Malmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Suécia Malmo

Malmö
Malmoe

 
  Cidade  
De cima da esquerda para a direita: Turning Torso, Castelo de Malmo, Escultura de um Grifo, Kronprinsen e a a ponte do Ore.
De cima da esquerda para a direita: Turning Torso, Castelo de Malmo, Escultura de um Grifo, Kronprinsen e a a ponte do Ore.
Símbolos
Brasão de armas de Malmo
Brasão de armas
Localização
Malmo está localizado em: Suécia
Malmo
Localização de Malmo
Coordenadas 55° 35' N 13° 02' E
Região Gotalândia
Província Escânia
Condado Escânia
Comuna Malmo
Administração
Tipo [1]
Prefeito Katrin Stjernfeldt Jammeh (POSDS, 2013)
Características geográficas
Área total 77,1 km²
População total (2018) 316 588 hab.
Densidade 4 106,2 hab./km²

Malmo,[2] Malmö[3][4][5] ou Malmoe[6] (pronúncia sueca: /'malmøː/ (Sobre este somescutar )) é uma cidade da região da Gotalândia, província da Escânia, no condado da Escânia. Segundo censo de 2017, tinha 316 588 habitantes[7] e é sede da comuna de Malmo.[8] O estreito de Öresund separa essa cidade de Copenhaga, na Dinamarca.[9][10][11][12][13] Possui 77,1 quilômetros quadrados.[7]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Malmö deriva de malm (areia) e hög (monte), significando aproximadamente "monte de areia". Entre as primeiras formas registadas está Malmöghae (1170).[14][15]

Em textos em português costuma ser usada a forma original Malmö, e menos frequentemente a adaptação tipográfica Malmo. [16] [17]

História[editar | editar código-fonte]

Malmo surge na Baixa Idade Média e era originalmente conhecida como Malmhaug (e variantes). Pertencia à Dinamarca e foi escriturada no século XIII. No fim do medievo, o comércio de arenque atraiu a atenção de mercadores hanseáticos de Lubeque, que ali se estabeleceram e chamaram-a de Elbogen (lit. "Cotovelo") devido a curva na costa naquele ponto. No século XIV, foi fundada a Igreja de São Pedro. Após sua união com a Suécia com o Tratado de Rosquilda de 1658, sofreu acentuado declínio econômico causado pela perda de certos privilégios comerciais que gozou junto ao governo dinamarquês, as várias guerras entre Suécia e Dinamarca e suas precárias instalações portuárias. Cerca de 1730, residiam ali 282 pessoas. Com a construção de seu porto em 1775, passou por certa revitalização econômica, mas apenas sofreria um intenso desenvolvimento econômico com a chegada do trem após 1856. Desde meados do século XIX, Malmo é importante centro industrial e de transporte e hoje é a terceira maior cidade da Suécia. Até 1997, quando foi integrada ao condado da Escânia, era capital do condado do Castelo de Malmo, assim batizado em honra ao castelo homônimo (hoje um museu) fundado no século XVI.[18]

Economia e transportes[editar | editar código-fonte]

O porto de Malmo transporta grandes quantidades de importados e exportados. Fábricas e armazéns foram feitos em aterros extensos no estreito de Ore. Um aeroporto internacional fica a cerca de 31 quilômetros a leste, perto de Skurup, e Malmo está ligado a Copenhaga e à Zelândia pela ponte do Ore, um sistema de pontes e túneis aberto em 2000.[18] Essa ponte, com seus quase 16 quilômetros, é a maior ponte rodoferroviária do mundo, erigida ao custo de 5,7 bilhões de dólares, pagos meio a meio pelos dois países beneficiados; em sua inauguração estiveram presentes a rainha Margarida II e o rei Carlos XVI.[19]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Entre 2001 e 2005, foi edificado ao custo de 145 milhões de euros um enorme edifício residencial chamado Turning Torso em Malmo. É o segundo mais elevado prédio desse tipo na Europa com 190 metros de altura, perdendo apenas para o Triumph-Palace de Moscou, com 264 metros. Faz um giro, uma torção de 90 graus, desde a planta térrea até a cobertura, sendo uma obra de arte e de elevada complexidade nos cálculos estruturais e na execução, considerando que é uma região de ventos inclementes e temperaturas que chegam a –20 Cº.[19]

Referências

  1. Jornal Diário Sueco 2013.
  2. Público 2019.
  3. «Dinamarca sobrevive no Europeu de andebol». Público. ISSN 0872-1548. Consultado em 19 de janeiro de 2020. a Dinamarca, campeã do mundo, não conseguiu melhor que um empate em Malmö (Suécia) 
  4. «Parceria em prol da segurança alimentar no mundo é celebrada com concerto de música clássica». Nações Unidas - Brasil. Consultado em 19 de janeiro de 2020. A Orquestra e o Coro de Malmö da Suécia realizam concerto no Brasil para promover a parceria entre a organização 
  5. Júlia Magalhães da Costa LIMA; et al. «Risco e prevenção à cárie dentária: avaliação de um programa preventivo aplicado em uma clínica infantil». Universidade Federal da Paraíba. Consultado em 19 de janeiro de 2020. Avaliar o sistema de avaliação de risco Nexø, associado ao Cariograma® (Faculdade de Odontologia, Malmö, Suécia) 
  6. ABL 2004, p. 234.
  7. a b City Population.
  8. Erlandsson 2018.
  9. Magnusson 2004, p. 214.
  10. Enciclopédia Norstedt 2008, p. 787.
  11. Miranda 2007, p. 607.
  12. INES 2017.
  13. Wedsberg 1995, p. 60-61.
  14. Wahlberg 2003, p. 218.
  15. Hellquist 1948, p. 452.
  16. João Filipe do Carmo Vieira. «Dispositivos de identidade na estatuária urbana europeia». Universidade de Lisboa. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Em Scheveningen (Holanda) representa-se a captura e em Malmö (Suécia) a comercialização do pescado. 
  17. Flávia Moerbeck Casadei de Mello. «Aneurisma da aorta abdominal infra-renal:avaliação ultra-sonográfica em homens acimade 50 anos». Universidade Estadual Paulista. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. ... realizaram 4 estudos de rastreamento US de dilatação da aorta abdominal na Universidade de Lund, em Malmo, na Suécia. 
  18. a b Editores 1998.
  19. a b Venturi 2019.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Anais da Academia Brasileira de Letras Vol. 187-188. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras. 2004 
  • «Malmö». Enciclopédia Britânica Online. 1998 
  • Erlandsson, Ulf (2018). «Alsterån». Enciclopédia Nacional Sueca (em sueco). Gotemburgo: Universidade de Gotemburgo 
  • Hellquist, Elof (1948). «Malmö». Svensk etymologisk ordbok (Dicionário etimológico sueco) (em sueco). Lunda: Gleerup. 1484 páginas 
  • Wahlberg, Mats (2003). «Malmö». Svenskt ortnamnslexikon (Dicionário das localidades suecas) (em sueco). Upsália: Språk- och folkminnesinstitutet e Institutionen för nordiska språk vid Uppsala universitet. ISBN 91-7229-020-X 
  • Wedsberg, Malin (1995). Sveriges landskap (Províncias da Suécia) (em sueco). Estocolmo: Almqvist & Wiksell. ISBN 91-21-14445-1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Malmo