Língua atlante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde fevereiro de 2019). Ajude e colabore com a tradução.
Língua Atlante (Dig Adlantisag)
Criado por: Marc Okrand1996–2001
Emprego e uso: Filme Atlantis: The Lost Empire (2001) e mídias relacionadas.
Total de falantes:
Categoria (propósito): línguas artificiais
 línguas artísticas
  línguas fictícias
   Língua Atlante
Categoria (fontes): Língua artificial
Escrita: Alfabeto Atlante
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2:
ISO 639-3: none

A Língua Atlante é uma língua artificial criada por Marc Okrand para o filme Atlantis: The Lost Empire da Disney. Os roteiristas esperavam que o idioma fosse uma possível "língua mãe" e Okrand o desenvolveu para incluir uma vasta quantidade de palavras indo-europeias em sua gramática, o que as vezes é descrita como altamente aglutinante, inspirada pelo sumério e línguas norte-americanas.

Criação[editar | editar código-fonte]

Marc Okrand foi contratado pela Disney para criar a Língua Atlante.

A Língua Atlante (Dig Adlantisag) é uma linguagem artística historicamente construída, criada por Marc Okrand para o filme de 2001 Atlantis: The Lost Empire da Disney e mídias associadas.[1] A Língua Atlante é então baseada tanto em reconstruções históricas quanto no mythos de fantasia/ficção científica elaborado em Atlantis: The Lost Empire. Os princípios ficcionais na qual a Língua Atlante foi construída são: Atlante é a “linguagem Torre de Babel”, o ”dialeto raiz” da qual todos os idiomas descendem; ela tem existido sem mudança desde por volta de 100,000 A.C, desde a Primeira ou Segunda Era de Altlantis até atualmente.

Para conseguir isso, Dr. Okrand procurou por características em comum entre vários idiomas ao redor do mundo e também foi altamente inspirado pela Língua protoindo-europeia. Sua fonte principal de palavras (raízes e caules) para a linguagem são do Protoindo-Europeu,[1] mas Okrand também combina com o Hebraico Bíblico, e linguagens indo-europeias posteriores tais como Latim e Grego e uma variedade de outras linguagens antigas conhecidas ou reconstruídas.[2][3][4]

Sistemas de escrita[editar | editar código-fonte]

Atlante tem seu próprio alfabeto criado expressamente para o filme por John Emerson com a ajuda de Marc Okrand, sendo inspirado por alfabetos antigos, sendo o Semítico o mais notável. Existem, entretanto, tipos diferentes de transliteração para o Alfabeto latino.

Alfabeto Atlante[editar | editar código-fonte]

O alfabeto e numerais Atlante

Não há pontuação ou letra maiúscula no Sistema de Escrita Atlante nativo. Okrand usou como base sistemas antigos de escrita. O Alfabeto Atlante é normalmente em Bustrofédon, o que quer dizer que é escrito da esquerda à direita na primeira linha, direita à esquerda na segunda e esquerda à direita de novo na terceira, continuando o padrão. Essa ordem também foi sugerida por Okrand, baseada em sistemas antigos de escrita e foi aceita pois, como explicou, "É um movimento de trás para frente, tipo o fluxo da água, então funcionou."[1][5]

O alfabeto Atlante incluí mais letras do que de fato são usadas no idioma. Essas letras, c, f, j, q, v, x, z, ch ou th, foram criadas para que o Atlante possa ser usado como um código simples de cifra para propósitos promocionais. Elas também são baseadas em diversas letras antigas, tal como o resto do alfabeto.[1]

Alfabeto Romano[editar | editar código-fonte]

Aparte do alfabeto Atlante criado para o filme, a linguagem pode ser transcrita usando o alfabeto Romano. Aqui estão duas versões:

  1. Transcrição Padrão,[6] como a linguagem é transliterada por Marc Okrand.
  2. Alfabeto do Leitor,[6][7] uma notação do estilo Berlitz planejada por Okrand, qual ele esperava facilitar a leitura dos atores.

Exemplo:

  1. Nishentop Adlantisag, kelobtem Gabrin karoklimik bet gim demottem net getunosentem bernotlimik bet kagib lewidyoh.
  2. NEE-shen-toap AHD-luhn-tih-suhg, KEH-loab-tem GAHB-rihn KAH-roak-lih-mihk bet gihm DEH-moat-tem net GEH-tuh-noh-sen-tem behr-NOAT-lih-mihk bet KAH-gihb LEH-wihd-yoakh.

