King Kong (1933)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Conde Dantes (D C) há 44 dias. (Recarregar)

King Kong
King Kong (PT/BR)
 Estados Unidos
1933 •  P&B •  100 min 
Direção Merian C. Cooper
Ernest B. Schoedsack[1]
Produção Merian C. Cooper
Ernest B. Schoedsack[1]
Roteiro James Creelman
Ruth Rose[1]
História Edgar Wallace
Merian C. Cooper[1]
Elenco Fay Wray
Robert Armstrong
Bruce Cabot[1]
Gênero Aventura
Terror
Música Max Steiner[1]
Cinematografia Eddie Linden
Vernon Walker
J.O. Taylor[1]
Edição Ted Cheesman[1]
Companhia(s) produtora(s) Radio Pictures[1]
Distribuição Radio Pictures[1]
Lançamento 7 de março de 1933 (Nova Iorque)
24 de março de 1933 (Los Angeles)
Estados Unidos 7 de abril de 1933
Brasil 26 de maio de 1933
Portugal 2 de janeiro de 1934
Idioma Inglês
Orçamento $672,000[2]
Receita $2,8 milhões[2]
Página no IMDb (em inglês)

King Kong é um filme estadunidense do gênero aventura e terror de 1933, dirigido e produzido por Merian C. Cooper e Ernest B. Schoedsack, e estrelado por Fay Wray, Bruce Cabot e Robert Armstrong. O filme foi produzido pela Radio Pictures e escrito por James Ashmore Creelman e Ruth Rose a partir de uma ideia concebida por Merian C. Cooper e Edgar Wallace.

O filme conta a história de um gigantesco gorila chamado Kong, que morre em uma tentativa de possuir uma bela jovem. King Kong é conhecido pela animação stop motion realizada por Willis O'Brien e pela inovadora partitura musical de Max Steiner. Em 1991, foi considerado "culturalmente, historicamente e esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso e selecionado para preservação no National Film Registry. O filme teve dois remakes, ambos intitulados King Kong, lançados em 1976 e 2005, enquanto um reboot, Kong: Skull Island, está programado para se lançar em 2017.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Uma equipe de cinema liderada por Carl Denham (Robert Armstrong) viaja para a Ilha da Caveira, acreditada ser apenas uma lenda, e se depara com uma civilização primitiva que oferece mulheres a Kong, um deus-gorila gigante. Quando essa civilização captura Ann Darrow (Fay Wray), a estrela do filme, a equipe de marinheiros, agora liderada pelo valente e apaixonado imediato Jack Driscoll, parte em resgate, enfrentando inúmeros perigos tais como dinossauros e insetos gigantes.

Depois de muitos marinheiros perderem a vida na empreitada, Ann é salva das garras do gorila que, aparentemente, se apaixonou por ela. Tendo os sobreviventes em segurança, Denham faz de tudo para conseguir raptar o macaco e levá-lo para Nova York, onde faria dele sua grande atração: "Kong, a Oitava Maravilha do Mundo".

Eventualmente o monstro escapa e fica solto e furioso no meio da cidade, recapturando Ann e dirigindo-se ao Empire State, para a cena que ficaria imortalizada até hoje, tornando-se um ícone pop. Aviões metralham Kong que cai de cima da torre e morre enquanto Ann vê lá de cima o macaco morrer.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Um esqueleto articulável de Brontosaurus usado nas filmagens.

Antes do início da produção de King Kong, existia uma larga gama de filmes sobre selvas, o enredo geralmente adere a um padrão de narrativa centrada em um explorador ou um cientista que se aventura em uma selva apenas para testar uma teoria ou descobrir alguma aberração monstruosa. Nesses filmes, o conhecimento científico poderia ser transformado às avessas a qualquer momento, e foi isto que proporcionou os recursos, a vitalidade e a resistência do gênero.[3]

No início do século XX, alguns zoológicos receberam exposições de primatas, por isso houve uma demanda popular para vê-los em filmes. Os irmãos Lumière enviaram documentaristas de cinema para lugares ocidentais que nunca tinham visto, e Georges Méliès utilizou efeitos especiais em vários filmes de fantasias que precederam a King Kong. Os filmes sobre selvas foram lançados nos Estados Unidos em 1913 com Beasts in the Jungle, um filme que misturou atores reais com leões, um tigre e outros animais. Em 1918, Elmo Lincoln atuou em Tarzan, O Homem Macaco,[3] e, em 1925, o filme O Mundo Perdido teve efeitos especiais realizados por Willis O'Brien e sua equipe, que posteriormente trabalhariam em King Kong.[4] O produtor de King Kong, Ernest B. Schoedsack, tinha experiência ao trabalhar com macacos, e anteriormente, havia dirigido os documentários Chang: A Drama of the Wilderness em 1927 (com Merian Caldwell Cooper) e Rango (1931).[5] Aproveitando essa tendência, a companhia Congo Pictures realizou o filme Ingagi em 1930, anunciando como "um documentário que mostrava o sacrifício de uma mulher por um gorila gigante."[3] O filme foi um sucesso imediato, e segundo algumas estimativas, foi um dos filmes de maior bilheteria da década de 1930 com mais de quatro milhões de dólares. Embora Cooper não listou Ingagi entre as influências de King Kong, ele é considerado uma influência em Kong por causa do exemplo de linha de fundo e o enredo com belas mulheres em perigo.[6]

