Jim Caviezel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jim Caviezel
Caviezel em 2012
Nome completo James Patrick Caviezel Jr.
Nascimento 26 de setembro de 1968 (52 anos)
Mount Vernon, Washington,
Estados Unidos
Ocupação Ator
Atividade 1991–presente
Cônjuge Kerri Browitt (1996-presente)
Filho(s) 3
Página oficial

James Patrick "Jim" Caviezel, Jr. (Mount Vernon, 26 de setembro de 1968) é um ator estadunidense. Iniciou sua carreira em 1991, no filme My Own Private Idaho, o qual lhe rendeu o cartão Screen Actors Guild. Não conseguindo alcançar fama, decidiu se mudar para Los Angeles, onde poderia ter maiores oportunidades de reconhecimento. Logo depois, em 1992, apareceu na série de televisão The Wonder Years. Alcançou algum sucesso como o Soldado Witt no filme The Thin Red Line (1998), um drama de guerra referente à Segunda Guerra Mundial. Nos anos de 2001 e 2002, Caviezel recebeu aclamação da crítica pelos seus papéis como Catch em Angel Eyes e Edmond Dantès em The Count of Monte Cristo.

Ganhou notoriedade em 2004 ao interpretar Jesus no drama épico The Passion of the Christ, dirigido por Mel Gibson. Por sua atuação foi indicado ao Prêmio MTV Movie de Melhor Ator e venceu o prêmio MovieGuide Grace de Melhor Performance em Filmes. Embora o grande sucesso do filme, posteriormente Caviezel dificilmente conseguiu papéis de destaque em Hollywood, afirmando que o fato de interpretar Jesus arruinou sua carreira; todavia, o ator declara que não se arrepende, e que este trabalho foi uma experiência única em sua vida.

Em 2011, interpretou John Reese na série televisiva Person of Interest, até o seu término em 2016, sendo nomeado ao People's Choice Awards para o Ator Dramático de TV Favorito (2014) e Ator Favorito em Drama Policial da TV (2016). Seu outro sucesso foi no filme Escape Plan (2013), como Willard Hobbes. No ano de 2018, Caviezel atuou em mais um filme bíblico, desta vez interpretou Lucas, apóstolo de Jesus em Paul, Apostle of Christ. Em 2018 foi confirmado que o ator voltará a atuar como Jesus na sequência do filme The Passion of the Christ, The Passion of the Christ: Resurrection, como ponto central a Ressurreição de Jesus.

Jim é casado com Kerri Browitt desde 1996, ela é professora de inglês. Ela e o ator adotaram três crianças da China, as quais sofriam de câncer.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

James Patrick Caviezel nasceu em 26 de setembro de 1968, em Mount Vernon, Washington. É filho de Margaret (nascida Lavery), uma ex-atriz de teatro, e de James Caviezel Sr, um quiroprático.[1][2] Do lado paterno é descendente de eslovacos e suíços, enquanto sua mãe é irlandesa.[3] Ele tem um irmão, Timothy, e três irmãs, Ann, Amy e Erin,[2] e foi criado em uma família católica[4] em Conway, Washington.[5] Seu pai frequentou a Universidade da Califórnia em Los Angeles e jogou basquete para o técnico John Wooden, fazendo com que todos os irmãos Caviezel jogassem o esporte.[6]

Dois anos antes de se mudar para Seattle, Caviezel frequentou Mount Vernon High School em 1984, depois se transferiu para a escola católica O'Dea High School, onde oferecia uma melhor chance de jogar basquete.[5][2] No ano seguinte, ele foi transferido de O'Dea para outra escola também católica, John F. Kennedy Memorial High School, em Burien, continuou jogando basquete e se formou em 1987.[2] Ele queria frequentar a Academia Naval dos Estados Unidos, mas foi negado três vezes.[7] Ele então se matriculou no Bellevue College, onde jogou basquete universitário. Uma lesão no pé em seu segundo ano pôs fim ao seu sonho de se tornar um jogador da NBA, e ele foi transferido para a Universidade de Washington, onde voltou seu foco para atuar e se tornou um membro da fraternidade Sigma Chi.[8][2] Ele admitiu que nunca teve habilidades suficientes para ser um excelente jogador de basquete, mas afirmou: "Este esporte me ajudou a me matricular na faculdade e incutir a disciplina. O basquete me preparou para me tornar um ator".[8]

Carreira[editar | editar código-fonte]

1991–2004: Primeiros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Sua carreira profissional como ator começou no palco em Seattle. Ele apareceu em peças como The Matchmaker e Come Blow Your Horn. Jim ganhou seu cartão Screen Actors Guild com uma pequena atuação no filme My Own Private Idaho (1991), nele o ator interpreta um funcionário da companhia aérea.[5] Porém, este filme não trouxe fama ao jovem ator.[8] Ele então se mudou para Los Angeles para seguir com sua carreira de ator. Embora quando ele decidiu se mudar, nas palavras ditas por ele, "as pessoas achavam que eu estava louco".[9]

Caviezel conseguiu um papel menor em Diggstown (1992), filme que foi um fracasso no que se refere à bilheteria.[10] Alguns de seus primeiros papéis foram na televisão, incluindo uma participação na série The Wonder Years (1992), onde fez o papel de um jogador de basquete.[5] Neste mesmo ano, o artista também apareceu no episódio Second Chance da série Human Target,[11] transmitida pela ABC.[12] Ele recebeu uma bolsa de estudos para estudar teatro na Juilliard School de Nova Iorque em 1993, mas recusou-se, e no ano seguinte apareceu sem ser creditado em Blue Chips, de William Friedkin, e interpretou Warren Earp no filme de 1994 Wyatt Earp.[13][5][14][15] Em 1995, Caviezel estrelou novamente na televisão, em Murder, She Wrote, como Darryl Harding, um ator aspirante, no episódio Film Flam da décima primeira temporada.[16][17] Ainda no mesmo ano, Caviezel apareceu em uma minissérie da CBS, Children of the Dust, e participou do episódio piloto do que seria o remake da série 77 Sunset Strip de 1958, porém o projeto nunca passou da fase de testes.[18] Apesar de ter feito tentativas para muitos outros papéis na televisão e no cinema, incluindo na série Melrose Place, ele foi considerado estranho por alguns diretores de elenco e muitas vezes foi rejeitado. O que atraiu alguns e repeliu outros foi a intensidade e o foco do ator.[5]