Esta sentença, por exemplo, pode ser quebrada como:

Nishentop Adlantisag, kelobtem Gabrin karoklimik bet gim demottem net getunosentem bernotlimik bet kagib lewidyoh.
spirit-pl-voc Atlantis-gen, chamber-obl 2nd.pl.fam-gen defile-pperf-1st.sg for and land-obl into intruder-pl-obl bring-pperf-1st.sg for 1st.sg-dat forgive-imp-pl
"Spirits of Atlantis, forgive me for defiling your chamber and bringing intruders into the land."
"Espíritos de Atlantis, perdoem-me por profanar sua câmara ao trazer intrusos à ilha."

E adiante está uma tabela que mostra as correspondências entre os modos diferentes de transcrição com valores prováveis do AFI.[5][8][9]

Correspondências
Transcrição Padrão a b g d e w h i y k l m u n o p r s sh t
Alfabeto do Leitor ah, uh b g d eh, e w kh ee, ih y k l m oo, u n oa, oh p r s sh t
AFI [ɑ, ə] [b] [g] [d] [e, ɛ] [w] [x] [i, ɪ] [j] [k] [l] [m] [u, ʊ] [n] [o, ɔ] [p] [r, ɾ] [s] [ʃ] [t]

Numerais[editar | editar código-fonte]

John Emerson, Marc Okrand e os cineastas também criaram numerais de 0 à 9. Entretanto, são empilhados horizontalmente e levam valores de 1, 20 e 400. Seus componentes são baseados nos Numerais maia e internalmente compostos para a fonte (exemplo acima) tais como a Numeração romana. Se usado de acordo com as direções do, agora offline, site oficial, ficam de forma alternada, tais como os Algarismos indo-arábicos.[1][6][10]

Números cardinais[11]
Numeral Atlante Português
1 din um
2 dut dois
3 sey três
4 kut quatro
5 sha cinco
6 luk seis
7 tos sete
8 ya oito
9 nit nove
10 ehep dez
30 sey dehep[12] trinta

Sufixos numéricos[editar | editar código-fonte]

Ordinais são formados adicionando o sufixo - (d)lag: sey 'três, seydlag 'terceiro'. O d é omitido se a raiz acaba com um consoante obstruente ou nasal: dut 'dois, dutlag 'segundo'.[13] Frações são formadas com o sufixo -(d)lop: kut 'quatro', kutlop 'quarto', sha 'cinco', shadlop 'quinto (parte)'.[14] E finalmente, distributivos são formados com o sufixo noh: din 'um', dinnoh 'um por vez, um para cada'.[13]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Tabela AFI de consoantes Atlantes
Bilabial Alveolar Alveolo-
palatal
Palatal Velar Labiovelar
Plosiva p   b t   d k   ɡ
Nasal m n
Fricativa s ʃ [nota 1] x [nota 2]
Aproximante j [nota 3] w
Vibrante r
Lateral l

Onde os símbolos ocorrem em pares, o da esquerda representa o consoante mudo e o da direita representa o consoante falado.

Vogais[editar | editar código-fonte]

O inventário fonético Atlante inclui um sistema de vogais com os cinco fonemas acima. Muitas vogais tem duas realizações alofônicas proeminentes, dependendo de se ocorrem numa sílaba tônica ou átona.

Tabela AFI de vogais Atlantes
Anterior Central Posterior
Tensa Relax Tensa Relax Tensa Relax
Alta i ɪ u ʊ
Semi e ɛ o ɔ
Baixa a ə

Os vogais em sílabas tônicas tendem a serem tensos. De forma parecida, as átonas tendem a serem mais relaxadas. Também, por exemplo, /i/ é visto respectivamente como [i] ou [ɪ] em sílabas tônicas ou átonas. Da mesma forma, /e/ é visto como [e] ou [ɛ] e etc. Tem três ditongos: ay, ey, oy.

Além do sistema de vogais baseado em sílabas tônicas, o único outro exemplo de um fenômeno fonológico proeminente parece ser um tipo especial de sandhi ocorrente nos verbos, quando o pronome é combinado com um marcador de aspecto.

