Gorjeta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barista a contar gorjetas.

A gorjeta é uma pequena quantia paga espontaneamente a alguém, de forma suplementar ao preço devido, à título de agradecimento pela prestação satisfatória de um serviço.[1][2][3][4][5] O pagamento de gorjetas também é utilizado pelo cliente como forma de atrair a atenção do prestador de serviços e incentivar seu esforço[6], ou mesmo para exibir riqueza e demonstrar generosidade.[7]

Historicamente, o pagamento da gorjeta é realizado pelo cliente diretamente ao trabalhador que o atendeu, contudo estabelecimentos comerciais vêm adotando a cobrança de taxas de serviço, que visam a constituição de um caixa para posterior distribuição entre todos os empregados, em substituição da gorjeta individual.[8][9] No Brasil, a legislação trabalhista considera como gorjeta tanto as taxas de serviço quanto as gorjetas propriamente ditas.[10][11]

Apesar de não ser obrigatória, a recusa no pagamento ou mesmo o pagamento a menor de gorjetas é encarada em vários países como uma crítica do cliente ao atendimento que recebeu no estabelecimento comercial.[10][6] Em outros países, notadamente aqueles do Extremo Oriente, dar gorjeta pode ser ofensivo ou ilegal.[12]

Existem diversas expressões populares que são usadas como sinônimos de gorjeta, tais como: "adiafa", "anhapa", "caixinha", "espórtula", "gage", "gruja", "inhapa", "japa", "lambidela", "lambuja", "lambujem", "mata-bicho", "molha", "molhadela", "molhadura", "mota", "potaba", "propina", "queijada", "sobrepaga", "xixica".[2][4][13][14][15][16]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Um jovem empregado é tentado pela bebida oferecida por seus colegas de trabalho (1840), charge inglesa

O termo gorjeta vem do termo latino gurg (ou gurges[17]), que significa "garganta", sendo uma derivação do termo gorja, que corresponde a uma bebida para molhar a garganta ou à quantidade de dinheiro para pagar essa bebida.[2][3][4][9] No século XVIII, a palavra era grafada como "gurgeta".[18]

Essa mesma origem pode ser observada na palavra em francês para gorjeta, pourboire, que significa literalmente "para beber"[9][19], e no alemão Trinkgeld, literalmente "dinheiro para beber".[18] Em português, um vestígio dessa origem pode ser percebido em expressões como “molhar a garganta”, que faz referência à recompensa pelo serviço, ou em "para um cafezinho" e "para uma cervejinha", pronunciadas como justificativas para a gorjeta.[9][17][19]

A palavra propina também se origina dessa prática, pois resulta da combinação do prefixo latino “pro” (que significa “para”) e o termo grego “pinein” (que significa “beber”). Em Portugal, a palavra propina é considerada sinônimo de gorjeta, embora seja mais utilizada para se referir à qualquer tipo de taxa de matrícula.[9]

História[editar | editar código-fonte]

A origem da prática de dar gorjetas é incerta.[6] Alguns alegam que tenha se iniciado na Idade Média, como forma de fazer com que as moças que trabalhavam em tavernas não parassem de servir cerveja.[20] Outros afirmam que originou-se de um costume alemão do século XVI, segundo o qual o prestador de um serviço era frequentemente agraciado com um bebida para "molhar a garganta" ou com o dinheiro para comprá-la.[9] Há aqueles que afirmam que teve início na Inglaterra da Dinastia Tudor, correspondendo a uma quantia em dinheiro que era dada pelos hóspedes de mansões aristocráticas aos servos da casa, que logo se espalhou para estabelecimentos comerciais.[6][21] Outra versão informa que o hábito teria surgido na Grécia, onde se passou a deixar um pouco de vinho nos copos para que os serventes pudessem bebe-lo por conta do cliente.[22][23]

Após a restauração da monarquia na Inglaterra, as classes mais abastadas do país desenvolveram o costume de visitar propriedades rurais com permissão do proprietário, o que gerava nos porteiros, jardineiros e governantas a expectativas de ganhar gorjetas.[24] Nos Estados Unidos, o costume passou a ser comum após o fim da Guerra de Secessão,[20] assimilado e espalhado pelos americanos que visitaram a Europa no período.[6]

Malandro que ofereceu ajuda com a bagagem de uma senhora e recebeu uma pequena gorjeta (1913), charge do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

No início do Século XIX, a burocracia alfandegária e os baixos salários pagos no Porto do Rio de Janeiro provocavam tamanho embaraço ao despacho de carga que a situação virtualmente só era resolvida com o pagamento de gorjetas aos envolvidos.[25] Em Portugal, passou a ser atitude desagradável a partir da Revolução Nacional, somente voltando a ser encarada como algo comum com a retomada da democracia e alta do turismo, especialmente o turismo de luxo, que elevou bastante o valor das gorjetas.[6]

Em 2017, a empresa Uber começou a enfrentar problemas em alguns estados dos Estados Unidos em razão do hábito dos clientes darem gorjetas em dinheiro aos motoristas do aplicativo,o que era proibido pelas leis de transporte compartilhado desses locais. A empresa definia que as gorjetas representavam velhos hábitos que deveriam evoluir e requeria que seus motoristas não aceitassem os valores e obedecessem as leis locais. Contudo, a partir de junho do mesmo ano, a empresa voltou atrás e passou a disponibilizar um sistema de gorjetas via aplicativo em 3 cidades (Seattle, Mineápolis e Houston) com planos para expansão para todo o país, nos moldes praticados por suas concorrentes, como a empresa Lyft.[26][27]

Aspectos sócio-econômicos[editar | editar código-fonte]

Argumenta-se que, historicamente, a gorjeta é utilizada pelos empregadores como forma de manter o salário de seus empregado baixo e transferir ao cliente a complementação salarial por meio da gorjeta, como uma espécie de ação assistencialista, sujeita à boa vontade do cliente, que cria desigualdade entre os trabalhadores. Por esta razão, esse hábito sofria oposição das ideologias socialistas, cuja repulsa pela gorjeta é comumente referida por meio das palavras do socialista radical estadunidense Upton Sinclair, segundo o qual “quem dá uma gorjeta transforma um homem em lacaio, uma mulher em aia ou em prostituta”.[6][22]

De todo modo, há que se considerar que, por se tratar de uma renda complementar que pode, em certas profissões, superar o próprio salário (caso dos garçons, por exemplo), a discricionariedade do cliente constitui um ponto negativo na medida em que traz incerteza à renda do trabalhador.[10][6] Por outro lado, contudo, essa mesma discricionariedade pode ser encarado positivamente, na medida em que motiva os trabalhadores a buscar a excelência no atendimento ao cliente, aumentando a produtividade e a eficiência dos funcionários.[8]

Nos Estados Unidos, as gorjetas movimentam cerca de 44 bilhões de dólares por ano no setor alimentício.[7] Ainda assim, existe um corrente de empresários em defesa da abolição das gorjetas, cuja causa de fundamenta em pesquisas que vão além da percepção de que este sistema permite que os empregados de mesa recebam salários abaixo do salário mínimo nacional em diversos estados.[28]

Em 2012, um estudo publicado pela Harvard Business School encontrou uma forte correlação entre o hábito de dar gorjetas e o a corrupção em um país, de modo que os países nos quais a prática é mais comum estão entre aquelas com posições mais altas no índice de percepção de corrupção.[29] Outros estudos publicados pelo especialista em gorjetas Michael Lynn, professor na Universidade Cornell, demonstrou que o valor das gratificações pode estar mais relacionado à aparência ou à raça do servidor do que com a qualidade do serviço.[28] Há ainda estudos que revelam que os trabalhadores estadunidenses que recebem gorjetas dependem mais de programas assistenciais do governo que aqueles cujo salário não pressupõe o pagamento de gorjetas, bem como que as gorjetas incentivam assédio sexual de clientes e desigualdade entre funcionários.[7]

Contudo, a experiência de restaurantes de alto padrão dos Estados Unidos têm demonstrado que, enquanto que a gorjeta serve como base para a desigualdade entre trabalhadores da mesma equipe, as taxas de serviço possibilitam ao empregador pagar os funcionários mais equilibradamente. Por esta razão, alguns restaurantes têm favorecido substituição da gorjeta pela taxa de serviço.[7]

No Brasil, a partir da edição da Lei nº 13.419 de 2017, que alterou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no tocante à regulamentação do pagamento de gorjetas, alguns restaurantes em São Paulo elevaram suas taxas de serviço de 10% para 13%, sob a justificativa de que houve majoração de custos trabalhistas, que implicaram perdas tanto para o empregador quanto ao empregado, dificultaram a retenção de mão de obra qualificada e deram causa a muitas reclamações trabalhistas. Apesar de que esse ajuste tivesse por objetivo evitar o aumento do preço aos produtos comercializados pelas empresas, houve quem argumentasse que isso contribui para que o cliente recuse o pagamento da taxa, prejudicando apenas o funcionário.[10][30]

Conta de restaurante com gorjeta inclusa

Aspectos jurídicos[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Direito do Consumidor[editar | editar código-fonte]

Em 2004, o Ministério da Justiça afirmou na Nota Técnica nº 134 de 2004 que a exigência de pagamento obrigatório de taxa de serviço de 10% a título de gorjeta era considerada prática abusiva, na forma do art. 39, I, do Código de Defesa do Consumidor, pois configuraria a transferência dos encargos do estabelecimento ao consumidor.[31]

Direito Previdenciário[editar | editar código-fonte]

A redação original da Lei Orgânica da Seguridade Social não mencionava as gorjetas.[32] Porém, alterações realizadas no final da década de 90 fizeram menção específica a ela integrar a definição de salario de contribuição (art. 28, I) e a base de cálculo para o pagamento da cota patronal das contribuições previdenciárias (art. 22, I).[33]

Direito do Trabalho[editar | editar código-fonte]

A redação original da CLT mencionava a gorjeta apenas no caput de seu artigo 457 e no §2º de seu artigo 582. Contudo, alterações legislativas ao longo dos anos alteraram estes artigos, bem como acresceram menção à gorjeta no art. 29 da CLT.[34]

Em resumo, o texto da CLT determina que o empregador deve anotar a estimativa de gorjetas a ser recebida na carteira de trabalho (CTPS) do empregado (Art. 29), que a gorjeta se soma ao salário para compor a remuneração do trabalhador (art, 457, caput), que considera-se gorjeta tanto os valores pagos espontaneamente pelo cliente ao trabalhador quanto aquele cobrado do cliente pelo empregador para ser distribuída entre todos os empregados (art. 457, §3º) e que as contribuição sindical do empregado que recebe gorjeta deve equivaler a 1/30 do valor que tiver servido de base, no mês de janeiro daquele ano, para a contribuição do empregado à Previdência Social (Art. 582, §2º).[34]

Com base nestes artigos, a doutrina e a jurisprudência brasileira denominam as gorjetas dadas pelo cliente e aquelas cobradas pela empresa (taxas de serviço) como gorjetas próprias e impróprias[11][35], gorjetas espontâneas e compulsórias[36][37], ou ainda gorjetas facultativas e obrigatórias.[11][38] Por outro lado, entendem que as gorjetas não se confundem com salário em razão de ser paga por um terceiro (o cliente) e não pelo empregador e não podem ser consideradas para compor o salário mínimo pago ao empregado ou o piso salarial da categoria (cujo pagamento é obrigação do empregador).[38][39][40]

Em virtude da Súmula nº 354 do Tribunal Superior do Trabalho, ambos os tipos de gorjeta não servem de de base de cálculo para as parcelas de aviso prévio, adicional noturno, horas extras e repouso semanal remunerado[41]. Também se argumenta que as gorjetas não devem ser consideradas para o cálculo dos adicionais de insalubridade e periculosidade que empregam, respectivamente, o salário mínimo e o salário contratual como parâmetros.[11] Por outro lado, é consenso de que as gorjetas repercutem no cálculo do salario de contribuição, Fundo de garantia de tempo de serviço (FGTS), gratificação natalina (13º salário) e férias, ainda que haja quem defenda sua repercussão em aviso prévio trabalhado[39] e indenização do art. 477 da CLT.[35][38]

Com a alteração promovida pela Lei nº 13.419 de 2017, apelidada de Lei da Gorjetas[42], a CLT também passou a dispor que a distribuição das gorjetas compulsórias e espontâneas deve obedecer as diretrizes definidas em convenção coletiva de trabalho ou acordo coletivo de trabalho, ou na falta destes instrumentos, em assembleia geral dos trabalhadores (art. 457, §4º, §5º e §7º), que as empresas inscritas em "regime de tributação federal diferenciado" poderão reter até a 20% para pagamento de encargos e as demais empresas 33% (art 457, §6º, I e II), que as empresas devem anotar na CTPS e no contracheque o percentual de gorjetas recebido e a média dos últimos 12 meses (art. 457, §6º, III e §8º), que o valor médio das gorjetas arrecadadas deverá ser incorporado ao salário dos empregados caso a empresa abandone a cobrança de gorjetas compulsórias depois de um ano cobrando (art. 457, §9º), que empresas com mais de 60 empregados devem criar comissão de empregados para fiscalizar a distribuição de gorjetas (art. 457, §10º) e que as empresas que descumprirem os os critérios, percentuais, recolhimentos, anotações e incorporações estão sujeitas a multa (art. 457, §11º).[34]

Direito Tributário[editar | editar código-fonte]

A Lei nº 4.506 de 1964, uma das leis sobre imposto de renda no Brasil, define que as gorjetas são "rendimentos do trabalho assalariado", conceito chave para determinação da necessidade de apresentação de declaração de rendimentos na forma daquela lei (art. 10, §2º).[43]

A menção feita às gorjetas pela Lei Complementar nº 116 de 2003, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), é no sentido que a gorjeta fica sujeita à tributação desse imposto quando aquela estiver incluído no preço da hospedagem por temporada com oferecimento de serviços (hotéis, aparts, flats e congêneres).[44]

O Governo brasileiro costuma tributar as gorjetas como integrante do faturamento, receita e lucro dos bares e restaurantes, sob a justificativa de que integrariam o preço do serviço e mercadoria, sendo consideradas como parte da Receita Bruta do estabelecimento, inclusive para cálculo do regime tribuário SIMPLES.[45]

Ocorre que a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça vem firmando o entendimento da ilegitimidade da incidência de ISS, IRPJ, CSLL, PIS e COFINS sobre os valores recebidos a título de gorjeta, haja vista sua natureza salarial.[45]

Projetos Legislativos[editar | editar código-fonte]

Em 2015, o Projeto de Lei do Senado nº 28, de 1991 (nº 1.048/1991, na Câmara dos Deputados), que previa, entre outras determinações, a obrigatoriedade da cobrança da taxa de serviço de 10%, foi vetado integralmente pela presidente Dilma Rousseff, sob a justificativa de que seria inconstitucional.[46][47]

Macau[editar | editar código-fonte]

A Lei das Relações de Trabalho inclui expressamente as gorjetas cuja cobrança seja incontrolável pelo empregador na definição de remuneração variável (Art, 2º, alínea 5).[48]

Portugal[editar | editar código-fonte]

O Código do Trabalho não faz menção às gorjetas, nem as inclui no conceito de retribuição previsto no seu art. 258.[49][50]

Ocorre que as gorjetas estão sujeitas à tributação por meio de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) como rendimentos do trabalho dependente (categoria A do Código do IRS - CIRS), devendo ser declarados à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). O apuramento e distribuição das gorjetas cabe à entidade patronal, que através desse controle conseguirá calcular o valor sujeito a tributação. Estas gratificações são tributadas autonomamente à taxa especial de 10% (Art. 72, alínea 3, do CIRS) e retidos na fonte do IRS, salvo se o titular o solicitar expressamente o contrário à sua entidade patronal.[49][51]

Os principais contribuintes deste imposto são empregados de cassinos, uma vez que o valor é registado e transmitido às autoridade fiscais por meio da Inspeção Geral dos Jogos.[52] A maioria dos setores de hotelaria e gastronomia não documenta as gorjetas para fins tributários.[53]

Gorjeta deixada em hotel

Hábito cultural pelo mundo[editar | editar código-fonte]

Uma pesquisa encomendada pela agência de câmbio Travellex concluiu que 70% das pessoas em viagem dão gorjetas maiores do o que os padrões locais de cada país, tanto porque não sabem quanto devem dar de gorjeta quanto porque não carrega dinheiro trocado e acaba dando notas de valores altos como gorjeta.[12]

Os hábitos culturais de pagar gorjetas pelo mundo podem ser divididos em três categorias: a prática anglo-saxã (em que é quase obrigatória), a do extremo oriente (em que não são comuns e até ofensivas) e a européia, (em que são voluntárias, mas bem-vindas - e de valor inferior aos da América do Norte). Na América Latina e na África, a prática é a mesma da Europa, mas, na América Latina, aos poucos o sistema anglo-saxão se faz presente.[54] Já em navios transatlânticos o hábito da gorjeta é tão estabelecido que as jornais internos e eventos no auditório informam o valor padrão a ser pago a cada tipo de trabalhador.[55]

Há diversas profissões que podem ser gratificadas com gorjetas, e os padrões tendem a se repetir pelo mundo, especialmente nos setores ligados ao turismo como hotelaria. gastronomia e transporte.[56][54][57] Manobristas, taxistas, garçons, maîtres, frentistas, guias turísticos, entregadores de refeições, profissionais de estética, carregadores, porteiros, camareiras e barmans são alguns destes profissionais. [5][54][55][57]

África[editar | editar código-fonte]

De modo geral, a gorjeta é opcional, mas os baixos salários a torna bem-vinda. Habitualmente, a gorjeta representa 10% do valor da conta final.[57]

A gorjeta é chamada de gratificação em Moçambique e o hábito de seu pagamento não é consensual. Na prática, o cliente tem liberdade para definir o valor final, sendo válidas todas as formas de cálculo (arredondamento, porcentagem ou valor fixo).[58]

No Marrocos, a gorjeta vêm inclusa na conta, mas a regra de etiqueta é que o cliente não deve se limitar a ela. Caso o estabelecimento não inclua o serviço na conta, o razoável é que se ofereça 10% do valor.[6][59]