No ano de 1996, Caviezel interpretou Dizzy Anderson em Ed, de Bill Couturié.[10] O ator também fez uma participação em The Rock (1996), um longa americano de grande bilheteria.[10][19] Depois de aparecer em G.I. Jane (1997), teve um desempenho inovador no filme de 1998 sobre a Segunda Guerra Mundial, dirigido por Terrence Malick, The Thin Red Line.[10][20] O filme recebeu várias indicações ao Oscar, incluindo o de Melhor Filme, e seu elenco estrela, que incluiu — além de Caviezel — Ben Chaplin, Sean Penn, George Clooney e Nick Nolte, receberam elogios quase unânimes.[10] Para a revista Rolling Stone, Peter Travers em sua revisão apontou que "Sean Penn e o recém-chegado Caviezel, que dá uma performance de intensidade e sentimento arrebatadoras, destrancam o coração triste do filme".[21] Em seguida, ele interpretou Black John, um bushwhacker de Missouri, em Ride with the Devil (1999), um filme da Guerra Civil Americana.[22] Em Any Given Sunday (1999), o ator aparece não creditado como o filho distante de Anthony D'Amato (Al Pacino). A cena onde apareceu foi cortada a partir do lançamento teatral, mas está disponível em DVDs.[23]

Caviezel foi originalmente escalado para interpretar Scott Summers / Ciclope em X-Men (2000); mas desistiu por causa de um conflito de agendamento com o filme Frequency (2000).[24][25] Também estrelou o filme Pay It Forward (2000), no papel de Jerry.[26] Caviezel conseguiu um papel ao lado de Jennifer Lopez no drama romântico Angel Eyes (2001); o filme não arrecadou muito nas bilheterias em relação ao seu orçamento, mas o desempenho de Caviezel no filme aumentou drasticamente seu destaque, e os críticos notaram ainda mais a capacidade do ator.[10][27] Ele desempenhou o papel principal em Madison, um filme sobre corridas de hidroplanos em Madison, Indiana.[28] O filme foi concluído em 2001, mas não apareceu nos cinemas até o seu lançamento em 2005. Caviezel estrelou como Edmond Dantès em The Count of Monte Cristo (2002),[20] onde exibiu um bom desempenho, e embora o filme — e o trabalho do ator — tenha recebido críticas favoráveis, esse filme não conseguiu atrair o público.[10] Caviezel interpretou Tom Kubik, um ex-fuzileiro naval misterioso em High Crimes (2002), junto com Ashley Judd, Morgan Freeman e Bruce Davison.[10][29] O ator também atuou em um pequeno papel no drama de Paul Feig, I Am David (2003).[10] Mais tarde ele estrelou no suspense policial Highwaymen (2004).[10] No drama biografico Bobby Jones: Stroke of Genius (2004), interpretou o jogador de golfe Bobby Jones.[30] Já em The Final Cut (2004), o artista interpreta Fletcher,[31] juntamente com Robin Williams, Mira Sorvino e Brendan Fletcher.[31]

2004: The Passion of the Christ[editar | editar código-fonte]

Em 2004, Caviezel alcançou a maior atenção da sua carreira. Quando o ator inicialmente se encontrou com o diretor Mel Gibson e seu parceiro de produção, Stephen McEveety, ele foi informado de que era sobre um papel em um filme de surfe. No entanto, o filme de surfe era apenas um artifício para convencer o ator a falar, enquanto Gibson e McEveety queriam colocá-lo como Jesus no filme The Passion of the Christ. Embora McEveety acreditasse que Caviezel era estranho, o ator foi a primeira escolha de Gibson, em parte por causa de seus olhos cheios de alma.[5] Caviezel assumiu o papel, que se concentrou nas últimas horas da vida de Cristo. Ele teve que aprender aramaico, hebraico e latim para o papel,[32] e passou por oito horas de maquiagem na maioria dos dias das filmagens.[5]

O ator no Movieguide Awards em 2005, cerimônia em que foi premiado por seu trabalho em The Passion of the Christ.

Mas toda a sua preparação não poderia prepará-lo para o sofrimento físico que sofreu durante a produção.[5] Durante as filmagens, ele foi atingido por um raio, acidentalmente flagelado, teve seu ombro deslocado e sofria de pneumonia e hipotermia.[33] A respeito do incidente envolvendo o raio, o ator descreveu o evento, em uma entrevista à Catholic News Agency, dizendo: "Era a cena do Sermão da Montanha. Eu subi, as nuvens se formaram e, cinco segundos antes do golpe, senti o que ia acontecer. Estava ventando, mas não pude ouvir o vento soprando. De repente, fui atingido por um raio".[34][35] Embora Caviezel (razoavelmente) tenha admitido estar aterrorizado, ele disse que também "sentia paz por dentro".[35] Durante as filmagens do flagelo de Cristo — o momento memorável em que Jesus foi açoitado — um dos atores interpretando um torturador romano errou um pouco sua marca. Como é geralmente o caso das cenas de chicotadas, havia uma prancha nas costas de Caviezel que deveria pegar os golpes, mas depois que Gibson instruiu os chicotes a tentarem fazer overhand, as coisas deram errado. O artista comentou o ocorrido para o Today, como: "[O chicote] estendeu-se sobre o tabuleiro e me atingiu com uma velocidade que eu não conseguia respirar. É como tirar o vento de você. A picada é tão horrível que você não consegue respirar [...] Virei-me e olhei para o cara, e digo: posso estar interpretando Jesus — mas me senti como Satanás naquele momento. Eu me virei para ele, alguns palavrões saíram da minha boca".[35][36] Caviezel, em entrevista à Fox Nation, disse que ele realmente estava ferido durante as filmagens da caminhada de Jesus pelas ruas da Cidade Velha de Jerusalém — o caminho que Jesus seguiu para sua crucificação: "Quando cai, a cruz realmente atingiu minha cabeça e enterrou-a na areia. E mordi minha língua [...] agora, na fita, você verá sangue escorrendo pelo meu lábio. Na verdade, é o meu próprio sangue [...] Neste momento, meu ombro está fora do lugar e eu estava tentando de tudo para colocar meu braço sobre a cruz [...] parece que é a tomada mais extraordinária, porque parece que estou acalentando nossa cruz, que é a nossa fé, e abraçá-la, mas da maneira mais bonita. Não era bonito para mim [...] porque doía como o inferno [...] minha articulação havia sido rasgada".[37]

