Cristianização (política)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cristianização.

Cristianização, na política brasileira, é a situação em que um candidato perde o apoio do seu partido, que passa a apoiar outro com mais chances de vitória numa eleição[1].

Origem[editar | editar código-fonte]

A palavra é derivada de Cristiano Machado, que se candidatou à presidência da república em 1950 pelo PSD. Ao longo da campanha, embora formalmente apoiado pelo partido, Cristiano viu-se abandonado pelos principais líderes, que passaram a defender a candidatura de Getúlio Vargas, do PTB, que acabou vencendo a eleição[2]

Outros exemplos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cristianização e eleições. UOL Vestibular
  2. Candidato do PSD é 'cristianizado'. Memorial da Democracia
  3. Traição partidária marca campanha para presidente de Cristiano Machado em 1950. O Globo, 26 de junho de 2014
  4. Cristianização. O Globo, 23 de junho de 2006
  5. "Cristianização cruzada". Folha de S.Paulo, 7 de setembro de 2010