Irma Rossetto Passoni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Irma Passoni
Deputada estadual  São Paulo
Período 1979-1983
Deputada federal  São Paulo
Período 1983-1995
Dados pessoais
Nascimento 5 de abril de 1943 (76 anos)
Concórdia, SC
Alma mater Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira
Cônjuge Armelindo Passoni
Partido MDB, PT, PPS
Profissão professora

Irma Rosseto Passoni (Concórdia, 5 de abril de 1943) é uma professora e política brasileira que exerceu três mandatos de deputada federal por São Paulo.[1]

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Filha de Jady Rosseto e Teresa Slongo Rosseto. Começou a trabalhar em 1964 como professora e, no ano seguinte, tornou-se freira do Instituto Beatíssima Virgem Maria até abandonar o hábito em 1971, ano em que iniciou os cursos de pedagogia e de administração e supervisão escolar na Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira, em São Paulo.[1]

Politicamente ligada às Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica, foi eleita deputada estadual[2] pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) em 1978, passando a articular a criação do Partido dos Trabalhadores (PT), onde ocupou cargos de direção e deu sequência à sua vida polític, elegendo-se deputada federal[2] em 1982, 1986 e 1990. Nesse período votou a favor da Emenda Dante de Oliveira em 1984 e, atendendo à orientação de seu partido, ausentou-se da eleição presidencial indireta realizada pelo Colégio Eleitoral em 1985,[3][4] mas participou da elaboração da Constituição de 1988 e votou pelo impeachment de Fernando Collor em 1992.[5]

Derrotada ao buscar a reeleição em 1994, desligou-se do PT para assessorar o ministro das Comunicações Sérgio Motta, durante o primeiro ano do governo Fernando Henrique Cardoso. Embora tenha se filiado ao Partido Popular Socialista (PPS), não disputou mais eleições, vindo a trabalhar no setor de televisão por assinatura das Organizações Globo.

Referências

  1. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputada Irma Passoni». Consultado em 5 de janeiro de 2014 
  2. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral: estado de São Paulo». Consultado em 5 de janeiro de 2014 
  3. «Acervo digital da Folha de S.Paulo». Consultado em 5 de janeiro de 2014 
  4. Acabou o ciclo autoritário: Tancredo é o primeiro presidente civil e de oposição desde 64 (online). Folha de S. Paulo, 16/01/1985. Página visitada em 5 de janeiro de 2014.
  5. Câmara depõe Collor em decisão histórica; presidente respeita o resultado e Itamar assume hoje (online). Folha de S. Paulo, 30/09/1992. Página visitada em 5 de janeiro de 2014.