O filme também foi alvo de ataques por críticos que dizem que envia uma mensagem anti-semita, retratando os judeus como responsáveis pela morte de Jesus.[38] Jami Bernard, do New York Daily News, chamou de "o filme mais virulentamente anti-semita feito desde os filmes de propaganda alemães da Segunda Guerra Mundial".[39] A revista Time Out posicionou-o em 20.° lugar entre "Os 50 filmes mais polêmicos já feitos".[40] Durante uma entrevista com John Styll e Michael W. Smith no programa Live and Interactive do Essentialtalk, Caviezel disse: "A controvérsia é natural. [...] uma coisa que me agrada é que apesar da controvérsia, veja bem, Cristo era controverso. Cristo morreu pela verdade. Se é controverso você fez certo. Todas as críticas que saem, acredito que não é da minha conta o que as outras pessoas pensam de mim".[38] Ele então se refere a uma passagem bíblica que implica: "Se você realmente deseja seguir meu filho, o escândalo o seguirá todos os dias de sua vida".[38] O ator acredita que o filme não envia uma mensagem anti-semita e muito do que os críticos estão dizendo são "acusações vazias". "Este filme não é um jogo de culpa" afirmou Caviezel, que disse que muitas comunidades judaicas que assistiram o longa não acham que é anti-semita.[38] Segundo Caviezel: "O ponto principal do filme é o evangelho [...] Temos que concordar em discordar. Este é o evangelho. É sobre esperança, amor, perdão e sacrifício. É o que as pessoas rapidamente perceberão ao assistir este filme". O ator ainda concluiu sobre quem teria matado Cristo: "Todo mundo o fez [...] Todos os apóstolos, soldados, observadores silenciosos. Qualquer um é responsável. Veja como o pecado é feio. Estamos todos incluídos, incluindo o seu verdadeiramente".[38]

"De repente, parei de ser um dos cinco atores mais populares do estúdio e não fiz nada de errado. Eu acabei de interpretar Jesus. Fui pessoalmente tocado por essa rejeição? Bem, todo mundo tem sua cruz para carregar. O mundo muda na direção específica, mas, afinal, eu não estarei neste mundo para sempre. Nem os produtores de Hollywood. Em algum momento, todos terão que responder pelo que fizeram."

— Caviezel fala sobre sua rejeição em Hollywood, para wPolityce.[41]

Antes de filmar, Gibson teria advertido Caviezel que interpretar Jesus prejudicaria sua carreira de ator. Em 2011, ele admitiu que bons papéis tinham sido difíceis de encontrar desde então, mas afirmou que este filme, em particular o papel de Jesus Cristo, foi uma experiência única na vida.[42] Porém, o filme foi um grande sucesso comercial, estrelou nas bilheterias americanas com 83 milhões de dólares em sua semana de estreia, ganhando no total 370 milhões nos Estados Unidos,[43] e arrecadou mais de 611 milhões mundialmente.[43] Em função de sua interpretação, o ator foi nomeado ao Prêmio MTV Movie, na categoria de Melhor Ator,[44] e ganhou o MovieGuide Grace Awards de Melhor Performance em Filmes.[45] Em uma crítica para o The Guardian, Lorenza Muñoz escreveu: "Ao contrário do Jesus conflituoso de Willem Dafoe em The Last Temptation of Christ (1988) ou o doce Jesus de Jeffrey Hunter em King of Kings (1961), o Jesus de Caviezel poderia ser um personagem de um filme mudo. De fato, a capacidade de Caviezel de despertar emoções com um olhar tornou-se sua marca registrada".[46]

2006–2013: Outros trabalhos no cinema e na televisão[editar | editar código-fonte]

Caviezel em julho de 2009.

Em 2006, Caviezel protagonizou o suspense Unknown, no qual, junto com Greg Kinnear, Bridget Moynahan, Joe Pantoliano e Barry Pepper, interpretou Jean Jacket, um homem que junto com outras pessoas foram sequestradas e trancadas em uma fábrica sem memória de como chegaram lá. Reunindo informações em torno deles, eles percebem que alguns foram sequestrados e outros foram os sequestradores. Então eles decidem que devem trabalhar juntos para descobrir como fugir antes que a gangue que os capturou retorne.[47][48]

Caviezel também estrelou em 2006 o thriller Déjà Vu.[49] O filme ganhou o prêmio Motion Picture Sound Editors nas cerimônias Nielsen EDI Gold Reel Awards.[50] Em 2008, Caviezel interpretou o jornalista franco-iraniano Freidoune Sahebjam em The Stoning of Soraya M., um drama ambientado em 1986 no Irã, uma mulher injustamente acusada de um crime — e consequentemente, apedrejada. Os líderes da aldeia condenam Soraya M. à morte por supostamente cometer adultério. O marido da acusada cria essa conspiração para matá-la, a fim de poder se casar com uma adolescente. Em segredo, a corajosa tia de Soraya compartilha sua história com o jornalista francês Freidoune Sahebjam, que por acaso viaja pela área um dia depois do assassinato brutal. Quando perguntado sobre como sua fé católica foi afetada por essa história, ele disse, "você não precisa ir além dos evangelhos para descobrir qual é a coisa certa a fazer, deveria estar mais preocupado em ajudar alguém, independentemente de sua religião ou de onde eles são".[51] Em seguida, interpretou Kainan em Outlander (2008), e atuou com Claudia Karvan no filme Long Weekend (2008), um remake da película australiana de mesmo nome, lançada em 1978. O enredo conta sobre um casal de férias, Peter e Carla, no deserto, eles aprendem o que acontece quando desrespeitam a natureza depois de suportar ataques de animais.[52]

Na série The Prisoner (2009), um remake da série britânica de ficção científica The Prisoner (1967), interpretou Michael/Número 6.[53] Ainda neste ano, Caviezel também emprestou sua voz a Jesus na produção bíblica em áudio de Thomas Nelson, The Word of Promise.[54] O projeto também contou com Jon Voight, Louis Gossett Jr., John Rhys-Davies, Luke Perry, Gary Sinise, Jason Alexander, Christopher McDonald, Marisa Tomei e John Schneider.[54]

No ano de 2011 até 2016, ele estrelou a série de drama Person of Interest da CBS como John Reese, um ex-agente da CIA que agora trabalha para um misterioso bilionário como um vigilante.[55] Caviezel contou que se sentiu atraído pelo "conceito" da série, e disse: "Parecia um filme, e era um ótimo material. Costumo ir aonde o material é o melhor. Parecia um ótimo roteiro de super-herói, mas não foi feito em Gotham City, mas em Nova York."[56] A produção bem como a atuação do protagonista receberam avaliações positivas.[57][58][59][60][61] O jornal The New York Times observou que o personagem "Reese parece feito sob medida para Caviezel, com sua combinação de marca registrada de sarcasmo contido e olhar de mil jardas."[62] Seu desempenho na série garantiu duas indicações ao People's Choice Awards como o Ator Dramático de TV Favorito em 2014[63] e novamente em 2016 como o Ator Favorito em Drama Policial da TV.[64] Posteriormente, Caviezel atuou no papel principal do filme Transit (2012).[26] Em 2013 co-estrelou o filme Escape Plan, ao lado de Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger, interpretando Willard Hobbs, um diretor que mantém a ordem na prisão mais secreta e segura do mundo.[65][66] O filme obteve um ótimo desempenho comercial e faturou mais de 137 milhões de dólares em todo o mundo.[67] Em sua revisão ao The Washington Post, Michael O'Sullivan comentou sobre Caviezel, Amy Ryan, Vincent D'Onofrio e Sam Neill respectivamente, registrando: "Infelizmente, nenhum de seus personagens é terrivelmente bem desenvolvido, com exceção de Willard Hobbes de Caviezel, que aparece tão bem quanto unidimensionalmente".[68]

