O Boticário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Boticário
Logotipo
Slogan A vida é bonita, mas pode ser linda.
Tipo Sociedade anônima
Indústria Cosméticos e Perfumaria
Fundação 1977
Fundador(es) Miguel Krigsner[1]
Sede São José dos Pinhais, PR,
 Brasil[2]
Proprietário(s) Grupo Boticário
Faturamento Aumento R$ 7,6 bilhões (2013)[3]
Sítio oficial www.boticario.com.br

O Boticário é uma rede de franquias de cosméticos e perfumes brasileira, com sede no Paraná. Seus principais produtos são fragrâncias, cremes e produtos para maquiagem. É a oitava maior empresa varejista do país, segundo classificação do Ibevar em 2012.[4] [5] Foi fundada em 1977 por Miguel Krigsner como uma farmácia de manipulação no centro de Curitiba.[1]

Em 2010, a empresa paranaense abriu a sua 160ª loja (franquia), tornando-se a líder em quantidade de lojas e faturamento em território nacional (Brasil) e está entre as três maiores redes de franquia do mundo.[3] [6] No mesmo ano, a empresa criou o Grupo Boticário, uma holding presidida por Artur Grynbaum.[7] [8]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1977 foi fundada a Farmácia de Manipulação O Boticário, em São José dos Pinhais, no Paraná. Em 1980 a marca abre sua primeira franquia e dois anos depois inaugura sua primeira fábrica. No ano de 1985, a empresa abre sua primeira loja em Portugal e em 1987 inaugura sua milésima unidade.[9]

Em 2011, confirmou a sua primeira fábrica fora do Paraná, em Camaçari, estado da Bahia.[10] O Boticário lançou em 2011 a marca Eudora. A marca de cosméticos tem 14 lojas e também oferece produtos de porta a porta (venda direta).[11] No segmento de maquiagem, a empresa possui três marcas: Make B., Intense e Capricho.[1] Em 2012 o Boticário lançou mais três marcas, a The Beauty Box, a Nativa Spa, e a Skingen.[12] Em 2013, reassumiu a liderança do mercado brasileiro de perfumaria[3] , e hoje conta com mais de 3 mil lojas em mais de 1.700 municípios do país.[3]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2015, a empresa lançou uma campanha intitulada "Toda Forma de Amor", feita para o Dia dos Namorados, no qual apresenta casais heterossexuais e homossexuais se abraçando e trocando presentes da marca.[13] O vídeo gerou grande repercussão, principalmente em redes sociais na internet. O comercial, postado pela marca no YouTube, foi visualizado por mais de três milhões de pessoas e tinha mais de 360 mil "curtidas", contra pouco mais de 180 mil curtidas negativas de outros internautas (até 6 de junho).[14]

Entre setores conservadores da sociedade, no entanto, a campanha repercutiu negativamente. Houve convocações pelo boicote à marca por pessoas como Silas Malafaia e declarações homofóbicas em redes sociais.[15] [16] [17] O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) também recebeu 30 reclamações em todo o país e, conforme sua função, deu início a um processo para verificar possíveis abusos contra o consumidor na campanha publicitária da empresa.[18] No dia 16 de julho, no entanto, o Conar decidiu arquivar o processo aberto contra o vídeo. O relator do processo destacou em seu voto: "Não contem com a publicidade para omitir a realidade".[19]

O Boticário respondeu que "a proposta da campanha 'Casais', que estreou em TV aberta no dia 24 de maio, é abordar, com respeito e sensibilidade, a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor — independentemente de idade, raça, gênero ou orientação sexual — representadas pelo prazer em presentear a pessoa amada no Dia dos Namorados".[20] O jornalista James Cimino, em um artigo publicado no site UOL Economia, também apontou incoerências no movimento de boicote da marca, visto que grandes multinacionais — como Apple, Microsoft, Google, HP, Intel, Facebook, The Coca-Cola Company, Colgate-Palmolive, Disney, Twitter, Visa, Mastercard, Starbucks, Nike, Xerox, Levi's, Gillette, Absolut, Amazon, Ray-Ban, Gap, American Airlines, Tiffany & Co, Budweiser, entre outras — também apoiam o movimento LGBT e fizeram campanhas publicitárias desta temática, mas não foram evitadas pelos consumidores por conta disso.[21] [22] Um tumblr chamado "Aproveita e Boicota Também" foi criado para reunir todas as marcas que apoiam o movimento gay e que deveriam ser evitadas por homofóbicos.[23]

Referências

  1. a b c Fundador de O Boticário entrará em lista de bilionários da Forbes
  2. "Uma bela história", grupoboticario.com.br
  3. a b c d O Boticário assume liderança no mercado brasileiro de perfumaria
  4. Exame - Os 20 maiores grupos de varejo do Brasil, segundo o Ibevar
  5. Economia UOL - As 100 varejistas brasileiras que mais faturaram
  6. Boticário chega a 3 mil lojas, Gazeta do Povo de 15 de dezembro de 2010.
  7. O Boticário cria holding e vai buscar aquisições
  8. Presidente do bilionário Grupo Boticário conta por que diz não aos fundos de investimento
  9. O Boticário: Nossa História. Visitado em 5 de junho de 2015.
  10. O Boticário anuncia fábrica na Bahia
  11. O Boticario e a empresa certa no pais certo Exame. Visitado em 25 de março de 2014.
  12. Quem disse que seria facil Isto é Dinheiro. Visitado em 25 de março de 2014.
  13. Boticário mostra casais gays em comercial de Dia dos Namorados G1 (25 de maio de 2015). Visitado em 03 de junho de 2015.
  14. Folha de S. PauloAnúncios com amor gay geram guerra de curtidas e descurtidas (3 de junho de 2015). Visitado em 5 de junho de 2015.
  15. Propaganda de O Boticário com gays gera polêmica e chega ao Conar G1 (02 de junho de 2015). Visitado em 03 de junho de 2015.
  16. Fernando Scheller e Marília Neustein (03 de junho de 2015). Comercial de O Boticário cria guerra de opiniões Exame. Visitado em 03 de junho de 2015.
  17. Malafaia pede boicote a "O Boticário" após anúncio com gays Terra Networks (02 de junho de 2015). Visitado em 02 de junho de 2015.
  18. Carolina Prado (03 de junho de 2015). Conar abre processo sobre comercial de O Boticário com casais gays após 30 reclamações Folha de S. Paulo. Visitado em 03 de junho de 2015.
  19. G1Conar 'absolve' Boticário por propaganda com casais gays (16 de julho de 2015). Visitado em 17 de julho de 2015.
  20. Fernanda Grabauska (3 de junho de 2015). Zero HoraCampanha de O Boticário explora igualdade no amor e suscita debate religioso. Visitado em 5 de junho de 2015.
  21. James Cimino (1 de junho de 2015). UOL Economia: Opinião: Quer boicotar empresas que apoiam LGBTs? Feche a conta no Facebook. Visitado em 5 de junho de 2015.
  22. BBC BrasilEmpresas apostam em comerciais com gays para 'modernizar imagem' (12 de junho de 2015). Visitado em 14 de junho de 2015.
  23. TumblrAproveita e Boicota Também. Visitado em 14 de junho de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros