Iduna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Iduna (1858) por Herman Wilhelm Bissen.

Iduna (também conhecida como Idun ou Iðunn) era, na mitologia nórdica, esposa de Bragi e deusa da poesia. De acordo com o Edda em prosa ela era a guardiã do pomar sagrado cujas maçãs permitem aos Aesir restaurarem a sua juventude pela eternidade. Ela é responsável pela imortalidade dos deuses, fornecendo uma maçã por dia, vinda de seu cofre de madeira de freixo, que mantêm a juventude e força. Na "Altercação de Loki", das baladas édicas, ela é acusada de adultério pelo perverso Loki[1] : "Idun aperta em seus braços o assassino de seu irmão". Em outras fontes da Mitologia Nórdica temos o episódio no qual o gigante Tiazi por ela se apaixona, seqüestrando-a metamorfoseado em uma águia. Ao que parece, Idun não tinha culto regular entre os nórdicos, era deusa mais figurativa.

Referências

  1. Iduna - Protetora do pomar sagrado (em português). All of mitology. Página visitada em 16 de outubro de 2011.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Iduna
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.