Seu trabalho seguinte foi em Savannah (2013), representando o personagem principal Ward Allen. Nascido em Savannah, em 1856, Allen frequentou a Universidade de Oxford, onde absorveu as belezas de Shakespeare e os clássicos, mas, ao retornar para casa, decidiu que nem as profissões nem a criação de cavalheiros se adequavam a sua natureza. Assim, Allen dedicou sua vida à caça ao pato, na companhia de seu ajudante Moultrie (Chiwetel Ejiofor), um ex-escravo.[69] Para o The Hollywood Reporter, Frank Scheck publicou: "Caviezel, cujo estilo de atuação naturalmente recessivo o serve extremamente bem em veículos como a série de sucesso Person of Interest, oferece uma virada extrovertida que, no entanto, sempre se sente forçada",[70] enquanto na Variety, Joe Leydon o elogiou dizendo que "Jim Caviezel poderia fornecer fascínio suficiente para que o filme atraísse espectadores nos locais da tela inicial".[71]

2014–presente: Trabalhos recentes e sequela de The Passion of the Christ[editar | editar código-fonte]

Ele estrelou o filme de futebol de 2014, When the Game Stands Tall, como treinador da escola De La Salle High School, Bob Ladouceur, cuja equipe preparada em Concord, Califórnia, teve uma série de vitórias, 151 jogos de 1992 a 2003, um recorde esportivo americano.[72] Nos documentários Guadalupe: The Miracle and the Message (2015),[73] Liberating a Continent: John Paul II and the Fall of Communism[74] e The Face of Mercy[75] (ambos em 2016), o artista trabalhou como narrador. Sobre este penúltimo, Caviezel viajou à Polônia e comentou à wPolityce sua experiência no local onde o protagonista do documentário, Papa João Paulo II, morava e trabalhava: "Quando jovem, li muito sobre o nazismo e o genocídio realizado pelos alemães no território polonês. A única fonte de meu conhecimento era limitada a livros, mas durante minha visita à Polônia, percebi o quanto o Papa deveria ter sofrido ao ser exposto diretamente ao nazismo. Estive em Auschwitz, onde o mártir Maksymilian Kolbe deu sua vida por um companheiro de prisão. Isso me fez perceber a escala do sofrimento do povo polonês. E então o comunismo seguiu fazendo João Paulo II viver sob dois dos regimes mais monstruosos. Como americano, vivia pacificamente preocupado com a Guerra Fria. Eu não experimentei o poder totalitário. João Paulo II teve que viver com dois deles, assim como todo o seu país. Ele representa isso".[41]

O ator havia sido escolhido para liderar o elenco da série SEAL Team da CBS em 2017, como Jason Hayes;[76] entretanto, deixou o projeto devido a diferenças criativas antes do início das filmagens e foi substituído por David Boreana.[77][78] Também apareceu no filme The Ballad of Lefty Brown, uma produção do ano de 2017.[10] Caviezel interpreta o apóstolo Lucas no filme Paul, Apostle of Christ, que estreou nos cinemas em 23 de março de 2018.[79] Este papel volta a conceder a Jim o Prêmio MovieGuide Grace pela Atuação Mais Inspiradora.[80] Apareceu no filme Running for Grace (2018), no papel de Doutor Reyes, ao lado de Ryan Potter, Matt Dillon e Olivia Ritchie.[81] Ele também foi o narrador do documentário John Paul II in Ireland: A Plea for Peace em 2018,[82] e no filme Onyx, Kings Of The Grail, que foi realizado neste mesmo ano.[83]

O ator volta a atuar com Claudia Karvan no longa Infidel, que estreou em 2020.[84] Ele foi escalado como Doug Rawlins, um americano que participava de uma conferência no Cairo, onde é sequestrado e acaba em uma prisão no Irã sob a acusação de espionagem. Depois que seu próprio governo lhe deu as costas, sua esposa Liz (Karvan) viaja para o Irã, determinada a tirá-lo de lá.[85][86] Para o site RogerEbert.com, Sheila O'Malley escreveu: "Nowrasteh (diretor do filme) lida com as sequências de ação com confiança e há muitos momentos legitimamente emocionantes. Os melhores momentos para mim foram os pequenos, os íntimos. Caviezel costuma ser uma figura muito solene na tela, e aqui, Karvan o faz rir".[87]

Caviezel foi contratado para interpretar Tim Ballard, um ex-agente especial do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, no filme The Sound of Freedom.[88] O filme será lançado em 2020 e conta a história da organização Operation Underground Railroad (O.U.R.) e sua missão de salvar as crianças do tráfico sexual e da escravidão. Caviezel declara: "Este é o segundo filme mais importante que eu já fiz desde 'The Passion of the Christ' [...] Isso afetará a salvação de muitas crianças e a mudança de vidas. Também trará muita luz para a escuridão."[89] Tim Ballard solicitou pessoalmente que Jim Caviezel o retratasse no filme, uma idéia, de início, rejeitada pelos produtores que tentaram convencê-lo a escolher um ator que se parecesse mais com ele.[89] “Havia algo especial sobre Jim quando eu o assisti em o 'Conde de Monte Cristo'. Havia uma luz, para mim, que saiu dele [...] Era importante para nós que quem quer que desempenhasse esse papel tivesse que ser alguém que o fez intencionalmente com Deus e saiba que essa luz tem que surgir porque não queremos que seja apenas um filme, queremos que seja um movimento. Queremos que isso seja algo que salve as crianças [...] e avise os possíveis traficantes e pedófilos que estamos chegando", disse Ballard.[89][90] Para se preparar para o papel, ele passou vários dias acompanhando Ballard e aprendendo sobre todos os aspectos da operação da O.U.R, incluindo o treinamento em um campo de tiro.[89]

Foi anunciado em janeiro de 2018, que Caviezel iria reprisar seu papel como Jesus na continuação do filme The Passion of the Christ, intitulada The Passion of the Christ: Resurrection, sendo o filme mais uma vez dirigido por Gibson.[91] Voltando no ano de 2016, mais precisamente no mês de junho, foi anunciado que Mel Gibson está trabalhando em uma sequência de The Passion of the Christ, com foco na ressurreição de Jesus. O roteirista é Randall Wallace, que escreveu o roteiro de Braveheart (1995).[92] Gibson manifestou interesse em dirigir o filme, e também disse que será lançado daqui a alguns anos, já que é um grande projeto.[93] Em novembro de 2016, Gibson confirmou que o título da continuação seria "The Resurrection of the Christ" e sugeriu que parte do filme estaria ocorrendo no Inferno, afirmando que o filme iria explorar o que aconteceu no período de três dias entre a morte de Jesus e seu retorno. Também revelou que a produção do filme provavelmente duraria cerca de três anos, por causa de seu enorme empreendimento.[94] Em entrevista para o USA Today, Caviezel disse: "Há coisas que não posso dizer que chocarão o público. É ótimo. Fique atento. [...] Não vou contar como ele vai agir. Mas vou lhe dizer uma coisa, o filme que fará será o maior filme da história. É tão bom".[91][95]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1996, Caviezel se casou com Kerri Browitt, uma professora de inglês do ensino médio. Sua esposa é a cunhada do ex-técnico do time de futebol americano St. Louis Rams, Scott Linehan. Ela e a esposa de Linehan, Kristen, são irmãs.[96] Jim Caviezel e sua esposa adotaram três crianças da China que tinham câncer.[97] "Todos eles foram abandonados e indesejados. Dois deles tinham câncer no cérebro. O terceiro teve sarcoma. Minha esposa disse que não importa se os filhos são procurados ou não. Eles são pessoas, assim como [nós]", disse o ator à wPolityce.[41]

Aos 37 anos de idade em 2006, o ator tornou-se aluno da Universidade de Notre Dame estudando espanhol. Quando questionado, ele disse: "Estou finalmente conseguindo meu diploma universitário [...] É como em casa aqui. Como família. Notre Dame era um acéfalo. Eu pretendo estudar aqui quando não estiver trabalhando".[98] Também falou a Dave Daley — outro aluno de Notre Dame — que queria entender o espanhol para poder usá-lo em um projeto de tradução da Bíblia e apontou a importância de aprender o idioma devido a uma crescente população de língua espanhola nos Estados Unidos.[99]

Caviezel tem sido um orador em destaque em locais religiosos desde o lançamento de The Passion of the Christ. Em 19 de março de 2005, ele foi o porta-voz da primeira Conferência dos Homens Católicos em Boston.[100] Em 24 de outubro de 2006, Caviezel foi apresentado a Patricia Heaton, Kurt Warner e Mike Sweeney em uma propaganda contra a Emenda Constitucional do Missouri, que permitia qualquer forma de pesquisa com células-tronco embrionárias e terapia no Missouri que fosse legal sob a lei federal. Começou o anúncio dizendo: "Le-bar nash be-neshak" (do aramaico: "Você trai o Filho do Homem com um beijo"), uma referência à traição de Judas por Jesus Cristo e uma frase usada na versão grega do Evangelho de Lucas.[101] O anúncio foi uma resposta a um comercial com Michael J. Fox, que favoreceu a pesquisa com células-tronco embrionárias. Cathy Cleaver Ruse, porta-voz do Missourians Against Human Cloning, que produziu o anúncio, explicou que, "A Emenda Dois — que representa o partido a favor — é uma traição porque é enganosa. Ele promete uma coisa e entrega outra".[101] Tom Schreiner, professor de interpretação do Novo Testamento, disse que Caviezel está implicando que a emenda pode parecer "amorosa e gentil" com seus apoiadores, mas quando lida de perto, é "realmente uma traição". Caviezel termina o anúncio concluindo: “Você sabe agora. Não faça isso. Vote Não em Dois".[101]

Por respeito à sua esposa, Caviezel pediu para usar uma camisa e que Jennifer Lopez vestisse um top durante uma cena de sexo no filme Angel Eyes,[102] e também se recusou a se despir em uma cena de amor com Ashley Judd em High Crimes.[103][8] Ele comentou dizendo: "Não me entenda mal! Eu amo cenas — mas não aquelas com sexo gratuito [...] E não é apenas sobre minha esposa, embora isso seja importante. É pecado, puro e simples. Quero dizer, é errado [...] É estranho".[104]

Religião[editar | editar código-fonte]

O ator, à direita, no parque temático cristão Holy Land Experience, Orlando em junho de 2014.

No que tange sua religião, Caviezel é um católico profundamente fiel, que credita seus sucessos e talentos a Deus.[105][106] Caviezel falou abertamente, durante uma entrevista à Liberty News, o momento em que Deus o chamou para ser ator aos 19 anos, segundo ele: "Senti esse amor que nunca havia experimentado antes, essa paz que nunca senti antes. Ouvi Deus dizer: 'Gostaria que você fosse ator.' [...] não sabia para onde ir. Eu tinha um chamado para ser ator, mas seria necessário que Ele me ensinasse e me levasse aos professores certos, aos filmes certos para fazer".[107]

O ator descreveu sobre como acredita que sua fé o ajudou a protegê-lo dos lados negativos de Hollywood, especificamente drogas e outros vícios que às vezes tomam conta da vida dos atores, em uma entrevista para Faithwire: "Eu acho que teria sido uma questão de tempo até eu começar esse mau hábito e ir para os lugares errados, [mas] eu tinha sabedoria suficiente da fé que eu já tinha em [saber] que não vai me fazer feliz", acrescentando que ele foi "forçado aos braços de Deus" ao decorrer de sua carreira.[105] Ele comentou sobre sua crença: "Eu nunca pensei que ser cristão seria um caminho fácil, mas, [...] nada poderia impedir meu coração ardente de amar a Jesus. É importante. E tomei isso como ator porque quero que as pessoas vejam por que tenho orgulho de ser cristão".[106]

Hollywood teve dificuldade em escalar Caviezel desde o lançamento de The Passion of the Christ, apesar de estrelar o drama da CBS Person of Interest. Porém, o ator disse que não precisa da afirmação de Hollywood: "Não faço por eles, faço por Deus. Então, tudo o que faço é sobre amor, porque quero que outra pessoa lá fora encontre esse amor”.[108]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Filmes
Ano Título Papel Notas
1991 My Own Private Idaho Airline Clerk
1992 Diggstown Billy Hargrove
1994 Blue Chips Jogador de basquete Não creditado
Wyatt Earp Warren Earp
1996 Ed Dizzy Anderson
The Rock Piloto da FA-18
1997 G.I. Jane "Slov" Slovnik
1998 The Thin Red Line Soldado Robert Witt
1999 Ride with the Devil Black John
Any Given Sunday Filho de Anthony D'Amato Cena deletada
2000 Frequency John Sullivan
Pay It Forward Jerry
2001 Angel Eyes Catch
Madison Jim McCormick
2002 The Count of Monte Cristo Edmond Dantès
High Crimes Tom Kubik
2003 I Am David Johannes
2004 Highwaymen James "Rennie" Cray
The Passion of the Christ Jesus Cristo
Bobby Jones: Stroke of Genius Bobby Jones
The Final Cut Fletcher
2006 Unknown Jean Jacket
Déjà Vu Carroll Oerstadt
2008 Outlander Kainan
Long Weekend Peter
The Stoning of Soraya M. Freidoune
2012 Transit Nate
2013 Escape Plan Willard Hobbes
Savannah Ward Allen
2014 When the Game Stands Tall Bob Ladouceur
2017 The Ballad of Lefty Brown Jimmy Bierce
2018 Paul, Apostle of Christ Lucas
Running for Grace Doutor Reyes
Onyx, Kings of the Grail Narrador
2020 Infidel Doug Rawlins
The Sound of Freedom Timothy Ballard
2021 The Passion of the Christ: Resurrection Jesus Cristo

