e Demônios, o estúdio japonês Sony Pictures confirmou que Tom Hanks voltará a interpretar o simbologista Robert Langdon no terceiro filme da franquia "The Da Vinci Code" que se chamará Inferno, e será baseado no best-seller homônimo. O filme será dirigido por Ron Howard, como os anteriores.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Depois de um bizarro homicídio no CERN, na Suíça, Robert Langdon é chamado para investigar um desaparecimento meticulosamente planejado de uma substância perigosa conhecida como antimatéria. Para além disso, um emblema Illuminati queimado sobre o cientista morto reaviva a hipótese dessa sociedade secreta ainda existir, lançando Langdon numa procura às respostas das questões levantadas pelos recentes acontecimentos. A história é desenrolada durante o Conclave, diante de uma Roma que acompanha de perto a eleição papal e os misteriosos assassinatos de Cardeais.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco de Dublagem (Brasil)[2] [editar | editar código-fonte]

Outras vozes

Samir Murad, Carla Pompilio, Manolo Rey, Márcia Morelli, Sérgio Stern, Teresa Cristina, Philippe Maia, Jullie, Carlos Alberto, Christiane Louise, Duda Espinoza, Carmen Sheila, Ayrton Cardoso. 

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a Sony adquiriu os direitos da produção de Angels & Demons e The Da Vinci Code através de um acordo com o autor Dan Brown. Em maio de 2006, seguindo ao lançamento da adaptação cinematográfica do segundo livro, a Sony contratou o roteirista Akiva Goldsman, que escreveu o roteiro, para iniciar uma adaptação de Angels & Demons.[3] As filmagens foram agendadas para início em fevereiro de 2008 e o filme seria lançado em dezembro do mesmo ano[4] , porém, por conta da Greve dos roteiristas dos Estados Unidos, as filmagens foram paralisadas e o título foi adiado para maio de 2009.[5] David Koepp reescreveu o roteiro antes do reinício das filmagens.[6]

O diretor Ron Howard optou por trabalhar Angels & Demons como uma sequência do que como uma prequela, já que o grande público veio a conhecer este livro após o sucesso do primeiro filme. Howard aprovou a ideia de moldar Robert Langdon como um personagem mais maduro e confiante do que no primeiro filme.

Comparações com o livro[editar | editar código-fonte]

O longa de Anjos e Demônios apresenta algumas "pequenas" diferenças em relação ao livro, embora a trama principal permaneça a mesma. A comparação estabelecida aqui não revela detalhes da trama principal. Se você ainda não leu o livro, nem viu o filme, pode continuar sem medo.

No livro, Vittoria Vetra é filha do pesquisador assassinado, que se chama Leonardo Vetra. No longa, não há essa relação de parentesco e o personagem tem outro nome, Silvano Bentivoglio.

O diretor do CERN, Maximilian Kohler, que tem função importante no livro (ele é quem convoca Robert Langdon para o caso e também tem participação no desfecho da trama), não existe no filme. Suas ações são executadas por outros personagens.

Além de Leonardo Vetra, outros personagens - como o camerlengo - também têm nomes diferentes. No livro, o camerlengo é um italiano chamado Carlo Ventresca. No filme, é um americano (ou irlandês) chamado Patrick McKenna.

Boicote[editar | editar código-fonte]

O L'Osservatore Romano, jornal oficial do Vaticano, publicou um artigo, dizendo que a Igreja "não poderia aprovar" um filme tão problemático.[7] [8] O jornal de Turim La Stampa disse que o Vaticano iria em breve convocar um boicote contra o filme, ainda que no mesmo artigo o Arcebispo Velasio De Paolis tenha advertido contra o "efeito bumerangue", que poderia chamar mais a atenção ao filme e até torná-lo mais popular.[9]

Produtores pediram permissão a autoridades da Igreja para filmar cenas de Anjos e Demônios no Vaticano, mas os pedidos foram negados.[10]

Membros da Igreja defenderam um boicote contra O Código da Vinci quando foi lançado em 2006, mas teve um efeito muito pequeno na popularidade do filme, baseado no best-seller de Dan Brown.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Angels & Demons tem recepção mista por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 37% em base de 249 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: "Angels & Demons é um passeio de emoção em ritmo acelerado, e uma melhoria em relação a última adaptação de Dan Brown, mas a história muitas vezes oscila entre implausível e ridículo e não se traduz de forma eficaz para a tela grande". Por parte da audiência do site tem 57% de aprovação.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bridi, Natália (16 de julho de 2013). «Inferno: Adaptação do livro de Dan Brown já tem data para chegar aos cinemas». Omelete. 
  2. Fórum Dublanet
  3. Fleming, Michael (23 de maio de 2006). «Brown's "Angels" flies to bigscreen». Variety. 
  4. Flenning, Michael (24 de outubro de 2007). «Howard moves fast with "Code" sequel». Variety. 
  5. Siegel, Tatiana (16 de novembro de 2007). «'Da Vinci' prequel hit by strike». Variety. 
  6. Siegel, Tatiana (11 de junho de 2008). «Koepp hopes to keep 'Town' rolling». Variety. 
  7. «Demons "harmless", says Vatican». BBC News. 7 de maio de 2009. 
  8. Singh, Anita (7 de maio de 2009). «Angels & Demons: Vatican breaks silence to review film». The Daily Telegraph. 
  9. Lyman, Eric J. (20 de março de 2009). «"Angels & Demons" may face Vatican boycott». The Hollywood Reporter. 
  10. Povoledo, Elisabetta (24 de junho de 2008). «Dan Brown Tourists: Next Stop, Rome?». The New York Times. 
  11. «Angels & Demons» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 21 de março de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]