Nīþ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nīþ (nórdico antigo níð; inglês antigo nīþ, nīð) ou Niðingr, a sociedade germânica, era um termo que implicava a perda da honra e a estigmatização do indivíduo como malvado. Em inglês médio existia um termo cognato, nithe, que significava "inveja", "ódio" ou "malícia".[1]

Um termo relacionado era ergi, que comportava uma conotação de falta de virilidade.

Níð, argr, ragr e ergi[editar | editar código-fonte]

Ergi e argr ou ragr podem ser consideradas especificamente palavras malsonantes ou graves insultos para acusar um indivíduo de "cobarde" e, devido à gravidade e severidade do termo, as velhas leis escandinavas exigiam uma retribuição face a tal acusação ou, por omissão, o justo castigo para o acusador se não fosse correcto.

O código grágás islandés (lei do ganso gris)[2] faz referência a três palavras equivalentes a "argr": ragr, strodinn e sordinn, as três significavam o rol passivo de um homem em actividades sexuais com outros homens.[3] Outro conceito semántico de argr, ragr e ergi era, segundo o grágás, "sincero (próximo) amigo do feiticeiro".

Outros exemplos das leis escandinavas: A lei de Gulating[4] refere-se a "não ser suficientemente homem", "ser um escravo" ou "seiðmaðr (feiticeiro)". As leis de Bergen[5] também se referem ao "seiðmaðr", ou "o desejo de manter relações sexuais como macho passivo (kallar ragann)". A lei de Frostothing[6] refere-se ao desejo masculino de manter fracas relações sexuais". Portanto, aparentemente o término ergi estava fortemente condicionado, não só no senso de bruxaria, falta de virilidade, debilidade e amaneiramento, também à luxúria e perversão sexual do ponto de vista dos povos nórdicos durante a Idade Média. Os Ergi ou efeminados eram considerados como indivíduos de excessiva luxúria roçando a toleima mais extrema.[7]

O significado do adjectivo argr ou ragr (em anglosaxão "earg") estava vinculado a uma natureza ou aparência efeminada, especialmente em actos obscenos. Argr era o pior, o insulto mais depreciativo conhecido das línguas nórdicas. Segundo a lei islandesa, era esperado que o arguido matasse o seu acusador imediatamente.[8] Se o acusado não respondia com violência, tinha o direito a demandar uma compensação com um duelo, o holmgang, exigindo a retirada do insulto ao acusador ou por defeito desafiá-lo à morte, com o fim de provar que o acusado não era um ser débil e cobarde por não responder apropriadamente.[9]

Referências

  1. Siglo XV níþ de Bosworth & Toller (1898/1921). An Anglo-Saxon dictionary, based on the manuscript collections of the late Joseph Bosworth, edición y ampliación de T. Northcote Toller, Oxford University Press
  2. Heusler, Andreas (1937). Isländisches Recht - Die Graugrans (em alemão). Weimar: [s.n.] 
  3. Seebold, Elmar (Ed.): Art. arg, in: Kluge. Etymologisches Wörterbuch der deutschen Sprache, 24. Auflage, Berlin, New York 2002, S. 58.
  4. Meißner, Rudolf (1935). Norwegisches Recht - Das Rechtsbuch des Gulathings (em alemão). Weimar: [s.n.] p. 123 
  5. Meißner, Rudolf (1950). Stadtrecht des Königs Magnus Hakonarson für Bergen - Bruchstücke des Birkinselrechts und Seefahrerrechts der Jónsbók (em alemão). Weimar: [s.n.] pp. 65, 105, 347, 349, 437 
  6. Meißner, Rudolf (1939). Norwegisches Recht - Das Rechtsbuch des Frostothings (em alemão). Weimar: [s.n.] p. 193ff 
  7. Ruth Karras Mazo: Sexualität im Mittelalter. Aus dem Amerikanischen von Wolfgang Hartung, Düsseldorf 2006, p. 275 - 277.
  8. Gering, Hugo (1927). B. Sijmons, ed. Kommentar zu den Liedern der Edda (em alemão). Halle: [s.n.] p. 289 
  9. Heusler, Andreas (1911). Das Strafrecht der Isländersagas (em alemão). Leipzig: [s.n.] p. 56