Televisão[editar | editar código-fonte]

Séries e Programas de TV
Ano Título Papel Notas
1992 The Wonder Years Bobby Riddle Episódio: "Herói"
Human Target Líder de esquadrão Episódio: "Second Chance"
1995 Murder, She Wrote Darryl Harding Episódio: "Film Flam"
Children of the Dust Dexter Minissérie
77 Sunset Strip Scott Baker Episódio piloto
2009 The Prisioner Michael / Número 6 Minissérie
2011–2016 Person of Interest John Reese 103 episódios

Documentários[editar | editar código-fonte]

Documentários
Ano Título Papel
2015 Guadalupe: The Miracle and the Message Narrador
2016 Liberating a Continent: John Paul II and the Fall of Communism
The Face of Mercy
2018 John Paul II in Ireland: A Plea for Peace

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Caviezel na San Diego Comic-Con em 2013.

Jim Caviezel recebeu diversos prêmios e nomeações pelos seus trabalhos como ator no cinema e na televisão, que incluem: Suas indicações ao Chicago Film Critics Association Awards para o Ator Mais Promissor (1999);[109][110][20] Blockbuster Entertainment Awards para o Homem favorito Iniciante (2001);[111][110] MTV Movie Awards como o Melhor Ator (2004);[112] People's Choice Awards como o Ator Dramático de TV Favorito e Ator Favorito em Drama Policial da TV (2014 e 2016).[63][64] E os prêmios ganhos pelo ator são: MovieGuide Grace Awards para a Performance e Atuação Mais Inspiradora em Filmes (2005 e 2019);[45][110][80] CAMIE Awards por I Am David (2006).[113][114]