No Egito, onde todos os valores de quase todos os serviços são sujeito à negociação[60], a gorjeta assume o nome de Bakschisch (ou basheesh, ou baksheesh) e é tanto apreciada quanto esperada, sendo cobrada em variadas situações (desde serviços à aparecer em fotos) e por diversas pessoas (desde negociantes a policiais de monumentos). Os trabalhadores preferem recebê-la em dólar e insistirão na negociação para ganhar mais do que os 10% convencional.[12][59][60][61]

América Central e Caribe[editar | editar código-fonte]

Em países como o México, a prática anglo-saxã ganha espaço conforme o turistas vindos dos Estados Unidos se torna mais comum, especialmente em cidades costeiras como Cancún. Assim trabalhadores de atividades ligadas ao turismo sempre esperam ser agraciados, com exceção dos taxistas. Em excursões, os guias podem chegar a pedir gorjeta no final.[54]

Em Cuba, o regime comunista proibiu a gorjeta, mas o hábito nunca chegou a desaparacer completamente. Hoje, as instituições oficiais continuam a não vê-la com bons olhos, mas os baixos salários fazem com que as gorjetas sejam apreciadas por guias turísticos, camareiras e atendentes em geral. Nas hospedagens feitas em casas de famílias locais, a gorjeta é dispensável, exceto quando há empregados para limpeza dos cômodos. Os restaurantes cobram 10% no valor da conta, mas este valor raramente é repassado aos funcionários, portanto somente o dinheiro que é entregue ao atendente garante a gratificação.[22][56]

No Caribe, as gorjetas são esperadas, principalmente no setor hoteleiro de países como a República Dominicana. Em Aruba, as taxas de serviço chegam 15% e restaurantes e hotéis em Curaçau e Barbados adicionam taxas de 10% a 15% à conta.[62]

Jarra de gorjetas em restaurante da Cidade do México, México

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Na América do Sul, se não for incluída na conta, a gorjeta não é esperada.[57] O Brasil não tem tradição de pagar direta e espontaneamente ao prestador de serviços, o que se repete em países como Argentina, Colômbia, Uruguai, Chile. Mesmo a taxa de serviço de 10% que vem na conta é de pagamento opcional, porém a recusa no pagamento geralmente provoca perguntas sobre a qualidade do atendimento.[5][9][56][54]

América do Norte[editar | editar código-fonte]

A gorjeta é chamada, em inglês, de tip ou service.[54]

As gorjetas nos Estados Unidos da América e Canadá seguem a mesma regra, variando de 10% a 20% a depender do tipo de serviço, da qualidade e da região.[28][57][55][59] Em ambos os países não há obrigação legal de pagar gorjetas, mas a obrigação moral de pagá-las fez do Estados Unidos mundialmente conhecido como o país das gorjetas, havendo mesmo quem pague gorjetas adiantadas para assegurar a qualidade do serviço.[6][28][55][59] No entanto, atualmente alguns restaurantes passaram a incluir taxas de serviços na conta,para evitar que as diferenças culturais entre os costumes dos norte-americanos e dos turistas prejudique a quantia das gorjetas.[54]

Trabalhadores dos ramos dependentes do setor turístico são muito dependentes da gorjeta.[54] No caso dos garçons a situação é ainda mais acentuada, haja vista que as leis estadunidense e canadense permite que recebam salário menor que o mínimo, sendo que existem aqueles que não recebem salário, vivem apenas de gorjeta.[28][56][55][59] Assim, pagar gorjetas em proporções menores que estas são apenas concebíveis nos casos em que o serviço prestado for muito ruim, e, mesmo assim, o cliente deverá estar ciente de que isto pode gerar reações desagradáveis.[54][59]

Ocorre que cresce nos Estados Unidos um movimento contrário ao pagamento de gorjetas. Em 2013, a revista Slate, o jornal The New York Times e a Esquire publicaram manifestações públicas contra o hábito. Alguns restaurantes de luxo de Nova York e Chicago já haviam substituído a gorjeta por taxas de serviço desde 2005. Contudo, em outubro de 2015, Danny Meyer, um dos mais influentes empresários do ramo gastronômico dos Estados Unidos, anunciou que até o final de 2016 eliminaria as gorjetas nos 13 restaurantes do Union Square Hospitality Group por meio da majoração de de cerca de 20% nos preços para poder também aumentar os salários de todos os empregados. Desde o anúnico dezenas de outros restaurantes seguiram o exemplo.[28]

Ainda assim, uma pesquisa de opinião feita em 2010 revelou que 60% dos americanos ainda preferem pagar gorjetas do que taxas de serviço.[7]

Ásia[editar | editar código-fonte]

O pagamento de gorjetas não é comum na maioria dos países.[57]