Willis O'Brien havia feito os efeitos especiais para o longa-metragem inacabado de 1931, Creation, dirigido por ele mesmo. Os modelos dos dinossauros deste filme foram inspirados nos desenhos realizados pelo artista estadunidense Charles R. Knight. Cooper aprovou as sequências realizadas com a técnica stop motion por O'Brien em Creation e por isso decidiu contratá-lo.[7] Os modelos de dinossauros usados em King Kong foram construídos em princípio para as filmagens de Creation e algumas das cenas foram modificadas para se adequar ao roteiro de Kong.[8]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Concepção[editar | editar código-fonte]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Pré-produção[editar | editar código-fonte]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Pós-produção[editar | editar código-fonte]

King Kong foi liquidado mediante com o título, ocorrendo cortes de algumas cenas diminuindo o filme de 125 para 100 minutos, as cenas deletadas foram aquelas que desaceleraram o ritmo ou desviaram a atenção de Kong. Provavelmente a cena deletada mais infame foi a que mais tarde se tornou conhecida como "Spider Pit Sequence", onde um número de marinheiros do Venture sobrevivem a uma queda de um barranco, apenas para ser comidos vivos por várias aranhas, insetos e outras criaturas gigantes. Em um memorando do estúdio, Merian C. Cooper disse que ele cortou a cena para si mesmo, porque ele "parou a história." Décadas mais tarde, Peter Jackson incorporou uma releitura dessa sequência nas cenas extras do DVD do remake de 2005, também acrescentou uma outra versão da cena apenas por diversão, usando animação stop-motion, técnica que foi utilizada nas cenas do filme de 1933.[9]

Murray Spivack proporcionou os efeitos sonoros para o filme. O rugido de Kong foi criado a partir da mistura dos rugidos de leões e tigres gravados no jardim zoológico, posteriormente reproduzidos ao contrário lentamente. Spivak também forneceu os "rugidos de amor" de Kong, utilizando um megafone e reproduzido em velocidade lenta. Spivak também foi o responsável pelas pegadas do macaco, pisando em uma caixa cheia de cascalhos com êmbolos envoltos por espumas ligadas a seus próprios pés, enquanto os sons resultantes das batidas no peito foram registrados por Spivak ao bater sobre o peito de seu assistente com uma baqueta, um microfone foi posto nas costa do assistente. Spivak também criou os silvos e os sons roucos dos dinossauros, ele usou um compressor de ar para o primeiro, os sons roucos foram feitos por sua própria voz. As vocalizações do Tyrannosaurus foi misturada com sons de panthera, sons de aves foram utilizados para os sons do Pteranodon. Spivak também forneceu os numerosos gritos dos vários marinheiros. Far Wray forneceu os sons de sua personagem em uma única sessão de gravação.[10]

Por razões orçamentais, a RKO decidiu não ter uma trilha sonora original composta, em vez disso, instruiu o compositor Max Steiner a simplesmente reutilizar músicas oriundas de outros filmes. Cooper pensou que o filme merecia uma trilha sonora original e pagou cinquenta mil dólares para Steiner, que completou a partitura em seis semanas e gravou com uma orquestra de 46 peças. O estúdio mais tarde reembolsou Cooper.[11] A partitura era diferente de todas que vieram antes e marcou uma mudança significativa na história da música de cinema, sendo o primeiro grande filme de Hollywood a ter uma partitura temática em vez de uma música de fundo. A partitura de King Kong foi a primeira partitura musical de longa-metragem escrita para um filme "talkie" americano, a primeira a marcar o uso de uma orquestra de 46 peças e a primeira a ser gravada em três faixas separadas (sons de efeitos, diálogos e músicas). Steiner usou uma série de técnicas novas na partitura do filme, baseando-se em convenções de óperas por seu uso de leitmotivs.[12]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Prêmios e honras[editar | editar código-fonte]

Re-lançamentos, censura e restaurações[editar | editar código-fonte]

Impacto social[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s «King Kong». AFI Catalog of Feature Films. Arquivado desde o original em 22 de junho de 2016. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  2. a b Richard Jewel, 'RKO Film Grosses: 1931–1951', Historical Journal of Film Radio and Television, Vol 14 No 1, 1994 p39
  3. a b c Gerald Peary. «Missing Links: The Jungle Origins of King Kong» (em inglês). geraldpeary.com. Arquivado desde o original em 3 de janeiro de 2013. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  4. Morton 2005, p. 21
  5. «KING KONG (1933) - Notes» (em inglês). Turner Classic Movies. Arquivado desde o original em 19 de dezembro de 2015. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  6. Erish, Andrew (8 de janeiro de 2006). «Illegitimate Dad of King Kong» Los Angeles Times [S.l.] Arquivado desde o original em 25 de outubro de 2016. 
  7. «King Kong» (PDF) (em inglês). 5 de setembro de 2006. Arquivado desde o original (PDF) em 12 de outubro de 2006. Consultado em 24 de agosto de 2008. 
  8. Pettigrew 1999, pp. 161 e 470
  9. «"The Missing Spider Pit Scene"». retrocrush.com. Arquivado desde o original em 11 de setembro de 2012. Consultado em 2 de março de 2012. 
  10. Morton 2005, pp. 75 e 76
  11. Morton 2005, pp. 76 e 77
  12. Helvering, David Allen; The University of Iowa (2007). Functions of dialogue underscoring in American feature film ProQuest [S.l.] pp. 21–22. ISBN 978-0-549-23504-0. Consultado em 28 de março de 2011. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Morton, Ray (2005). King Kong: The History of a Movie Icon from Fay Wray to Peter Jackson (New York, NY: Applause Theatre & Cinema Books). ISBN 1-55783-669-8. 
  • Pettigrew, Pettigrew (1999). The stop-motion filmography McFarland and Co., Inc. [S.l.] ISBN 9780786431076. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre King Kong (1933)