Referências

  1. Filmreference.com. «James Caviezel profile at». Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  2. a b c d e «Jim Caviezel Biography». The Famous People. 3 de novembro de 2017. Consultado em 21 de março de 2019 
  3. The People (London, England). «I ALMOST DIED ON THE CROSS - JUST LIKE JESUS; My Irish Mother Called Acting 'Blarney' But». Questia.com. Consultado em 21 de março de 2019 
  4. «What religion is Jim Caviezel?». Beliefnet.com. Consultado em 21 de março de 2019 
  5. a b c d e f g h i «Jim Caviezel Biography». NotableBiographies.com. Consultado em 24 de março de 2019 
  6. NNDB. «James Caviezel». Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  7. «Jim Caviezel risked waiter job to talk to James Stewart». Express.co.uk (em inglês). 1 de setembro de 2014. Consultado em 8 de abril de 2020 
  8. a b c d «James Caviezel». 24smi.com. Consultado em 24 de março de 2019 
  9. «Jim Caviezel and Lennie James on 'The Prisoner', Nervousness and Working in Cramped Taxis». DailyActor.com. Consultado em 23 de março de 2019 
  10. a b c d e f g h i j k «James Caviezel - Overview». allMovie (em inglês). Consultado em 26 de março de 2019 
  11. «Second Chance». TVmaze (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2020 
  12. «TV Q&A». St. Louis Post-Dspatch (em inglês). 3 de dezembro de 1997. Consultado em 4 de abril de 2020 
  13. Lee, Luaine (21 de janeiro de 1999). «Small-town Boy: Unknown Jim Caviezel Mostly Plays Himself In `The Thin Red Line'». Chicago Tribune. Knight-Ridder/Tribune. Consultado em 1 de abril de 2019 
  14. Senich, Aaron (24 de fevereiro de 2015). «Blue Chips Movie: Recasting Using Todays NBA players» (em inglês). Bacon Sports. Consultado em 4 de abril de 2020 
  15. «'Blue Chips' now on Netflix: 8 fun facts about Jim Boeheim's 1994 acting debut» (em inglês). Syracuse - Entertainment. 1 de julho de 2014. Consultado em 4 de abril de 2020 
  16. «S11E16 – Film Flam». Murder, She Blogged (em inglês). 12 de novembro de 2018. Consultado em 30 de março de 2020 
  17. Falk, Ben (26 de abril de 2016). «8 Huge Hollywood Stars Who Appeared In Murder, She Wrote». Yahoo - Movies UK (em inglês). Consultado em 30 de março de 2020 
  18. «12 kooky facts about '77 Sunset Strip'». MeTV (em inglês). 29 de novembro de 2016. Consultado em 4 de abril de 2020 
  19. «The Rock (1996)». Box Office Mojo. Consultado em 26 de abril de 2020 
  20. a b c Armitage, Helen (6 de janeiro de 2020). «Jim Caviezel Movies & TV Shows: Where You've Seen The Actor» (em inglês). Screen Rant. Consultado em 3 de abril de 2020 
  21. Travers, Peter (15 de janeiro de 1999). «The Thin Red Line». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2020 
  22. Adams, Sam (25 de abril de 2010). «A Second Look: 'Ride With the Devil'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 5 de abril de 2020 
  23. Kate O'Hare (10 de julho de 2015). «Stealth Catholicism: How Have I Watched 'Any Given Sunday' …». Patheos. Consultado em 21 de abril de 2020 
  24. Otto, Jeff (20 de maio de 2012). «IGN Interviews Jim Caviezel». IGN. Consultado em 31 de março de 2020 
  25. Bianco, Julia (9 de junho de 2017). «Actors who were almost cast as X-Men» (em inglês). Looper. Consultado em 31 de março de 2020 
  26. a b «James Caviezel - Filmography». allMovie. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  27. «Angel Eyes». Box Office Mojo. Consultado em 31 de março de 2020 
  28. «Madison» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 3 de abril de 2019 
  29. Wilmington, Michael (5 de abril de 2002). «SUSPENSE: High Crimes» (em inglês). Consultado em 31 de março de 2020 
  30. Hartlaub, Peter (30 de abril de 2004). «When golfers were golfers, and every ending was a happy ending» (em inglês). SFGate. Consultado em 5 de abril de 2020 
  31. a b Felperin, Leslie (11 de fevereiro de 2004). «Review: 'The Final Cut'». Variety (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2020 
  32. Smith, Sean (15 de fevereiro de 2004). «INTERVIEW: 'YOU WANT ME TO PLAY JESUS?'» (em inglês). Newsweek. Consultado em 12 de abril de 2020 
  33. FOX News (1 de dezembro de 2011). «'Passion' Filming Takes a Toll on Jim Caviezel». Consultado em 22 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 4 de agosto de 2012 
  34. Jay Gotera (5 de maio de 2017). «Actor Who Played Jesus in 'Passion of the Christ' Reveals He Was 'Struck By Lightning' During Sermon on the Mount Filming» (em inglês). The Christian Post. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  35. a b c Zack Howe. «Jim Caviezel Literally Got Struck By Lightning On The Set Of Passion Of The Christ» (em inglês). Ranker. Consultado em 12 de fevereiro de 2020 
  36. «For Caviezel, playing Christ proved to be a challenge» (em inglês). Today. 19 de fevereiro de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2020 
  37. London, Matt (22 de março de 2020). «'The Passion of the Christ' actor: Painful movie 'mistakes' made hit film 'more beautiful'» (em inglês). Fox News. Consultado em 5 de abril de 2020 
  38. a b c d e «James Caviezel of 'Passion' Interviewed». The Christian Post (em inglês). 18 de fevereiro de 2004. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  39. Child, Ben (3 de maio de 2011). «Jim Caviezel claims The Passion of the Christ made him a Hollywood outcast» (em inglês). The Guardian. Consultado em 30 de março de 2020 
  40. Fear, David; Rothkopf, Joshua; Uhlich, Keith (5 de agosto de 2019). «The 50 most controversial movies ever made». Time Out (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2020 
  41. a b c «Jim Caviezel: "Jesus is above all else". Spiritual interview with hollywood star». wPolityce.pl. 22 de abril de 2017. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  42. Zakarin, Jordan (2 de maio de 2011). «Jim Caviezel: 'Rejected By My Own Industry' For 'Passion Of The Christ'». Huffington Post (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  43. a b «The Passion of the Christ (2004)». Box Office Mojo. Consultado em 26 de março de 2019 
  44. «Movie Awards 2004». MTV Movie Awards. Consultado em 9 de abril de 2019 
  45. a b «2005 Movieguide Awards Winners». Movieguide Awards (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2020 
  46. Muñoz, Lorenza (29 de fevereiro de 2004). «Lorenza Muñoz meets Passion's Jim Caviezel» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de abril de 2020 
  47. «Unknown (2006)». allMovie (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019 
  48. «Unknown (2006)». IMDb. Consultado em 25 de março de 2019 
  49. Gowsell, Bill (22 de março de 2020). «Touchstone and Beyond: A History of Disney's "Déjà Vu"» (em inglês). Laughing Place. Consultado em 4 de abril de 2020 
  50. «Déjà Vu Awards». IMDb (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019 
  51. «Actor Jim Caviezel on The Stoning of Soraya M.» (em inglês). CBN. Consultado em 26 de março de 2019 
  52. «Long Weekend (2008)». allMovie (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019 
  53. «Ian McKellen cast in The Prisoner». BBC News (em inglês). 1 de julho de 2008. Consultado em 26 de março de 2019 
  54. a b Groves, Martha (16 de novembro de 2009). «BELIEFS : Stars lined up for elaborate audio Bible : Michael York, Jason Alexander and many others gave voice to a 79-CD reading of Old and New Testaments.». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2020 
  55. «New shows explore evolving role of surveillance». The Columbian. 2 de outubro de 2015. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  56. Beale, Lewis (6 de abril de 2012). «Caviezel began acting after basketball injury» (em inglês). The Spokesman. Consultado em 29 de maio de 2020 
  57. «Person of Interest (Season 1)» (em inglês). Metacritic. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  58. McNamara, Mary (22 de setembro de 2011). «'Person of Interest' info». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  59. Riccio, Aaron (17 de outubro de 2013). «Review: Person of Interest: Season Three». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  60. Wiegand, David (21 de setembro de 2011). «'Person of Interest' and 'Prime Suspect' reviews». San Francisco Chronicle (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  61. Hinckley, David (22 de setembro de 2011). «"'Person of Interest' review: John Reese and Mr. Finch partner up in ultimate mystery CIA operatives"». New York Daily News (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020. Arquivado do original em 24 de setembro de 2011 