Quando o sufixo para a primeira pessoa do singular -ik combina com tensos que utilizam -i, -o (tensão do Passado e Futuro), se torna -mik.

bernot-o-ik → bernot-o-mik

Mas quando combinado com sufixos que apresentam -e (tensão do Presente), o mesmo sufixo se torna -kik.

bernot-e-ik → bernot-e-kik

Gramática[editar | editar código-fonte]

Atlante tem uma ordem Sujeito-Objeto-Verbo bem estrita e sem desvios permitidos. Adjetivos e verbos no caso genitivo seguem os verbos que eles modificam. Adposições apenas aparecem na forma de posposições, verbos modais seguem os verbos que eles modificam e subsequentemente pegam todos os sufixos pessoais e aspectuais. Entretanto, advérbios precedem verbos. A linguagem incluí o uso de uma partícula interrogativa para formar questões, sem variação na ordem das palavras.[1]

Notas

  1. Transliterado como sh no Alfabeto do Escritor e no Alfabeto do Leitor.
  2. Transliterado como h no Alfabeto do Escritor (bibɪx, capa interna do Subterranean Tours) e "kh" no Alfabeto do Leitor.
  3. Transliterado como y no Alfabeto do Escritor e no do Leitor.
Portal A Wikipédia tem o portal:

Referências

  1. a b c d e f "Production Notes." Atlantis-The Lost Empire. Ed. Tim Montgomery, 1996–2007. The Unofficial Disney Animation Archive. 13 de janeiro de 2007. Animationarchive.net[ligação inativa]
  2. Kalin-Casey, Mary. “Charting Atlantis the crew behind Disney’s latest animated adventure takes you behind the scenes.” Features Interviews. 17 de janeiro de 2007 Reel.com Arquivado em 18 de janeiro de 2006 no Wayback Machine.
  3. Murphy, Tab, Platon, David Reyolds, Gary Trousdale, Joss Whedon, Kirk Wise, Bryce Zabel, and Jackie Zabel. Atlantis the Lost Empire: The Illustrated Script [Abridged Version with Notes from the Filmmakers], 55.
  4. Henn, Peter (1 de junho de 2001). «Finding Atlantis». Film Journal International. Consultado em 30 de agosto de 2011 
  5. a b Wloszczyna, Susan. “New movie trek for wordsmith.” USA Today Online. 24 de maio de 2001. 12 de janeiro de 2007. USA Today
  6. a b c Anderson, Matt. “Parlez-vous Atlantean?” Movie Habit. 12 de janeiro de 2006 Moviehabit.com
  7. Henning, Jeffery. “Atlantean: Language of the Lost Empire” Langmaker.com. Jeffrey Henning. 1996–2005. 12 de janeiro de 2006 Langmaker.com Arquivado em 08-01-2007 no Wayback Machine. "Interview of Don Hahn on Atlantis!" Animagic.Com. 3/26/01.
  8. Kurtti, Jeff. Atlantis Subterranean Tours: A Traveler’s Guide to the Lost City (Atlantis the Lost Empire). New York: Disney Editions: 2001, Inside Front Cover.
  9. Hahn, Don; Wise, Kirk; Trousdale, Gary et al. 2-Disc Collector’s Edition: Atlantis: The Lost Empire, especially Features "How to Speak Atlantean", "The Shepherd's Journal".
  10. John, David. Atlantis: The Lost Empire: The Essential Guide. New York: Dorling Kindersley Publishing, Inc., 2001, 33.
  11. Kurtti, Jeff. Atlantis Subterranean Tours: A Traveler’s Guide to the Lost City (Atlantis the Lost Empire). New York: Disney Editions: 2001, 60.
  12. Kurtti, Jeff. Atlantis Subterranean Tours: A Traveler’s Guide to the Lost City (Atlantis the Lost Empire). New York: Disney Editions: 2001, 31.
  13. a b Ehrbar, Greg. Atlantis: The Lost Empire. Milwaukee: Dark Horse Comics: Junho de 2001.
  14. Hahn, Don; Wise, Kirk; Trousdale, Gary et al. 2-Disc Collector’s Edition: Atlantis: The Lost Empire, 01 10 0:50:31.
  • Cynthia, Benjamin. "Atlantis: The Lost Empire : Welcome to my World." New York: Random House: 2001.
  • Ehrbar, Greg. "Atlantis: The Lost Empire." Milwaukee: Dark Horse Comics: Junho de 2001.
  • Hahn, Don; Wise, Kirk; Trousdale, Gary et al. "2-Disc Collector’s Edition: Atlantis: The Lost Empire."
  • "Disney Adventures" magazine, Summer Issue 2001.
  • Howard, James N. "Atlantis: The Lost Empire An Original Walt Disney Records Soundtrack" : Limited Taiwanese Edition. Taiwan and Hong Kong: Walt Disney Records: Represented by Avex: 2001.
  • Kurtti, Jeff. "Atlantis Subterranean Tours: A Traveler’s Guide to the Lost City (Atlantis the Lost Empire)." New York: Disney Editions: 2001.
  • Kurtti, Jeff. "The Journal of Milo Thatch." New York: Disney Editions: 2001.
  • Murphy, Tab et al. "Atlantis, the Lost Empire : The Illustrated Script." New York : Disney Editions: 2001.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]