Pictavo-sântone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Língua pictava)
Ir para: navegação, pesquisa

O pictavo-sântone,[1][2] (em francês, poitevin-saintongeais; chamado parlanjhe pelos falantes) é uma família linguística integrante das línguas d'oïl. Refere-se especificamente à junção linguística da língua pictava ou poitevina e a língua sântone ou santongesa que ocorreu na área situada entre as regiões do Loire e da Gironda,[3] reunindo falantes pictavos e sântonos, cuja relativa unidade tem sido demonstrada desde o início do século XIX. Tal unidade foi posteriormente confirmada, ao longo dos séculos XIX e XX, com o trabalho de acadêmicos das universidades de Liverpool, Angers, Poitiers, Lyon, Nantes, Universidade Blaise Pascal de Clermont-Ferrand e Universidade de Nancy.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dicionário Houaiss: de 'pictavo', do latim pictávus,a,um e 'sântone', relativo aos sântones, antigo povo da Gália aquitânica, da foz do Garumna (Garona), na França, ou indivíduo desse povo; sântono. Do nome latino de Poitiers: Limonum Pictonum/ Pictavi = Civ. Pictavorum. Society for Late Antiquity. University of South Carolina.
  2. Também referido como 'pictevino-santongês' ou mesmo 'pitavino-santongês'. Ver BASSETTO, Bruno Fregni. Elementos de filologia românica, p.225
  3. DUGUET, Jacques. Glossaire des parlers populaires de Poitou, Aunis, Saintonge, Angoumois, tomo III, 1994. SEFCO - Société d’Ethnologie et de Folklore du Centre-Ouest, apud "Parlange... mot saintongeais et poitevin (donc vendéen !)", por Eric Nowak.
  4. Segundo Jean-Paul Chauveau do Institut national de la langue française de Nancy (Français de France et Français du Canada : Les parlers de l’Ouest de la France, du Québec et de l’Acadie. Centre d’Etudes Linguistiques Jacques Goudet, Université Lyon III, 1995, p. 81): "Mais ou menos paralelamente à região do Loire, revela-se no sul do país de Nantes e de Anjou uma zona notável de discordâncias léxicas. Toda uma série de tipos léxicos, que cobrem de modo compacto e coerente o Angoumois, a Saintonge, o Aunis e o Poitou, cessa bruscamente de circular." Brigitte Horiot, do CNRS e da Université de Lyon III, linguista especialista nos falares da área compreendida entre Loire e Gironda, escreve em Les parlers du Sud-Ouest, dans : Français de France et Français du Canada : Les parlers de l’Ouest de la France, du Québec et de l’Acadie, Centre d’Etudes Linguistiques Jacques Goudet, Université Lyon III, 1995, p. 228 : "A descrição linguística do ALO [Atlas linguistique de l’Ouest : Poitou, Aunis, Saintonge, Angoumois] evidencia a existência, entre a região do Loire e a Gironda, de um domínio linguístico importante, forjado por sua situação geográfica e por sua história, e cuja particularidade é de ocorrer entre o Norte e o Midi, entre a região da Bretanha e a região do Centro."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]