  62. Hale, Mike (21 de setembro de 2011). «On the Case: Investigator, Billionaire and Some Nosy Software» (em inglês). The New York Times. Consultado em 22 de abril de 2020 
  63. a b «People's Choice Awards 2014: The winners list». Entertainment Weekly (em inglês). 8 de janeiro de 2014. Consultado em 1 de abril de 2020 
  64. a b «List: Who won People's Choice Awards?». USA Today (em inglês). 6 de janeiro de 2016. Consultado em 1 de abril de 2020 
  65. White, James (21 de fevereiro de 2012). «Jim Caviezel Enters The Tomb». Empire Magazine Online. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  66. Suebsaeng, Asawin (18 de outubro de 2013). «Why Stallone and Schwarzenegger's New Action Flick Might Be the Most Left-Wing Film in Theaters» (em inglês). Mother Jones. Consultado em 13 de abril de 2020 
  67. «Escape Plan». Box Office Mojo. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  68. O'Sullivan, Michael (17 de outubro de 2013). «'Escape Plan' movie review» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 13 de abril de 2020 
  69. «Savannah Movie Review & Film Summary». RogerEbert.com (em inglês). 23 de agosto de 2013. Consultado em 27 de março de 2019 
  70. Scheck, Frank (21 de agosto de 2013). «Savannah: Film Review» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 13 de abril de 2020 
  71. Leydon, Joe (22 de agosto de 2013). «Film Review: 'Savannah'» (em inglês). Variety. Consultado em 13 de abril de 2020 
  72. Siegel, Tatiane (22 de abril de 2013). «Jim Caviezel, Laura Dern, Michael Chiklis to Star in 'When the Game Stands Tall'» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 27 de março de 2019 
  73. Mast, Hillary (6 de novembro de 2015). «After Nearly 500 Years, Our Lady of Guadalupe Reveals Her Secrets Again» (em inglês). National Catholic Register. Consultado em 16 de abril de 2020 
  74. McAleer, Joseph (7 de junho de 2016). «"Liberating a Continent: John Paul II and the Fall of Communism," various dates, PBS» (em inglês). North West Catholic - Movies & TV. Consultado em 16 de abril de 2020 
  75. «Documentary on How God's Mercy Transforms Lives to Air on ABC Affiliates» (em inglês). PR Newswire. Consultado em 16 de abril de 2020 
  76. Andreeva, Nellie (14 de março de 2017). «Jim Caviezel To Topline Navy SEAL Drama Pilot In Return To CBS» (em inglês). Deadline. Consultado em 24 de abril de 2020 
  77. Andreeva, Nellie (22 de março de 2017). «David Boreanaz To Topline CBS' Navy SEAL Drama Pilot» (em inglês). Deadline. Consultado em 24 de abril de 2020 
  78. Otterson, Joe (22 de março de 2017). «David Boreanaz to Star in CBS Navy SEAL Drama Pilot» (em inglês). Variety. Consultado em 24 de abril de 2020 
  79. «Jim Caviezel Gives The Most Politically Incorrect Reasons For Choosing Films To Star In». The Daily Caller (em inglês). 31 de março de 2018. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  80. a b «2019 Movieguide Award Winners». Movieguide Awards (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2020 
  81. Leydon, Joe (17 de agosto de 2018). «Film Review: 'Running for Grace'» (em inglês). Variety. Consultado em 27 de março de 2019 
  82. Clarke, Donald (21 de setembro de 2018). «John Paul II in Ireland: A Plea for Peace – a nostalgic popemobile trip» (em inglês). The Irish Times. Consultado em 16 de abril de 2020 
  83. Kay, Jeremy (12 de fevereiro de 2018). «Spotlight EFM-bound 'Onyx, Kings Of The Grail' (exclusive)» (em inglês). Screen Daily. Consultado em 5 de abril de 2020 
  84. N'Duka, Amanda (25 de março de 2020). «Cloudburst Entertainment Nabs 'Infidel' Thriller Starring 'Person Of Interest' Alum Jim Caviezel» (em inglês). Deadline. Consultado em 7 de abril de 2020 
  85. Taylor, Sarah (19 de agosto de 2020). «'Passion of the Christ' actor Jim Caviezel returns to the silver screen for 'Infidel' — a film about the realities of Christian persecution». TheBlaze (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2020 
  86. Davis, Fred (17 de setembro de 2020). «'Infidel' shows the true story of injustice» (em inglês). Post Register. Consultado em 26 de setembro de 2020 
  87. O'Malley, Sheila (18 de setembro de 2020). «Infidel Film Review» (em inglês). RogerEbert.com. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  88. Bond, Paul (15 de junho de 2018). «Blockchain Platform TaTaTu to Co-Finance 'Sound of Freedom'» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 19 de abril de 2020 
  89. a b c d Trent Toone (4 de junho de 2018). «Actor Jim Caviezel set to play second most important role in O.U.R. story 'The Sound of Freedom'». Deseret News Entertainment (em inglês). Consultado em 4 de março de 2020 
  90. Borchert, Brittany (12 de setembro de 2018). «Actor Jim Caviezel Set to Portray Timothy Ballard in "The Sound of Freedom"» (em inglês). Third Hour. Consultado em 26 de setembro de 2020 
  91. a b Alexander, Bryan (29 de janeiro de 2018). «New 'Passion of the Christ' will be 'the biggest film in history,' Jim Caviezel promises» (em inglês). USA Today. Consultado em 27 de março de 2019 
  92. Dostis, Melanie (9 de junho de 2016). «Mel Gibson is working on a 'Passion of the Christ' sequel» (em inglês). Daily News. Consultado em 27 de março de 2019 
  93. Mike Fleming Jr (5 de novembro de 2016). «Mel Gibson On His Venice Festival Comeback Picture 'Hacksaw Ridge' – Q&A». Deadline Hollywood. Consultado em 27 de março de 2019 
  94. Scott, Ryan (2 de novembro de 2016). «Passion of the Christ 2 Gets Titled Resurrection, May Take Jesus to Hell» (em inglês). Movie Web. Consultado em 27 de março de 2019 
  95. Jared Laskey (28 de janeiro de 2019). «Jim Caviezel Says Mel Gibson's Sequel to 'Passion of the Christ' Will Be "Biggest Film in History"». godtv.com (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2019 
  96. «About Scott Linehan». Consultado em 24 de março de 2019 
  97. Archdiocese of Atlanta (12 de junho de 2015). «English track speakers, inspired by the Eucharist, say 'trust God'». Consultado em 24 de março de 2019 
  98. «Where would Jesus go? Notre Dame». Notre Dame News (em inglês). 22 de julho de 2006. Consultado em 21 de abril de 2020 
  99. Sydlik, Ryan (31 de agosto de 2006). «Caviezel takes ND course» (em inglês). The Observer. Consultado em 21 de abril de 2020 
  100. «James Caviezel». SuperiorPics.com. Consultado em 24 de março de 2019 
  101. a b c The Washington Times (25 de outubro de 2006). «Jesus' words used vs. stem-cell initiative». Consultado em 24 de março de 2019 
  102. Silverman, Stephen M. (22 de janeiro de 2002). «Hunky Jim Caviezel: Keep Your Shirt On». People.com. Consultado em 25 de março de 2019 
  103. «"Caviezel drew on faith for role of Jesus"». ChicagoTribune.com. 3 de março de 2004. Consultado em 25 de março de 2019 
  104. Robertson, Annabelle (20 de fevereiro de 2004). «"Passion" Star Prepares All His Life for Role of a Lifetime». Crosswalk.com (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019 
  105. a b Hallowell, Billy (5 de março de 2018). «'My Gift is From God': Actor Jim Caviezel — a True Rarity in Hollywood — Has a Message About Mel Gibson's 'Resurrection of the Christ'». Faithwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2020 
  106. a b Foley, Stephanie (14 de março de 2018). «Jim Caviezel on being Catholic in Hollywood». Revelant Radio (em inglês). Consultado em 30 de março de 2020 
  107. Walsh Laukaitis, Tobi (28 de fevereiro de 2018). «Actor Jim Caviezel tells students not to let fear get in the way of their faith» (em inglês). Liberty University. Consultado em 4 de abril de 2020 
  108. Fox, Clara (16 de março de 2018). «Jim Caviezel on his life as a Catholic actor: 'Far better than I ever dreamed'» (em inglês). Angelus News. Consultado em 30 de março de 2020 
  109. «Chicago Film Critics Association Awards (1999)». IMDb. Consultado em 1 de abril de 2020 
  110. a b c «James Caviezel Awards». Aceshowbiz (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2020 
  111. «Blockbuster Entertainment Awards». IMDb. Consultado em 1 de abril de 2020 
  112. Borgo, Érico (22 de abril de 2004). «Indicados ao MTV Movie Awards 2004». Omelete. Consultado em 1 de abril de 2020 
  113. «Teen 2006 CAMIE winning films». Camie.org (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2020. Arquivado do original em 13 de junho de 2006 
  114. Griffin, Glen (11 de janeiro de 2020). «2006 CAMIE Awards a Big Hollywood Success» (em inglês). Meridian Magazine. Consultado em 1 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jim Caviezel