Em Cingapura, desencoraja-se as gorjetas em hotéis, atrações turísticas e até em restaurantes para que a população não seja prejudicada economicamente com a obrigação. Por isso, é conveniente que turista apenas deem gorjetas ocasionalmente. A prática chega a ser proibida em aeroportos.[12][55] Tailândia, Vietnã e Comboja não tem cultura de oferecer gorjetas, por isso não são esperadas, apesar de bem-vindas.[56][62]

Jarra para gorjetas em restaurante em Nova Jersey

A prática de gorjetas na China é bastante complexa. Em geral, os habitantes do país não pagam gorjetas entre si e não esperam que o turista os façam. Em determinados lugares pode ser ofensivo ou ilegal, especialmente na zona rural. Contudo, o aumento do turismo tem feito o hábito da gorjeta ganhar espaço, notadamente em hotéis de alto padrão ou turísitcos, onde, ainda assim, é opcional. A única profissão em que gorjetas são esperadas são entre os guias turísticos (que também aceitam presentes).[12][56][54]

No Japão, conhecido pelo esmero em prestar serviços de qualidade, a gorjeta não é aceita e pode ser encara como uma desonra. Somente os guias turísticos e as típicas hospedarias ryokans aceitam (nessas últimas, desde que entregues dentro de envelopes).[56][54][59] Na Coréia do Sul, o sistema é bem parecido com o Japão, mas, com o aumento do turismo e das gratificações, foi promulgada uma lei que determina que o serviço esteja incluído no valor de cada produto, na forma de sobretaxa, para evitar confusão.[56][54]

Na Índia ocorre o oposto do Japão, pois os ricos costumam agraciar os pobres, de forma que a gorjeta é muito apreciada. Em grandes restaurantes, a gorjeta pode já estar inclusa na conta, correspondendo a 10% do valor.[12][61]

Europa[editar | editar código-fonte]

Na Europa, o pagamento de gorjetas também é um hábito.[55] Mesmo não sendo obrigatório em nenhum país, os trabalhadores de locais onde o serviço não está incluso na conta interpretarão a ausência de gorjeta como um sinal de insatisfação.[57]

Em Portugal, há uma tendência a deixar gorjetas que equivalem a 5% ou 10% do valor da conta, mas a liberdade para definir o valor final é absoluta e os portugueses são conhecidos por serem pouco espontâneos nessa decisão. Todas as formas de cálculo são possíveis, seja por arredondamento, porcentagem ou valor fixo. Tampouco haverá manifestação de desagrado do trabalhador se não houver gorjeta.[6][28][59]

Os países mais conhecidos pela força moral do hábito de pagar gorjetas são a França e o Reino Unido.[54][59] Na França, a gorjeta é praticada em valores entre 5% e 15%, deixado à mesa, ou consistindo no arredondamento para cima do valor final. Entretanto, há estabelecimentos que já incluem um acréscimo de 15% na conta. Guias turísticos não esperam por gorjeta.[12][54][59] No Reino Unido, a prática é similar àquela da América do Norte, ainda que mais flexível.[54] O padrão é pagar entre 10 e 15%, a depender da qualidade do serviço, mas há restaurantes que se valem de taxas de serviço na conta[59][63] e nos táxis é possível substituir a gorjeta pelo arrendodamento do preço para cima, evitando o recebimento de troco.[54] O mesmo acontece em bares e pubs, onde não é habitual deixar gorjeta.[63]

Em sentido contrário, não existe cultura de pagamento de gorjetas nos cinco países nórdicos e na Bélgica, tanto porque os prestadores de serviço são bem pagos quanto porque a gorjeta já está incluída na conta ou no preço.[56][57][59][62]

O resto do continente trata a gorjeta como opcional e bem-vinda, inclusive nas nações que pertenciam à União Soviética, que proibia a prática[12]. Os pontos que variam conforme a localidade são a expectativa dos trabalhadores, porcentagens, forma de pagamento e incorporação ou não à conta.[22][56][54][57][59] Porém, a gorjeta somente é habitual na Alemanha, na forma de uma taxa de serviço de 10% e, em bares, de uma caução paga a cada bebida pedida (que pode ser convertida em gorjeta para o barman ao final).[62]

Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Em Israel, a gorjeta é opcional e esperada por garçons e barmans, em valor de 10% a 15%, pago em dinheiro, geralmente não incluído na conta.[56]

Na Turquia, a gorjeta é frequentemente recusada. Atendentes apreciam mais presentes do que dinheiro.[59]

Oceania[editar | editar código-fonte]

Na Austrália, gorjetas são consideradas opcionais; na Nova Zelândia, desnecessárias. Em virtude dos bons salários pagos em ambos os países, gorjetas são pouco habituais e podem ser até mesmo recusadas ou deixar o atendente desconfortável. Por isso, caso o cliente realmente aprecie o atendimento, o pagamento deve ser discreto, em quantia que corresponda a 10% ou 15% do valor, preferindo-se que a quantia seja depositada em recipiente de coleta à deixar a quantia sobre a mesa ou ser entregue diretamente ao atendente.[12][56][57][59]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Dicionáro Caldas Aulete - Significado de gorjeta». Aulete.com.br. Consultado em 4 de outubro de 2017 
  2. a b c «Gorjeta | Michaelis On-Line». Michaelis On-Line. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  3. a b «Definição ou significado de gorjeta no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  4. a b c S.A., Priberam Informática,. «Significado / definição de gorjeta no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  5. a b c «Folha de S.Paulo - Polêmica sobre gorjetas divide "gurus" da etiqueta - 20/02/2000». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  6. a b c d e f g h i j k Reis, Carolina (3 de janeiro de 2016). «Gorjeta. Muito, pouco ou nada?». Jornal Expresso. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  7. a b c d e Stuart, Hunt (17 de outubro de 2014). «9 Reasons We Should Abolish Tipping, Once And For All». HuffPost Brasil 
  8. a b Administradores.com (3 de março de 2010). «Esclarecimentos sobre a taxa de serviço. Os 10% do garçom.». Administradores.com 
  9. a b c d e f g «Qual é a origem da palavra "gorjeta" – hábito que nasceu na Alemanha no século XVI | Blog do Curioso, por Marcelo Duarte». guiadoscuriosos.uol.com.br. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  10. a b c d BIGARELLI, Barbara (14 de maio de 2017). «Sou obrigado a pagar os 10% da conta?». epocanegocios.globo.com 
  11. a b c d Martins, Sérgio Pinto (2012). Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas. pp. 274–275 
  12. a b c d e f g h i «Vai viajar? Site lista regras de gorjetas em 15 países». Terra.com.br 
  13. «Anhapa | Michaelis On-Line». Michaelis On-Line. Consultado em 6 de outubro de 2017 
  14. «Lambuja | Michaelis On-Line». Michaelis On-Line. Consultado em 6 de outubro de 2017 
  15. «Sinônimos de Gorjeta». Sinônimos 
  16. «Dicionário Online - Dicionáro Caldas Aulete - Significado de mata-bicho». Aulete.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  17. a b Rodrigues, Sérgio (11 de fevereiro de 2017). «O parentesco da gorjeta com a garganta | Sobre Palavras». VEJA.com 
  18. a b Perissé, Gabriel. «A gorjeta é anti-ética? | Portal Entretextos». www.portalentretextos.com.br. Consultado em 7 de outubro de 2017 
  19. a b «Origem da palavra GORJETA - Etimologia - Dicionário Etimológico». Dicionário Etimológico 
  20. a b Dublanica, Steve (22 de julho de 2015). Confissões de um garçom cínico: Leia antes de fazer sua reserva para o jantar. [S.l.]: Agir. ISBN 9788522030101 
  21. Wachter, Paul (9 de outubro de 2008). «Why Tip?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  22. a b c d OLAIZOLA, Borja (22 de julho de 2016). «Vuelven las propinas a los bares de España». Almería - Ideal (em espanhol) 
  23. Rodriguez, Adriana. «¿Cómo se originó la propina? - Pulso Laboral». www.elpulsolaboral.com.mx (em espanhol). Consultado em 10 de outubro de 2017 
  24. Austen, Jane (18 de agosto de 2014). Mansfield Park. [S.l.]: Penguin-Companhia. ISBN 9788543801278. Nota I, Capítulo IX 
  25. Barreiro, José Carlos (1 de janeiro de 2003). Imaginário e viajantes no Brasil do século XIX: cultura e cotidiano, tradição e resistência. [S.l.]: SciELO - Editora UNESP. p. 192. ISBN 9788539303144 
  26. Brustein, Joshua (22 de março de 2017). «Gorjeta a motorista do Uber é ilegal em alguns estados dos EUA». UOL Economia 
  27. «Uber lança sistema de gorjetas para motoristas em 3 cidades dos EUA». UOL Economia 
  28. a b c d e f g Pais, Tiago. «Nos Estados Unidos, há restaurantes a proibir as gorjetas. Porquê?». Observador. Consultado em 8 de outubro de 2017 
  29. Kliff, Sarah (5 de setembro de 2012). «Study: Countries with more tipping are more corrupt». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  30. Kastner, Tássia (1 de fevereiro de 2016). «Casas badaladas em SP abandonam tradição dos 10% e elevam gorjeta». Folha de S.Paulo 
  31. «Nota Técnica 134 de 2014» (PDF). Ministério da Justiça. 2014. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  32. «Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 (Redação Original)». www.planalto.gov.br. Consultado em 13 de outubro de 2017 
  33. «Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade Social)». www.planalto.gov.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  34. a b c «Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943 (Consolidação das Leis do Trabalho)». www.planalto.gov.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  35. a b Barros, Alice Monteiro de (2016). Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr. pp. 510–511 
  36. «Empresa terá que indenizar empregada por não repassar gorjetas dos clientes - Notícias - TST». www.tst.jus.br. Consultado em 13 de outubro de 2017 
  37. BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Acórdão de Agravo Regimental no Agravo Regimental nos Embargos de Declaração no Recurso Especial 1.339.476/PE. Relator Ministro Herman Benjamin, 2ª Turma, Julgado em 15/08/2013, DJe 16/09/2013.
  38. a b c Nascimento, Amauri Mascaro (2009). Iniciação ao direito do trabalho. São Paulo: LTr. p. 363 
  39. a b Delgado, Maurício Godinho (2016). Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr. pp. 806–808 
  40. Oliveira, Fabricio Gonçalves de. «E os 10%? - MPT-MT». www.prt23.mpt.mp.br. Consultado em 15 de outubro de 2017 
  41. «Súmula nº 354 do TST». www3.tst.jus.br. Consultado em 13 de outubro de 2017 
  42. Soller, Marcella Nicastro di Fiore. «Newsletter: Gorjeta integra a remuneração do empregado? | OAB SP - 29ª Subseção de Presidente Prudente - SP | Presidente Prudente - SP». www.oabprudente.org.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  43. «Lei nº 4.506, de 30 de novembro 1964». www.planalto.gov.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  44. «Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003». www.planalto.gov.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  45. a b Charifker, Samy (27 de maio de 2017). «Com edição de lei, Gorjetas não podem ser tributadas como receita». Consultor Jurídico 
  46. Aliski, Ayr (7 de agosto de 2015). «Dilma veta a gorjeta de 10% obrigatória». Estadão 
  47. «Veto nº 34/2015 - Vetos - Congresso Nacional». www.congressonacional.leg.br. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  48. Amado, João Leal (1 de janeiro de 2010). «A retribuição e a Lei das Relações de Trabalho de Macau: hesitações e convicções de um jurista lusitano». O DIREITO ONLINE 法. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  49. a b «Gorjetas na restauração e hotelaria fazem parte da remuneração?». Ofertas de Emprego. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  50. «Código do Trabalho - Lei nº 7/2009». CITE - Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  51. «Guia de Boas Práticas Fiscais para o Sector da Restauração e Similares | AECC». www.aeccascais.org. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  52. «Fisco: Afinal imposto das gorjetas mantém-se nos 10%». Dinheiro Vivo. 18 de outubro de 2012 
  53. Nobre, Marco da Silva (15 de junho de 2014). «As gorjetas na hotelaria e restauração». Jornal de Negocios 
  54. a b c d e f g h i j k l m n o p q «Dar ou não gorjeta? Eis um dilema do turista no Exterior». gauchazh.clicrbs.com.br. Zero Hora - GaúchaZH. 22 de dezembro de 2015 
  55. a b c d e f g Souza, Luís (11 de novembro de 2004). «Obrigatória nos EUA, gorjeta ofende no Japão». www1.folha.uol.com.br. Folha de S. Paulo - Turismo. Consultado em 8 de outubro de 2017 
  56. a b c d e f g h i j k l Mena, Fernanda (30 de março de 2017). «É pra deixar gorjeta? Veja o que fazer em 35 países na hora de pagar a conta». Folha de S.Paulo 
  57. a b c d e f g h i j «Dar ou não dar gorjeta?». SAPO Viagens. 27 de abril de 2016 
  58. Lauter, Rajú Roldão (23 de março de 2017). «SELO: Sobre o valor significativo da gorjeta: Iminente "desavença" entre os funcionários e o patronato - Por Rajú Roldão Lauter». @Verdade Online. Consultado em 6 de outubro de 2017 
  59. a b c d e f g h i j k l m n o Carvalho, Paulo (4 de janeiro de 2016). «Dar gorjeta: sim ou não?». E-konomista. Consultado em 6 de outubro de 2017 
  60. a b «Folha de S.Paulo - Fique atento aos preços e à abordagem dos cairotas - 28/01/2010». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  61. a b Harvey, Claire. «Quanto você deve dar de gorjeta em outros países?». www.msn.com. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  62. a b c d Nobrega, Mônica (4 de outubro de 2016). «Como funcionam as gorjetas no mundo». Estadão 
  63. a b «Gorjetas». VisitBritain. 12 de outubro de 2015